Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Antes de Cem Anos de Solidão, a América Latina já apresentava algumas semelhanças com o lugar imaginário que seria descrito no primeiro parágrafo do romance: "o mundo era tão recente que muitas coisas careciam de nome e para mencioná-las se precisava apontar com o dedo".

O continente, obviamente, não era um lugar novo quando Gabriel García Márquez escreveu sua obra-prima: os escritores conhecidos como "cronistas das Índias" tinham como missão descrever a terra durante os séculos 15 e 16 e nomeavam coisas desconhecidas a eles conforme as viam.

Muitas décadas depois, García Márquez embarcou em uma segunda Descoberta da América. A partir de seu pequeno estúdio na Cidade do México, escrevendo pacientemente em sua máquina de escrever, ele reimaginou a gênesis do continente e, ao fazer isso, mudou seu futuro.
Durante a segunda metade do século 20, a América Latina passou por um período conturbado. Alguns países - como Chile, Colômbia e México - estavam lidando com instabilidades, ditaduras e violência política. Isso levou a mudanças abruptas e confusas em sua maioria, incluindo a Revolução Cubana, liderada por Fidel Castro e Ernesto Che Guevara.

Quando García Márquez estava nos primeiros estágios da imensa saga, ele ficou fascinado com a mudança que ocorreu em Cuba. O que mais o impressionou foi a verdadeira possibilidade de uma nova ordem para países nesse hemisfério, longe da pressão e das imposições dos Estados Unidos. Muitos intelectuais - Mario Vargas Llosa, Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Simone de Beauvoir, entre outros - compartilhavam o entusiasmo de García Márquez. Porém, nos anos seguintes, a maioria deles ficou desapontada e se distanciou do modelo cubano. Mas é inegável que a revolução teve um grande impacto no tom de Cem Anos de Solidão: ela deu a García Márquez esperança no destino da América Latina.

Comentário

O Ministério da Educação realiza neste domingo (4) o primeiro dia de provas do Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio 2018. As provas acontecem em todos os estados e no Distrito Federal. A segunda etapa do Exame será no próximo domingo (11), informa o MEC.

Nos locais de provas, os portões fecham às 13 horas, sempre obedecendo o horário de Brasília, com uma particularidade: neste domingo começa a valer o horário de verão.

Confira aqui o local das provas e o horário em cada região

O gabarito oficial das 90 questões de linguagens e ciências humanas, do primeiro dia de provas e as resoluções das provas de ciências da natureza e matemática do dia 11, só será divulgado pelo Ministério da Educação em 14 de novembro, após a segunda prova.

Comentário

Felipão até valorizou o tempo que terá para recuperar alguns atletas do Palmeiras para a sequência final da temporada. Mas, na liderança do Campeonato Brasileiro, o elenco alviverde ainda terá de enfrentar mais uma última maratona na luta por um título em 2018, a começar por este sábado (3), às 19 horas (18 de MS) quando abre contra o Santos uma série de "sete" finais do Brasileirão em 29 dias.

De acordo com o Globoesporte.com, a jornada se resume a uma média aproximada de uma partida a cada quatro dias. E todas decisivas para os alviverdes – serão apenas duas semanas livres, entre as rodadas 32 e 33, e 37 e 38.

Com 63 pontos, o Verdão começa a 32ª rodada na liderança do torneio, com quatro pontos de vantagem para o vice-líder Flamengo e cinco pontos de diferença para o Internacional, terceiro colocado. Ainda no sábado, o time de Felipão pode ampliar a folga na tabela porque cariocas e gaúchos entram em campo somente no domingo.

No Morumbi, na capital paulista, às 17 horas locais, o Flamengo enfrenta o São Paulo, quarto colocado com 56 pontos. No mesmo dia, mas às 19, o Internacional recebe o Atlético-PR, oitavo colocado, no Beira-Rio, em Porto Alegre.

Sem perder há 16 rodadas no Campeonato Brasileiro, o Palmeiras tem 81% de chances de ser campeão, de acordo com o site Infobola. O Verdão tem uma rodada de vantagem em relação aos outros concorrentes ao título nacional.

Nesta sequência, o Palmeiras somou 14 pontos nos últimos sete jogos do primeiro turno – quatro vitórias, dois empates e uma derrota. Se o aproveitamento for repetido agora, o time de Felipão chegaria a 77 pontos, pontuação de campeão segundo as contas do matemático Tristão Garcia.

Desde que o Brasileirão passou a ser disputado por 38 clubes e em formato de pontos corridos (em 2006), os vice-campeões que mais somaram pontos foram o Grêmio, em 2008, e o Atlético-MG, em 2012, quando fizeram 72 pontos.

Comentário

Os colaboradores da área de Atenção à Saúde do HU (Hospital Universitário) da Universidade Federal da Grande Dourados passaram as últimas três semanas imersos em capacitações e discussões acerca da implantação do segundo módulo do Modelo de Gestão da Atenção Hospitalar (o MGAH) proposto pela DAS (a Diretoria de Atenção à Saúde), órgão da Ebserh (a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) que orienta a atuação das equipes assistenciais dos 40 hospitais filiados à empresa.

Iniciando a programação, o grupo recebeu um dia todo de treinamento em “Gestão por Processos”, abordagem disciplinar que visa identificar, desenhar, executar, documentar, monitorar, controlar e aprimorar os processos de trabalho da instituição.
Nos dias seguintes, representantes do HU e da sede da Ebserh falaram sobre as atividades já realizadas no hospital e a médica Dulce Maria Toledo Zanardi, consultora da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) discorreu sobre o projeto da Linha de Cuidado, o foco central dos trabalhos, que resultaram no alinhamento conceitual sobre os protocolos assistenciais e documentos associados à ferramenta e definiram que o HU da UFGD tem como prioridade a Linha de Cuidado Materno Perinatal.

Com a escolha dos integrantes da equipe responsável pela condução da Linha, foi dado início ao planejamento de sua estruturação, atividade orientada pela consultora de processos Laíra Brito Oliveira, da empresa Elogroup, contratada pela Ebserh para acompanhar as filiais nesta etapa. Ela ilustra que uma das ações realizadas em prol do entendimento dos processos da Linha de Cuidado é o grupo percorrer a jornada do paciente, por exemplo.

“Colocamos como paciente da Linha de Cuidado Materno Perinatal uma gestante de alto risco hipertensa e fizemos todo o seu trajeto dentro do hospital, desde sua chegada na recepção até sua alta. Dessa forma foi possível identificar todos os atores envolvidos na atenção hospitalar da paciente e definir as melhores estratégias para que todas as partes do processo caminhem juntas”, esclarece a consultora.

Linha de Cuidado Materno Perinatal

Para o gerente de Atenção à Saúde do HU, José Flávio Sette de Souza, a definição pela Linha de Cuidado Materno Perinatal vem em consonância ao investimento em qualificação da assistência à saúde prestada pelo hospital, que abriga a única maternidade pública do Conesul do Estado, habilitada para atendimento à gestação de alto risco.

“Ressalto que essa linha de atendimento é responsável por quase 40% da ocupação de todo o HU e envolve assistência à saúde da gestante e do binômio mãe-filho, que passam por diversas unidades assistenciais, como o Pronto Atendimento de Ginecologia e Obstetrícia (PAGO), Alojamento Conjunto, Centro Obstétrico, Enfermaria, UTI Adulto, UTI Neonatal e Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal. A Linha de Cuidado permite, portanto, mapear todo o percurso dos usuários e os processos envolvidos nessa assistência, identificando lacunas que podem ser adequadas em busca da excelência do atendimento. Também vai mapear os processos de atenção antes da admissão e de monitoramento pós-alta, visando aprimorar a assistência integral à saúde pela rede SUS”, enfatiza o gestor.

MGAH

Em 2017, o HU foi uma das seis unidades da Rede Ebserh selecionadas para receber, em primeira mão, o Módulo 1 do MGAH. Na ocasião, a instituição já vinha trabalhando com diretrizes assistenciais consonantes ao novo modelo a ser adotado, fator decisivo para que fosse escolhido como um dos hospitais-piloto. Naquele momento, os gestores receberam treinamentos sobre as ferramentas e os dispositivos de gerenciamento apresentados pelo novo modelo, de forma a incentivar a atuação multiprofissional, com vistas à prestação de serviços de qualidade ao usuário.

Comentário

O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) oficializou, na quinta-feira (1), a reabertura do mercado russo para carne suína e bovina brasileira. A Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS) vê com otimismo o retorno de um importante comprador dos produtos sul-mato-grossenses.

De acordo com a Famasul as relações comerciais com a Rússia, interrompidas desde dezembro de 2017, serão retomadas em nove unidades industriais reabilitadas para exportação, localizadas nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Goiás, Paraná e Minas Gerais.

“Neste momento, mesmo sem unidades reabilitadas a exportar para os russos em Mato Grosso do Sul, a notícia movimenta o setor pecuário do estado. Em 2017, por exemplo, exportamos 13,6 mil toneladas de carne bovina para a Rússia, faturando US$ 44 milhões, o que corresponde a 9,9% do resultado total no período”, ressalta o presidente Mauricio Saito, da Federação de Agricultura do Estado.

Saito destaca ainda que “quando do embargo comercial às exportações, o mercado se reposicionou, redirecionando os produtos para outros players importadores, minimizando a dependência da Rússia. Ainda assim a reabertura deste mercado representa uma janela de oportunidades e reforça a qualidade da nossa carne”.

Em 2017, o Brasil exportou para a Rússia 151,6 mil toneladas de carne bovina com faturamento de US$ 487 milhões, o que representou 10,3% do volume total e 8% da receita brasileira com as vendas para o mercado externo. Em relação à carne suína, o Brasil vendeu 259 mil toneladas e faturou US$ 693 milhões, sem a participação de Mato Grosso do Sul que não exporta essa carne aos russos.

Comentário

Com pautas semelhantes às do presidente eleito Jair Bolsonaro para o combate à violência, que contemplam, por exemplo, o princípio de “excludente de ilicitude” para as ações de policiais em confronto, o governador eleito do Rio, Wilson Witzel, planeja viajar para Israel, no ano que vem, para buscar tecnologias para uso na área de segurança.

Ele deve ir acompanhado do deputado estadual, que se elegeu para o Senado, Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente eleito, de acordo com informação da coluna de Berenice Seara, do folhetim Extra. Os dois se encontraram e discutiram, entre outros recursos técnicos, o uso de drones que levam armas acopladas.

Esta semana, Witzel já havia defendido o abate de criminosos com fuzis, que foi criticado por especialistas e pelo atual ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. O futuro ministro da Defesa, general Augusto Heleno, no entanto, apoiou a ideia, adotada, segundo ele, no Haiti, conforme repercutiu o jornal OGlobo.

Comentário

Começou nesta quinta-feira (1) a 2ª etapa de vacinação contra a febre aftosa em Mato Grosso do Sul. A campanha é organizada pelo Governo, através da Semagro (a Secretaria estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e da Iagro (Agência estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal).

A meta é vacinar cerca de oito milhões de bovinos e bubalinos com até 24 meses de idade nas regiões do Planalto e de Fronteira e na do Pantanal, de mamando a caducando, para os produtores que optaram pela vacinação somente em novembro.

As vacinas devem ser adquiridas e aplicadas entre os dias 1 e 30 de novembro nas regiões de Fronteira e do Planalto e o registro deve ser realizado até 15 de dezembro. Já na região do Pantanal as vacinas devem ser aplicadas até 15 de dezembro e o registro até o dia 30 de dezembro.

O diretor-presidente da Iagro, Luciano Chiochetta, observa que nas três regiões os animais destinados ao abate poderão transitar sem a vacinação da etapa vigente até o registro da CT-13 da propriedade, após este prazo todos deverão estar vacinados. A Iagro dispõe do Disk Aftosa (0800 67 9120) para orientar os produtores.

Erradicação e prevenção

Mato Grosso do Sul, que tem se mantido entre os três estados com melhor percentual de cobertura vacinal do País, e é destaque no Brasil pela excelência do serviço oficial de defesa agropecuária, vem trabalhando com afinco na agenda do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (o Pnefa) que prevê a retirada definitiva da vacinação até 2023.

O programa está alinhado com o Código Sanitário para os Animais Terrestres, da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), e as diretrizes do Programa Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (o Phefa), em prol também da erradicação da doença na América do Sul.

Para execução do Pnefa, os Estados foram divididos em cinco blocos pecuários para que seja feita a transição de área livre da aftosa com vacinação para sem vacinação. Mato Grosso do Sul integra o Bloco V, juntamente com os estados de Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Comentário

A prefeita Délia Razuk assegurou, no último dia para a apresentação de emendas ao OGU (Orçamento Geral da União) para 2019, junto ao relator-geral da peça orçamentária, o senador sul-mato-grossense Waldemir Moka (MDB), em Brasília, recursos necessários para manter o ritmo de obras em duas das maiores prioridades para o Município: o Aeroporto e o Hospital Regional em Dourados.

Délia esteve em Brasília, no gabinete do senador, quarta-feira (31), acompanhada do secretário municipal de Saúde, Renato Vidigal, do engenheiro Jorge Hamilton Torraca, da Secretaria municipal de Obras e dos vereadores Junior Rodrigues (PR), líder da prefeita na Câmara, Pedro Pepa (DEM) e Cirilo Ramão (MDB), respectivamente, primeiro e segundo secretário da Mesa diretora do Legislativo douradense.

No encontro, a delegação douradense foi informada por Moka que a bancada federal de Mato Grosso do Sul decidiu priorizar a distribuição de recursos por meio de seis emendas impositivas, no valor de R$ 28 milhões cada, de forma a assegurar que o Governo federal invista R$ 168 milhões no Estado em 2019.

Além de assegurar um aporte da ordem de R$ 32 milhões para viabilizar a implantação do terminal de passageiros e instalação da brigada de incêndio como parte do projeto de remodelação do Aeroporto ‘Francisco de Mattos Pereira’, o Hospital Regional de Dourados também foi incluído entre as prioridades, como parte das ações voltadas para equipamentos de hospitais e postos de saúde, e deverá ser contemplado com R$ 28 milhões.

A prefeita Délia Razuk também pediu que o senador garantisse a inclusão, na execução orçamentária, de R$ 3 milhões para as obras de pavimentação e drenagem no bairro Campina Verde, como parte da rubrica ‘obras de infraestrutura urbana’ do Orçamento Geral.

“O senador Moka foi muito receptivo e atencioso, se mostrou um aliado de Dourados, na defesa dos nossos pleitos junto à bancada do Estado e prometeu que vai continuar trabalhando pela nossa região, até o último dia de mandato”, comentou a prefeita Délia no retorno da viagem. Ela disse ainda que trouxe o agradecimento, externado pessoalmente por Moka, do apoio que sempre recebeu dessa região em todas as eleições das quais participou.

Comentário

O governador Reinaldo Azambuja declarou situação de emergência em partes das áreas urbanas e rurais dos municípios de Amambai, Coronel Sapucaia, Iguatemi e Tacuru – todos na região Sul de Mato Grosso do Sul, por conta dos estragos causados pelas chuvas. O decreto foi publicado nesta quinta-feira (1) na página 1 do Diário Oficial do Estado.

De acordo com a Coordenadoria de Defesa Civil estadual, estradas vicinais e cabeceiras de pontes ficaram comprometidas prejudicando o escoamento da produção agropecuária e o transporte escolar de alunos da zona rural. Ninguém ficou desabrigado. Ainda conforme a Defesa Civil, a região possui solo arenoso, o que dificulta os trabalhos, mas uma equipe da Agesul (Agência estadual de Gestão de Empreendimentos) já foi deslocada para o local.

Prevenção

Para evitar tragédias, a Defesa Civil Eetadual disponibiliza, gratuitamente, um mecanismo de alerta para situações de emergência. Se houver previsão de tempestades – ventos fortes, raios e grandes precipitações – uma mensagem, encaminhada via SMS, avisa as pessoas cadastradas para que possam se proteger.

Para se cadastrar basta enviar uma mensagem de texto para o número 40199 e no corpo do texto escrever o CEP da localidade (apenas o número). O mesmo usuário pode cadastrar mais de um CEP pelo mesmo telefone, desde que as mensagens sejam encaminhadas uma por vez.

Comentário

Cinco mulheres foram detidas na madrugada desta quinta-feira (1), após denúncia recebida pela equipe da Guarda Municipal de Dourados que fazia rondas pela cidade, portando extenso material de propaganda em um carro prata. O grupo havia acabado de pichar o muro da Associação Médica em frente ao HU (Hospital Universitário) quando foi abordado.

Com as mulheres, os guardas apreenderam ainda vários tubos de spray, além de cartazes, panfletos e moldes com a imagem do presidente eleito Jair Bolsonaro em formato caricaturizado, com os quais as jovens já haviam realizado pichações e espalhado o vandalismo em pontos de ônibus, postes e praças públicas.

Ao avistarem a equipe da Guarda, depois de flagradas colando cartazes ofensivos à figura do novo presidente, por volta de 1h30 desta quinta, as jovens tentaram fugir, porém, ao serem abordadas, confessaram que estavam realizando as pichações e colando cartazes com frases de efeito contra o presidente eleito e também revelaram que existem mais grupos organizados para realizarem as mesmas ações em outros pontos da cidade, com o mesmo propósito.

No interior do veículo em que elas estavam, foram encontradas várias latas de tinta spray de cor preta, latas de cola e cartazes com críticas ao presidente eleito Jair Bolsonaro. Em alguns dos materiais apreendidos havia inscrições que se relacionavam com o tema ‘Esmagar o Fascismo’, o mesmo escolhido para a aula pública impedida de ser realizada pela Justiça Eleitoral na véspera das eleições, na unidade 2 da UFGD.

As autoras das ações de vandalismo ainda levaram os GMs a outros pontos pichados da cidade, como igrejas da área central, ponto de ônibus do Hospital Universitário e a calçada de uma empresa particular e depois foram conduzidas para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Rua Cuiabá, onde deverão responder pelos crimes cometidos.

Comentário

Página 10 de 1113
  • Unimed 38

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus