Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Quinze candidatos, conforme o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), possibilitarão ao eleitor campo-grandense selecionar propostas que tenham efetiva viabilidade. Ele não considera a quantidade exagerada.

“Sempre fui defensor de quanto mais candidaturas, mais alternativas ao eleitor para debater projetos e viabilidade das propostas. É saudável isso”, disse Azambuja ao Correio do Estado, depois de assinar convênio para realização do XI Festival do Sobá.

Crise financeira e abandono da cidade, em razão da incompetência administrativa, aumentaram o entusiasmo até mesmo dos pequenos partidos em participar da disputa eleitoral. No embate, são 15 postulantes se ninguém desistir pelo caminho.

Na disputa, por ordem de maior coligação, estão Rose Modesto (PSDB), Marquinhos Trad (PSD), Coronel Davi (PSC), Marcos Alex (PT), Alcides Bernal (PP), Marcelo Bluma (PV), Athayde Nery (PPS), Marcelo Bluma (PV), Luiz Pedro Guimarães (PROS), Suel Ferranti (PSTU), Adalton Garcia (PRTB), Elizeu Amarilha (PSDC), Rosana Santos (PSOL), Aroldo Figueiró (PTN) e Alexsandro Arce Durand (PCO).

Comentário

A Universidade Federal da Grande Dourados abre, nesta segunda-feira (8),as inscrições para o vestibular 2017. Segundo a instituição, são 962 vagas distribuídas em 32 cursos de graduação presenciais, com duas opções de ingresso: acesso universal e reserva de vagas.

Há oferta de vagas para os cursos de administração, agronomia, artes cênicas, biotecnologia, ciências biológicas, ciências contábeis, ciências econômicas, ciências sociais, direito, educação física, engenharia agrícola, engenharia civil, engenharia da computação, engenharia de alimentos, engenharia de aquicultura, engenharia de energia, engenharia de produção, engenharia mecânica, física, geografia, gestão ambiental, história, letras, matemática, medicina, nutrição, pedagogia, psicologia, química, relações internacionais, sistemas de informação e zootecnia.  As inscrições deverão ser feitas entre até o dia 7 de outubro pelo site cs.ufgd.edu.br/vestibular/2017  A taxa é de R$ 80.

As provas serão aplicadas no dia 20 de novembro nos locais indicados na confirmação de inscrição (ensalamento). Das 8 às 10h30, será realizada a prova de redação; das 14 às 18 horas, a prova objetiva. A convocação para realização das provas deve sair no dia 10 de novembro, a partir das 17 horas, na página do vestibular na internet. O resultado final está previsto para sair no dia 23 de dezembro.

Reserva de vagas

Em cumprimento à Lei 12.711/12, a UFGD reserva 50% das vagas para candidatos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. Desses 50%, metade das vagas é destinada a candidatos oriundos de famílias com renda igual ou inferior a um 1,5 salário-mínimo per capita.

As vagas reservadas serão destinadas a candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas em proporção no mínimo igual à soma dessas populações em Mato Grosso do Sul, que é de 51,95%, apurado segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mais especificamente, esses 51,95% são a soma de 44,13% para pardos, 4,88% para pretos e 2,94% para indígenas.

De acordo com a UFGD, se não houver candidatos aprovados com o perfil de cada grupo de reservas, as vagas remanescentes serão ocupadas por candidatos que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas. O candidato que não optar, no ato da inscrição, por participar do sistema de reserva, ainda que atenda às exigências, concorrerá apenas pelo sistema universal.

Obras

A lista de obras que serão cobradas no vestibular 2017 contém 12 livros, sete filmes, três contos, dois poemas e uma peça teatral. Dentre os títulos, há obras regionais, como Margem de Papel (Emmanuel Marinho); nacionais, como O Menino e o Mundo, filme indicado ao Oscar 2016; Em Nome da Lei, longa filmado em Dourados; e clássicos como Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Marquez.

A lista completa está no site do vestibular UFGD 2017. Acesse aqui.

Comentário

Cinco concursos tem inscrições abertas em Mato Grosso do Sul. As vagas são para profissionais dos níveis Fundamental, Médio e Superior, com salários de até R$ 14,935 mil.

Com inscrições abertas até o próximo dia 12, a Câmara Municipal de Glória de Dourados oferece sete vagas para cargos e escolaridade variados. A remuneração varia entre R$ 880,00 a R$ 2,500 mil, para jornadas de trabalho de 20h e 40h semanais. As taxas de inscrição custam entre R$ 55,00 e R$ 105,00, de acordo com o cargo pretendido.

Em Campo Grande, a PFN-MS (Procuradoria Nacional da Fazenda em Mato Grosso do Sul) oferece vagas para estagiários dos ensinos Médio e Superior. Os estagiários receberão bolsa-auxílio que varia entre R$ 290,00 a R$ 520,00 e auxílio-transporte de R$ 6,00 por dia, para jornada de 30 horas semanais.

As inscrições devem ser realizadas até o dia 19 de agosto, na PNF, em Campo Grande, localizada na Rua Desembargador Leão Neto do Carmo, nº 03, Parque dos Poderes, no horário das 8h às 11h30 e das 13h30 às 16h.

Ainda na Capital, seguem abertas até o próximo dia 15 as inscrições para o concurso público da Assembleia Legislativa, com oportunidades para profissionais com escolaridade em Ensino Médio e Superior. É o primeiro concurso realizado pelo órgão , que oferece 80 vagas, em cargos com remunerações de R$ 2.793 mil a R$ 4.566 mil. As taxas de inscrição variam entre R$ 85,00 e R$ 105,00.

Com salários entre R$ 825,60 e R$ 14.935 mil, a Prefeitura Municipal de Camapuã oferece oportunidade para os níveis Fundamental, Médio e Superior. As inscrições podem ser realizadas até o dia 22 deste mês.

Também com oportunidade para todos os níveis de escolaridade, a Prefeitura Municipal de Naviraí inscreve até o dia 30 de agosto para o concurso público com salários entre R$ R$ 944,65 e R$ 9.745 mil para atuar em jornadas diárias de 4h a 8 horas. As taxas de participação são de R$ 50,00 a R$ 100,00.

Os detalhes sobre cada concurso podem ser consultados aqui.

Comentário

Nesta semana o Sesc Dourados terá a contação “Uma Surpresa Pro Papai” , de Nair de Medeiros Barbosa. Com início às 19 horas, a atividade é gratuita e ocorre na segunda-feira, dia 08 e na quarta-feira, dia 10.

Nesta historinha, um menino que queria dar um presente de Dia dos Pais diferente, vendeu alguns brinquedos e juntou algumas coisinhas e aprontou uma grande surpresa.

As histórias infantis têm papel fundamental na formação do indivíduo tornando-o criativo, crítico e capaz de tomar decisões com possibilidades infinitamente maiores de se tornar um leitor assíduo, além de ser um instrumento de diversão garantida para as crianças e adultos de todas as idades.

Serviço – O Sesc Dourados está localizado na Rua Toshinobu Katayama, 178 – Centro. Mais informações podem ser obtidas no telefone (67) 3410-0700.

Comentário

Reportagem desta segunda-feira (8) do jornal O Progresso destaca a personalidade do jornalista César Cordeiro, de 48 anos, como uma voz que silencia, mas deixa um legado ao jornalismo de Mato Grosso do Sul. César foi hospitalizado na tarde do dia 14 de julho, depois de ter passado mal justamente após deixar a redação do jornal para ir até uma farmácia buscar um medicamento, dizendo que voltaria logo. No Hospital Santa Rita, para onde foi levado por uma equipe do Samu, foi submetido a exames, passou por uma cirurgia na cabeça e morreu na tarde de sábado (6), 23 dias depois, vítima de complicações do quadro decorrente de um AVC (Acidente Vascular Cerebral).

O jornalista e bacharel em Direito deixou a esposa Izabel Cristina, as duas filhas, Caroline e Amanda, duas irmãs, dois irmãos e a mãe, Nair. O corpo foi velado no Complexo Pax Primavera e sepultado, na tarde deste domingo (7) ontem, no cemitério Parque das Primaveras. "Era uma pessoa calma, equilibrada, alegre e um profissional responsável", ilustrou a diretora do jornal, Adiles Torres. Para o presidente do Clube de Imprensa de Dourados e colega de redação, repórter fotográfico Hedio Fazan, além de excelente profisisonal, "ele era um amigo-irmão". 

Outro amigo de quase 30 anos, o jornalista Elias Ferreira, diz que o jornalismo regional perde uma de suas referências. "Os amigos e colegas de trabalho e profissão perderam um companheiro sempre disposto a ajudar. Sua trajetória foi marcante entre nós, que manteremos sua memória sempre viva em nossas mentes e corações. Emblemático, César fazia jornalismo de massa, para o povo entender. Estilo único, responsável que tinha em suas fontes uma relação fiel e verdadeira. Aliás, foram as fontes que fizeram dele o jornalista que se tornou. César foi intenso em tudo que fez", conclui Elias Ferreira.

Comentário

Mato Grosso do Sul pode fechar o ano de 2016 com deficit na Previdência estadual de R$ 886,8 milhões, montante que supera em 66,7% o saldo devedor do exercício anterior, de R$ 532 milhões. A projeção, baseada em deficit mensal de R$ 73,9 milhões registrado pela Agência de Previdência de Mato Grosso do Sul (Ageprev) até o fim do primeiro semestre, também extrapola estimativa repassada no primeiro trimestre deste ano pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), por ocasião do lançamento do Censo Previdenciário: a previsão inicial é que este ano o deficit previdenciário chegasse a R$ 730 milhões e em 2017 R$ 900 milhões, atingindo a casa do bilhão somente em 2018.

Diretor-geral de Orçamento da Secretaria de Estado de Governo e conselheiro do Comitê de Investimentos da Ageprev, Nelson Tsushima reconhece que a projeção de deficit inicial repassada pelo governador, de R$ 700 milhões, poderá, sim, ser acrescida este ano, por conta da expectativa existente pela edição de normas por parte da área federal. O principal deles é o Projeto de Lei Complementar 257, que regulamenta o acordo de renegociação da dívida da União com os Estados e traz medidas restritivas em relação à concessão de benefícios aos servidores, além de austeridade na arrecadação destinada aos regimes previdenciários (próprios e geral).

“O fato é que há deficiência, em termos de grandeza numérica, no aspecto de serem regimes previdenciários próprio ou geral, extremamente deficitários e dependentes de recursos do Tesouro. Isso logicamente exige uma pronta ação do Poder Executivo sob pena de mais dia, menos dia, ocorrer inexistência de recursos para cobertura desses gastos”, comentou.

Fonte: Correio do Estado

Comentário

O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) divulgou relatório no sábado (6) antevendo que haveria o registro de chuva nas regiões sul e sudoeste do Estado e tendência de a temperatura cair nessas áreas. O restante de Mato Grosso do Sul deve continuar com tempo secoi e temperaturas elevadas, que podem chegar aos 34ºC. Essa mudança de clima em parte do território sul-mato-grossense deve-se à frente fria que está a caminho. 

Campo Grande, segundo o Inmet, deve registrar temperatura entre 33ºC e 19ºC e umidade relativa do ar que vai variar de 30% a 70%. Número um pouco maior que nos últimos dias, que chegou a 20% de umidade relativa do ar. Esse clima pode causar uma série de problemas respiratórios e ataca principalmente crianças e idosos.

"Na segunda-feira (8) o tempo estará nublado com chuva isolada no sul e sudoeste; no norte, nordeste e leste as temperaturas começam a cair também e a umidade abaixa", ponderou o informativo. Para o começo da semana, região do Pantanal deve registrar chuva e Campo Grande aparece na faixa com previsão de água.

A terça-feira (9) deve apresentar uma melhora significativa do clima em quase todo o Mato Grosso do Sul e a frente fria está prevista para chegar na região norte. No sul, os termômetros devem registrar queda e a temperatura mínima estimada é de 13ºC na terça e 9ºC na quarta-feira.

Comentário

A sessão de pronúncia, que faz parte do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, será o principal acontecimento desta semana no Senado. Os debates sobre o assunto no plenário da Casa começarão terça-feira (9), mas a previsão é de que a votação ocorra somente quarta-feira (10), após cerca de 20 horas de sessão.

No período, o Senado terá um esquema especial de acesso e funcionamento. A visitação à Casa estará suspensa e a permanência nas dependências será permitida apenas a servidores, à imprensa credenciada, a senadores, suplentes e ex-senadores. Até mesmo servidores da Câmara dos Deputados, que usualmente circulam no Senado, terão acesso bloqueado nos dois dias da sessão de pronúncia.

Os salões Negro, Nobre e Azul, além do plenário, estarão isolados, com acesso controlado pela Polícia Legislativa. Um formulário foi enviado aos chefes de gabinete dos senadores para que eles fizessem o credenciamento dos assessores autorizados a entrar no plenário durante a sessão. Será concedida uma credencial para cada gabinete, assim como uma para cada liderança partidária e uma para cada bloco partidário.

A sessão de pronúncia começará às 9h e seguirá com intervalos de uma hora a cada quatro horas. A votação será nominal, pelo painel eletrônico do Senado, e a previsão é de que ela ocorra na madrugada ou manhã de quarta-feira. O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, presidirá os trabalhos.

Fonte: Agência Brasil

Comentário

A polêmica sobre a determinação de que as operadoras de telefonia retirem as antenas de celular de áreas próximas a escolas públicas no Distrito Federal trouxe o debate sobre a possibilidade de esses equipamentos fazerem mal à saúde da população. Mas, segundo especialistas, não há estudos que comprovem a relação da radiação emitida pelas antenas com o surgimento de doenças.

O professor de engenharia elétrica Leonardo Menezes, da Universidade de Brasília (UnB), diz que é praticamente consenso que a exposição à radiação das antenas não tem efeito notável nenhum sobre a saúde. “O que se estudou até hoje a respeito é que não se encontrou nada que leve a doenças como o câncer, por exemplo”, explicou.

Mas, segundo ele, ainda há dúvidas dos efeitos do uso prolongado dos aparelhos de celular. “Já houve dúvidas muito tempo atrás em relação às antenas, mas com o avanço das pesquisas já se chegou à conclusão de que, se houver efeito, é muito pequeno. É muito mais provável o efeito do telefone em si do que da torre.”

Legislação

Ao exigir o cumprimento de uma lei distrital de 2004 – que proíbe a instalação de antenas em áreas destinadas a atividades educacionais e prevê a distância mínima de 50 metros dos equipamentos de unidades imobiliárias –, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) determinou a retirada de 32 antenas que ficam em áreas de escolas. As operadoras dizem que não podem cumprir a determinação, porque não há onde realocar as antenas.

Para o presidente da consultoria de telecomunicações Teleco, Eduardo Tude, a legislação que restringe a instalação das antenas é baseada no desconhecimento técnico sobre o tema. “A lei não reflete o conhecimento científico que se tem no mundo sobre o assunto. Esse tipo de restrição vem mais do medo e do desconhecimento, mas não tem nenhuma base científica.”

Ele lembra que, quando a lei foi elaborada, já existiam estudos sobre o assunto que demonstravam não haver riscos à saúde. Segundo Eduardo Tude, os limites colocados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a instalação das antenas já trazem uma margem grande para garantir a segurança da população.

Prejuízos à saúde

Na determinação para a retirada das antenas das escolas, o MPDFT considera que as antenas em áreas urbanas provocam impactos importantes na paisagem e na qualidade de vida de quem mora perto, além dos possíveis malefícios à saúde. Segundo o órgão, pesquisas apontam efeitos negativos possivelmente causados pelas radiações não ionizantes oriundas dos aparelhos e das antenas de celular, em especial, os efeitos não térmicos, como distúrbio do sono, crises epiléticas em algumas crianças expostas à radiação de antenas, severa diminuição da produção de leite, perda de massa muscular, abortos espontâneos e ocorrência de natimortos.

Os promotores consideraram que as áreas escolares são frequentadas por crianças e adolescentes, que, por estarem em desenvolvimento físico e mental, podem sofrer danos maiores por causa da presença das antenas.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) destaca que algumas pessoas podem apresentar efeitos como aumento na temperatura do corpo quando expostas a campos eletromagnéticos intensos. Mas, segundo a agência, a população em geral não se aproxima o suficiente das antenas transmissoras para sentir esses efeitos, pois o acesso às antenas é protegido por cercas ou edificações que impossibilitam essa aproximação.

“Todos os dias, muitas pessoas são expostas a ondas eletromagnéticas de radiofrequências de baixa intensidade, provenientes de diversas fontes, sem perceber qualquer efeito. Apesar disso, pesquisas científicas continuam investigando a possibilidade da existência de efeitos ainda não detectados”, informa a Anatel.

Regulamentação

Os níveis seguros de exposição às ondas de rádio emitidas pelas antenas de celulares estão estabelecidos em regulamento da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) – responsável por definir os limites para exposição humana a ondas eletromagnéticas e fiscalizar o cumprimento da regulamentação.

“As avaliações feitas em estações transmissoras de telecomunicações, em diversas localidades brasileiras, têm demonstrado que seus campos eletromagnéticos estão abaixo dos valores limites adotados. A Anatel, ao estabelecer limites de exposição a campos eletromagnéticos de radiofrequências e fiscalizar seu atendimento, busca garantir que, em locais passíveis de ocupação humana, não sejam excedidos os limites de exposição”, ressalta a agência.

O diretor do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), Ricardo Dieckmann, garante que a instalação das antenas segue critérios técnicos de acordo com os limites de exposição estabelecidos pela Anatel, que também certifica e homologa os equipamentos. “Cada instalação que é feita passa pelo processo de licenciamento da Anatel para garantir que os padrões estão de acordo com a regulamentação.”

Serviço

Na avaliação do professor Leonardo Menezes, a retirada das antenas poderá prejudicar a população porque vai reduzir a cobertura do serviço de voz e tornar o acesso à internet móvel mais lento. “As antenas não estão lá só para enfeitar. Nas regiões onde se retirarem as antenas, o sinal da internet vai piorar, a taxa de transmissão vai cair, ou seja, vai ser mais difícil acessar a internet.”

As plataformas de altas altitudes para a colocação de antenas de celulares poderiam ser uma alternativa, de acordo com Menezes, mas seu uso é mais recomendado para áreas isoladas, como florestas e áreas rurais. A ideia é usar drones, balões ou dirigíveis que funcionam como antenas de celular, mas em grandes altitudes. Segundo ele, nas áreas urbanas, como em Brasília, seria preciso haver muitos equipamentos para garantir a qualidade do sinal, e o custo desses equipamentos é mais alto.

A Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) havia notificado as operadoras e já retirou uma das antenas, na região administrativa do Guará. Uma nova reunião entre o governo do DF, as operadoras de telefonia e o Ministério Público deve ocorrer nos próximos dias para debater a questão. Se o MP não aceitar o argumento das empresas sobre a impossibilidade da retirada das antenas, a Agefis poderá fazer novas ações para retirar equipamentos.

O Distrito Federal é a unidade da Federação onde há mais linhas de telefones celulares ativas por habitante, com 1,8 linhas para cada morador da região.

Fonte: Agencia Brasil

Comentário

Policiais Ambientais de Jardim realizavam patrulhamento fluvial no rio Miranda, entre a região da ponte do Ariranha e a Barra do rio Formoso, no município e autuaram ontem (6) à tarde, um ourives, de 43 anos e um comerciante, de 61 anos, residentes em Dourados, por pescar sem a devida autorização para pesca amadora espedida pelo Autoridade Ambiental.

Com os infratores foram apreendidos dois molinetes com varas. Eles ainda não haviam capturado nenhum pescado. Cada infrator foi autuado administrativamente e multado em R$ 300,00.
ALERTA – A pesca sem licença não é crime ambiental, porém, a PMA alerta que é documento necessário para a pesca no Estado e sua falta caracteriza-se como infração administrativa, que prevê, além da multa mínima de R$ 300,00 até a máxima de R$ 10.000,00, a apreensão de barco, motor, produto e material da pesca, bem como veículos utilizados.
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL – PMMS
(Contato – MAJOR QUEIROZ) tel. – 3357-1500– 9905-7763 (vivo – Whats App)
9106-8628 (claro) – 8171-4270 (TIM) – 8475-0553 (oi)

Comentário

Página 1192 de 1286

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus