Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

O governador Reinaldo Azambuja anunciou que o Estado fará um replanejamento do sistema viário para estabelecer as obras prioritárias que serão executadas a partir desse ano, seja na implantação asfáltica ou restauração e manutenção, com atenção especial às rotas de escoamento da produção. A definição de metas para a infraestrutura também incluirá estudos sobre as pontes de madeira em estradas de tráfego pesado.

Reinaldo se reuniu com os chefes das 17 regionais da Agesul (Agência estadual de Gestão de Empreendimentos), nesta terça-feira (22), ao lado do secretário estadual de Infraestrutura (Seinfra), o vice-governador Murilo Zauith, e do secretário-adjunto da pasta, Luiz Roberto Martins Araújo, que também ocupa as funções de diretor-presidente da Agesul, e apresentou detalhes do plano de trabalho que será desenvolvido para os próximos anos no setor. “Vamos continuar exigindo serviços de qualidade em nossas obras”, cobrou.

Ao elogiar a atuação da Agesul na execução das obras viárias nos 79 municípios, na primeira gestão, o governador observou que essa metodologia de trabalho deve continuar com a mesma serenidade e rigor para o próximo quadriênio. Disse que o Estado continuará apoiando os municípios na manutenção das estradas vicinais e urbanas, contudo, esclareceu que os recursos do Fundersul serão direcionados a boa trafegabilidade das vias estaduais.

“Estradas vicinais não é obrigação do Estado, mas não deixaremos de atender aos municípios”, afirmou Reinaldo, lembrando que 25% dos recursos do Fundersul – cerca de R$ 170 milhões anuais – são hoje destinados às prefeituras para atender a essas demandas. Ele lembrou do período em que foi prefeito de Maracaju (1997-2005), ocasião em que não teve apoio do Estado para recuperar as estradas de uma região em franco desenvolvimento agrícola.

No encontro, o governador pediu que cada regional da Agesul faça um diagnóstico das condições das estradas e pontes em suas regiões para subsidiar o novo planejamento da Seinfra. “Vocês são a ponta, onde acontecem os serviços, e precisamos desse olhar de quem vivencia o dia a dia nas nossas estradas”, frisou. “Nossa malha viária melhorou muito em relação ao que recebemos em 2015, mas ainda há muito o que fazer e investir”, ponderou.

Escoamento da safra

Reinaldo Azambuja reforçou uma atuação especial da área de infraestrutura na manutenção das rotas de escoamento da produção e quer intervenções mais pontuais em algumas rodovias que requer implantação de nova pavimentação imediata, citando, como exemplo, o trecho de 53 km da MS 382, entre Guia Lopes da Laguna e Bonito (trevo com a MS 178). Também citou a recuperação das rodovias da região Sudoeste, cujo tráfego aumentou com a expansão da fronteira agrícola.

O governador estabeleceu como prioridade investir nas rodovias estaduais não pavimentadas, garantindo que seu governo executará todos os projetos em implantação e em estudos para criar uma rota rodoviária no Pantanal, integrando as regiões de Corumbá, Aquidauana, Miranda, Rio Negro, Rio Verde e Coxim. Atualmente, o Estado investe R$ 40 milhões em obras de implantação de trechos das vias MS 228, MS 423 e a MS 214.

O secretário Murilo Zauith também falou aos regionais da Agesul no encontro realizado na Governadoria, e adiantou que em agosto desse ano o Governo do Estado já pretende iniciar o planejamento para garantir o escoamento da safra agrícola de 2020.

Comentário

A defesa do ex-presidente Michel Temer defendeu no STF (Supremo Tribunal Federal) a decisão do ministro Edson Fachin que enviou para a primeira instância da Justiça Eleitoral inquérito sobre o suposto recebimento de propina da empreiteira Odebrecht. A petição foi enviada à Corte em dezembro do ano passado, mas tornou-se pública nesta terça-feira (22), como divulga a Agência Brasil.

A manifestação da defesa foi motivada pelo parecer no qual a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu que Temer e os ex-ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha sejam investigados de forma conjunta.

Em outubro do ano passado, o ministro Fachin determinou a suspensão do inquérito aberto contra Temer até o fim do mandato, que se encerrou no dia 1º de janeiro. O ministro, no entanto, determinou que a parte da investigação que também envolve os ex-ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e de Minas e Energia, Moreira Franco, fosse encaminhada à Justiça Eleitoral de São Paulo. Em seguida, Dodge se manifestou a favor da investigação conjunta.

Ao STF, os advogados do ex-presidente reafirmaram que não há indícios de que Temer tenha cometido ou ordenado qualquer ilícito penal. No entendimento da defesa, eventuais imputações atribuídas aos outros investigados são de competência da Justiça Eleitoral, conforme decidiu Fachin.

"Pelo que se extrai desses autos, não há nenhum indício mínimo de que o Sr. [ex] presidente da República tenha cometido ou ordenado o cometimento de qualquer ilícito penal. As imputações pairam no campo da mera imaginação da agravante", afirmou a defesa.

Inquérito

Conforme delação premiada de seis ex-executivos da Odebrecht, um pagamento de R$ 10 milhões para caixa dois da campanha de Paulo Skaf (MDB) ao governo de São Paulo em 2014 teria sido acertado em um jantar no Palácio do Jaburu quando Temer era vice-presidente, em maio daquele ano.

Teriam participado do encontro o ex-presidente executivo da empresa, Marcelo Odebrecht, e Padilha, que à época era ministro da Aviação Civil. Segundo a Polícia Federal, R$ 1,4 milhão teriam sido recebidos por Temer por meio de intermediários.

Em outubro do ano passado, o advogado Daniel Gerber, que representa Padilha, disse que jamais houve qualquer ato de corrupção imputado ao ex-ministro. Na época, o Palácio do Planalto disse por meio de nota que as conclusões do delegado responsável eram "um atentado à lógica e à cronologia dos fatos".

Comentário

Terça, 22 Janeiro 2019 17:54

Novo diretor do Inep é nomeado

Marcus Vinícius Carvalho Rodrigues foi nomeado nesta terça-feira (22) como novo presidente do Inep (o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), autarquia do Ministério da Educação que tem como responsabilidade a elaboração do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Em nota, o Inep informa que o novo presidente participou da transição do governo desde dezembro de 2018 e a partir do início de janeiro atua no instituto na montagem da equipe, e que pretende “melhorar a qualidade, aumentar a confiança e diminuir os custos para que o Inep consolide sua excelência em avaliação, estatísticas e estudos educacionais”.

Marcus Vinícius tem 63 anos, é cearense, e já atuou como executivo, consultor organizacional, palestrante e professor em cursos de pós-graduação (MBA, Mestrado e Doutorado). É autor de 11 livros sobre gestão e análise organizacional, qualidade e produtividade, dentre eles Qualidade de Vida no Trabalho e Ações para a Qualidade.

É doutor em Engenharia da Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); especialista (MBA) em Formação de Executivos pela Universidade dos Correios; e bacharel em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Inep

O Inep é responsável por subsidiar a formulação de políticas educacionais federais. Conduz avaliações nacionais, exames e produz indicadores da educação básica e superior. É responsável ainda pela elaboração de estatísticas educacionais, por ações internacionais, além de produção e disseminação de conteúdos de educação, conforme divulga a Agência Brasil de notícias.

Comentário

A Arábia Saudita habilitou 25 estabelecimentos brasileiros, localizados em distintas regiões do país, como exportadores de carne de frango para aquele país. A autorização é resultado de uma missão de especialistas sauditas que veio ao Brasil há três meses e visitou frigoríficos, fazendas e fábricas de ração.

Os 25 estabelecimentos comerciais responderam, no ano passado, a 63% do volume das exportações brasileiras de carne de frango – porcentagem que correspondeu a 437 mil toneladas – para a Arábia Saudita. O abatedouro da BRF localizado em Dourados é um dos que estão habilitados a exportar para o Oriente Médio.

O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) tomou conhecimento na segunda-feira (21) do relatório publicado pelo serviço sanitário da Arábia Saudita.

Veja aqui

De acordo com a assessoria de imprensa do Mapa, o relatório está sendo examinado para que os estabelecimentos sejam informados, em detalhes, sobre as recomendações encaminhadas pelos sauditas, conforme reproduz a Agência Brasil de notícias.

Comentário

Em discurso “curto” e “objetivo” como havia anunciado, com duração de 6 minutos e 36 segundos, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou, nesta terça-feira (22), ao estreiar no Fórum Econômico Mundial, em Davos na Suíça, os compromissos de campanha. Ele destacou a determinação de abrir a economia, atrair investidores, fazer reformas, diminuir o peso do Estado e combater a corrupção. “Representamos um ponto de inflexão”, anunciou.

Bolsonaro citou nominalmente três dos ministros do atual Governo: Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Após o discurso, ele respondeu a perguntas dos organizadores do fórum sobre preservação do meio ambiente e desenvolvimento econômico, combate à corrupção e crescimento da América Latina.

O presidente se comprometeu a colocar o Brasil “no ranking dos 50 melhores países para se fazer negócios”, atrair capital estrangeiro, explorar recursos naturais, fazer as reformas tributária e da Previdência Social, investir em educação, incentivar turismo e manter a sustentabilidade do agronegócio. “Avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico”, prometeu.

Compatibilização

Bolsonaro enfatizou que o Brasil é “o país que mais preserva o meio ambiente. Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós. A agricultura se faz presente em apenas 9% do nosso território e cresce graças a sua tecnologia e à competência do produtor rural. Menos de 20% do nosso solo é dedicado à pecuária”, destacou.

“Essas commodities [produtos primários com cotação internacional], em grande parte, garantem superávit em nossa balança comercial e alimentam boa parte do mundo”, acrescentou o presidente. Ele também assegurou a vontade de “aprofundar” as relações comerciais.

Segundo o presidente, seu esforço será para que o Brasil se torne um exemplo para o mundo. “Nossa missão agora é avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico, lembrando que são interdependentes e indissociáveis”, conforme descreve a Agência Brasil de notícias.

Bolsonaro disse que está empenhado em “integrar o Brasil ao mundo”. Para ele, um dos caminhos é a “defesa ativa da reforma” da OMC (Organização Mundial do Comércio) para buscar a eliminação do que chamou de “práticas desleais de comércio e garantir segurança jurídica das trocas comerciais internacionais”.

Reformas

O presidente destacou que pretende implementar uma série de medidas no país, e citou as reformas, a redução de tributos e a desburocratização. Segundo ele, são ações que vão levar ao desenvolvimento econômico e à estabilidade. “Vamos diminuir a carga tributária, simplificar as normas, facilitando a vida de quem deseja produzir, empreender, investir e gerar empregos. Trabalharemos pela estabilidade macroeconômica, respeitando os contratos, privatizando e equilibrando as contas públicas”.

Valores

O presidente ressaltou que gastou menos de US$ 1 milhão na sua campanha e que o país precisa de resgatar valores. “Assumi o Brasil em uma profunda crise ética, moral e econômica. Temos o compromisso de mudar nossa história”, disse, enfatizando que vai resgatar valores. “Vamos defender a família e os verdadeiros direitos humanos; proteger o direito à vida e à propriedade privada e promover uma educação que prepare nossa juventude para os desafios da quarta revolução industrial, buscando, pelo conhecimento, reduzir a pobreza e a miséria”.

Combate à corrupção

No discurso, Bolsonaro destacou ainda a presença do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro: “O homem certo para o combate à corrupção e o combate à lavagem de dinheiro”, disse. Ao ser questionado sobre seus planos para a área, ele disse que Moro tem “todos os meios para seguir o dinheiro no combate à corrupção e no combate ao crime organizado”. “É mudando a legislação e aperfeiçoando outra parte da mesma. Dessa forma, tenho certeza de que atingiremos nosso objetivo”, respondeu, após a fala, aos questionamentos feitos por jornalistas internacionais.

Bolsonaro também acrescentou que os ministros foram indicados de forma técnica, sem participação político-partidária. “Precisamos, sim, muito do Parlamento brasileiro e confiamos que grande parte dele nos dará respaldo na busca do combate à corrupção e na lavagem de dinheiro. Dessa forma, o Brasil será visto de forma diferente aqui fora”.

Segurança

De acordo com o presidente, o governo federal investirá de forma intensa na segurança pública e convidou os presentes a conhecer o Brasil, lembrando que, apesar das belezas naturais, o país não está entre os 40 principais destinos turísticos do mundo. Ele destacou que pretende dinamizar o turismo no Brasil

“Vamos investir pesado na segurança para que vocês nos visitem com suas famílias, pois somos um dos primeiros países em belezas naturais, mas não estamos entre os 40 destinos turísticos mais visitados do mundo. Conheçam a nossa Amazônia, nossas praias, nossas cidades e nosso Pantanal. O Brasil é um paraíso, mas ainda é pouco conhecido”, observou.

Comentário

A Agetran (Agência municipal de Transporte e Trânsito) continua realizando os serviços de sinalização horizontal e vertical de vias em vários pontos da cidade. A ação impacta em um trânsito mais seguro para os motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres.

Na Linha do Potreirito, via que dá acesso a bairros da região sudeste do município, por exemplo, o trabalho acontece no decorrer desta semana, informa a assessoria de comunicação do Município.

Ruas que contam com intenso tráfego de veículos têm recebido as ações que impactam em melhor trafegabilidade, como na Hayel Bon Faker, onde a equipe da Agetran reforça toda a sinalização. O mesmo ocorre na avenida Presidente Vargas, na área central da cidade.

Na rua Fernando Ferrari, em extenso trecho, inclusive em ponto próximo a Escola Municipal Prefeito Álvaro Brandão, no João Paulo II, as modificações também já ocorreram, assim como na rua Filomeno João Pires, Parque das Nações I, em trecho próximo a Escola Presidente Tancredo Neves.

Estas ações são efetuadas constantemente pela Agência, com base em levantamento da equipe técnica que avalia as demandas no município, afirma o titular do órgão, Carlos Fábio Selhorst dos Santos. Recentemente as mesmas ações ocorreram nas vias Manoel Santiago, Eulália Pires, Bela Vista e na avenida Marcelino Pires.

Comentário

Considerando a necessidade de construir um ambiente de negócios favorável e de simplificar a relação do setor público-privado, a Prefeitura de Dourados e a Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul) renovaram Termo de Cooperação Técnica, visando a operacionalização do programa Redesim (a Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios), com fundamento na Lei 11.598, de 3 de dezembro de 2007, através do Projeto Integrar.

O termo tem por finalidade disponibilizar ao Município os serviços do Projeto Integrar, mediante ações como apoiar, simplificar e racionalizar o processo de registro e legalização do empresário e sociedades empresárias, estimulando o ingresso de novos empreendimentos na economia formal, reduzindo custos e prazos para o empreendedor.

A cooperação técnica visa também promover, de forma simultânea, o registro de empresas na Jucems, a emissão do Alvará de Localização e Funcionamento e a inscrição cadastral de empresas nos âmbitos federal, estadual e municipal; bem como, fomentar, facilitar e simplificar o registro de empresas e negócios, em consonância com as políticas de desenvolvimento social e econômico estadual e municipal, de maneira a propiciar o desenvolvimento empresarial, geração de emprego e renda.

A secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Rose Ane Vieira, explica que a renovação do convênio com a Jucems contribui na desburocratização dos serviços, acelerando o processo de abertura de empresas em Dourados.

“O grande objetivo desta parceria é de darmos continuidade à proposta de desburocratizar e proporcionar um tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas de Dourados. Por intermédio de termo de cooperação o município de Dourados tem um prazo médio de cinco dias para abertura de uma microempresa, com uma atividade considerada de baixo impacto. Desta forma, contribuímos para a geração de novos postos de trabalho, consequentemente promovemos o desenvolvimento econômico do município”, diz a secretária.

Comentário

A prefeita Délia Razuk decidiu, após dois anos de gestão, buscar nos servidores de carreira do Município os quadros qualificados para compor a equipe de primeiro escalão da administração. De acordo com material distribuído pela assessoria de comunicação, a experiência está sendo exitosa, na opinião da prefeita, que na manhã desta terça-feira (22) empossou a servidora Berenice Machado de Souza no cargo de adjunta da Secretaria Municipal de Saúde.

Há duas décadas atuando como servidora da Saúde, Berenice, que vinha presidindo o Conselho Municipal de Saúde, é uma profunda conhecedora do setor e preparada para apontar soluções. “Ela tem a missão de melhorar o fluxo de atendimentos nas unidades de saúde, valorizando as competências de cada servidor”, definiu a prefeita ao optar por essa escolha.

Outras indicações de Délia Razuk, para as Secretarias de Obras, Administração e Planejamento, também contemplam servidores de carreira. Délia afirmou que estes servidores têm compromisso com a administração pública e ao longo de suas carreiras se prepararam para entender a gestão pública.

Na Secretaria de Planejamento o servidor Carlos Dobes Vieira foi o indicado pela prefeita para responder pelo setor e pela sua experiência demonstrou, segundo Délia, ser o profissional certo para a função. “Ainda na Saúde, temos o servidor Vagner Costa, que está respondendo interinamente pelo cargo de secretário”, disse a prefeita.

Para assumir a Secretaria de Obras, a prefeita nomeou a bacharel em Ciências Contábeis Marise Bianchi como interina. Com experiência de uma carreira de duas décadas na Secretaria de Obras, Marise já está trabalhando na continuidade das obras e a elaboração de novos projetos.

Desde o início da gestão, a servidora Elaine Boschetti Trota responde pela Secretaria de Administração e tem, segundo avalia a prefeita, correspondido às expectativas, “cuidando de uma pasta complexa, onde há demandas de toda ordem”.

As mulheres também têm conquistado espaços importantes na gestão da prefeita Délia. Seis estão na linha de frente da administração, atualmente: Darlé Pacheco, na chefia do Gabinete; Elaine Boschetti, na Administração; Kallen Ferreira, interina na Agricultura Familiar; Fátima Silveira Alencar, na Assistência Social; Rose Ane Vieira, no Desenvolvimento Econômico e Marise Bianchi, a primeira mulher a ocupar a pasta de Obras Públicas em Dourados.

Comentário

A Feira Agroecológica do Parque dos Ipês será reaberta a partir das 17 horas desta terça-feira (22), informa a Secretaria municipal de Agricultura Familiar, depois das ações realizadas para substituir a estrutura prejudicada por fortes ventos e chuvas que arrancaram, no dia 8 deste mês, parte das tendas do local.

Conforme a Secretaria de Agricultura, o comércio de produtos como hortaliças livres de agrotóxico, mel, ovo caipira, pães, bolos, artesanatos entre outros voltará a acontecer normalmente, até às 22 horas.

A secretária interina de Agricultura Familiar do Município, Kallen Christiany Miranda Ferreira, cita que os feirantes foram reposicionados no espaço, medida que possibilitou o retorno das ações, sem prejuízos. Outros trâmites para encaminhamento de licitação estão sendo encaminhados pela pasta, conforme a secretária, para direcionar melhorias na cobertura do local.

53 feirantes estão cadastrados na Feira do Parque dos Ipês, que acontece toda terça-feira, com oferta de produtos de qualidade à população.

Comentário

O Sicredi começou o ano com uma marca expressiva. A instituição financeira cooperativa ultrapassou os 4 milhões de associados neste mês. Eles estão distribuídos em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal. Esta marca representa um crescimento de 37% da base de associados nos últimos cinco anos.

Um dos diferenciais do Sicredi é o modelo de gestão que valoriza a participação igualitária e colaborativa dos associados, ou seja, são eles que votam e decidem os rumos das 115 cooperativas de crédito filiadas ao Sicredi. “A instituição comemora quatro milhões de pessoas que, por meio do Sicredi, aderiram ao cooperativismo de crédito. É a nossa contribuição para o crescimento do segmento e reflexo do nosso empenho de ser simples, próximo e ativo em relação aos nossos associados”, declara João Tavares, presidente executivo do Sicredi.

As raízes do Sicredi estão no surgimento do cooperativismo de crédito no Brasil, em 1902, à época uma forma de organização coletiva de pequenos agricultores no Sul do País. Pioneiro neste segmento no País e referência nacional e internacional pela organização em Sistema, com padrão operacional e utilização de marca única, o Sicredi atua em 1.263 cidades, sendo que em 200 delas é a única instituição financeira presente.

“Nos últimos anos, o cooperativismo de crédito tem apresentando um crescimento importante no Brasil. Apesar disso, se compararmos com outros países onde o cooperativismo de crédito tem mais representatividade no sistema financeiro, como na Alemanha, França e Irlanda, por exemplo, temos muitas oportunidades para crescer ainda mais”, comenta Tavares.

A participação das cooperativas de crédito no SFN (o Sistema Financeiro Nacional) tem registrado um constante incremento no País. Segundo o Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2017, divulgado pelo BC (Banco Central), o segmento passa por um processo de consolidação. Em dezembro de 2017, o estudo apontava um total de 9,6 milhões de associados no Brasil, crescimento de 8% em relação a dezembro de 2016, e a existência de 967 cooperativas de crédito singulares distribuídas pelo País, que contam hoje com 5.896 agências.

“Como uma das maiores instituições financeiras cooperativas brasileiras, acreditamos no potencial de crescimento do cooperativismo de crédito no Brasil e investimos na ampliação da atuação nacional, mediante a abertura de agências em grandes centros e expansão para estados das regiões Norte e Nordeste, no estado de Minas Gerais e no Distrito Federal. Além dessa expansão, mantemos a atuação em pequenos municípios e investimos continuamente em tecnologia, visando oferecer aos já associados produtos e serviços também em ambientes digitais, além de atrair novos associados”, afirma o presidente da SicrediPar, Manfred Alfonso Dasenbrock.

Nesse sentido, o Sicredi está contemplando um processo de modernização cujo objetivo é proporcionar uma vivência cada vez mais “Fisital”, uma troca de experiências do mundo físico para o digital e vice-versa. Ou seja, usar a tecnologia para ampliar o contato com as pessoas.

Comentário

Página 1 de 1190
  • mistura
  • unimed
  • kikao

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus