Timber by EMSIEN-3 LTD
Editais
O Congresso Nacional oficializou a decisão de levar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para votação diretamente no plenário. Uma sessão será convocada para o próximo dia 16. Além disso, o Legislativo abriu o prazo para os parlamentares apresentarem emendas ao projeto. O cronograma e o limite de alterações que cada congressista poderá propor, porém, ficaram reduzidos em relação a anos anteriores. Com a decisão de abrir um prazo para emendas, a cúpula do Legislativo tenta afastar o "fantasma" do shutdown. Sem a Comissão Mista de Orçamento (CMO), a possibilidade de uma discussão mínima sobre alterações no projeto era uma condição para líderes partidários concordarem em votar a lei diretamente no plenário. Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias. Conforme ato publicado em edição extra do Diário do Congresso nesta sexta-feira, 4, os parlamentares terão cinco dias úteis para apresentar emendas na tentativa de sugerir mudanças. Ou seja, o prazo termina na próxima sexta-feira, 11. A sessão do Congresso, no próximo dia 16, será dividida em duas etapas, uma para deputados e outra para senadores. O senador Irajá Abreu (PSD-TO), acusado por estupro de uma modelo no último dia 22, foi oficialmente designado como relator do projeto. O parlamentar nega a acusação. O prazo de cinco dias é menor do que o previsto anteriormente, de 11 dias corridos. Além disso, não haverá um período entre o preliminar e o parecer final ao projeto, o que geralmente ocorre na Comissão Mista de Orçamento. A decisão, assinada pelo presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), é justificada pela pandemia de covid-19, pela não instalação da CMO e pela necessidade de votar o projeto. O número de emendas que cada parlamentar poderá apresentar para as prioridades e metas do Executivo também ficou menor: duas para cada bancada estadual e uma por congressista. O texto do governo estabelece a primeira infância e os investimentos em andamento como itens prioritários. No ano passado, o limite foi de três emendas por bancada, três por congressista e ainda duas para cada comissão da Câmara e do Senado. Desta vez, as comissões, sem funcionamento durante o período de sessões remotas, ficaram de fora. Deputados e senadores geralmente tentam alterar a LDO para garantir que o governo aplique recursos em determinadas áreas. Se o Executivo resolver retomar a meta fixa de resultado primário em 2021, por exemplo, o que exigirá contingenciamento ao longo do ano, os parlamentares devem definir quais áreas do governo não poderão ter bloqueio de recursos. No projeto encaminhado pelo presidente Jair Bolsonaro, a área militar foi priorizada entre as despesas livres de corte. Além disso, outra alteração que o Congresso deve fazer é incluir as emendas do relator-geral do Orçamento e das comissões nas despesas com pagamento obrigatório pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, assim como ocorreu no ano passado. Na prática, a estratégia deve aumentar o volume de recursos que o Executivo gastará para atender a interesses de redutos eleitorais dos congressistas. O texto do governo prevê apenas o pagamento das emendas individuais, indicadas por cada deputado e senador, e das emendas de bancadas, indicadas pelo conjunto de parlamentares de cada Estado. Na Lei Orçamentária Anual (LOA), as emendas parlamentares totalizam R$ 16,3 bilhões. Com a alteração na LDO, o valor poderá ficar maior.

Comentário

Beneficiado pela entrada de fluxos internacionais durante a tarde, o dólar fechou a terceira semana seguida em queda e está no menor valor em quatro meses. Na quinta semana seguida de valorização, a bolsa de valores aproximou-se dos 114 mil pontos e quase zerou as perdas no ano se desconsiderar a variação cambial.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (4) vendido a R$ 5,125, com recuo de R$ 0,016 (-0,3%). A cotação operou em alta durante quase toda a sessão, atingindo R$ 5,18 por volta das 12h30. No entanto, passou a cair nos 90 minutos finais de negociação.

A moeda norte-americana está no menor valor desde 22 de julho (R$ 5,114) e acumula recuo de 3,77% na semana e de 4,14% em dezembro. Em 2020, a divisa subiu 27,72% ante o real.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 113.750 pontos, com ganho de 1,3%. O indicador operou em alta durante todo o dia, beneficiado pelo ingresso de capital estrangeiro e pelos recordes nas bolsas norte-americanas em meio a avanços nas pesquisas de vacinas contra a covid-19.

Apesar do número recorde de casos diários e de mortes nos Estados Unidos e em países da Europa, os investidores estão animados com a aprovação da vacina no Reino Unido e pela divulgação de planos de imunização em diversos países. A vacinação aumenta as expectativas de reabertura mais rápida de economias avançadas, o que estimula a aplicação em mercados emergentes de maior risco, como o Brasil.

Paralelamente ao avanço das vacinas, a divulgação de que a criação de empregos nos Estados Unidos foi menor que o esperado diminuiu as pressões sobre o câmbio. O desempenho do mercado de trabalho reforça a expectativa de aprovação de um pacote de estímulos na maior economia do planeta que injetará dólares nos mercados globais.

Os três principais índices das bolsas norte-americanas fecharam em máximas históricas. O Dow Jones (índice das empresas industriais) subiu 0,83%, o S&P 500 (das 500 maiores empresas) ganhou 0,88%, e o Nasdaq (das empresas de tecnologia) teve alta de 0,7%.

* Com informações da Reuters

Comentário

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmou 14 mortes no acidente provocado nesta sexta-feira (4) pela queda de um ônibus de um viaduto em João Monlevade, na Região Central de Minas Gerais. Segundo a corporação, 11 pessoas foram encontradas mortas no local e três perderam a vida a caminho do hospital.

Vinte e seis feridos foram levados a hospitais próximos ao local do acidente. Entre os feridos, um adulto e duas crianças foram transferidos, em estado grave, de helicóptero para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte.

Causa do acidente

Segundo o porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, as causas do acidente ainda serão investigadas. Testemunhas apontam duas versões para a queda do ônibus, com placa de Alagoas, de uma ponte de 15 metros de altura. A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) também esteve no local para fazer os primeiros levantamentos da perícia.

“Ainda não se sabe exatamente a causa desse acidente. Há duas versões principais relatadas pelas testemunhas. Algumas relataram que, no momento em que esse ônibus se encontrava subindo um trecho de aclive, teria perdido o tracionamento, bateu na estrutura de proteção lateral da ponte e acabou caindo de uma altura de 15 metros." De acordo com Aihara, a outra versão diz que, antes de ocorrer a tração, o ônibus teria colidido com veículos que estavam retidos, incluindo um caminhão.

Apoio


Pouco depois do acidente, no Twitter, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, se disse "estarrecido" e afirmou que “equipes dos bombeiros, policiais, ambulâncias e helicóptero estavam no local para atendimento aos feridos, apoio às famílias e apuração dos fatos”.

“Estarrecido. Toda a minha solidariedade aos familiares e amigos das vítimas do grave acidente que ocorreu nesta tarde, em João Monlevade, região central. Até o momento, 10 mortos foram confirmados nesta triste tragédia”, disse Zema.

Comentário

O Tribunal Especial Misto (TEM) que julga o processo de impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, definiu hoje (4) uma lista de 29 testemunhas a serem ouvidas. Também foi admitida a produção de provas documentais suplementares pela acusação e pela defesa. Os advogados de Witzel queriam ainda a produção de prova pericial contábil e de engenharia. O tribunal, no entanto, negou esse pedido por considerá-lo impertinente e irrelevante.

"Os pagamentos feitos são incontroversos, até porque oriundos de provas documentais e a regularidade dos mesmos é questão de mérito, não sendo definida através de prova pericial contábil", pontuou o desembargador Claudio de Mello Tavares, presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) e também do TEM.

Nas redes sociais, Witzel reiterou ontem (3) sua inocência. "A aprovação das contas do meu governo mostra que estávamos no caminho certo. No primeiro ano de gestão, investimos no que a população mais precisava: segurança, educação e saúde", escreveu.

Witzel, que foi eleito governador do Rio de Janeiro em 2018, está afastado do cargo desde agosto desse ano por ordem monocrática do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A decisão se deu no âmbito da Operação Tris in Idem, na qual o Ministério Público Federal (MPF) investigava o direcionamento de licitações e a cobrança de propina de fornecedoras do estado. O afastamento foi mantido posteriormente em decisão colegiada. O então vice-governador Cláudio Castro assumiu o cargo.

A apuração de possíveis irregularidades já havia vindo à tona em maio, com a deflagração da Operação Placebo, que incluiu mandado de busca e apreensão no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo fluminense. Entre as movimentações investigadas, está contratação da organização social Iabas para gerir os hospitais de campanha montados para atender pacientes da covid-19. O MPF também colocou em sua mira a decisão de Witzel que anulou a desqualificação do Instituto Unir Saúde para firmar contratos com o poder público.

Em junho, o processo de impeachment foi instaurado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) a partir de uma denúncia por crime de responsabilidade apresentada pelos deputados Luiz Paulo (sem partido) e Lucinha (PSDB). O relatório favorável ao impeachment foi aprovado pelos parlamentares em setembro, levando à criação do TEM, conforme determina a legislação.

Composto por cinco desembargadores e cinco deputados estaduais, o TEM decidiu em novembro por receber a denúncia e dar prosseguimento ao processo de impeachment. Na mesma ocasião, foi dado prazo de dez dias para que Witzel deixasse o Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo fluminense. Até a sentença final, seu salário fica reduzido a um terço.

Testemunhas

A próxima sessão do processo de impeachment será realizada no dia 17 de dezembro, quando terá início a oitiva das testemunhas de acusação. Entre elas estão o pastor Everaldo Pereira, presidente nacional do PSC; Edmar Santos, ex-secretário estadual de Saúde; e Gabriell Neves, ex-subsecretário. Os três estão presos.

Entre os nomes indicados pela defesa está o empresário Mário Peixoto, que também está preso. As investigações do MPF apontaram que o Instituto Unir Saúde tem ligação com o seu nome, o que ele nega. Além dos pedidos feitos pela defesa e pela acusação, outras dez testemunhas foram incluídas conforme deliberação do TEM, entre elas Helena Witzel, esposa do governador afastado.

Comentário

Os casos de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia chegaram a 6.533.968. Nas últimas 24 horas, foram registrados 46.884 novos diagnósticos positivos de covid-19. Ontem, o painel do ministério trazia 6.487.084 casos acumulados. Ainda conforme a atualização do órgão, há 613.635 pacientes em acompanhamento. Outras 5.744.369 pessoas já se recuperaram da doença.

O total de mortes provocadas pela pandemia somou 175.964. Entre ontem e hoje, as autoridades de saúde notificaram 694 novas mortes. Ontem, o sistema de estatísticas sobre a covid-19 do Ministério marcava 175.270 óbitos. Ainda há 2.184 falecimentos em investigação.

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada no início da noite desta sexta-feira (4). Os totais são resultado da consolidação de informações enviadas pelas secretarias estaduais de saúde.

Estados

A lista dos estados com mais mortes pela covid-19 é encabeçada por São Paulo (42.788), Rio de Janeiro (23.017), Minas Gerais (10.227), Ceará (9.683) e Pernambuco (9.119). As Unidades da Federação com menos óbitos pela doença são Acre (731), Roraima (740), Amapá (823), Tocantins (1.175) e Rondônia (1.589).

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 04/12/2020Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 04/12/2020
Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 04/12/2020 - 04/12/2020/Divulgação/Ministério da Saúde

Comentário

Maria Clara Gueiros usou seu Instagram nesta sexta-feira, 4, para falar sobre seu apoio à amiga Dani Calabresa em acusações de assédio feitas a Marcius Melhem, ex-chefe do humor na Globo. Mais cedo, Dani usou seu Instagram para se pronunciar publicamente sobre o caso pela primeira vez. "Nunca quis ser vista como uma mulher assediada, mas para recuperar minha saúde precisei me defender. Nunca procurei a imprensa. Tomei as medidas cabíveis para conseguir ajuda", afirmou Calabresa. A atriz ainda agradeceu Maria Clara Gueiros, "amiga do meio artístico que me apoiou desde o início", que respondeu com outra publicação em tom elogioso. "Estou ao lado da Dani Calabresa desde o princípio. Nossa luta foi incansável e construída com parcimônia e coragem. Fui testemunha do que ela passou e tenho muito orgulho de fazer parte da construção de tempos melhores", escreveu. "Para os desavisados que me xingam dizendo que eu não ajudei a Dani, quero avisar que estive o tempo todo de mão dada com ela. Neguei que fiz uma denúncia de assédio moral em dezembro do ano passado, pois realmente não fiz, e isso é um fato", prosseguiu. Maria Clara Gueiros ainda encerrou fazendo elogios a Dani Calabresa: "O resto todo é parceria, apoio, coragem e trabalho. Te amo, Dani". Confira a íntegra da postagem abaixo. Clique aqui Entenda as acusações de assédio sexual a Marcius Melhem As primeiras denúncias surgiram no fim de 2019, e foram negadas por Melhem. O nome de Dani Calabresa foi citado, ao lado do de Maria Clara Gueiros, entre as denunciantes, em postagem feita pelo jornalista Leo Dias na ocasião. Em março de 2020, ele se afastou do comando do humor da emissora, e também de suas funções como roteirista e ator, alegando a necessidade de acompanhar tratamento de saúde de sua filha. O período inicial de licença seria de quatro meses. Em vez de retornar, porém, Marcius Melhem teve seu contrato com a emissora encerrado após 17 anos. No comunicado final, a emissora destacou sua "importante contribuição para a renovação do humor" e não citou as acusações de assédio, o que teria gerado insatisfação em alguns artistas que acompanharam o caso internamente. Em 24 de outubro, uma reportagem da Folha de S.Paulo, trouxe entrevista com a advogada Mayra Cotta, que assessora um grupo de artistas que endossam as acusações contra Marcius Melhem. O nome de Dani Calabresa ainda não havia sido confirmado, até então. "Houve um comportamento recorrente, de trancar mulheres em espaços e as tentar agarrar, contra a vontade delas. De insistir e ficar mandando mensagem, inclusive de teor sexual, para mulheres que ele decidia se iam ser escaladas ou não para trabalhar, se ia ter cena ou não para elas. De prejudicar as carreiras de mulheres que o rejeitaram. De ficar obcecado, perseguindo, mesmo. Foi um constrangimento sistemático e insistente, muito recorrente", relatou, à época. Pouco depois, em seu Twitter, Marcius Melhem se manifestou publicamente sobre as acusações pela primeira vez. "Diante de acusações tão graves, que de forma alguma cometi, o que eu posso fazer? Negar. Coloco à disposição toda minha comunicação que tenho arquivada, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado comigo nesses anos", afirmou. "Mas, mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem. Tento melhorar e aprender. E queria muito falar sobre isso", disse, em outro momento. Nesta sexta-feira, 4, a revista Piauí publicou novos detalhes sobre o caso, após ter colhido depoimentos de 43 pessoas, entre vítimas e testemunhas, muitas das quais na condição de anonimato. Entre os relatos, há detalhes dos supostos assédios que teriam sido praticados por Melhem e relatados ao compliance da emissora, incluindo os feitos a Dani Calabresa. Também há relatos de medidas que teriam sido tomadas por funcionários da Globo em relação à situação, como uma sugestão de que Marcius Melhem fizesse terapia após uma acusação.

Comentário

Em jogo válido pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o Guarani foi até a Arena Barueri e superou o lanterna Oeste por 1 a 0 nesta sexta-feira (4).

Com gol de Waguininho no fim, Guarani vence o Oeste por 1 a 0. O Bugre volta a jogar na terça, quando enfrenta o Operário, às 16h30, no Brinco de Ouro. Vamos, Bugreeee! ??? pic.twitter.com/VXng8TrDZc

— Guarani FC (@oficialguarani) December 4, 2020

E o triunfo do Bugre foi garantido graças à lei do ex, pois o atacante Waguininho, ex-atleta do Rubrão, marcou aos 45 minutos da etapa final. O gol da vitória saiu em jogada de contra-ataque, iniciada por Cristóvam, e que passou por Renanzinho, antes de o camisa 21 marcar de cabeça.

Com o resultado, o Guarani chegou à 8ª posição com 37 pontos, enquanto o Oeste permanece na lanterna com 15.

O próximo compromisso do Bugre na competição será na terça-feira (8), quando recebe o Operário-PR no estádio Brinco de Ouro. No mesmo dia o Rubrão visita o Juventude no estádio Alfredo Jaconi.

Veja a classificação atualizada da Série B do Brasileiro.

Comentário

O primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz terá início na próxima terça-feira (8) no Parque Olímpico do Rio de Janeiro e prosseguirá até domingo (13). As partidas serão transmitidas ao vivo,  a partir das 17h (horário de Brasília), na TV Brasil.

Desde 2005, a Fifa chancela o Mundial de beach soccer, que se popularizou nos anos de 1990. Já o futebol de areia raiz surgiu em 1988, em Porto Alegre. Mas o que é, afinal, o futebol de areia raiz? Muitas respostas parecem mais uma ideia vaga, do que uma definição exata.  "É aquele futebol de quando você ia para a praia, colocava dois cocos na areia (para formar a baliza) e jogava aquela peladinha", recorda Toinho, defensor na seleção brasileira de futebol de areia raiz. 

Companheiro de Toinho na equipe nacional, o pivô Jonatan também recorre à memória para tentar descrever o que esta modalidade tem de "raiz". "É um futebol de comunidade, que é onde surgiu o futebol. Você joga em qualquer lugar", define.

Tabela, jogos, Mundial de Futebol de Areia Raiz - de 08 a 12/12/2020 - Parque Olímpico - RJTabela, jogos, Mundial de Futebol de Areia Raiz - de 08 a 12/12/2020 - Parque Olímpico - RJ
Tabela, jogos, Mundial de Futebol de Areia Raiz - de 08 a 12/12/2020 - Parque Olímpico - RJ - Mundial de Futebol de Areia Raiz/Divulgação

À primeira vista, o futebol de areia raiz lembra bastante o beach soccer, mas é possível perceber as diferenças nas regras. São seis jogadores em quadra, ao invés de cinco. Dois tempos de 20 minutos,  e não três tempos de 12 como é no beach soccer. E há outras características específicas do futebol de areia raiz: a areia utilizada costuma ser batida, sem tantas ondulações. Não há “carrinho”. É possível optar por cobrar faltas antes do meio da quadra, no local da infração, ou diretamente do meio. 

O status das duas modalidades também ajuda a escancarar as diferenças. É verdade que o beach soccer não possui tanta estrutura no Brasil quanto o futebol de campo, mas ainda há caminhos para que um atleta se torne profissional, ainda que as verdadeiras oportunidades estejam na Europa. Entre os adeptos da modalidade “raiz”, isso não é possível. Há quem se mantenha financeiramente na modalidade como Jonatan,  que em 2020 defendeu o Brasil de Farroupilha, no Rio Grande do Sul, e em janeiro do ano que vem embarca para a Finlândia para jogar pelo FC Aland. Alguns enveredam pelo Fut7, uma espécie de soçaite. Já Toinho, por exemplo, ganha a vida como lojista.

A difusão da modalidade pelo mundo é um sinal de que as coisas vêm melhorando. Nove seleções se juntam ao Brasil na disputa pelo primeiro título mundial de futebol de areia raiz: México, Chile, Tunísia, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Angola, Bolívia e França. Houve cinco desistências por conta das restrições sanitárias causadas pela pandemia de covid-19: Alemanha, Argentina, Canadá, Croácia e Israel. Tais países estavam confirmados para o evento, inicialmente programado para ocorrer em em março deste ano. 

beach soccerbeach soccer
Nove seleções se juntam ao Brasil na disputa pelo primeiro título mundial de futebol de areia raiz: México, Chile, Tunísia, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Angola, Bolívia e França. Prefeitura de Itanhaem-SP

Toinho destaca o Uruguai como possível pedra no caminho do Brasil rumo ao título inédito. Segundo ele, a evolução dos adversários em um esporte genuinamente brasileiro é notável. "Tempos atrás, os jogadores de outros países não tinham esse conhecimento que o brasileiro tem, de saber correr da forma certa na areia, saber conduzir a bola. Eles investiram trazendo brasileiros e hoje estão muito, muito melhores", atesta.

Faturar o primeiro título mundial de uma modalidade é algo simbólico. Mas conquistar fãs talvez seja ainda mais valioso. São dois objetivos bem definidos da seleção para a próxima semana. O primeiro depende exclusivamente do desempenho na areia. O segundo pode ser impulsionado pela transmissão em TV aberta, que pode  compensar a ausência de torcedores sedentos por conhecer a modalidade. Quem assina embaixo é o técnico da seleção, China, que fez parte dos vitoriosos times do Grêmio na década de 80.

"Queremos honrar as cores do Brasil e levar essa modalidade a lugares que não tiveram a oportunidade de ver o futebol de areia raiz".

Comentário

A secretaria-executiva da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla) aprovou, hoje (4), o relatório de execução das 11 ações que, em 2019, foram estabelecidas como iniciativas prioritárias para este ano.

Entre as medidas adotadas que, segundo os membros da Enccla, contribuem para o combate à corrupção e à lavagem de dinheiro estão a proposta que resultou na atualização de uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre a alienação antecipada de bens apreendidos em procedimentos criminais e a assinatura de acordos de cooperação técnica que permitirão o aprimoramento do processo de venda destes bens.

“A inclusão deste tema da gestão de ativos entre os objetivos da Enccla para este ano foi muito positiva para a gestão de ativos no país”, comentou o diretor de Gestão de Ativos da Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (Senad), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Giovanni Magliano Júnior.

De acordo com Magliano, desde 2019 os órgãos públicos responsáveis vêm conseguindo leiloar mais rapidamente itens como carros, motocicletas, aeronaves, embarcações, imóveis, joias e até gado apreendidos pelas forças policiais.

“Mesmo com a pandemia, alcançamos excelentes resultados este ano. Passamos de uma média de oito leilões anuais para mais de cem. Em termos de receita financeira arrecadada, saltamos de uma média que girava em torno de R$ 40 milhões, para R$ 120 milhões”, afirmou o diretor, destacando que os valores obtidos com a alienação dos bens são integralmente destinados ao Fundo Nacional Antidrogas, convertendo-se em recursos financeiros usados para financiar ações públicas que beneficiem a sociedade.

Outra ação celebrada durante a 18ª reunião plenária do grupo, que começou na terça-feira (1) e terminou hoje, foi a criação de uma plataforma, o Portal Instituto Rui Barbosa Conhecimento que reúne a 615 cursos online e gratuitos de capacitação sobre gestão pública, oferecidos a servidores de tribunais de contas, da administração pública e a alguns membros da sociedade civil em geral. A elaboração de uma ferramenta capaz de divulgar e permitir o acesso a oportunidades de capacitação virtual para quem lida com aspectos ligados à contratação pública foi uma sugestão apresentada por membros da sociedade civil, em 2019.

Entre as 11 ações aprovadas há também medidas para aprimorar o controle de gastos de campanhas eleitorais de forma a evitar e coibir o mau uso de verbas públicas para além do período de eleições. Neste sentido, a Enccla discutiu uma proposta de resolução já apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que, entre outras coisas, visa a tornar permanente o Núcleo de Inteligência da Justiça Eleitoral.

Ao longo deste ano, a Enccla também discutiu e encaminhou ações sobre as possibilidades de utilização de ferramentas tecnológicas específicas no serviço público, como o Blockchain, que motivou a publicação de uma cartilha sobre o tema.

A Enccla é uma rede formada por 90 órgãos e entidades públicas que atuam no enfrentamento a crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. Desde que foi criada, em 2003, desenvolveu 300 ações. A íntegra dos principais resultados atingidos em 2020 estão disponíveis no site do grupo. As iniciativas para 2021 vão ser apresentadas ainda hoje.

Comentário

Dani Calabresa usou seu Instagram nesta sexta-feira, 4, para se pronunciar sobre as acusações de assédio sexual e moral feitas ao ator, roteirista e ex-chefe do humor da Globo, Marcius Melhem. Desde dezembro de 2019, o nome de Dani Calabresa vinha sendo citado em reportagens sobre atrizes que teriam sido vítimas de Melhem. É a primeira vez em que ela fala abertamente sobre o caso. "Nunca quis ser vista como uma mulher assediada, mas para recuperar minha saúde precisei me defender. Nunca procurei a imprensa. Tomei as medidas cabíveis para conseguir ajuda", afirmou. Na sequência, prosseguiu: "Tudo é muito difícil. Dá medo, vergonha, mas temos que lutar por respeito e Justiça. Não passarão. Assédio é crime!" Dani Calabresa ainda agradeceu às mensagens de apoio, a Manô Miklos e à advogada Mayra Cotta, além de declarar sua gratidão a Maria Clara Gueiros: "minha amiga do meio artístico que me apoiou desde o início". "Toda minha solidariedade às mulheres que passam por isso e têm medo de denunciar. É impressionante a luta que uma mulher precisa travar para provar que é vítima. Denunciem!", concluiu. Confira a íntegra do pronunciamento feito por Dani Calabresa em relação às acusações de assédio a Marcius Melhem. Entenda as acusações de assédio a Marcius Melhem As primeiras denúncias surgiram no fim de 2019, e foram negadas por Melhem. O nome de Dani Calabresa foi citado, ao lado do de Maria Clara Gueiros, entre as denunciantes, em postagem feita pelo jornalista Leo Dias na ocasião. Em março de 2020, ele se afastou do comando do humor da emissora, e também de suas funções como roteirista e ator, alegando a necessidade de acompanhar tratamento de saúde de sua filha. O período inicial de licença seria de quatro meses. Em vez de retornar, porém, Marcius Melhem teve seu contrato com a emissora encerrado após 17 anos. No comunicado final, a emissora destacou sua "importante contribuição para a renovação do humor" e não citou as acusações de assédio, o que teria gerado insatisfação em alguns artistas que acompanharam o caso internamente. Em 24 de outubro, uma reportagem da Folha, trouxe entrevista com a advogada Mayra Cotta, que assessora um grupo de artistas que endossam as acusações contra Marcius Melhem. O nome de Dani Calabresa ainda não havia sido confirmado, até então. "Houve um comportamento recorrente, de trancar mulheres em espaços e as tentar agarrar, contra a vontade delas. De insistir e ficar mandando mensagem, inclusive de teor sexual, para mulheres que ele decidia se iam ser escaladas ou não para trabalhar, se ia ter cena ou não para elas. De prejudicar as carreiras de mulheres que o rejeitaram. De ficar obcecado, perseguindo, mesmo. Foi um constrangimento sistemático e insistente, muito recorrente", relatou, à época. Pouco depois, em seu Twitter, Marcius Melhem se manifestou publicamente sobre as acusações pela primeira vez. "Diante de acusações tão graves, que de forma alguma cometi, o que eu posso fazer? Negar. Coloco à disposição toda minha comunicação que tenho arquivada, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado comigo nesses anos", afirmou. "Mas, mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem. Tento melhorar e aprender. E queria muito falar sobre isso", disse, em outro momento. Nesta sexta-feira, 4, a revista piauí publicou novos detalhes sobre o caso, após ter colhido depoimentos de 43 pessoas, entre vítimas e testemunhas, muitas das quais na condição de anonimato. Entre os relatos, há detalhes dos supostos assédios que teriam sido praticados por Melhem e relatados ao compliance da emissora, incluindo os feitos a Dani Calabresa. Também há relatos de medidas que teriam sido tomadas por funcionários da Globo em relação à situação, como uma sugestão de que Marcius Melhem fizesse terapia após uma acusação.

Comentário

Página 2 de 9017

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis