Sábado, 06 Janeiro 2018 10:10

Não comigo, estou fora ! Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

No Estado do Rio Grande do Norte, onde os moradores de Mossoró nunca desejam Feliz Natal para ninguém, coincidentemente, em Natal, as Polícias civil e militar, assim como os Bombeiros estão em greve, permanecendo nos quartéis. A greve é a forma que encontraram para protestar contra o não recebimento dos salários de novembro, dezembro e o décimo-terceiro.

Policiais e Bombeiros são pessoas comuns, membros da sociedade que possuem famílias para sustentar. Eles têm despesas com alimentação, com moradia, contas de luz, de água e precisam ainda, comprar o material escolar para os filhos e, mais: para tratamento dentário, compra de calçados e de roupas para toda a família, além de outros encargos que devem ser satisfeitos, para que não sejam alcunhados como vigaristas -- o que seria um contra-senso -- porque eles têm a função de garantir a paz social e devem, em qualquer circunstância, ter conduta exemplar. Eles são o espelho no qual se reflete a sociedade!

Pois bem, sem as condições básicas para viver – não receberam os salários – ainda tem a greve condenada pela Justiça, que além do mais ainda prescreve que os policiais que não entrarem, imediatamente, no serviço serão presos(!?)

Por onde, neste País chamado Brasil, anda a EQÜIDADE, que deve, em qualquer circunstância, nortear a caneta do magistrado? Eqüidade, sabe-se: “Princípio de justiça fundamentado na igualdade de direitos. Caráter do que é feito com justiça e imparcialidade”.

Os policiais do estado “Potiguar” (Potiguar, do Tupi: o que come camarão), que nem dinheiro têm para o feijão, porque não receberam os salários, exibiram fardamento puído, coletes vencidos, armamento e viaturas sucatadas -- carências que somadas -- inviabilizam o trabalho na segurança pública.

Tudo o que mostraram não foi o bastante, para despertar no Magistrado, “o princípio de justiça fundamentado na igualdade de direitos”. Outrossim, o que pode ser facilmente comprovado, é quando se busca alguma notícia de que os juízes, desembargadores e ministros entraram em greve, por falta do pagamento dos seus proventos. Ou mesmo o governador Potiguar e seus secretários; os deputados, prefeitos e vereadores; assim como o pessoal do Tribunal de Contas. Enfim, a carência de recursos públicos nunca afeta essa classe que recebe, religiosamente, polpudos salários! A abstinência sempre é imposta à classe mais carente, que percebe salários aviltantes, com a desculpa de que não há recursos para o pagamento.

O princípio da EQUIDADE, no Brasil, em quaisquer dos estados da Federação, é observado tão-somente para os graúdos, que mandam e desmandam nos Cofres públicos. Para os pequenos, o conceito que orienta os “grandes” que vivem dentro dos Cofres, alheios às necessidades do funcionário de modesta categoria, é que se lasquem, sinônimo de explodir. Dizia minha avó no dialeto vêneto, diante de qualquer contratempo: “che se sbore!”, que eu entendia como: “que se arrebente!”

O governo Potiguar não propicia condições para que o funcionário sobreviva como cidadão, em condições normais porque, irresponsavelmente, não lhe paga o salário; e mais, não lhe fornece os meios para a execução da tarefa, como viaturas, armamento, coletes e outros itens indispensáveis para o trabalho, figurativamente é como exigir que um aleijado vença a maratona.

Os policiais e os bombeiros são, covardemente, atacados nos dois flancos: não recebem os salários; não dispõem de meios para executar o trabalho e, ESTRANHAMENTE, são condenados à prisão (?), por magistrados que desconhecem o que seja EQÜIDADE.

Devemos solidariedade a esses desvalidos funcionários da segurança pública em Natal, no Rio Grande do Norte, vitimados por aqueles que aos domingos, com as caras untadas com óleo de peroba, vão à missa ou ao culto evangélico, pedir - não se sabe o que - a Deus.

Junte-se ao que foi escrito, a figura do político ladrão e o eleitor desavisado, ignorante ou mal intencionado que dá seu voto em troca de alguma porcaria, condenando a sociedade a passar largo período por privações na saúde, na educação e na segurança. Sem o voto do eleitor irresponsável, nenhum político chega ao cofre do País, do Estado ou do Município.

O covarde mente, com descaramento, diante do problema que ele mesmo criou e para disfarçar sua covardia, apela para qualquer expediente, por mais escroto que seja!

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Lido 1219 vezes
José Vasconcellos

Mais recentes de José Vasconcellos

Mais nesta categoria: « Jânio da Silva Quadros, ou, apenas Jânio Quadros Corrupção endêmica e a resignação nacional »

1 Comentário