Timber by EMSIEN-3 LTD
  • 10 anos
  • 10 anos1
Redação Douranews

Redação Douranews

Donizete Rodrigues da Silva, de 48 anos, travesti que morava na rua Guia Lopes, na Vila Industrial, em Dourados, foi encontrada morta na manhã desta sexta-feira pelo amigo dela, um rapaz de 23 anos, que dormia na mesma cama e percebeu que a acompanhante havia caído quando acordou, por volta de 9h30, e notou a ausência de Silva.

O amigo disse que morava há três meses na mesma casa com a travesti, e, ao perceber que Donizete não estava ao lado na cama, a encontrou encostada na parede, aparentando estar morta. A Polícia encontrou marcas de sangue na cabeça da travesti, segundo publicou o rep,órter Sidnei Lemos no portal da rádio FM94. A morte está sendo investigada.

Comentário

Índios bloquearam, no meio da tarde desta sexta-feira (8), o trecho da rodovia BR 463 entre Dourados e Ponta Porã, na altura do Km 6, perto do trevo de acesso a Laguna Carapã, na região conhecida como ‘Curral de arame’.

De acordo com testemunhas que tentaram passar pelo local no momento do bloqueio, as lideranças indígenas informaram que o protesto era realizado contra a ação de despejo dos índios desaldeados que ocupavam a fazenda Serrana, na região, atendendo determinação judicial.

Comentário

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) participa do curso de férias “Marketing e Carreira no Agronegócio”, da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), entre os dias 25 e 27 de julho, no Campus de Pós-Graduação, em São Paulo/SP.

O curso trará uma visão estratégica sobre os negócios nas principais cadeias produtivas do agronegócio e como se situam as funcionalidades de marketing nesse contexto. Também será tratado o planejamento de marketing e produto sobre o papel da informação para a excelência em marketing.

Entre o corpo docente está o Vice-Presidente de Comunicação do CCAS, Coriolano Xavier, que dividirá as aulas com Doly Ribeiro e Maurício Mendes.

O curso “Marketing e Carreira no Agronegócio” percorre as várias interfaces de gestão mercadológica dentro do agronegócio, proporcionando ao aluno uma visão integrada do marketing ao longo de toda a cadeia produtiva de alimentos, fibras e bioenergia. O agronegócio é um dos setores da economia com perspectiva de crescimento sustentado pelos próximos 10 anos e o pensamento de marketing, juntamente com suas ferramentas de ativação, configuram um fator essencial para a alavancagem de resultados e carreiras no setor.

“Este curso proporciona ao aluno um ótimo guarda-chuva sobre conceitos e fundamentos de marketing no agronegócio. Dá uma visão estratégica de marketing ao uso concreto das ferramentas mercadológicas no dia a dia dos negócios”, declara Coriolano Xavier.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

Comentário

Jornal publicou versão do hospital dois meses depois das matérias que geraram o direito de resposta

Os leitores de jornal impresso de Dourados podem ter estranhado uma das manchetes desta sexta-feira (08/07), que frisa o bom serviço prestado pelo Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) e remete a fatos ocorridos e noticiados há mais de dois meses, entre 29 de abril e 2 de maio.

Trata-se de uma publicação de direito de resposta por determinação judicial, que atende a ação ajuizada pelo hospital depois de cumpridos os trâmites previstos na Lei nº 13.188, de 11 de novembro de 2015, que “dispõe sobre o direito de resposta ou retificação do ofendido em matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comunicação social.”

É a primeira vez que a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) ajuíza ação com esse teor em favor de uma de suas unidades. Atualmente, a Rede Ebserh reúne 39 hospitais universitários federais, em todo o país. A decisão da 2ª Vara Federal de Dourados foi favorável à Ebserh em caráter de “tutela antecipada”, uma espécie de decisão liminar, expedida em 23 de junho.

“Consideramos que foi uma decisão importante, sobretudo por se tratar de uma legislação tão recente. É evidente que, embora seja amplo o direito à informação, ele não é absoluto, e a imprensa deve preservar com muito zelo a veracidade das informações. Nosso pleito não se deveu a questões como o caráter ofensivo da publicação, mas sim ao fato de as matérias conterem informações que não eram verdadeiras”, explicou a advogada Thays Corrêa Silva.

Para o chefe do Setor Jurídico do HU-UFGD, Alisson Farinelli, a decisão, ainda que com caráter provisório, tem grande importância por sinalizar o entendimento favorável à demanda ajuizada. “O juiz reconheceu que houve abuso por parte do veículo no exercício do direito de informar, e esse excesso foi corrigido pela decisão judicial”, comentou.

A Lei

A Lei nº 13.188, chamada Lei do Direito de Resposta, foi aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pela Presidência em novembro de 2015. A partir dessa regulamentação, são passíveis de resposta ou retratação matérias jornalísticas cujo conteúdo atente, “ainda que por equívoco de informação, contra a honra, a intimidade, a reputação, o conceito, o nome, a marca ou a imagem de pessoa física ou jurídica identificada ou passível de identificação”.

Para imprensa escrita ou de internet, a resposta deve ter o mesmo tamanho e as mesmas características da matéria considerada ofensiva. No rádio ou na TV, é exigida a mesma duração e alcance territorial. A publicação da resposta ou retratação não impedirá o ajuizamento de ação por dano moral.

Prazos

A lei estabelece prazo de 60 dias, a partir da publicação da notícia ou reportagem, para que o interessado formalize o pedido de resposta ou retratação diretamente ao veículo de comunicação. Caso se trate de matérias com mais de uma divulgação sucessiva, vale a data da primeira publicação.

Uma vez formalizado o pedido de retratação, o veículo de comunicação terá prazo de 7 dias para publicá-lo. Caso decida não fazê-lo, abre possibilidade para que o ofendida recorra à Justiça.

O processo deverá ser ajuizado na cidade onde o ofendido reside, no caso de pessoas físicas, ou onde a empresa está estabelecida, no caso de pessoas jurídicas. O reclamante também pode entrar com o pedido no local em que considerar ter ocorrido maior repercussão sobre a notícia.

O juiz terá 24 horas para citar o veículo de comunicação, que terá igual prazo para apresentar a justificativa da não publicação da resposta ou retratação, e três dias para apresentar a contestação.

Após a citação, ainda que não tenha recebido manifestação do veículo, o juiz poderá conceder liminar determinando prazo e condições para a publicação da resposta, caso considere haver indícios suficientes que houve ofensa.

Comentário

Durante a assinatura do contrato de parceria para a realização de um programa de qualificação profissional na área florestal entre Senai e a Fibria, nesta sexta-feira (08/07), na unidade operacional de Três Lagoas, o diretor-regional Jesner Escandolhero destacou que a parceria envolve recursos da ordem de R$ 3,5 milhões, tanto para as ações de qualificação, quanto para o fornecimento da bolsa mensal. Com essa parceria, 634 profissionais serão qualificados nos cursos gratuitos de operador de máquinas florestais e de mecânico de máquinas florestais, sendo que os alunos terão direito a uniformes, kits escolares e uma bolsa auxílio no valor de R$ 1.100,00 durante o período do treinamento.

Jesner Escandolhero, destacou a importância da parceria com a Fibria na promoção da qualificação profissional, visando fomentar o desenvolvimento das comunidades da região de Água Clara, Brasilândia e Três Lagoas, onde serão abertas as vagas. “O Senai e a Fibria promovem esse programa de qualificação e isso valoriza, principalmente, o conhecimento e o trabalho local, isso é dar oportunidades para os jovens trabalhadores”, afirmou.

Já o diretor da Fiems, José Paulo Rímoli, reforçou a relevância desse convênio para o município de Três Lagoas e região da costa leste de Mato Grosso do Sul. “A indústria já instalada está se expandindo e com isso a cidade também cresce, além de desenvolver a região ampliando essa formação profissional para os municípios de Água Clara e Brasilândia”, comentou.

Para o gerente de desenvolvimento humano e organizacional do Projeto Horizonte 2 da Fibria, Arnaldo Milan de Souza, uma das contribuições da iniciativa é o desenvolvimento econômico nas comunidades onde a empresa atua, fomentando a geração de emprego e renda e, principalmente, a qualificação profissional. “Nessa parceria, acreditamos que levar ao jovem esse tipo de oportunidade. Esse momento é ímpar para o desenvolvimento das regiões”, declarou, acrescentando que já foram mais de 1.000 inscritos no processo em Água Clara.

O gerente florestal da Fibria, Tomas Dandrea Balistiero, frisou que um dos aspectos mais importantes debatidos para esse projeto foi em relação às pessoas qualificadas para operar já que o volume de operações na área florestal aumentou significativamente. “Então, a formação profissional dá sustentabilidade para o nosso projeto, porque a estratégia é formar essas pessoas com o Senai, vamos ter gente e bem preparados. Obviamente a cidade sai beneficiada, porque circula a economia local”, declarou.

Prefeituras

Ainda durante o evento, o Senai assinou termos de cooperação técnica com as prefeituras de Água Clara e Brasilândia para a oferta de cursos de qualificação profissional de acordo com a demanda dos municípios e também da cedência do espaço físico, salas de aula e apoio administrativo para a execução das aulas dos cursos dessa parceria.

Na avaliação do prefeito de Água Clara, Silas José, a chegada dos cursos é vista de forma positiva pela população do município. “Seria muito triste entrar nas fábricas e perceber que os trabalhadores não seriam de Água Clara. Então, esse momento é importante porque vai nos fornecer as ferramentas necessárias para qualificar a mão de obra da nossa cidade”, afirmou.

Já o prefeito de Brasilândia, Jorge Diogo, ressaltou que com a explosão industrial de Três Lagoas, o município foi impactado de forma positiva. “Com esses cursos, nosso pessoal vai estar habilitado para disputar no mercado de trabalho nas vagas para a região. Nós que vivemos esse crescimento temos que estar preparados e essa parceria com Sistema S colabora com aquilo que temos pedido para as grandes empresas no sentido de atuarmos juntos”, falou.

Distribuição das vagas

O gerente do Senai de Três Lagoas, Adevaldo Vasconcelos, reforça que o primeiro módulo da parceria já começou em Água Clara no dia 15 de julho com o oferecimento de 196 vagas, sendo 136 para o curso de operador de máquinas florestais e 60 para mecânico de máquinas florestais. Em Brasilândia, o processo de divulgação das vagas terá início em setembro com 196 vagas, das quais 136 são para o curso de operador de máquinas florestais e 60 para mecânico de máquinas florestais.

Já em Três Lagoas o processo de divulgação das vagas começará em março do próximo ano, com 242 vagas, sendo 182 de operador de máquinas florestais e 60 para mecânico de máquinas florestais. “A parceria reafirma o compromisso de fomentar o desenvolvimento continuado das comunidades às atividades industriais no município”, afirmou o gerente do Senai de Três Lagoas.

Para fazer a qualificação, é preciso que o trabalhador tenha habilidade com máquinas móveis e equipamentos industriais, além de Ensino Médio completo e CNH (Carteira Nacional de Habilitação) categoria “C”, “D” ou “E”. Após serem formados, os trabalhadores vão atuar na área de colheita florestal da Fibria para atender a demanda do Projeto Horizonte 2, que terá capacidade de produção de 1,95 milhão de toneladas/ano. Com isso, a capacidade total de produção da Fibria, considerando-se todas as suas unidades no Brasil, passará para 7,25 milhões de toneladas de celulose/ano.

Estrutura

Atualmente, o Senai dispõe de uma unidade móvel de 39 m² equipada com 10 computadores com softwares de simulação virtual que servem de apoio às ações de capacitação que ocorrem nas áreas de colheita florestal, como operador de máquina de colheita florestal. Na prática, o aluno recebe qualificação teórica nos simuladores virtuais e aula prática realizada nas máquinas reais disponibilizadas pelas indústrias do segmento de celulose instaladas no Estado.

Dentro da unidade são ministrados os cursos de operador de forwarder e operador de harvester, sendo que ambos têm carga horária de 380 horas-aulas, e de mecânico de máquinas florestais tem carga horária de 424 horas-aulas, com os três cursos tendo duração de aproximadamente 104 dias. Os cursos têm a finalidade de diminuir as falhas operacionais, além de formar trabalhadores especializados, que é a maior necessidade do segmento neste momento.

Comentário

O presidente do Sindicato Rural de Três Lagoas, Marco Garcia, esteve ontem, 07 de julho, na Unidade Oncológica do Hospital Auxiliadora, onde repassou o valor de R$ 30.600,00, referente ao primeiro Festival da Carne, sendo que o montante foi dividido para o Hospital a para a Rede Feminina de Combate ao Câncer. Cada entidade recebeu R$ 15.300,00.

Representantes das entidades e clubes de serviços participaram também da entrega. Para a diretora geral do Hospital Auxiliadora, esse gesto representa o carinho com os pacientes. “Temos que valorizar muito essa ação. O Auxiliadora necessita da ajuda da comunidade. O pouco torna-se muito para nós. Marco, obrigado por lembrar do Hospital Auxiliadora. Se não temos o dom de salvar todos, temos que dar uma condição humana e melhor aos que buscam essa Instituição”, finaliza.

Para Eduardo Otoni, diretor administrativo do Hospital, “essa ação foi compartilhada por todos e gerou esse nosso encontro aqui. Agradeço a participação da Associação de Jovens Empreendedores de Três Lagoas – AJE, Associação Comercial de Três Lagoas, Big Brother, Club Off Road, Lions Club de Três Lagoas, Lojas Maçônicas Aquárius, João Pedro, Regente Feijó, Renascença, São João, Rotary Club Cidade das Águas e Rotary Club Três Lagoas, pois sei que se empenharam. Tenho que agradecer também a Rede Feminina de Combate ao Câncer, que é nossa parceira. Todos os que estão presentes nesse evento fazem a diferença e nos ajudam a concretizarmos um sonho, atender os pacientes da oncologia de forma mais humanizada. A sociedade, empresas e família irão contribuir com essa caminhada”, completa.

O médico oncologista e diretor do ICTL – Instituto do Câncer de Três Lagoas, José Márcio Figueiredo, reforçou que esse trabalho que está sendo feito é um diferencial para Mato Grosso do Sul. “O Hospital é centenário e merece esse apoio da população. É a realização de um sonho. Uma estrutura de qualidade e um serviço diferenciado é a nossa marca”.

Para Lourdes Palhares, presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Três Lagoas, “fomos contemplados com parte desse dinheiro do Festival da Carne. Isso representa muito e ajudará várias pessoas. O meu muito obrigado”.

O empresário e auxiliador do bem, Hélio Morales, que não mede esforços para entregar para a sociedade a Unidade Oncológica do Hospital Auxiliadora, disse estar muito feliz com esse momento. “Marco, que esse evento que hoje você lidera possa ser o primeiro de muitos que a sociedade pode fazer para o Hospital. O Auxiliadora está crescendo e desenvolvendo. Eu acreditei há 9 meses que essa obra demoraria um ano e meio, porém, fizemos em 9 meses, pois a sociedade acreditou. Tudo isso é para atender SUS e nos alegra muito”.

Para o presidente do Sindicato Rural de Três Lagoas, Marco Garcia, “esse mérito é de todos, porém, tenho que parabenizar o diretor Zecão, pois foi dele que surgiu essa ideia. Isso envolveu toda a sociedade. Estamos em poucas pessoas aqui, mas a representatividade é total. Abraçamos a ideia e conseguimos fechar com 12 entidades participando do Festival da Carne. Muitas empresas ajudaram para tornar o evento um sucesso. A tricarne fez a doação de toda a carne, o Carvão São João doou todo o carvão utilizado no Festival, a Palomiro Eventos contribuiu também, além das entidades envolvidas. O que está ocorrendo hoj é maior do que qualquer coisa. Vocês fizeram e fazem a diferença”, conclui Garcia.

Ainda no Festival da Carne, a APAE ficou responsável pelo bar, arrecadando R$ 8.0000,00 com a venda de bebidas. A equipe do Hospital Auxiliadora vendeu copos personalizados, arrecadando R$ 1.630,00.

Após a foto oficial, todos conheceram um quarto montado na Unidade Oncológica e acompanharam um projeto de Música no Hospital.

Comentário

‘MAKTUB’ (Estava escrito – Tinha que acontecer). A expressão árabe imortalizada aqui por Malba Tahan em 1935, é usada por Marquinhos ao prever o apoio do mano Nelsinho Trad à sua candidatura. E ele prega: “O universo conspira a nosso favor”.

ATELIER Costura-se apoios e posturas de lideranças diversas com patrimônio efetivo de votos e ainda daqueles detentores de siglas de balcão, atentos a velha lei de Adam Smith, ‘Oferta e Procura’, que quase sempre tem pouco do prometido para entregar.

DESMONTE Apesar da tradição de seus nomes, o PMDB está desmilinguido. André, já não é o mesmo general de antes; na defensiva, perdeu o tom da ironia e indignação. Dúbio, inconstante, não passa mais aquela certeza de antes aos seus comandados fieis.

ENQUANTO isso, aumenta a força de Reinaldo, fortalecendo o PSDB com seu poder de atrair, inclusive peemedebistas. Eduardo Rocha e Marcio Fernandes confessaram ao cronista: sem André, o PMDB não disputará a prefeitura; e admitiram o apoio a Rose.

SINCERIDADE Ao seu melhor estilo, o deputado Eduardo Rocha justifica dizendo que, hoje, o PMDB está no mesmo nível do PT por conta das denúncias de corrupção contra figuras proeminentes como Romero Jucá, Renan, Sarney e outros. Certo ele.

OS TUCANOS ‘operam’ com bisturi de raio lazer; acreditam na repetição do sucesso da estratégia da campanha de Reinaldo, com Rose ganhando musculatura eleitoral de forma contínua e progressiva. Esse apoio do PSB de Tereza Cristina é significativo.

A BIOGRAFIA da deputada é valiosa politicamente. Tem excelente inserção nas classes A e B, até aqui reticentes quanto a definição de candidaturas. Prova-se: Reinaldo tem grande estoque de agulhas, panos e linhas em seu atelier de costuras políticas.

ARMAS O horário eleitoral trará, é claro, propostas dos candidatos. Mas o ‘tempero’ será a alusão ao Aquário, buracos nas ruas, operações do Gaeco, decisões judiciais envolvendo políticos, as prisões de Olarte, Giroto e Amorim... Um cardápio apimentado.

‘MESTRES’ João Amorim e Giroto deveriam escrever a 4 mãos um manual de como superar dificuldades e ficar ricos em tempos de crise. Ironias à parte, as pessoas de bem, que dão duro na iniciativa privada, estão revoltadas e enojadas com a postura deles.

‘SAIA JUSTA’ A deputada Antonieta Amorim é poupada no escândalo de seu irmão J. Amorim. Espera-se que venha a público e justifique a inclusão de seu nome como proprietária, ou ‘laranja inocente’, de fazenda suspeita no caso ‘Fazendas da Lama’.

APLAUSOS o deputado Lídio Lopes pela iniciativa da “Lei Harfouche’ que visa propagar o respeito no ambiente escolar e pune os alunos por mau comportamento inclusive. Aliás, lei idêntica já vigora nas escolas da nossa capital com bons frutos.

A VIOLÊNCIA impera: 13% dos professores agredidos e 53% ameaçados. Aluno não respeita ninguém; quebra móveis e depreda o prédio. Os pais devem sim ser chamados à responsabilidade pelos atos dos filhos, como no Japão e outros países civilizados.

ABSURDO A proposta é criticada pelos deputados petistas Kemp e João Grandão; ignorando deveres e defendendo direitos, como se aqui fosse a Dinamarca. Ora! Se não educarmos os nossos filhos com rigor, estaremos incentivando a irresponsabilidade.

EU AVISEI na última coluna sobre os riscos dos candidatos na relação com o eleitor indignado. Esse episódio na capital, onde o vereador Alex foi hostilizado por moradores, confirma minhas previsões. Seria apenas por ele ser do PT ou a bronca é mesmo geral?

CUSTOS No seu embate pela transparência contra Bernal, a Câmara da capital deveria dar exemplo e divulgar os salários/vantagens da vereança. Sabe-se, contudo, que os 702 servidores custariam R$ 9,9 milhões ao mês. Mais de 24 servidores para cada vereador.

A SUGESTÃO é extensiva a todos municípios, onde aliás tem ocorrido ganhos/gastos irregulares de vereadores, afrontando a realidade econômica inclusive. Em cada cidade, o Ministério Público deveria cobrar a divulgação do ganho dos nobres vereadores.

TRABALHAR? Se os aposentados (trabalharam toda a vida) receberam 5% de aumento, o pessoal do Bolsa Família (ninguém trabalha) levou 12% de aumento. Daí não é por acaso, que já descobriram mais de 10 milhões de fantasmas no tal ‘Bolsa’.

PERGUNTO A fidelidade canina do deputado Marun a Eduardo Cunha desgastou sua imagem a ponto de trazer problemas para sua reeleição? E o deputado Dagoberto, da tropa de choque de Dilma, posicionando contra o impeachment - perdeu ou ganhou?

ENQUANTO Marun é fiel ao seu grupo político, Dagoberto opta por surfar nas ondas da conveniência. Foi candidato a vice-prefeito de Giroto, defensor de Dilma e agora flerta com o PT de Zeca/Vacari/Vander/Zé Dirceu para a sucessão da capital.

ROBERTO CAMPOS: “Nossas esquerdas não gostam de pobre. Gostam mesmo é de funcionários públicos. São estes que, gozando de estabilidade, fazem greves, votam no Lula, pagam contribuição à CUT. Os pobres não fazem nada disso. São uns chatos...”

A PROPÓSITO O vídeo onde Roberto Botareli ofende a advogada Janaina Paschoal no aeroporto de Brasília, provocou reação corajosa da deputada Mara Caseiro, que criticou o fato e apresentou inclusive Moção de Repúdio ao presidente da Fetems.

O SINDICALISTA faz o jogo do PT; tem pretensões eleitorais. Lá na Assembleia Legislativa é visto comandando vaias contra a oposição ao PT. No episódio do vídeo, a bronca dele foi contra quem combate a corrupção no país. Exemplo ruim aos alunos.

“O eleitor, obrigatoriamente, tem que ser qualificado. O candidato, não” (Max Nunes)

Comentário

O senador Waldemir Moka (PMDB) apresentou emenda à LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2017, que prevê o pagamento de indenizações a proprietários com título de posse que tiverem as terras consideradas indígenas. “É uma medida que visa assegurar aos atuais possuidores das áreas, sob demarcação, reparação financeira, sem desguarnecer os direitos dos indígenas à terra”, argumenta o parlamentar, lembrando que os títulos dominiais emitidos precisam ser protegidos.

Moka explica que muitas áreas em conflitos em Mato Grosso do Sul pertencem a várias gerações de uma mesma família, algumas com título de posse emitido há mais de 100 anos. “Temos de conciliar os interesses de ambos os lados da disputa. Devolver aos povos indígenas suas terras e, ao mesmo tempo, pagar ao dono de título dessa mesma área, o valor da terra sua e das benfeitorias”, afirma.

O senador tem apresentado a mesma emenda todos os anos a fim de garantir no Orçamento da União recursos para tentar solucionar os conflitos por áreas entre índios e produtores. “Só vamos resolver o impasse quando tivermos recursos suficientes para pagar os proprietários que estejam ocupando essas áreas há décadas”, diz.

O senador afirma que a política de ocupação de áreas no Estado remonta ao período da Guerra do Paraguai. “Ao considerar a fronteira com o Paraguai uma área de segurança nacional, temendo guerra e a possível ocupação desse vazio demográfico, o governo federal, à época, realizou uma série de projetos que visavam justamente povoar a região”, argumenta.

Comentário

O HU (Hospital Universitário) da Universidade Federal da Grande Dourados doou 200 jogos completos de lençóis para utilização nos leitos do HVida (o Hospital da Vida) de Dourados. De acordo com o superintendente do Hospital da Vida, Genilvaldo Dias da Silva, os lençóis estão em perfeitas condições de uso e vão colaborar na melhoria do atendimento aos pacientes atendidos no local.

Administrado pela Prefeitura desde 2013, o HVida presta atendimento de média e alta complexidade pelo SUS (Sistema Único de Saúde) a pacientes de pelo menos 32 municípios da região de Dourados. “Estamos mantendo uma ótima parceria com o HU e quem ganha com isso é nosso paciente, porque esse tipo de ação é muito importante para garantir mais condições de atendimento”, disse.

De acordo com o superintendente, o que falta no HU “nós ajudamos, na medida do possível, e o que não temos, eles nos ajudam”. O Hospital da Vida tem 54 leitos, mas devido às dificuldades financeiras do município, principalmente por causa do alto gasto paras manter serviços que deveriam ser custeados pelo Estado e pela União, só existiam 20 lençóis.

Comentário

66,86% é o acumulado de reajustes salariais concedido pelo prefeito Murilo Zauith (PSB) desde que assumiu o comando do Município, em 2011, até agora. O índice foi apresentado nesta manhã de sexta-feira (8) pelo contador da Prefeitura, Rosenildo França, ao explicar que a greve dos professores começou depois de um encontro onde, por mais de três horas, técnicos da área econômica do Município expuseram a realidade financeira da Prefeitura aos dirigentes do Simted, o sindicato dos professores.

“Só nos últimos dois anos, em abril do ano passado, o Magistério teve 13,1% de reajuste e em abril deste ano, 11,36%. Enquanto isso, os demais servidores da administração não tiveram nenhum centavo de reajuste”, informou o contador, que juntamente com o tesoureiro geral do Município, Jorge Castro e o secretário municipal de Finanças, Alessandro Lemes Fagundes, concedeu Coletiva de Imprensa nesta manhã.

A Prefeitura de Dourados, a exemplo dos demais municípios brasileiros, entretanto, também se vê obrigada a realizar ações de contenção de gastos para que a administração consiga atender exigências da Lei Eleitoral [que não permite novos compromissos financeiros nos seis meses que antecedem ao pleito de 2 de outubro] e da Lei de Responsabilidade Fiscal [que obriga o prefeito a entregar o cargo com as contas assumidas em dia], disse Rosenildo. “Posso assegurar que o prefeito Murilo é um homem que administra com os pés no chão, ele ouve a equipe técnica e trabalha dentro do que a realidade impõe”, afirmou o contador.

Receita caindo

“Dourados não é um oásis em termos de administração pública; tudo o que fizemos em termos de gestão foi para tornar o Município viável para novos investidores e para impulsionar o crescimento da cidade, mas as receitas públicas, infelizmente, são vinculadas a repasses constitucionais, e estes só vem caindo, principalmente depois que se instalou essa instabilidade político-econômica no País”, ilustrou o secretário Alessandro Lemes.

A receita do Município apresentou queda de 11,36% de 2013 para 2014, de 6,35% para 2015 e neste ano de 2016 já apresenta um déficit de aproximadamente 3%, segundo os números apresentados pela área econômica da Prefeitura. Ainda assim, da exigência legal de 15% em investimentos para a Saúde, o Município aplica, em média, 23,87% mensalmente e na Educação, só para complementar os repasses do Fundeb [dinheiro que é destinado, obrigatoriamente, para o pagamento da folha salarial do Magistério], a Prefeitura desembolsou cerca de R$ 1 milhão em maio e mais de R$ 2,6 milhões em junho.

Durante a Coletiva de Imprensa, os técnicos do Município afirmaram que o prefeito Murilo Zauith tem demonstrado total transparência em relação às contas públicas. “Não escondemos nada, tanto que na véspera do início da greve dos professores, mostramos todos esses números para o Simted, mas eles não querem entender isso”, disse Rosenildo França. O tesoureiro Jorge Castro disse ainda que a previsão orçamentária feita no final de cada ano para o exercício seguinte não significa dinheiro em caixa. “Tivemos que fazer um contingenciamento de R$ 20 milhões na Saúde para poder honrar os outros compromissos”, acrescentou.

Comentário

Página 1685 de 1743

O Tempo Agora

  • unigran novo
  • live full house

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis