Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Boletim fechado às 15h30 deste sábado (28), sob responsabilidade da Diretoria Geral de Vigilância e Saúde, da Secretaria estadual de Saúde, confirma que além do caso do jovem de 21 anos, Dourados já tem um segundo caso do novo coronavírus: uma mulher de 52 anos.

Conforme o relatório estadual, já são 31 os casos confirmados. O rapaz de 21 anos teria contraído a doença a partir de contato com um caso confirmado na capital do Estado e a mulher, depois de viajar para São Paulo e o Nordeste do País. O jovem está em isolamento domiciliar e a mulher, internada.

Mato Grosso do Sul chegou a 449 casos notificados, com 47 suspeitas. 360 casos foram descartados e onze excluídos. Ainda não há nenhum óbito consumado. Campo Grande continua liderando o avanço da doença, com 25 confirmações e em Dourados há ainda uma outra mulher, de 64 anos, residente em Batayporã, que teria contraído o vírus a partir de contato com familiares em viagem a Belgica.

Comentário

As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental em meio a essa crise. É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando a rotina vai voltar ao normal.

E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (o famoso TOC), situação que se acentua em tempos de pandemia. Trabalhar a mente, evitar as neuras, confira dicas com base em orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de especialistas:

Espalhe histórias positivas

A OMS recomenda que as pessoas compartilhem histórias positivas sobre esse tema, como de pessoas que se recuperaram da covid-19 e compartilharam essa experiência.

Não dá para negar que estamos vivendo uma crise sem precedentes na história recente, mas é preciso também ver o que há de positivo em meio a essa situação.

Em artigo, o professor de microbiologia na Universidade de Navarra, Ignacio López-Goñi, listou 10 boas notícias sobre o coronavírus, e duas delas, inclusive, relatam que mais de 80% dos infectados têm sintomas leves, e o vírus é facilmente inativado lavando a mão e limpando superfícies.

 

Comentário

As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental em meio a essa crise. É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando a rotina vai voltar ao normal.

E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (o famoso TOC), situação que se acentua em tempos de pandemia. Trabalhar a mente, evitar as neuras, confira dicas com base em orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de especialistas:

Reconheça o trabalho dos profissionais de saúde

Já vimos nas redes sociais que em lugares da Espanha e de Portugal as pessoas se organizaram para ir às janelas e varandas em um horário específico para aplaudir e agradecer as equipes médicas que estão atendendo pessoas que estão se recuperando da covid-19.

É essencial reconhecer os esforços dos profissionais dessa área, que trabalham dia e noite pela saúde dos pacientes infectados e por soluções para essa crise.

Comentário

As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental em meio a essa crise. É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando a rotina vai voltar ao normal.

E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (o famoso TOC), situação que se acentua em tempos de pandemia. Trabalhar a mente, evitar as neuras, confira dicas com base em orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de especialistas:

Pare e se escute

Durante os períodos de estresse, pare e preste atenção nas suas próprias necessidades e sentimentos. É dica da OMS também.

Procure atividades que você goste e que te façam relaxar. Também faça exercícios regularmente (mesmo que adaptados a um novo contexto), mantenha uma rotina de sono e procure se alimentar de forma saudável. Tudo isso vai colaborar com o seu corpo e a sua mente.

E não se esqueça que agências de saúde pública e especialistas do mundo inteiro estão buscando soluções para enfrentar essa crise. Ou seja, não adianta se preocupar com o mundo e se esquecer de você.

Comentário

As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental em meio a essa crise. É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando a rotina vai voltar ao normal.

E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (o famoso TOC), situação que se acentua em tempos de pandemia. Trabalhar a mente, evitar as neuras, confira dicas com base em orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de especialistas:

Seja solidário

Procure ajudar especialmente a quem precisa de assistência extra, como os idosos. A OMS lembra que ajudar alguém é um benefício para quem recebe e para quem dá essa ajuda.

Uma atitude que a gente já viu no Brasil e no exterior foram pessoas mais jovens que ofereceram a vizinhos idosos a compra de produtos de mercado.

Comentário

As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental em meio a essa crise. É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando a rotina vai voltar ao normal.

E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (o famoso TOC), situação que se acentua em tempos de pandemia. Trabalhar a mente, evitar as neuras, confira dicas com base em orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de especialista:

Use as redes sociais como aliadas

No momento em que muitas pessoas estão isoladas ou em quarentena, as redes sociais se tornam uma forma ainda mais importante de interação com os amigos e a família. E a própria OMS recomenda permanecer conectado por e-mail, redes sociais, videoconferência e telefone.

Por outro lado, também é nas redes sociais que muita gente pode encontrar informação falsa e ficar obcecado atrás de teorias da conspiração. Então aqui também vale a dica de selecionar o que você consome nas redes sociais: se tem algo te fazendo mal, silencie, deixe de seguir, exclua.

Procure manter os canais de informação confiáveis e o contato com as pessoas que te fazem bem.

Comentário

As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental em meio a essa crise. É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando a rotina vai voltar ao normal.

E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (o famoso TOC), situação que se acentua em tempos de pandemia. Trabalhar a mente, evitar as neuras, confira dicas com base em orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e de especialistas:

Controle o acesso a informações

A quantidade e qualidade da informação que você acessa deve ser foco de atenção, segundo a OMS. É importante controlar a quantidade de tempo que você passa assistindo, lendo ou ouvindo notícias que te trazem angústia. Uma sugestão é separar horários específicos do seu dia para fazer isso.
Outro cuidado importante é com as fake news. Informe-se com base em veículos confiáveis de informação e em fontes oficiais, como o site do Ministério da Saúde e da própria OMS.

Tome cuidado com informações falsas que circulam nos grupos de WhatsApp. Você pode ficar preocupado sem motivo, passar a informação pra frente e preocupar mais alguém com base em algo que nem é verdade.

Para verificar se a notícia é falsa, siga este passo a passo: leia a notícia inteira, não apenas seu título; cheque a fonte e a autoria da notícia; digite o título da notícia recebida em buscador como o Google; destrinche os fatos da notícia e tente checá-los individualmente; se for uma imagem, faça uma busca reversa por ela no Google. Se for um áudio ou um vídeo, resuma o acontecimento e faça uma pesquisa no buscador.

E pergunte à pessoa que encaminhou a notícia de quem ela recebeu e se essa pessoa conseguiu verificar a informação. Não compartilhe se não tiver certeza de que a notícia é verdadeira.

Comentário

Sábado, 28 Março 2020 09:53

Dourados tem primeiro caso de coronavírus

O Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Secretaria municipal de Saúde confirmou, nesta manhã, o primeiro caso do novo coronavírus em Dourados. O primeiro laudo com resultado positivo para Covid-19 do Município foi encaminhado pelo Lacen (Laboratório Central – MS) no início da noite desta sexta-feira (27), de um jovem de 21 anos, morador em Dourados e contado como um dos casos positivos no Estado.

De acordo com o boletim distribuído pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica, o jovem está sendo tratado em regime de isolamento domiciliar desde o início dos sintomas. O caso foi captado através de coletas de Unidade Sentinela para Influenza e outros vírus respiratórios, onde são coletadas cinco amostras por semana, às quartas-feiras e enviados através da UPA para o Lacen.

Segundo o Município, há outros casos suspeitos em investigação e aguardando laudo laboratorial conforme dados do Boletim Coronavírus divulgado diariamente. “Recomendamos a partir de agora atenção especial às medidas de contenção do avanço dessa doença em nosso Município”, conclui o informativo oficial, assinado pelo gerente do Núcleo, Devanildo de Souza Santos. 

VEJA A ÍNTEGRA DA NOTA:

NOTA CORONA

Comentário

Diante da situação de pandemia com o novo Coronavírus em que todo cuidado é pouco, até mesmo com a praticidade dos serviços de ’Delivery’, o Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) alerta para cuidados dessa ação que é feita principalmente por motociclistas, e explica alguns cuidados orientados pelo Ministério da Saúde, para evitar a contaminação.

Evitar de retirar o capacete durante as entregas é um dos primeiros alertas, ele pode ser considerado como uma proteção extra. Após a entrega, limpe com álcool em gel as luvas, manetes, retrovisores, chaves, e se possível o próprio capacete. Além disso, higienize também a maquineta de cartão para a próxima entrega.

Retornando ao estabelecimento, o motociclista deve pedir que alguém entregue as próximas encomendas do lado de fora para ele. Assim, evitará contato com as pessoas que estão trabalhando no interior do local onde os produtos são confeccionados para atender aos pedidos de clientes.

Quem recebe encomenda também precisa de cuidados extras e a orientação, neste caso, é para que o cliente entre em casa e leve-a para uma mesa. Passe um pano com álcool em gel, álcool 70% ou água sanitária nas embalagens ou, se possível, higienize tudo com água e sabão.

Direção Viva

Essas orientações integram o programa ‘Direção Viva’, mais uma ferramenta do Detran-MS, que de forma clara e objetiva tem como intuito principal deixar o usuário informado, com dicas de segurança, de documentação e de educação para o trânsito. O programa é exibido pelas redes sociais do Departamento e na TV Assembleia, com o objetivo de desmistificar em forma de vídeo, alguns temas importantes, mas que muitos ainda têm dúvidas.

Comentário

Em resposta a questionamento de empresa do ramo de funerária acerca da condução dos velórios e sepultamentos, o Comitê de Gerenciamento de Crise do Coronavírus de Dourados emitiu nota com várias orientações.Em uma delas, sugere a cremação de cadáveres que tenham sido diagnosticados com o Covid-19, embora essa medida não seja obrigatória, como acrescenta o rol de indicações. 

A resposta do Comitê cita ainda que a duração dos velórios não deve exceder duas horas e deve limitar-se à presença de no máximo dez pessoas concomitantemente no recinto, como estabelecido no Artigo 5° do Decreto 2.480, publicado pela prefeitaDélia Razuk no dia 23. O velório cuja declaração de óbito conste como suspeição ou causa Covid-19 deve ser realizado com urna fechada e o sepultamento deve seguir as regras de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre cada pessoa presente ao momento de execução.

Em relação a demais condutas relacionadas aos cuidados após a morte, o Departamento de Vigilância em Saúde do Município de Dourados recomenda que siga-se as orientações estabelecidas na Nota Técnica da Anvisa de 21 de março de 2020 sobre “Medidas de Prevenção que devem ser adotadas na assistência a pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19”, as quais estão dispostas a seguir.
I) Quanto aos transportes dos corpos, orienta-se que:
● Quando para o transporte do cadáver, é utilizado veículo de transporte, este também deve ser submetido à limpeza e desinfecção, segundo os procedimentos de rotina;
● Todos os profissionais que atuam no transporte, guarda do corpo e colocação do corpo no caixão também devem adotar as medidas de precaução, que devem ser mantidas até o fechamento do caixão.
II) Em relação às orientações para empresas funerárias:
● É importante que os envolvidos no manuseio do corpo, equipe da funerária e os responsáveis pelo funeral sejam informados sobre o risco biológico classe de risco 3, para que medidas apropriadas possam ser tomadas para se proteger contra a infecção.
● O manuseio do corpo deve ser o menor possível.
● O corpo não deve ser embalsamado.
● Deve-se realizar a limpeza externa do caixão com álcool líquido a 70% antes de levá-lo ao velório.
● De preferência, cremar os cadáveres, embora não seja obrigatório fazê-lo.
● Após o uso, os sacos de cadáver vazios devem ser descartados como resíduos enquadrados na RDC 222/2018.
● O(s) funcionário(s) que irá (ão) transportar o corpo do saco de transporte para o caixão, deve(m) equipar-se com luvas, avental impermeável e máscara cirúrgica. Remover adequadamente o EPI após transportar o corpo e higienizar as mãos com água e sabonete líquido imediatamente após remover o EPI.
III) Em relação às recomendações relacionadas ao funeral:
● Atendendo à atual situação epidemiológica, os funerais deverão decorrer com o menor número possível de pessoas, preferencialmente apenas os familiares mais próximos, para diminuir a probabilidade de contágio e como medida para controlar os casos de Covid-19.
● Recomenda-se às pessoas que:
- Sigam as medidas de higiene das mãos e de etiqueta respiratória, em todas as circunstâncias;
- Devem ser evitados apertos de mão e outros tipos de contato físico entre os participantes do funeral;
- Recomenda-se que as pessoas dos grupos mais vulneráveis (crianças, idosos, grávidas e pessoas com imunossupressão ou com doença crônica), não participem nos funerais; bem como, pessoas sintomáticas respiratórias;
- Recomenda-se que o caixão seja mantido fechado durante o funeral, para evitar contato físico com o corpo;
- Devem ser disponibilizados água, sabonete líquido, papel toalha e álcool gel a 70% para higienização das mãos.

Por fim, considerando a dinamicidade do cenário da saúde em âmbito nacional e das orientações repassadas pelo Ministério da Saúde, os técnicos Emerson Correa e Daniel Abrahão, respectivamente, diretor do Departamento de Vigilância Sanitária e presidente do Comitê de Gerenciamento de Crise do Coronavírus, informam que tais orientações podem ser alteradas e, caso isso ocorra, "tornaremos públicas as novas orientações”. 

Comentário

Página 2 de 1601

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus