Quinta, 21 Dezembro 2017 13:26

Jânio da Silva Quadros, ou, apenas Jânio Quadros Destaque

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

No livro “Pescador de Sonhos”, ed. UFMS, 2006, que registra as memórias do saudoso governador Pedro Pedrossian (1928-2017), do qual recebi um exemplar em 11-05-06, com atenciosa e longa dedicação, nele, às págs. 246/7, podemos ler: “Quando estudante, ao tomar conhecimento de que Jânio nascera na minha cidade, Miranda, e lecionara no Mackenzie, despertou uma natural identificação; participei, então, de sua campanha e da sua eleição vitoriosa para a prefeitura de São Paulo.”(sic)

“Embora figure na história que ele é campo-grandense, Jânio Quadros nasceu em Miranda, em 1917. Minha mãe confirmou a versão, pois estudara com a mãe do candidato. Mais: verificou-se ainda que Jânio nascera na chácara Jambeiro, hoje integrada à minha propriedade, a fazenda Petrópolis” (sic)

“Gabriel, seu pai (...) passou a morar em Miranda, montando uma pequena farmácia e um jornal(...) A família se mudou para Campo Grande, depois para Curitiba e, por fim, para São Paulo. Jânio tinha, então sete anos de idade.” (sic)

“Quando se lançou candidato à presidência da República, em 1960, voltei a vê-lo. É que Jânio visitou Campo Grande, viajando de trem...” “Em determinado período tornamo-nos amigos e, mais de uma vez, o visitei em sua residência, em são Paulo (...) Recebi duas telas pintadas por ele, bonitas, que refletiam sua tristeza interior. Comunicava-se com auxiliares de governo, ou com amigos, com os seus famosos bilhetes.” (sic) Sua caligrafia, ilegível, assimilava-se aos hieróglifos dos egípcios!

“Jânio continuou nos prestigiando com sua honrosa amizade e se excedeu quando visitou minha mãe, recém-operada... No deslocamento da sala de operação até o apartamento, empurrou a maca, com muito afeto e carinho, pelos intermináveis corredores do hospital.”

Até aqui tivemos o testemunho do saudoso governador Pedro Pedrossian, que conheceu Jânio Quadros (1917-1992), partilhou com ele o berço de nascimento em Miranda e, durante longo tempo, manteve estreita amizade com o ex-presidente, tudo conforme lembrado no seu livro de memórias.

Eu ainda adolescente, morando na cidade de Promissão (SP), tinha pleno conhecimento do desempenho político-administrativo do então prefeito de São Paulo, pelo PSB, Jânio Quadros, através dos relatos do meu saudoso tio Américo — janista juramentado — que morava em S. Paulo. Ele nunca se cansou de elogiar o desempenho de Jânio, como prefeito da capital paulista.

Como prefeito de São Paulo, Jânio fez publicar uma lei, que impunha às pastelarias a obrigação de colocar uma azeitona em cada pastel. Aos donos de bar, a obrigação de manter um “Restroom”, “Water Closed”, ou, simplesmente, um “Banheiro”, para uso dos freqüentadores.

Percebendo que funcionários da Prefeitura utilizavam-se dos veículos do município para descerem para as praias de Santos, nos finais de semana, passou a cercá-los, pessoalmente; determinou, depois, para melhor identificá-los, que fossem todos pintados de amarelo.

Mostrou trabalho, competência e honestidade a toda prova. Como prefeito, deixou a cidade modernizada, limpa, dinheiro em caixa e livre de funcionários fantasmas. Elegeu-se, em seguida, governador do Estado de São Paulo. Ainda sem idade para votar, participei das manifestações nas ruas de Promissão (tenho a foto) pela segunda vitória acachapante do político Jânio Quadros.

Aprovou seu Plano Trienal de Governo e deu celeridade à sua meta administrativa. Seu Secretário de Fazenda, Carvalho Pinto, cognominado “O Mago das Finanças”, viabilizou os recursos necessários. O Plano Trienal englobou as obras projetadas e fez minguar as discussões. Aprovado no atacado, o Plano foi inteiramente executado pelo governador Jânio, que tinha pressa!

No curto período de quatro anos, construiu escolas, asfaltou rodovias, moralizou o serviço público. Saia pessoalmente à noite, para correr as Delegacias de Polícia, para saber se o delegado de plantão estava no serviço. Os funcionários públicos tinham pavor do governador, que “não dormia” em serviço e gostava de conferir tudo pessoalmente. Como governador, sua obra foi memorável. Seguiu-lhe os passos Carvalho Pinto, que o sucedeu como governador.

Nas eleições para a presidência da República de 1960, Jânio concorreu como candidato, com Marechal Teixeira Lott (1894-1984). Para essa eleição, fui requisitado pelo Cartório Eleitoral da comarca de Dracena, para trabalhar como Secretário na Seção Eleitoral no distrito de Iandara. Lembro-me ainda, do comentário do mesário: “—Esta nossa seção é de poucos eleitores e de pouca importância, mas daqui podem sair os votos que elegerão o presidente! Ali Jânio recebeu o meu primeiro voto e elegeu-se presidente da República Federativa do Brasil.

Na presidência da República, onde permaneceu poucos meses, Jânio revelou-se um enigma, até hoje não decifrado.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

Lido 1424 vezes
José Vasconcellos

Mais recentes de José Vasconcellos

Mais nesta categoria: « Não era briga de gatos… Não comigo, estou fora ! »

1 Comentário