Timber by EMSIEN-3 LTD
Quinta, 05 Outubro 2017 11:45

Argentina jogará partida da vida contra o Peru na Bombonera nesta quinta-feira

Escrito por Daniel Mundim/GE
Estádio do Boca Juniors receberá o seu 30º jogo da seleção argentina Estádio do Boca Juniors receberá o seu 30º jogo da seleção argentina Divulgação

Para um país que treme de medo com a possibilidade de não ir à Copa do Mundo, um estádio que treme. Às 19h30 desta quinta-feira, a Argentina recebe o Peru na Bombonera em um jogo de paradoxos. A seleção argentina impõe uma pressão ao adversário e a si mesma ao buscar o estádio do Boca Juniors. Está em casa e não está. Decidirá a vida nas eliminatórias em um local onde não atua oficialmente há 20 anos. O SporTV transmite a partida, e o GloboEsporte.com acompanha em Tempo Real.

Argentinos e peruanos têm 24 pontos. O time de Guerrero e companhia está na frente, com mais gols marcados e na quarta posição. Teria a vaga direta para a Copa, algo que não acontece para o país desde 1982. A equipe de Lionel Messi é a quinta, posição que lhe dá apenas o direito de disputar a repescagem com a Nova Zelândia, algo que experimentaram pela última vez em 1994, quando superaram a Austrália.

Na noite desta quinta, os argentinos jogam para evitar um vexame que não acontece há 47 anos. Quando nem eram campeões do mundo. Mais que isso. Evitar a dor por ver a Copa do Mundo de longe. A última vez que isso ocorreu foi em 1970. E como foi o jogo decisivo daquelas eliminatórias? Empate por 2 a 2 contra o Peru, em agosto de 1969, na Bombonera, e classificação dos peruanos para o Mundial. Mas não é esse histórico que conta para a Afa e a seleção argentina.

Os dirigentes não desdenharam dos milhões de pesos argentinos a mais que ganhariam com um jogo no Monumental de Nuñez em vão. Ou melhor, o dirigente. A decisão foi de Claudio “Chiqui” Tapia, presidente da Afa, torcedor e sócio do Boca Juniors. O cartola procurou um estádio que joga sozinho. Quer um calor que não existe na “cancha” do River Plate. Mas optou por um local onde a Albiceleste atuou 29 vezes em toda a sua história.

A última delas em 2012, quando venceu o Brasil por 2 a 1, mas perdeu o título do Superclássico das Américas, em um jogo disputado apenas com jogadores que atuavam pelos dois países. Oficialmente, a última vez que esteve na Bombonera foi no dia 16 de novembro de 1997, em empate por 1 a 1 com a Colômbia pelas eliminatórias.

O aproveitamento na arena xeneize, porém, é bom. São 19 vitórias, oito empates e apenas duas derrotas em toda a história: para a França, em amistoso em 1971, e diante da Alemanha, em outro amistoso, em 1977. Foram seis jogos de eliminatórias no estádio: quatro vitórias e dois empates. Números e dados que não interferem no trabalho do técnico Jorge Sampaoli. O comandante fez questão de deixar claro que não pediu a transferência do jogo para o estádio do Boca Juniors e que os maus resultados são culpa do Monumental de Nuñez.

– Eu não interferi em nada sobre isso. Isso passa por outro lado (não está ao alcance do treinador). Quando assumi, sei que seria responsável pelo que se passa dentro do campo. Só isso. Se nos mandam ao interior, vamos, se nos manda a qualquer lugar, vamos, não queria tratar de saber de algo que não tenha a ver com o que acontece dentro do campo de jogo – pontua Sampaoli.

A verdade é que os jogadores argentinos terão um jogo decisivo pela frente em um local onde estão pouco acostumados atuar. Messi, por exemplo, só pisou no local em 2005, para uma partida beneficente. Romero, Fazio, Icardi e Dybala tampouco sabem o que é correr pelo gramado da Bombonera em um duelo oficial. Destaques do Boca atual, Benedetto – que será o camisa 9 da seleção –, Gago e Pablo Pérez são anfitriões na seleção.

Para a Argentina estar ameaçada, outra seleção tem que estar com esperanças. E ela é a peruana. Se vencer, o Peru chega a inéditas quatro vitórias seguidas em eliminatórias. E fica muito perto de voltar à Copa do Mundo. A última vez que estiveram no torneio foi em 1982. Não em vão milhares de peruanos estão em Buenos Aires, mesmo que sem ingressos garantidos. Boa parte deles acompanhou o desembarque dos jogadores e coloriu o aeroporto de Ezeiza de vermelho e branco.

Se há alguém no Peru que entende as estratégias lançadas pela Argentina para superá-la, é Ricardo Gareca. O técnico peruano surgiu no futebol no Boca Juniors e, em 1985, fez, contra o Peru, o gol que deu a classificação aos argentinos para a Copa do Mundo do ano seguinte. Mas ele se distancia de tudo isso. E foca no excelente momento que sua equipe vive.

Brasileirão - Rodada

Classificação

  • Unimed 38
  • unigran vest 18 menor

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus