Timber by EMSIEN-3 LTD
  • cmd outubro rosa
Sexta, 05 Julho 2019 07:32

UFGD realiza primeira dissertação de mestrado em comunidade quilombola Destaque

Escrito por
Apresentação de conclusão de trabalho produzido por Myla Machado ocorreu no salão comunitário Apresentação de conclusão de trabalho produzido por Myla Machado ocorreu no salão comunitário Divulgação/Assessoria

O Programa de Pós-graduação em História (PPGH) da UFGD levou para a Comunidade Quilombola Tia Eva, em Campo Grande, a banca de defesa da dissertação da mestranda Myleide Meneses de Oliveira Machado, realizada terça-feira (2), no Salão Comunitário, em uma sessão pública para os moradores e alunos. É a primeira vez que PPGH promove uma banca de mestrado no local. Com o tema “Comunidade Tia Eva: Bairro de Negros e Herança de Fé”, o trabalho foi um estudo de caso para compreender e historizar parte do processo de luta pela regularização fundiária do território da comunidade, analisando o período entre 1985 e 2008.

A banca, formada por Eudes Fernando Leite (orientador/UFGD), Cíntia Santos Diallo (UEMS) e Cláudia Regina Nichnig (UFGD), atendeu prontamente a sugestão de fazer a defesa da dissertação no local, pela importância de aproximar a academia com a comunidade, como uma forma de fortalecer e prestigiar o grupo. “As pesquisas acadêmicas diariamente produzidas nas universidades públicas são feitas para a sociedade e devem atender a ela, seja em qual for a área de conhecimento. Não concordamos com o distanciamento, que muitas vezes nos é imposto”, afirmou o professor doutor Eudes Fernando Leite.

Para Myleide Machado, que prefere ser chamada de Myla, a experiência oportunizou o entendimento e a visualização dos resultados da pesquisa. “Eu me senti muito honrada em dividir com cada um dos meus narradores e alunos a apresentação do meu trabalho, cuja metodologia é História Oral. Precisamos mostrar que o mundo da academia ‘tem de ser mais aberto e acessível’, tornando os personagens atuantes ativamente dentro de todo o processo. A intenção também foi mostrar que meu trabalho deve ter uma função política e social não só para a comunidade acadêmica, mas para todos os envolvidos na pesquisa, os movimentos sociais negros, os coletivos de mulheres negras e principalmente as instituições ligadas ao movimento quilombola”, defende a mestra.

A dissertação “Comunidade Tia Eva: Bairro de Negros e Herança de Fé” demonstra a necessidade de redimensionar os conceitos de identidade e territorialidade associando-os às interpelações com o espaço e a sociedade, trazendo elementos culturais que os identifiquem e oferecem o status de Comunidade Quilombola. De acordo com a pesquisa, o território somado às tradições e ao legado de fé deixado por Tia Eva são o que de melhor representa e traduz uma identidade étnica, requisito fundamental para reprodução da vida. “E na comunidade Tia Eva a posse legal da terra será decisiva para a permanência e continuidade da presença construída historicamente, riqueza que deve ser garantida como legado cultural para a cidade Campo Grande”, afirma Myla Machado.

Biblioteca comunitária

A pesquisa se utilizou também da inspiração em etinografia e isso ocasionou uma aproximação muito grande da pesquisadora com o grupo, sendo convidada a integrar o Grupo Mulheres Negras em Ação da Comunidade Tia Eva (GMUNE). As várias participações proporcionaram a observação e ensaios sobre a comunidade, inspirando o Projeto “Biblioteca Comunitária Filhas de Tia Eva”, que nasceu em uma das reuniões do grupo de mulheres negras na comunidade numa das tardes de sábado.

Ansiosas por trazerem para todos o hábito da leitura e a educação, deram início as doações de livros em parceria com a Associação de Descendentes (com a cedência do espaço) e contaram com apoio do Grupo de Pesquisa Luta pela Terra (da Faculdade de Direito da UFGD), liderado pelo professor Tiago Botelho, em Dourados.

Para que uma biblioteca comunitária possa emergir, é preciso uma mobilização coletiva de quem a deseja. Por isso, o grupo está planejando o lançamento de uma Vaquinha On-line para iniciar a arrecadação de fundos para a compra dos livros do acervo voltado principalmente para autores negros, oferecendo a total identificação com o público-alvo.

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus