Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Os vereadores que compõem a Mesa Diretora da Câmara de Dourados e também a Comissão Permanente de Saúde acompanharam na tarde de quarta-feira (11) a primeira prestação de contas parcial da intervenção da Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados). O presidente Alan Guedes (DEM), o vice Elias Ishy (PT), o primeiro secretário Sergio Nogueira (PSDB) e a segunda secretária Daniela Hall (PSD), juntamente com o vereador Braz Melo (PSC), participaram do diálogo na tentativa de encontrar alternativas para o setor no Município.

Segundo Ishy, que é presidente da Comissão, esse é um momento importante para acompanhar sistematicamente os problemas do setor e verificar quais as medidas serão tomadas a partir de então. “Estamos cientes da gravidade relacionada à saúde pública, por isso participando de diálogos diários. A situação continua preocupante, quanto à gestão e ao financiamento, e como vereador estou aqui para fiscalizar, prezando sempre pela transparência”, afirmou.

Essa apresentação é parte do acordo realizado em agosto, durante uma reunião na OAB/MS - 4ª Subseção Dourados, quando foi dada a recomendação do Ministério Público para a exposição do balanço financeiro a cada período. Além dos vereadores, participaram do ato representantes do MP, da Defensoria Pública, Secretaria municipal de Saúde, Comissão de Saúde da OAB, funcionários da Fundação e médicos.

Ishy lembrou que há necessidade de um acordo com os médicos, com pagamento de salários em dia, mas também defendeu os demais funcionários da Funsaud, pedindo melhores condições de trabalho para todos. De acordo com ele, para as ações saírem do papel não basta ter vontade, precisa de continuidade. Ele resgatou os detalhes do encontro de agosto e entendeu que a troca de coordenadores da intervenção acabou prejudicando a prestação de contas.

Além da credibilidade no pagamento de salários, foi cobrado o organograma do quadro de funcionários, quais licitações já estão em andamento, o encaminhamento de extratos de antes e depois da intervenção, relatório contábil e notas fiscais, o funcionamento do Portal Transparência. No HV (Hospital da Vida), ainda, o aumento do número de salas de cirurgias, a necessidade de sala de recuperação, prazo para reformas, entre outros assuntos, preocupam os vereadores.

O Município demonstrou a necessidade de repactuação dos serviços. A secretária municipal, Berenice Machado, informou também que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, virá a Dourados neste sábado (14) para encaminhar projetos na tentativa de resolver algumas dificuldades, como no Hospital da Vida. A próxima prestação de contas ficou para o dia 17 de outubro.

Para o presidente da Câmara, vereador Alan Guedes, esta foi uma agenda muito importante. “Nós estamos acompanhando de perto a prestação de contas e o trabalho desta Comissão, que é uma parceria muito salutar entre Defensoria Pública e o Ministério Público Estadual. O trabalho da Câmara também deve abranger essas parcerias institucionais. Na sessão ordinária da próxima segunda-feira (16) nós devemos receber na Casa de Leis a Dra. Marisa Fátima Calixto, defensora pública e a Dra. Helena Izidoro, presidente da Comissão de Saúde da OAB de Dourados, para que elas possam externar sobre a intervenção na Funsaud”, afirmou.

Comentário

Líder do Governo na Assembleia Legislativa, o deputado Barbosinha (DEM-MS) destacou nesta semana a ação conjunta das forças políticas de Dourados em ajudar a prefeita Délia Razuk (sem partido) a resolver um grave problema, com o desmoronamento de parte do asfalto na avenida Presidente Vargas e comemorou os serviços que estão sendo realizados na área afetada.

“A liberação do recurso de R$ 870 mil para obras de reparos no problema criado na avenida Presidente Vargas, em Dourados, concretiza nosso desejo de ver uma situação resolvida, e para isso contou muito a sensibilidade do Governo”, disse o deputado, um dos que buscou estabelecer o diálogo com o Executivo, junto ao secretário de Infraestrutura, Murilo Zauith, para ver a via recuperada.

O recurso foi solicitado pelo deputado no início do segundo trimestre deste ano depois de verificar um desmoronamento subterrâneo na tubulação de água por onde passa o Córrego Laranja Doce. A ruptura provocou a abertura de uma cratera em uma das pistas e a via ficou um bom tempo interditada.

“Esta semana fui informado de que as obras estão na fase final e que até o fim do mês estarão concluídas. A Presidente Vargas é uma importante via de ligação da nossa cidade a outros municípios e precisava desse cuidado”, celebrou Barbosinha.

Comentário

A Prefeitura de Dourados pagou mais uma parte dos salários do mês de agosto, chegando a 99% dos servidores municipais que recebem salários líquidos até o limite de R$ 9.853,00. A informação é do secretário municipal de Fazenda, Carlos Dobes Vieira, ao explicar que na próxima semana serão pagos os salários dos 120 servidores que recebem salários com valores superiores ao total já quitado.

Segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura, problemas técnicos operacionais do Banco do Brasil também fizeram com que ficassem para ser creditados apenas neste sábado (14) os salários de alguns servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social e da Agehab (Agência Municipal de Habitação). Carlos Dobes afirmou que a Prefeitura já está buscando entendimentos e formas de enfrentar a crise para que nos próximos meses os problemas a respeito do atraso nos salários dos servidores sejam mitigados.

De acordo com o sindicato dos servidores do Município, o pagamento ‘picotado’ de salários revela “desrespeito” com o servidor e cria estigmas de ‘mais’ e ‘menos’ privilegiados entre os trabalhadores de forma geral. “Tem gente que acha que os que ficaram pro fim da fila são quem não precisa de dinheiro, quando na verdade todos são servidores públicos e trabalharam um mês inteiro também”, reagiu a presidente da entidade, Rosa Catelan.

Comentário

Um incêndio no Hospital Badim, na Rua São Francisco Xavier, no Maracanã (zona norte do Rio), deixou ao menos 11 mortos na noite desta quinta-feira (12), publica o portal Terra. O hospital informou que "ao que tudo indica, um curto-circuito no gerador do prédio 1 do hospital provocou um incêndio, espalhando fumaça para todos os andares do prédio antigo". Funcionários relataram à polícia e em publicações nas redes sociais que o incêndio teria começado por volta de 18h15, em um prédio antigo onde funcionava o setor de laboratórios. Pacientes que estavam internados em áreas próximas tiveram de ser retirados às pressas.

Em frente ao prédio, colchões foram espalhados e familiares de pacientes, apreensivos, se aglomeravam para obter informações. O hospital informou que os pacientes do CTI C foram retirados e estão recebendo os primeiros atendimentos na Rua Arthur Menezes. Os bombeiros estão trabalhando na retirada dos pacientes do CTI 2, segundo informou o hospital.

"Toda a direção do Hospital Badim está empenhada em prestar os devidos socorros necessários aos pacientes, que estão sendo transferidos para o Hospital Israelita Albert Sabin e para os hospitais particulares da região. Informamos ainda que a brigada de incêndio do hospital agiu prontamente durante todo o processo", disse, em comunicado.

“Meu irmão de 71 anos estava internado há mais de um mês na UTI, vítima de pneumonia”, contou Maria Augusta Freitas. “Estava em casa e soube do incêndio pela TV, aí vim pra cá”, narrou. “Mas já faz mais de uma hora que cheguei e ninguém soube me informar nada”, disse a mulher, que a cada paciente que passava de maca se exaltava na tentativa de se aproximar e identificar o irmão.Ana Carolina, de 36 anos, chorava enquanto não conseguia informações sobre a mãe, de 71 anos. “Não consigo saber se ela está viva, estou desesperada”, reclamou.

O clima de pânico diante da falta de informações era generalizado, enquanto guardas municipais tentavam manter o fluxo de ambulâncias que chegavam e saíam transportando pacientes. A Rua Arthur Menezes foi interditada aos automóveis, mas permanecia lotada de pessoas, ao som de sirenes e gritaria. Garagens de casas e prédios vizinhos foram usados para receber os pacientes até que fossem levados de ambulância para os hospitais.

Comentário

O ministro Mauricio Godinho Delgado, do TST (Tribunal Superior do Trabalho), propôs a suspensão da greve dos empregados da ECT (a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) o mais rápido possível. Relator do dissídio coletivo de greve da categoria, ele conduziu nesta quinta-feira (12), audiência de conciliação entre as partes e propôs, como contrapartida, a manutenção dos termos do último Acordo Coletivo de Trabalho e do plano de saúde para os pais dos empregados até 2/10, quando o TST deverá julgar o dissídio.

O ministro também deferiu parcialmente o pedido de liminar formulado pela ECT e determinou de imediato que, durante a greve, 70% dos empregados e dos serviços estejam em atividade. O descumprimento da decisão acarretará em multa diária de R$ 50 mil. No pedido de liminar, a empresa pretendia a manutenção de pelo menos 90% das atividades.

Pauta

Após conversar com dirigentes dos Correios e das Federações que representam os trabalhadores, o ministro chegou à conclusão de que não vai ser possível chegar a consenso definitivo, por meio de conciliação, sobre as próximas normas coletivas que nortearão as relações de trabalho e o plano de saúde para os pais.

Por isso, comunicou que o processo estará na pauta de julgamento da Seção Especializada em Dissídios Coletivos do TST do dia 2 de outubro, às 14h30. No julgamento, o TST definirá as relações coletivas de trabalho até a data-base de 2020 e resolverá eventuais questões sobre a greve, iniciada na quarta-feira (11). O ministro destacou que a sessão foi marcada para o início de outubro a fim de que sejam cumpridos os prazos previstos em lei para a realização de atos processuais necessários.

Encaminhamento

Até o julgamento, no entanto, o ministro fez a proposta de encaminhamento da manutenção de todas as cláusulas relativas ao acordo anterior e ao plano de saúde, nos termos da prorrogação acordada para o mês de agosto nas negociações conduzidas pela Vice-Presidência do TST.

A proposta foi aceita pelos Correios e será votada pelos empregados em assembleias a serem convocadas até a próxima terça-feira (17), data-limite estabelecida pelo relator para a suspensão da greve. Em caso de rejeição da categoria ou de atraso na votação, a proposta fica prejudicada também em relação à parte que compete aos Correios.

Comentário

O vazio sanitário da soja termina no domingo (15) de setembro e a partir de segunda-feira (16) o agricultor está autorizado a começar o plantio da safra 2019/20 em Mato Grosso do Sul. Durante esses três meses o produtor esteve proibido de cultivar o grão sob risco de penalidades administrativas. O período é importante para o controle da ferrugem asiática.

O vazio sanitário é uma medida fitossanitária crucial para evitar a expansão de focos de ferrugem asiática nas lavouras, sendo a doença de maior expressão da cultura da soja e que tem o maior poder de destruição nas lavouras.

A campanha do vazio sanitário em Mato Grosso do Sul é formalizada por órgãos governamentais como a Semagro e Iagro, além do próprio Ministério da Agricultura e entidades ligadas ao setor como Aprosoja/MS, Famasul e as fundações de pesquisa, visando orientar o produtor sobre a importância dessa medida.

Outro fato importante é que o produtor já pode realizar também o cadastramento da área de soja perante a Iagro, até o dia 10 de janeiro de 2020. Esse cadastramento deve ser realizado pelo site e o produtor que não tiver feito o cadastro pode ser penalizado com multa de até 100 UFERMS de acordo com a Lei Estadual 3333/2006.

“O cadastro de propriedades na Iagro é um importante mecanismo para que o produtor mantenha seus dados atualizados perante o Estado e ajuda de forma efetiva no controle da ferrugem asiática. A Aprosoja destaca a importância de que o produtor se atente para fazer o correto preenchimento deste cadastro, que é gratuito, e que dá suporte para inúmeras ações da cadeia de soja e milho”, finaliza o diretor-executivo da Aprosoja/MS, Frederico Azevedo.

Comentário

A Caixa Econômica Federal notificou extrajudicialmente o Corinthians de que executará a dívida de quase R$ 500 milhões relativa ao financiamento da obra da Arena, em Itaquera. Tanto o clube como a Caixa confirmam a informação, que foi publicada inicialmente pelo OGlobo. O banco estatal emprestou R$ 400 milhões para a construção do estádio. R$ 175 milhões já foram pagos. Porém, por conta de juros e correções, o valor da dívida atualmente é de R$ 487 milhões.

Em nota oficial, o Timão tratou a decisão da Caixa como um "gesto intempestivo" e comunicou que "se a Caixa escolheu trocar a rota da negociação pela do confronto, não cabe ao clube outro recurso senão defender na Justiça seus direitos", como repercutiu o portal G1.

Há meses o Corinthians vinha negociando o financiamento com o banco estatal. Paralelamente, o clube costurou um acordo para o pagamento da dívida que tem com a Odebrecht. O Timão não acredita que a execução da Caixa afete no acordo com a construtora. “Não há nenhum benefício ou ‘perseguição’, mas, se a Caixa não recebe e não tem renegociação, ocorre a cobrança de garantias. A execução é natural”, afirmou Pedro Guimarães, presidente da Caixa.

Segundo especialistas, a primeira alternativa da Caixa será executar as garantias financeiras. Uma das principais é o Equity Support Agreement (ESA), assinado pela Odebrecht. Trata-se de um documento no qual a construtora se dispõe a cobrir os valores exigidos numa eventual execução com recursos próprios. A Odebrecht está em processo de recuperação judicial.

Outra garantia oferecida para que o Corinthians conseguisse o financiamento junto ao BNDES, tendo a Caixa como intermediária, foi parte do terreno do Parque São Jorge. Porém, a execução de imóveis é mais demorada e gera um custo muito elevado, bem maior do que em outros processos de execução, diz a publicação.

Comentário

O governador Reinaldo Azambuja entregou, na manhã dessa quinta-feira (12), a pavimentação do acesso ao Parque Industrial de Três Lagoas, trecho que liga a área ao aeroporto da cidade. A obra é importante porque melhora a estrutura do Parque Industrial, onde trabalham mais de 5 mil pessoas, e vai possibilitar a instalação de mais empresas que necessitam dessa estrutura básica para poder operar.

Além da pavimentação do acesso, foi implantada paralelamente uma ciclovia, favorecendo o trânsito dos trabalhadores das 55 empresas instaladas no Parque Industrial de Três Lagoas. O Governo do Estado investiu R$ 2.904.400,58 na obra, recursos do Fadefe (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e de Equilíbrio Fiscal do Estado), gerido em parceria com a Prefeitura da cidade.

Governo Presente

O Governo Presente é uma iniciativa do governador Reinaldo Azambuja de levar o gabinete para o interior. Nesta primeira edição do projeto o Governo do Estado se instala em Três Lagoas por dois dias (até nesta sexta, 13); onde, além do governador, estão os secretários Jaime Verruck, da Semagro, e os de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel; Infraestrutura, o vice-governador Murilo Zauith; de Saúde, Geraldo Resende; e a de Educação, Maria Cecília.

Além de Três Lagoas, estão sendo atendidos os municípios de Água Clara, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Brasilândia, Cassilândia, Chapadão do Sul, Figueirão, Inocência, Paraíso das Águas, Paranaíba, Ribas do Rio Pardo, Santa Rita do Pardo e Selvíria.

Nesses 14 municípios já foram investidos mais de R$ 1,1 bilhão pelo governo estadual entre 2015 e 2019. Os recursos podem ser percebidos na construção em andamento do Hospital Regional de Três Lagoas, que vai abrir novos leitos; na edificação do prédio da Delegacia de Polícia Civil de Chapadão do Sul; na restauração asfáltica da MS 040, em Santa Rita do Pardo; e em outros empreendimentos espalhados pelas cidades.

Comentário

O vereador Toninho Cruz (PSB) pediu, na sessão ordinária de segunda-feira (9) da Câmara de Dourados, à prefeita Délia Razuk (sem partido), à secretária de Saúde Berenice Machado de Souza e ao secretário de Governo Celso Antonio Schuch Santos, melhorias no SAE (Sistematização da Assistência de Enfermagem) com a aquisição de armários para arquivar os prontuários, cadeiras para os pacientes, computador e aparelho telefônico para enfermagem, persiana para janela da farmácia para proteger os medicamentos do sol, impressora com copiadora e cadeiras para os funcionários.

Segundo o vereador, em visita ao SAE, ele constatou que os pacientes e também os trabalhadores em sua grande maioria solicitaram a interferência junto ao Poder Público no sentido que fosse requerida a realização de uma força tarefa para melhorias no local.

O parlamentar, preocupado com a saúde, segurança e bem estar dos munícipes que necessitam deste espaço público para realizar tratamentos, solicitou que sejam apreciadas e atendidas as reivindicações. “É de suma importância a necessidade de se realizar os serviços solicitados, pois em Dourados são em torno de 1.600 pessoas cadastradas e atendidas pelo programa do SAE, que presta atendimento integral aos pacientes por meio de uma equipe multidisciplinar”, destacou Toninho Cruz. (Da assessoria)

Comentário

Estão abertas as inscrições para o processo de seleção do Programa de Residência Médica 2020 da Cassems e Hospital Cassems de Campo Grande. O processo é coordenado pelo NEP, o Núcleo de Ensino e Pesquisa e as inscrições poderão ser feitas via internet, por meio da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), até o dia 16 de outubro.

O Programa de Residência Médica vai disponibilizar vagas para residentes médicos em três especialidades: Pediatria, Anestesiologia e Medicina Intensiva Adulto. As vagas credenciadas para Pediatria são quatro. Para Medicina Intensiva e Anestesiologia, duas vagas para cada especialidade. O tempo de duração da residência médica para Pediatria e Anestesiologia é de três anos e para Medicina Intensiva, de dois anos. O ingresso na residência médica para Pediatria e Anestesiologia é por acesso direto. Já para Medicina Intensiva Adulto, é necessário pré-requisito.

Para fazer as inscrições os interessados deverão acessar um dos seguintes endereços eletrônicos: www.amrigs.org.br, www.acm.org.br ou www.amms.org.br. O candidato deverá preencher um formulário, imprimir o comprovante e o documento para o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 450. O processo seletivo será composto de duas fases: prova escrita, a ser realizada no dia 17 de novembro, e análise curricular.

O edital com as regras do concurso está disponível AQUI.

Outras informações sobre essa oportunidade poderão ser obtidas por meio do e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone (67) 3323-0377.

Comentário

Página 8 de 1435

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus