Timber by EMSIEN-3 LTD
  • doaçao
  • Dnews Whats
Redação Douranews

Redação Douranews

Um acordo de cooperação entre os estados participantes do Consórcio Brasil Central (Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins) e a Fundação Itaú vai promover a capacitação de profissionais da Educação com foco na melhor aprendizagem de alunos. Nesta quinta-feira (18), durante a realização do 4º encontro de 2016 do Fórum de Governadores Brasil Central, em Bonito, a parceria foi formalizada por meio da assinatura de um termo de cooperação.

A tutoria pedagógica é uma formação complementar destinada a diretores e profissionais de gestão da Educação, focada na melhoria de desempenho do trabalhador. O objetivo é que no dia a dia da escola o tutor possa reconhecer e valorizar as competências do tutorado (professor, coordenador e outros), desencadeando o processo de aprendizagem, agregando novos conhecimentos e melhorando os resultados de aprendizagem de alunos.

O projeto é piloto e está em processo de implementação nos estados (GO, DF, MT, MS, RO e TO). “É uma formação continuada em serviço, com acompanhamento de desenvolvimento de competências”, explicou a secretária de Educação de Mato Groso do Sul, Maria Cecília Amendola da Motta. Segundo ela, em MS profissionais da Educação já passaram pela formação do Itaú Social e aplicação terá início no ano letivo de 2017.

Studo +

Na Câmara da Educação do Consórcio Brasil Central também foi apresentada a proposta de cooperação técnica para a utilização da plataforma Studo +, startup com foco na melhoria da proficiência em Língua Portuguesa e Matemática, com a utilização de tablets com atividades para os estudantes e acompanhamento da aprendizagem, fazendo do professor um tutor e orientador e deixando o estudante mais independente e autônomo para trilhar o seu caminho educacional.

Esse projeto tem como objetivo melhorar a aprendizagem de alunos do 6º e 9º utilizando recursos tecnológicos. Inicialmente, o projeto piloto será implantado em Mato Grosso, Mato Gros do Sul e Rondônia, no início do ano letivo de 2017, podendo ser expandido para os outros estados integrantes do Consórcio. Segundo o representante do Studo +, Rangel Barbosa, a experiência será feita com três mil alunos, mil de cada estado. As escolas que receberão o projeto ainda serão escolhidas pelas secretarias de Educação.

Brasil Central – O Fórum de Governadores Brasil Central reúne chefes do Executivo dos estados do Centro-Oeste (MS, MT, GO e Distrito Federal), além de Tocantins e Rondônia. Está associado ao Consórcio Interestadual  de Desenvolvimento do Brasil, formado para compartilhar soluções e desenvolver ações conjuntas, reduzindo custos na solução de problemas e elevando a competitividade regional. Criado em setembro de 2015, o Consórcio segue a linha de associações horizontais formadas nos EUA e Europa e também tem entre seus objetivos o reforço da representatividade política e das articulações com o Governo Federal.

 

Comentário

Investigação que se arrasta por três meses aponta suspeita de que uma facção criminosa tenha cometido a dupla execução ocorrida no dia 11 de maio, no bairro Ignez Andreazza, em Ponta Porã. A nutricionista Kelly Peralta, de 30 anos, e seu esposo, auditor da Receita Federal, Rafael Alves Borges, de 29 anos, foram assassinados com mais de 50 tiros, dentro de um Hyundai I30.

A informação foi repassada na tarde de hoje pelo delegado responsável pelo caso, Patrick Linares, da 2ª Delegacia de Polícia Civil de Ponta Porã. A investigação apurou origem de quase R$ 13 mil em dinheiro encontrado no carro e a possível ligação desse crime com o assassinato do irmão de Kelly, Cristian Silgueiro Peralta, há um ano, em Cuiabá (MT).

Dinâmica, motivação e parte da autoria do crime já estão bem definidos, conforme o delegado. Há suspeita ainda de que a mesma organização tenha cometido outros crimes na fronteira. "Estamos investigando o envolvimento dessa organização criminosa em outras ações, assim como o envolvimento de outras pessoas", reforçou.

Ao Portal Correio do Estado a autoridade policial não quis passar mais detalhes do desfecho para não atrapalhar as investigações, que ainda não foram concluídas por falta de "elementos".

"Temos o suspeito, a autoria e os mandantes bem definidos, mas ainda não conseguimos elementos suficientes para fazer o pedido de prisão de todos os envolvidos", explicou Patrick.

Perícia realizada no celular de Kelly ajudou a polícia a esclarecer muitos fatos. "O celular dela indicou autores e envolvimento de algo que levou ao crime. São conversas, claras, via Whatsapp, armazenadas no aparelho dela".

Familiares da vítima foram ouvidos, mas os depoimentos pouco acrescentaram com as investigações. O pai de Rafael, que mora em Campo Grande, ainda será ouvido por carta precatória.

O CRIME

O casal foi morto dentro de um Hyundai, com placas de Campo Grande. Os suspeitos estavam em uma moto e fugiram logo após os disparos, segundo testemunhas.   

Kelly era formada em nutrição. Informalmente, o delegado soube, ainda, que ela administrava um hangar, no Paraguai, e que o pai dela seria mecânico de aviões.

Comentário

A Prefeitura Municipal de Itaporã, por meio da Gerencia Municipal de Ação Social, entregou na tarde desta quarta-feira (17), 150 camisetas para os novos alunos matriculados na instituição.

O Kit de uniforme para cada recruta é composto de duas camisetas de cor azul para o dia-a-dia e uma de cor branca, que será usada em baixo do fardamento que será distribuído quando da formatura da nova turma da Guarda Mirim de Itaporã.

Segundo o comandante da Corporação da Guarda Mirim de Itaporã, o uso no dia-a-dia desse uniforme tem como finalidade a identificação dos alunos e a previsão de formatura dessa turma será para o final de setembro.

Missão, Visão e Valores da Guarda Mirim de Itaporã

Missão: 

“Promover o direcionamento social, educacional e profissional do adolescente qualificando-o para o mercado de trabalho visando a transformação de sua realidade”

Visão: 

“Ser reconhecida como instituição que prepara o jovem e oferece educação profissional de qualidade”

Valores: 

Compromisso, Respeito, Disciplina, Sensibilidade, Organização, Cidadania, Credibilidade, Reconhecimento, Qualidade, Solidariedade, Honestidade, Transparência, Excelência e Comprometimento.

A presidente da Aced (Associação Comercial e Empresarial de Dourados), Elizabeth Salomão, foi convidada para ser jurada da Casa Cor MS. O maior evento de arquitetura, decoração e paisagismo das Américas, tem sua quarta edição realizada em Mato Grosso do Sul este ano.

“Dourados tem profissionais conceituados neste segmento e forma novos talentos a cada dia. Por isso, entendemos nossa participação enquanto representante da Aced como um reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelos empresários, arquitetos, decoradores e todas as empresas que estão relacionadas a este setor”, afirma Elizabeth.

O júri também será composto pela arquiteta e decoradora Brunete Fraccaroli, que possui 30 anos de experiência e mais de 100 projetos realizados em diferentes mostras de decoração e design no Brasil e exterior. Para o grande público, Brunete ficou conhecida ao participar do reality show, Mulheres Ricas (2012), exibido pela Band.

Ainda estará no júri, uma das maiores revelações da arquitetura e design de interiores, Guilherme Torres, vencedor do A’Design Awards 2015; o jornalista e arquiteto Pedro Ariel Santana, que esteve à frente da Revista Casa Cláudia por quase 20 anos, figura conhecida no maior epicentro do design mundial, a Feira do Móvel de Milão, e curador oficial da Design Weekend de São Paulo e no Grupo Casa Cor é diretor de relacionamento.

Entre o grande elenco de profissionais atuantes em Mato Grosso do Sul, além de Elizabeth, estão a pós-doutora em arte e fotografia e membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte, Maria Adélia Menegazzo; e o coordenador do curso de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Gutemberg dos Santos Weingartner.

Neste ano, 30 projetos assinados por 41 profissionais serão avaliados pelo júri. Na próxima terça-feira (23), será realizada pela Casa Cor MS a Avant-Première, um evento já tradicional no qual a casa é aberta somente para a imprensa e jurados que avaliam os projetos da quarta edição da mostra.

Os projetos desta edição disputam oito troféus Casa Cor. Haverá o prêmio “Escolha do Profissional”, o qual será escolhido pelo próprio elenco da casa em voto cruzado, além da premiação dos ambientes nas seguintes categorias: Melhor Projeto, Solução Criativa, Ambiente Funcional, Destaque Organização e Execução, Escolha da Imprensa e Capa da Revista.

A Casa Cor MS foi realizada pela primeira vez em 2009. Ao longo de suas edições, recebeu ao todo 60 mil pessoas, sendo palco de eventos corporativos, desfiles de moda, festival gastronômico, além de cenário para editoriais e fonte de reportagens para a imprensa.

Comentário

Os Indicadores ABRAINC-Fipe do primeiro semestre de 2016 revelam que as vendas de novos imóveis somaram 49.797 unidades e tiveram queda de 13,9% se comparados com o volume observado no mesmo período de 2015. Nos últimos 12 meses, as vendas alcançaram 104.158 unidades vendidas, volume 15% inferior ao total de vendas no período precedente. No mês de junho, dados das empresas indicam que foram vendidas 10.325 unidades, o que representa um recuo de 10,8% frente às vendas do mesmo mês do ano anterior.

Em relação aos lançamentos, os primeiros seis meses do ano mostraram volume 10,4% superior ao observado no mesmo período de 2015, com o total de 31.360 unidades lançadas. Considerando os últimos 12 meses, o total lançado foi de 67.013 unidades, o que representa queda de 1,5% face ao observado no período precedente. Já em junho de 2016, foram lançadas 10.224 unidades, indicando uma queda de 10,9% no volume lançado no mesmo mês de 2015.

As entregas de imóveis representaram o montante de 67.280 unidades no acumulado de 2016, volume 3,5% superior ao observado na mesma base de 2015. Nos últimos 12 meses, as entregas somaram 128.748 unidades, número 20,6% inferior ao total entregue no período precedente. Em junho deste ano, foram entregues 17.732 unidades, o correspondente a uma alta de 39,3% frente ao número de unidades entregues em junho de 2015.

O vice-presidente executivo da Abrainc, Renato Ventura, destaca que o setor imobiliário é bastante impactado pela confiança dos compradores e das empresas. “Esta confiança está começando a voltar, mas ainda é baixa”, afirma o executivo, reforçando que o setor é historicamente cíclico, e, portanto, há momentos de baixa na atividade e em seguida recuperação”.

O estudo revela ainda que, ao final de junho de 2016, as empresas disponibilizavam 117.565 unidades para compra. No mesmo período, foi vendido o equivalente a 8,3% da oferta do mês, percentual que representa uma queda de 1,4 ponto percentual em comparação a junho de 2015 (9,7%). Dessa forma, estima-se que a oferta final de junho seja suficiente para garantir o abastecimento do mercado durante 12,1 meses, se o ritmo de vendas do mês (10,3 mil unidades/mês) for mantido.

Segundo o diretor da Abrainc, Luiz Fernando Moura, o momento ainda é oportuno para quem deseja comprar imóvel. “A perspectiva é que com o encaminhamento das reformas que possibilitem a retomada do crescimento da economia, haja um aumento da confiança, provocando maior demanda por imóveis. A oferta para o atendimento a esta demanda, nem sempre acontece na mesma velocidade”, esclarece ele.

Distratos

O indicador de distratos revela que, no primeiro semestre de 2016, houve redução de 2,6% em relação ao mesmo período de 2015, atingindo 22.228 unidades distratadas. Quando comparados nos últimos 12 meses, os distratos tiveram alta de 3,2%, atingindo 47.018 de devolução de imóveis. Em junho de 2016, foram distratadas 3.828 unidades, o que representa um aumento de 0,4% frente ao número absoluto de distratos observados em junho de 2015.

Se considerados os distratos como proporção das vendas por safra de lançamento, as unidades vendidas no primeiro trimestre de 2014 apresentam a taxa de distratos mais elevada da série histórica (19,2%).

Ventura explica que os distratos ocorrem, principalmente, por dois motivos. Um dele é quando o comprador não consegue financiamento bancário que imagina conseguir quando a compra na planta foi realizada. E há também casos de investidores que não veem a valorização que imaginavam, e assim solicitam o distrato. “São casos distintos, que devem ser tratados diferentemente, em benefício do sistema e do conjunto de compradores”, diz o vice-presidente executivo da Abrainc.

Metodologia do estudo

Os Indicadores ABRAINC-Fipe são elaborados pela Fipe com informações de 20 das 34 associadas da ABRAINC que atuam em todo o país. Dessas 34 empresas, nove ingressaram à entidade em junho deste ano. Com isso, no decorrer dos próximos meses, o estudo deve ganhar a participação dessas associadas para a compilação dos dados.

O estudo, lançado em agosto de 2015, vem sendo construído pela Fipe desde janeiro de 2014, é o primeiro conjunto de indicadores do setor imobiliário obtidos nacionalmente.

Para a composição dos Indicadores são consideradas informações sobre lançamentos, vendas, entregas, oferta final e distratos do mercado primário de imóveis residenciais e comerciais. Divulgados mensalmente, os números são referentes ao mês de junho de 2016.

Os dados que compõem os Indicadores são fornecidos à Fipe mensalmente pelas empresas associadas à Abrainc. Após compilar os dados, é feita cuidadosa verificação para garantir a consistência das informações e, se for o caso, as empresas são contatadas para eventuais ajustes ou validação. Em seguida, com os dados validados, os Indicadores Abrainc-Fipe são calculados e, posteriormente, disponibilizados.

Comentário

Quinta, 18 Agosto 2016 14:11

Sempre tem um herói

Hoje, dia 18 de agosto, celebra-se o Dia Nacional do Campo Limpo, data criada para reforçar a cada ano a conscientização sobre a importância da destinação das embalagens vazias de defensivos agrícolas. Sucesso em nosso meio rural e referência de eficiência no exterior, o Sistema Campo Limpo de logística reversa mudou o paradigma de responsabilidade com as embalagens de agroquímicos, pós-consumo, na agricultura brasileira.

Atualmente essa iniciativa é uma reserva brasileira de conhecimento em recolhimento e descarte ambientalmente correto de embalagens, inclusive com potencial de contribuição para outros programas que surjam no Brasil, sob o guarda-chuva da Política Nacional de Resíduos Sólidos (de 2010), que impõe às cadeias produtivas da economia a responsabilidade de dar destinação adequada aos resíduos sólidos produzidos.

Desde 2002, quando começou a funcionar, o Sistema Campo Limpo já evitou o descarte indevido de mais de 360 mil toneladas de embalagens e, hoje, encaminha para reciclagem ou incineração 94% das embalagens devolvidas pelos agricultores. Enquanto isso, países como França, Canadá, Espanha e Alemanha estão com recolhimento na casa dos 70%-80%, Japão com 50% e os Estados Unidos bem mais atrás, na faixa de 35%.

Sob uma perspectiva histórica, é possível creditar o sucesso desse programa, em primeiro lugar, à legislação que instaurou a determinação de se devolver e recolher as embalagens dos defensivos agrícolas adquiridos pelos produtores rurais (Lei  9.974/2000). A subsequente conscientização dos produtores também foi decisiva, assim como a liderança da indústria em todo o processo e o suporte essencial dos canais de comercialização de insumos, no campo.

O Sistema Campo Limpo reúne cerca de uma centena de empresas fabricantes de defensivos, cinco mil distribuidores e cooperativas em todo o Brasil, 12 recicladores e três incineradores. Estrutura que é alimentada por uma malha de mais de 400 unidades de recebimento de embalagens, distribuídas em 25 Estados e no Distrito Federal. Esta rede retira do campo embalagens usadas em aproximadamente 55 milhões de hectares cultivados.

A gestão operacional desse complexo aparato de logística reversa está a cargo do InpEV – Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias, representante das indústrias de  agroquímicos.  Uma operação cuja força está no fato de integrar efetivamente os elos da cadeia comercial de defensivos agrícolas, da fábrica ao produtor rural – e também o poder público, que fiscaliza o sistema de destinação, emite licenças para as unidades de recebimento e apoia os esforços de conscientização do agricultor.

Costuma-se dizer que em cadeias produtivas não existem heróis. No caso do Sistema Campo Limpo isso é concreto, pois os segmentos da cadeia de produção agrícola, no antes e no dentro da porteira, mergulharam no desafio de fazer a logística reversa dos defensivos em um país continental e dar um passo à frente para a sustentabilidade no campo. E deu certo, muito certo. Mas nesta história, na verdade, tem sim um herói: o agronegócio.

Comentário

O musical Ópera do Malandro (1986) será exibido neste sábado (20), às 17h, pelo projeto de extensão Cineclube UFGD, no cineauditório da Unidade 1 (Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso). Todos os interessados podem participar.

O filme foi dirigido por Ruy Guerra e é uma adaptação da peça musical homônima de Chico Buarque. A trama tem como pano de fundo a legalidade do jogo, a prostituição e o contrabando e foi inspirada no clássico de John Gay e no musical A Ópera dos Três Vinténs, de Bertolt Brecht e Kurt Weill.

Edson Celulari, Cláudia Ohana, Elba Ramalho e Ney Latorraca fazem parte do elenco e todas as músicas são da autoria de Chico Buarque.

SINOPSE

Anos 40, Rio de Janeiro. Max (Edson Celulari) é um malandro elegante, que é também uma popular figura do boêmio bairro da Lapa. Ele explora uma cantora de cabaré e vive de pequenos trambiques. Até que surge Ludmila (Cláudia Ohana), a filha do dono do cabaré, que pretende tirar proveito da 2ª Guerra Mundial fazendo contrabando.

INSCRIÇÕES

Para quem deseja participar do Cineclube UFGD e receber certificado de atividade de extensão, o projeto informa que as inscrições são permanentes e feitas através da lista de presença de cada sessão. O certificado de extensão é emitido quando o participante alcança 40 horas e a carga horária pode ser cumprida nas duas sessões do Cineclube UFGD, aos sábados, às 17h, na Unidade 1 e às quintas-feiras, às 15h, na Unidade 2, pelo Grupo de Estudos InterArtes.

Comentário

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da força-tarefa Avá Guarani, obteve a prisão preventiva de proprietários rurais envolvidos na retirada violenta de indígenas da Fazendo Yvu, em Caarapó (MS). O ataque aconteceu em junho deste ano e resultou na morte de um índio e na lesão de outros nove por arma de fogo.

Os mandados foram cumpridos na manhã hoje (18) por agentes da Polícia Federal (PF) em Dourados, Campo Grande, Caarapó e Laguna Caarapã, que também realizaram buscas e apreensões. De acordo com as investigações, os fazendeiros teriam envolvimento direto com o ataque e podem incorrer nos crimes de formação de milícia privada, homicídio, lesão corporal, constrangimento ilegal e dano qualificado.

Segundo o MPF, a decretação das prisões preventivas visa à garantia da ordem pública e objetiva evitar novos casos de violência às comunidades indígenas da região – que já sofreram novo ataque, em 11 de julho, o qual deixou outros três índios feridos, dois deles, adolescentes.

Demora injustificada

As investigações da força-tarefa Avá Guarani iniciaram logo após a morte de Clodioude Aquileu Rodrigues de Souza, alvejado por dois disparos de arma de fogo, um no abdômen e outro no peito. Em 05 de julho, a Justiça Federal de Dourados deferiu requerimento do MPF e expediu os mandados de prisão, que, por mais de 40 dias, aguardaram o cumprimento pela Polícia Federal.

Para os integrantes da força-tarefa Avá Guarani, a demora na execução da determinação judicial é reflexo da falta de priorização da questão indígena pelo Executivo em todo o país. “Apesar da morte de um índio e da lesão de outros nove, foi necessário aguardar 44 dias para que os responsáveis pela violência fossem presos. Se não houvesse essa demora injustificada, ao menos seria possível evitar o segundo ataque à comunidade, que feriu três indígenas”.

Relembre o caso
No dia 12 de junho, índios da comunidade Tey Kuê, da etnia Guarani-Kaiowá, ocuparam a Fazenda Yvu, em Caarapó (MS)- ) – que incide sobre a Terra Indígena Dourados Amambaipeguá. No dia seguinte, agentes da Polícia Federal foram notificados da ocupação por fazendeiros que os levaram até o local. Os policiais não encontraram reféns e foram informados pelos indígenas de que o proprietário poderia, em 24h, retirar o gado e seus pertences do local. Sem mandado de reintegração de posse, os PFs retornaram a Dourados.

Frustrados da expectativa de que os policiais retirariam os índios do local, os proprietários rurais que foram presos hoje e mais 200 ou 300 pessoas ainda não identificadas, munidas de armas de fogo e rojões, se organizaram para expulsar os índios à força do local em 14 de junho. De acordo com testemunhas, foram mais de 40 caminhonetes que cercaram os índios, com auxílio de uma pá carregadeira, e começaram a disparar em direção à comunidade.

De um grupo de 40 a 50 índios, oito ficaram feridos e um veio a óbito. Dos indígenas lesionados, um deles continua internado.

Comentário

Em seu primeiro arremesso de peso na Rio 2016, o catarinense Darlan Romani, de 25 anos, superou sua melhor marca e quebrou o recorde brasileiro, lançando a bola de 7,26 kg a 20,94 metros.

Com a marca, Romani conseguiu passagem direta para a final nesta quinta-feira (18/8)l, pois seu desempenho ficou acima do índice de 20,65 metros, que garante classificação automática.

Romani encontra-se na terceira colocação geral antes da final, mas a fase classificatória continua ao longo do dia e a situação pode mudar.

A final do arremesso de peso masculino está marcada para as 20h30 desta quinta-feira. A modalidade está nos jogos desde a primeira Olimpíada, em Atenas (1896). Romani é o único brasileiro na competição.

Comentário

Tenente-coronel da Polícia Militar (PM), Itamara Romero Nogueira, chorou durante a reprodução simulada que durou 2h10. Os momentos de maior emoção foram aqueles em que ela relembrou a briga que teve com o marido, major da PM, Valdeni Lopes Nogueira, pouco antes de matá-lo com dois tiros.

Com base na versão apresentada por Itamara durante a reprodução, delegado Cláudio Graziani Zotto confirmou que o casal se desentendeu na sala de jantar em razão da viagem de férias que faria ao Nordeste.

O desentendimento teria evoluído e, já na antessala, a tenente-coronel foi derrubada, ofendida e agredida com socos e chutes na cabeça. Quando o marido parou com as agressões, ela disse que ouviu ele falando que iria até a caminhonete buscar a arma para matá-la.

Itamara foi mais rápida e alcançou sua arma que estava na estante, desferindo dois tiros contra Valdeni. Ele foi atingido na região do dorso esquerdo quando tentava abrir a porta da caminhonete com a mão direita. No veículo estava a arma do major, bem como dinheiro que ele havia sacado para viajar.

Autoridade policial acredita que a tenente-coronel tenha agido em legítima defesa. Ele explicou que, apesar de Itamara ter efetuado dois tiros, o que caracteriza a legítima defesa é o contexto, que resultou na morte.

Ao final da simulação, que faz parte da investigação para apurar a veracidade da versão da mulher, que alega legítima defesa, Cláudio Zotto explicou que foram reproduzidos cinco atos, sendo o pedido de socorro no Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), a chegada da PM ao local, a chegada do Corpo de Bombeiros, a chegada do oficial da PM e as circunstâncias da morte do major Valdeni.

Delegado, que deve ouvir Itamara novamente, disse que o prazo é de 30 dias para recebimento do laudo de criminalística da perícia, no entanto, espera concluir o inquérito em 20 dias se o laudo for entregue antes.

Comentário

Página 979 de 1085
  • Unimed 38

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus