Timber by EMSIEN-3 LTD
Domingo, 22 Novembro 2020 18:45

Fama de bom moço de candidato leva eleitor de Angélica a desperdiçar 53% dos votos Destaque

Escrito por
Relatório final da votação do Tribunal Regional Eleitoral com registro de candidatura anulada Relatório final da votação do Tribunal Regional Eleitoral com registro de candidatura anulada Reprodução

O eleitor de Angélica, cidade localizada na região Conesul do Estado, foi induzido a erro pela fama de ‘bom moço’ do candidato João Donizeti Cassuci, que venceu as eleições realizadas domingo (15) passado com 53,02% dos votos válidos, mesmo estando inelegível até setembro de 2026, depois de ter sido condenado pela prática de crime contra o sistema financeiro nacional.

Cassuci recebeu 3.294 votos contra 2.919 (46,98%) dados ao candidato à reeleição, o atual prefeito Roberto Cavalcanti. Na última sexta-feira (20), mais uma vez, parecer do Ministério Público Eleitoral manifestou pelo improvimento do recurso especial, conforme decisão do Vice-Procurador-Geral Eleitoral Renato Brill de Góes ao relator do recurso interposto por ele junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) para legitimar-se candidato no Município, ministro Alexandre de Moraes, uma vez que, inelegível até 17 de setembro de 2026, Cassuci não poderia ter tido o registro deferido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul para participar do processo eleitoral.

“Mesmo com o registro indeferido – destacou o parecer do vice-procurador – Cassuci foi o candidato mais votado para o cargo de prefeito de Angélica nas eleições de 15 de novembro deste ano”, porém, a conclusão do julgamento de recurso especial interposto por ele para manter-se na disputa foi pelo improvimento, ou seja, o candidato vencedor não poderia ter concorrido no segundo domingo do mês, o que voltou a caracterizar má fé contra a boa índole do eleitor angeliquense.

Saiba mais sobre o caso

Em sessão de análise do pedido de registro de candidaturas, no dia 26 de outubro, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul confirmou a decisão do juiz Rodrigo Barbosa Sanches, da 27ª Zona Eleitoral de Ivinhema, que indeferiu o registro de candidatura de João Donizeti Cassuci (PDT) à prefeitura de Angélica, em primeira instância.

Na decisão, o magistrado considerou que Cassuci foi condenado pela Justiça Federal como incurso nas sanções do artigo 19 da Lei 7.492/86, que define os crimes contra o sistema financeiro nacional e foi enquadrado na Lei Complementar 135/2010, a Lei da Ficha Limpa, o que o tornou inelegível até 2026 no Município. A Cassuci ainda foi imposta pena de reclusão de 3 anos, um mês e 10 dias a ser cumprida, inicialmente, em regime aberto.

Com essa decisão, o único candidato habilitado na disputa para a Prefeitura da cidade seria o atual gestor, Roberto Cavalcanti, que concorreu à reeleição pelo DEM, tendo a professora Ana Barbosa, do PSDB, como candidata a vice-prefeita.

Como o recurso especial eleitoral interposto pelo candidato, ainda que vencedor, foi novamente recusado, desta vez na instância federal, é de se prever que o Tribunal de Mato Grosso do Sul vá determinar realização de nova eleição na cidade, no sentido, inclusive, de preservar a legitimidade do voto da boa e ordeira população que foi lesada ao depositar sua confiança nas urnas em um candidato que, juridicamente, estava fora da disputa.

DESTAQUE NACIONAL

  • Douranews Anúncio
  • unimed fevereiro

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis