Timber by EMSIEN-3 LTD
Editais

A UFGD prorrogou para até o dia 6 de novembro o prazo para os candidatos solicitarem a isenção da taxa de inscrição dos vestibulares da Universidade. O cronograma inicial previa o término do prazo nesta sexta-feira (23), segundo informa a assessoria da instituição.

O direito à isenção da taxa é garantido para candidatos que estão inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (o CadÚnico) ou que possuam renda familiar per capita igual ou inferior a um salário-mínimo e meio e cursaram o ensino médio completo em escola da rede pública ou como bolsista integral em escola da rede privada.

A taxa é de R$ 100 para três vestibulares da UFGD: o de seleção aos 33 cursos (PSV), o de Letras-Libras (Licenciatura) e o da Faculdade de Educação a Distância (PSEaD), para quatro cursos. A única exceção é para o vestibular da Licenciatura em Educação no Campo (PSLEDUC) que não cobra a inscrição de nenhum candidato.

Quem não tem condições de pagar a taxa de inscrição agora pode solicitar a isenção até às 17 horas do dia 6 do mês que vem para que a Universidade renuncie à cobrança. Para fazer o pedido da isenção é necessário preencher formulários e enviar a documentação, tudo pela Internet, por meio da Área Restrita do Candidato: http://arearestrita.ufgd.edu.br. Os documentos necessários em cada caso serão detalhados no próprio sistema, após o preenchimento da solicitação.

VAGAS

A UFGD está oportunizando 1.772 vagas em 39 cursos de graduação para ingresso em 2021, em quatro vestibulares: o geral com 33 cursos oferece 982 vagas; e os da EaD com 4 cursos, um específico para a Licenciatura em Educação no Campo e outro para Letras-Libras (Licenciatura) oferecem, respectivamente, 700, 60 e 30 vagas. Todos os cursos são gratuitos, ou seja, não é necessário pagar matrícula ou mensalidade.

Em cada curso, aproximadamente 50% das vagas são reservadas para estudantes que cursaram todo o ensino médio em escola pública, com recorte sobre a renda familiar e cotas para negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência. Mais informações aqui:

VESTIBULARES UFGD

Comentário

Sete corpos foram encontrados nesta sexta-feira (23), dentro de um contêiner que saiu da Sérvia e foi descarregado com fertilizantes no bairro Santa Maria, em Assunção, acapital do Paraguai. Além de sérvios, havia também uma pessoa de nacionalidade marroquina.

Segundo o jornal ABC Color, os corpos já estão em estado avançado de decomposição e as vítimas seriam imigrantes ilegais que tentaram entrar na América do Sul. O jornal cita que o contêiner teria sido desembarcado em julho deste ano e chegou em 19 de outubro no Porto Terport de Villeta. Também não é descartada a possibilidade de haver mais corpos.

Os corpos foram descobertos porque funcionários da empresa que comprou o fertilizante, que ainda não teve o nome divulgado, abriram o contêiner pela manhã. Para a promotora paraguaia Marcela Saldívar, as vítimas podem ter recebido a proposta de que seriam levadas para a Europa Ocidental. Restos de alimentos indicando uma curta viagem, foram encontrados juntos com os corpos.

O ABC Color publica ainda que o tráfico ilegal de pessoas é uma prática comum na Ásia e Europa Ocidental, e as viagens geralmente são realizadas em contêineres ou até caminhões. Em 2019, 39 pessoas foram encontradas mortas num caminhão, no East London.

Comentário

Sexta, 23 Outubro 2020 14:33

O Renda Brasil

A pandemia dA Covid-19 impôs o socorro emergencial de R$ 600,00, depois reduzido pela metade, aos brasileiros pobres. Confesso que fiquei surpreso com a capacidade de a economia permitir essa despesa temporária por seis meses. Ao mesmo tempo ficou revelada, a existência de 32 milhões de brasileiros que eram cidadãos invisíveis, não constavam dos registros oficiais. Eram cidadãos aos quais se negava o mais elementar dos direitos, o direito a ter direitos.

As previsões são de que no próximo ano os brasileiros ficarão 8% mais pobres. Está posta, pois, a necessidade da criação de uma ajuda de caráter mais estável, que tem sido chamada de Programa Renda Brasil. Congresso e Executivo trabalham essa proposta e tentam encontrar a sua fonte de financiamento.

O Brasil tem dois grandes problemas, o da pobreza e o da desigualdade. Somos um dos países com mais desigualdade no mundo. Ficamos em 7º lugar, atrás apenas de países africanos. Recente pesquisa do IBGE (PNAD, 2019) apontou que 10% da população com rendimentos menores detinha um total de 0,8% da massa de rendimento, os 10% que concentram maiores rendimentos correspondiam a 42,9% do montante. Nesse contexto, parte do financiamento da nova bolsa terá necessariamente que sair do combate de privilégios e da concentração de renda, exigindo medidas desgastantes, como a revisão dos incentivos fiscais e a cobrança de tributos sobre as retirada do lucro líquido das empresas. Por isso, as discussões foram deixadas para depois das eleições. Fora disso, só restaria a medida de “tirar dos pobres” e das camadas médias, “para financiar os miseráveis”.

Mas para viabilizar o mercado capitalista, tem que haver maior distribuição de renda, tanto que até alguns milionários tem se engajado na defesa dessa ideia. A organização “Milionários pela Humanidade (Millionaires for Humanity)”, formada por 83 milionários de vários países, assinalam em manifesto que "o dinheiro é desesperadamente necessário agora e continuará sendo necessário nos próximos anos, à medida que o mundo se recupere desta crise", dizem. Apontam que o mundo pede mais impostos sobre os mais ricos como saída para a crise.

É útil nessa discussão sobre a nova bolsa considerar também alguns fundamentos da economia da distribuição de rendas. Na tradição comunista, a igualdade de renda só viria em um estágio futuro, quando se lograsse uma economia de abundancia plena, seria um objetivo último (comunismo). Enquanto isso, durante a construção desse longo caminho, haveria uma distribuição segundo o trabalho (socialismo).

Já no campo liberal, destaca-se a contribuição de John Rawls (“Uma Teoria da Justiça”, 1971), que aponta que as desigualdades sociais e econômicas devem ser ordenadas de tal modo que sejam ao mesmo tempo: vantajosas para todos (princípio da diferença), e acessíveis a todos (princípio da igualdade de oportunidades). Com essa formulação tem sido considerado um “liberal igualitário”, por aproxima o liberalismo clássico com os ideais igualitários da esquerda.

Outra formulação importante é feita pelo professor Cristovam Buarque, criador da Bolsa Escola e um dos poucos intelectuais que ousa pensar “fora da casinha”, que aponta que o Renda Brasil merece apoio, mas não tem uma consequência emancipadora da pobreza real. Seria uma espécie de neoliberalismo social. O professor aponta, em vez da “renda mínima”, a necessidade de uma “renda inclusiva” que combata da pobreza real. Seria a educação que faria a inclusão, a bolsa seria um salário à mãe para que seus filhos não faltassem às aulas.

Para Cristovam, o beneficiado que recebe uma renda mínima sem essa vinculação necessitará ser rentista para sempre, sem sair da pobreza; aquele que recebe uma renda inclusiva, com vinculação, ao final de um prazo, tem o patrimônio que ele produziu: a casa ampliada, rebocada, pintada, com saneamento; os velhos alfabetizados e os filhos educados. A renda sem contrapartidas atende às necessidades imediatas, mas a renda inclusiva promove a ascensão social,

* O autor é Engenheiro e professor aposentado da UFMS

Comentário

O resultado de um trabalho realizado pelos fiscais Hélio do Nascimento e Eliane de Santana, do Procon de Dourados, indicou a tendência de que, a exemplo dos produtos da cesta básica de alimentos, as pessoas que forem realizar compras de materiais básicos para a construção também devem pesquisar bastante antes de efetivar o negócio.

Em onze estabelecimentos de Dourados, 33 itens da construção civil foram pesquisados nesta quinta-feira (22) e há casos de um componente custar até 870% a mais de um estabelecimento para outro, como a barra de 100mm do tubo de esgoto, por exemplo.

CONFIRA OS PREÇOS ENCONTRADOS

Já a tinta asfáltica utilizada para baldrame em embalagem no formato lata com 18 litros, apresentou diferença de 977,69% e a porta interna laminada completa sem pintura chegou a ser encontrada com 650% de diferença.

No geral, a diferença de preços entre o estabelecimento com preço mais barato para o mais caro foi de 51,45%. Foram encontrados, nesta pesquisa, 24 produtos com variação acima de 50%, entre o menor e o maior preço de um estabelecimento para outro.

Comentário

Cerca de 150 empresários que movimentam a economia douradense se reuniram na noite desta quinta-feira (22) com o candidato a prefeito Barbosinha e o vice-governador Murilo Zauith para delinear um programa de ações capaz de proporcionar a retomada do desenvolvimento local e regional a partir de janeiro do ano que vem.

“Eu quero contratar mais gente, minha empresa emprega atualmente em torno de 150 pessoas, mas não acho mão-de-obra qualificada, é isso que eu peço pra você, Barbosinha, que retome o programa de qualificação que a gente tinha com o Murilo, os empresários querem ampliar os negócios e precisam desse apoio”.

A manifestação, da empresária Maria Gorety, proprietária da indústria de confecção Gorethy Moda Íntima, motivou o segmento a abrir o debate em torno da necessidade de que Dourados escolha um gestor, preparado e de visão, para conduzir os destinos da cidade. Entre os anos de 2014 e 2016, mais de 4.500 pessoas foram capacitadas nas mais diferentes profissões pelo programa Qualifica Dourados.

“O empresário quer trabalhar, quer produzir, crescer, ampliar sua atividade, o gestor público não pode atrapalhar esse desejo dele. Tem que fazer como estamos fazendo no Governo, investindo mais de R$ 300 milhões em Dourados, preparando a cidade e abrindo as portas para o Município voltar a crescer”, reforçou o vice-governador Murilo Zauith, que controla orçamento maior que o da Prefeitura de Dourados como secretário estadual de Infraestrutura.

Um programa mínimo foi definido entre os participantes do encontro para enfrentar a crise de gestão que afeta o município. Barbosinha recebeu as demandas do setor empresarial e reiterou que conta com o apoio do Governo do Estado e tem em Brasília as portas abertas anunciadas pela ministra Tereza Cristina, que se comprometeu em colocar os ministérios do presidente Bolsonaro a disposição de Dourados.

“Dourados, do ponto de vista da iniciativa privada, do trabalho desses empresários, é um Boeing, um gigante que voa, mas do ponto de vista do poder público ainda estamos andando de charrete, é preciso abrir o diálogo para que vocês digam o que querem em cada área e nós, na outra ponta, entrar com as soluções”, disse o candidato a prefeito, manifestando a segurança no grupo que sustenta esse projeto.

Durante o encontro, Barbosinha e Valdenir Machado, que encabeçam a aliança de nove partidos na disputa pela prefeitura, receberam também o apoio dos empresários Odilon Azambuja e Antônio Nogueira, ambos ex-gestores públicos – Odilon foi secretário municipal de Fazenda, gerente local da Sanesul e vice-prefeito na gestão de Murilo; Nogueira foi secretário de Obras e de Planejamento na cidade. Também o empresário Nelson Eduardo Hoff Brait, proprietário da Aço Telha, manifestou o sentimento do setor da construção civil na necessidade de Dourados voltar a crescer com organização e gestão eficiente.(Da assessoria)

Comentário

Sexta, 23 Outubro 2020 08:14

Douranews pergunta, o candidato responde

Escrito por

23 de outubro

Hoje é o dia do aviador e há mais de 20 anos Dourados espera pelas melhorias no aeroporto. Na sua visão, o que faltou?

Alan Guedes (Progressistas)
(resposta não enviada)

Barbosinha (DEM)

Felizmente, e com a graça de Deus, teremos a oportunidade de entregar, junto com o nosso vice-governador, as obras de melhorias no aeroporto até o final do ano que vem. Porque, como todo o Mato Grosso do Sul sabe, é do Murilo as maiores e principais articulações para que essa revitalização saísse do papel. Muitas administrações se passaram, mas ninguém demonstrou o empenho que o nosso atual secretário estadual de Infraestrutura vem mostrando para com Dourados. Sem contar os mais de R$ 300 milhões em investimentos do Estado para recuperarmos a força econômica regional do Município.

Jeferson Bezerra (PMN)

Faltou repetidamente empenho político de nossos representantes junto às esferas federais responsáveis por isso. Insisto que o fim da bandalheira e da irresponsabilidade política que é praxe dos velhos políticos que há 40 anos administram Dourados vai devolver para a cidade o respeito que ela merece.

João Carlos (PT)
(resposta não enviada)

Mauro Thronicke (PSL)
(resposta não enviada)

Racib Harb (Republicanos)
(resposta não enviada)

Wilson Matos (PTB)
(resposta não enviada)


Perguntas foram enviadas aos candidatos/assessores e, não respondidas,
são publicadas como ‘resposta não enviada’

Comentário

É GERAL: Em algumas cidades brasileiras, fatos estranhos vem ocorrendo: vereadores desaparecidos há quase 4 anos ressurgiram nas ruas, causando pânico à população. Para especialistas o fato não é sobrenatural e deve continuar até meados de novembro. Após, eles voltarão aos seus esconderijos. Portanto, as pessoas não precisam temer. Não se trata de zumbis. Não é preciso acionar a polícia. Basta ignorá-los. (no facebook)

VEIO E FOI... Antônio Brito (MDB), ex-porta voz do Palácio do Planalto se elegeu deputado federal em 1986 e 1990. Ministro da P. Social se elegeu governador do RS em 1994 e foi derrotado em 1998. Trocou o MDB pelo PPS e em 2002 tentou o Governo - ficou em 3º lugar. Um jornalista que ‘se deu bem na política’, mas não deixou pegadas.

ANTÔNIO BRITO: No seu artigo “Triste fim de um candidato sincero” adverte que essa postura é vista como mensageiro do pessimismo, ‘postulante suicida’ pelo eleitor que quer um bom gestor. Admitir os desafios é inevitável, mas o candidato precisa mostrar otimismo e vontade de sanar ou amenizar os problemas. Tem que prometer!

CUMPLICIDADE? A mídia cobra a posição do Papa Francisco sobre os incêndios das igrejas no Chile. Espera-se dele uma fala no mesmo tom de suas abordagens dos incêndios da Amazônia, a pandemia e o racismo. A Igreja chilena dividiu-se na queda de Pinochet e agora o ‘rebanho progressista’ manifestou-se. E de que lado estaria o Sumo Pontífice? Seria prisioneiro das ‘forças ocultas’ do Vaticano?

ESPAÇOS: São importantes na política. Aqui no Estado o Democratas usando das imagens da ministraTereza Cristina da Agricultura e do ex-ministro da saúde Luiz H. Mandetta e participando ativamente do processo eleitoral no interior e capital. Ambos são tidos como figuras emblemáticas no contexto atual com reflexos positivos em 2022.

PICARETAGEM? Vídeos nas redes sociais mostram um pastor da Igreja Assembleia de Deus do Ceará denunciando em sermão posturas incompatíveis de colegas seus que só visam o lucro financeiro pessoal. Pior: os compartilhamentos são de evangélicos pessimistas sobre os rumos da religião que virou bom negócio com viés político.

MUDANÇAS: O discurso do candidato Pedro Kemp a prefeito da capital é diferente dos discursos dos candidatos petistas no passado. Ele evita o uso do vermelho, esconde Lula e perdeu a indignação levada pelo estigma da corrupção que detonou a moral do PT. A ‘Lava Jato’ mudou posturas. Esse não é nem sombra do Kemp de outros tempos.

MILITÂNCIA: A marca forte do PT diluiu! Nem bandeiras, nem venda de ‘botons’ para fazer caixa. Lembra? Quem era verdadeiramente da esquerda migrou para outras siglas e os velhos dirigentes do PT se ajeitaram em bons cargos públicos e saíram da política (ou da prisão). Outros viraram empresários e ‘milagrosamente’ se deram bem.

EQUIVOCADOS: Candidatos a prefeito na capital pensam em fazer trampolim para 2022, mas sem atentar ao cenário sairão menores do que entraram. Na última pesquisa do Ibope (via telefone) por exemplo pontuaram apenas 1%. - Marcio Fernandes (MDB) e Marcelo Miglioli (Solidariedade). Enfim, nem sempre a ‘benção’ do padrinho resolve.

REPRISE: Em 1904 Rodrigues Alves quase caiu da presidência ao ordenar a vacinação contra a varíola. Questões políticas e questionamentos sobre a validade do remédio fomentaram o episódio. Pena! Após mais de 100 anos vemos outra guerra política devido a vacina do Covid. No caldeirão os personagens políticos e os mesmos ingredientes. Apenas os nomes mudaram. A politização do tema é a mesma!

UM PARAÍSO: Nada menos que 8 ex-governadores do Paraná perderam o direito a aposentadoria. A opinião pública aplaudiu. Mas aqui, o TJ manteve as aposentadorias do ex-governador Marcelo Miranda (R$ 32.205,81) e das viúvas Fairte N. Tebet (R$ 24,1 mil) e Maria A. Pedrossian (R$ 17,7 mil) pagas no mês de agosto. E segue a galopeira...

DESABAFO: “...Como exigir que o poderoso Judiciário com seus palácios, sua enorme estrutura de assessores, carros, passagens, férias duplas, diárias, possa ter tempo para aferir se o Zé das Couves pode já estar preso por muito mais tempo do que o previsto, ou que o motivo que fundamentou a prisão há 90 dias não existe mais e que a liberdade se impõe?.” (Advogado Antonio Carlos Almeida Castro – Kakay)

HARFOUCHE: Tem 2 olhares: o imediato é liberar sua candidatura à prefeito da capital pelo Avante; e o segundo é participar de eventual 2º turno em coalização com outros partidos. Como sempre nestas horas, aflora a amnésia na mesa de negociações com ‘cardápio’ que agrade a todos os participantes. Faz parte do jogo político.

DETALHES: Para chegar a Casa Branca o candidato deve obter 270 votos do Colégio Eleitoral, independentemente de ter obtido a maioria no voto popular. Cada Estado tem direito a certo número de delegados do ‘Colégio’, quantidade que varia de acordo com seus representantes no Congresso. São os delegados que elegem o presidente do país.

NO BRASIL a torcida de ‘figurões’ da mídia é por Joe Biden. Antes previam até com sarcasmo a vitória de Hillary Clinton e a derrota de Bolsonaro: Lucas Mendes, Guga Chacra, Miriam Leitão, Arnaldo Jabor, Reinaldo Azevedo entre outros. Eles não retratam com fidelidade o cenário nos ‘States’ e se colocam como torcedores.

‘SANTO GÁS’: Assisti ao julgamento no STF. Não foi desta vez que nosso Estado perdeu o filão de ICMS do gás ‘mande in Bolívia’. Matéria complexa envolvendo questões tributárias e constitucionais contra São Paulo, RS. e Santa Catarina. Dois destaques na sessão: o ministro relator Gilmar Mendes acolhendo a tese de MS e do ministro Alexandre de Moraes em posição contrária. Foi sofrido: 5 a 4 o placar.

BRINCADEIRA; O que seria motivo de revolta em outros países no Rio o carioca aceita dando de ombros. Os mesmos personagens de antes ou seus representantes disputando as eleições. Corrupção, milícias, escândalos diversos pontuam a política. Pasmem! Eduardo Paes (DEM) liderando, seguido de Marcelo Crivela (Republicanos).

E AGORA? O sistema Huawey da China (5 G) oferece internet 10 vezes mais veloz. Mas ao permitir espionagem e coleta de dados de usuários é rejeitado em vários países. O Brasil espremido na guerra comercial China e ‘USA’. O episódio confirma nosso atraso também na tecnologia como no caso da fabricação da vacina contra o Covid.

‘THE END’: O que será do PT após as eleições? Em São Paulo o candidato petista Gilmar Tato tem 5% nas pesquisas e Benedita da Silva tem 7% no Rio de Janeiro. Só tem chances de vencer em Fortaleza. No Sul desistiu em favor do PC do B e PSOL. Lula continua raivoso, criticando o ex-juiz Moro e o presidente Bolsonaro.

LAMENTOS: Candidato a vereador decepcionado nas relações com o eleitor. Claro que a máscara atrapalha; sem o cafezinho de antes a conversa está difícil com o eleitor usando o Covid como pretexto para evitar o diálogo. Mas outra constatação é grave: são muitos os eleitores sem coragem de enfrentar riscos para comparecerem as urnas.

Millôr Fernandes:
O político é um sujeito que convence todo mundo a fazer uma coisa da qual ele não tem a menor convicção.

.

Comentário

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (22) que a arrecadação de ICMS sobre o gás natural deve ficar com Mato Grosso do Sul. “Isso trouxe alívio para o governo estadual”, avaliou o governador Reinaldo Azambuja, ao explicar que uma eventual derrota no julgamento poderia provocar uma perda bilionária na arrecadação.

“É uma decisão positiva que cria uma segurança jurídica. O gás é um dos principais itens de arrecadação do Estado. Não é um dinheiro novo, mas significa R$ 1,2 bilhão por ano ou 13% da arrecadação e a perda desse recurso poderia quebrar o nosso Estado. É importante porque consolida o que a gente tinha e agora o Estado ganha ainda mais legalidade com o STF pacificando essa disputa que se alongava há 14 anos”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Por 5 votos a 4, o Supremo decidiu a legitimidade de Mato Grosso do Sul na cobrança de ICMS sobre o gás natural que chega ao país através do Gasbol, por Corumbá. O imposto sobre o produto boliviano é uma das principais receitas de Mato Grosso do Sul. Em 2019, a arrecadação foi de R$ 1,1 bilhão. E neste ano, até outubro, o ICMS do produto boliviano rendeu R$ 869 milhões ao Estado.

“O gás natural é um dos principais produtos de incidência de ICMS, responsável por 13% da arrecadação do ICMS. Uma ação fundamental, uma briga judicial que se arrasta por mais de 15 anos entre os três Estados e uma vitória muito importante para toda a população sul-mato-grossense. Ainda haverá a fase de recursos, então vencemos uma batalha, mas ainda não vencemos a guerra”, afirma o secretário de Fazenda, Felipe Mattos.

Comentário

Trocar ideias e expor o planejamento para administrar Dourados tendo como foco a juventude. Assim foi a conversa do candidato a prefeito Alan Guedes (Progressistas) com representantes de Atléticas de diversos cursos da Unigran e Universidade Federal da Grande Dourados. O encontro virtual pôde ser acompanhado pela comunidade através do Google Meet.

Além de Alan, o candidato a vice, Guto Moreira (PL), também conversou com os acadêmicos sobre diversos assuntos. Ambos encabeçam a coligação “Respeito por Dourados”, formada pelos partidos Progressistas, Liberal e Cidadania na disputa da Prefeitura com outros seis candidatos inscritos para as eleições do dia 15 de novembro.

As Atléticas representam universitários de diversos cursos e a reclamação maior acaba se refletindo na juventude douradense como um todo: melhor aproveitamento de espaços públicos para esporte e lazer. Alan e Guto mostraram como esses pedidos podem ser atendidos. “Foi uma reunião super produtiva. Ouvimos os anseios de uma categoria muito importante para a economia da cidade e precisamos oferecer condições, não apenas para os universitários, para toda a juventude douradense e nossas famílias de uma utilização melhor dos nossos espações e equipamentos públicos”, disse Alan Guedes.

Para Guto, a experiência de ambos terem passados por problemas semelhantes na época de graduação os ajuda a entender essas reivindicações, como a disponibilização de locais públicos adequados para treinamentos e atividades e a organização de competições, entre outros. “Obviamente somos um pouco mais velhos que os representantes das Atléticas, que acabam representando todos os universitários. O que eles expuseram a gente já imaginava por essa convivência que tivemos”, analisa o candidato.

Alan ainda reafirmou a importância de apoiar as atividades dos universitários, o que se reflete em toda comunidade. “Os universitários movimentam a economia douradense em diversos setores, sejam eles oriundos de outras cidades ou os que aqui já residem. Eles precisam ser ouvidos e podem colaborar ainda mais com Dourados se apoiados adequadamente”, concluiu o candidato. (Com assessoria)

Comentário

O presidente Jair Bolsonaro nomeou o desembargador Kassio Nunes Marques para o cargo de ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), conforme decreto que foi publicado na edição extra desta quinta-feira (22) do Diário Oficial da União.

Kassio Nunes Marques foi sabatinado na quarta (21) pelos membros da Comissão de Constituição e Justiça do Senado e teve o nome aprovado pelo colegiado e pelo plenário da Casa. Ele ocupa agora a vaga deixada pelo ministro Celso de Mello, o mais antigo integrante do STF, que antecipou a aposentadoria da corte no dia 13 de outubro.

Kassio Marques tem 48 anos de idade e atua como desembargador do TRF1, o Tribunal Federal da 1ª Região desde 2011. Ele foi escolhido pela então presidente Dilma Rousseff na vaga reservada a profissionais oriundos da carreira na advocacia. Natural de Teresina, foi advogado por cerca de 15 anos e integrou os quadros da Ordem dos Advogados do Brasil e também foi juiz no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí.

Comentário

Página 1 de 8755

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis