Timber by EMSIEN-3 LTD
  • unigran 2018
Redação Douranews

Redação Douranews

Decreto 1.092, com data de segunda-feira (18), publicado na edição desta quinta-feira (21) do Diário Oficial do Município, informa que o expediente nos órgãos da administração direta, indiretas e fundações da Prefeitura será normal nesta sexta-feira (22), e que o horário de trabalho dos servidores públicos no dia 27, quarta-feira que vem, será das 7h30 ao meio-dia.

De acordo com a prefeita Délia Razuk e o Procurador Geral do Município, Renato Queiroz Coelho, a flexibilidade de horários se impõe por conta da escala de jogos da fase de classificação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de futebol da Rússia.

Pela tabela do Mundial, o jogo do Brasil nesta sexta, contra a Costa Rica, será às 8 horas (de MS) e o próximo desafio, contra a Sérvia, será na quarta-feira que vem às 14 horas. Ou seja, no jogo matutino, haverá expediente normal e na próxima partida, à tarde, o expediente será reduzido em uma hora e meia.

Comentário

O vereador Cido Medeiros (DEM) solicitou ao governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), celeridade na liberação dos documentos para que o Hospital Regional de Cirurgias de Dourados comece a realizar atendimentos no município.

De acordo com Cido, o hospital tem capacidade para realizar 200 cirurgias mensais, sendo que os documentos servem para que o estabelecimento realize as cirurgias de baixa e média complexidade em pacientes do sul de Mato Grosso do Sul.

“Neste primeiro mês de reabertura, nenhuma paciente foi operado. A expectativa é a de que o Hospital de Cirurgias possa finalmente funcionar de acordo com a sua demanda, mas ainda não recebeu o alvará da Vigilância Sanitária”, comentou o vereador.

Equipe de serviços

Cido Medeiros ainda requereu à prefeita Délia Razuk (PR) estudo para a criação de uma equipe específica para a realização de reparos e limpezas em bueiros e bocas de dragão em Dourados.

“Constatei e verifiquei vários alagamentos pontuais que ocorreram devido a alguns bueiros entupidos na cidade, decorrentes dos detritos acarreados pela chuva. O principal motivo é a falta de manutenção. A Secretaria competente já deveria ter criado uma frente de trabalho específica para a realização deste tipo de trabalho que afeta e gera transtornos para toda a população douradense”, ressaltou o vereador. (Com assessoria)

Comentário

O corpo do juiz aposentado e ex-diretor da Agepen (Agência estadual do Sistema Penitenciário) em Mato Grosso do Sul, Ailton Stropa Garcia, vai começar a ser velado a partir do meio-dia no espaço da 1ª. Igreja Batista de Dourados, na esquina da rua João Cândido Câmara com a Cuiabá, no centro da cidade.

Stropa morreu no começo da manhã desta quarta-feira (20), depois de complicações no pós-operatório de uma cirurgia bariátrica que realizou no final de semana em hospital da capital paulista. O sepultamento deve ocorrer no final do dia.

Familiares e amigos preparam uma série de homenagens ao ex-juiz, que desempenhou a função em várias cidades do Estado e por último era vice-presidente da diretoria da Guarda Mirim de Dourados. O Governo do Estado e a Prefeitura divulgaram nota de pesar pela morte dele.

Comentário

Cobertores aos moradores em situação de vulnerabilidade social das aldeias na Reserva Indígena de Dourados. Coordenada pela Semas (a Secretaria municipal de Assistência Social), a Prefeitura promoveu a distribuição dos cobertores recebidos do Governo do Estado em ação organizada pelas equipes do Cras (Centro de Referência de Assistência Social) da Bororó, beneficiando centenas de famílias, com prioridade para as pessoas em situação de acampamento.

A aquisição dos cobertores foi em parte realizada pela Prefeitura, por meio da Semas, e outra parte encaminhada pelo Governo do Estado, segundo o secretário Landmark Ferreira Rios. “Agentes de saúde, em um apoio gigantesco da Sesai, e os agentes do Cras, fizeram este levantamento para que pudéssemos ter estas pessoas mais precisadas atendidas. É um grande trabalho conjunto que culmina nesta entrega”, disse o secretário.

A pedagoga Michele Alves Machado, que participou desse trabalho de levantamento junto ao Cras, ressalta que dentro da Reserva a população já alcança as 18 mil pessoas e que um terço vive em situações degradantes. “São pelo menos 2 mil famílias referenciadas como viventes em extrema vulnerabilidade social. Buscamos atender o maior número dentro desta parcela com a entrega de cobertores. O inverno começa nesta quinta-feira e já tivemos temperaturas bem baixas em nossa cidade”, disse.

Segundo a pedagoga, a entrega se faz mediante apresentação de um documento preenchido anteriormente durante a visitação às áreas, e a quantidade de cobertores varia de acordo com o tamanho da família.

O assistente social Kenedy de Souza Morais, do Cras Indígena, destacou o agradecimento da comunidade às ações que a Prefeitura tem proporcionado na aldeia. “Aquecer as pessoas é inclusão social. Sabemos que não tem sido fácil desempenhar papel de contribuição com a nossa sociedade, mas temos visto o empenho e estamos aqui hoje para entregar e melhorar um pouco mais a vida destas pessoas”, disse.

Segundo o presidente do Conselho Indígena da Bororó, Giuliano Ricarte, a ação marca mais uma vez a presença da Prefeitura na aldeia, com ações de inclusão que visam o bem estar daquela comunidade. “A presença da Prefeitura e muitas vezes da própria prefeita em nossa aldeia mostra um tratamento diferente que a gente recebe e o quanto ela se importa com a nossa comunidade”, disse.

O secretário Landmark finalizou destacando que o frio não espera, e a inclusão social se faz na entrega de cobertores porque proporciona aquela comunidade viver de maneira semelhante àqueles com mais condições, ou seja, devidamente agasalhados. “No frio, incluir é propor que as pessoas tenham as mesmas condições de se aquecer, ou o mais perto disso”, finalizou.

Comentário

O técnico Tite escolheu Thiago Silva para usar a faixa de capitão na segunda partida da seleção brasileira na Copa do Mundo, nesta sexta-feira (22), às 8 horas (de MS) contra a Costa Rica. O zagueiro recebeu a braçadeira no início da partida em apenas uma oportunidade com o treinador: na derrota para a Argentina por 1 a 0, em amistoso na Austrália, há um ano, no único revés do treinador em 22 jogos à frente do Brasil.

Thiago Silva foi o capitão da seleção brasileira durante a Copa de 2014, mas perdeu a braçadeira para Neymar sob o comando de Dunga. Depois disso, o zagueiro ainda perdeu a vaga no time titular, e venceu a briga com Marquinhos por um lugar na zaga na reta final da preparação para a Copa.

Na estreia contra a Suíça, a faixa ficou com o lateral-esquerdo Marcelo. Tite avisou que manteria o rodízio no torneio, mas apenas entre os jogadores mais experientes. Sob o comando do treinador, no entanto, quem mais usou a braçadeira foi Daniel Alves, fora da Copa do Mundo por conta de uma grave lesão no joelho, como recorda o Globoesporte.com.

Comentário

A estação mais fria do ano começou nesta quinta-feira (21), às 6h07 (de Mato Grosso do Sul), e termina no dia 22 de setembro às 21h53. Este período é marcado por um volume menor de chuva no Estado.

O Inverno caracteriza-se pelas incursões de massas de ar frio, vindas do Sul do continente, que provocam o declínio acentuado das temperaturas do ar. Dessa maneira, com temperaturas baixas, pode ocasionar formação de geadas e nevoeiros e/ou névoa úmida em Mato Grosso do Sul, com redução de visibilidade, especialmente, em estradas e aeroportos.

Outra característica marcante é a diminuição da umidade relativa do ar que, consequentemente, favorece o aumento da incidência de queimadas e incêndios florestais, em especial nos meses de agosto e setembro, bem como o aumento de doenças respiratórias.

A tendência da estação, neste ano, é registrar valores diários da umidade relativa do ar abaixo de 30% e picos mínimos abaixo de 20%. A previsão para os meses de julho, agosto e setembro é de pouca chuva e temperaturas altas.

Para este primeiro dia do inverno está previsto tempo estável com sol entre poucas nuvens e baixa umidade relativa do ar à tarde. As temperaturas máximas estarão em elevação de até 32ºC e as mínimas permanecem baixas registrando 14ºC no Estado, conforme informações do Cemtec (o Centro de Monitoramento do Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos).

Comentário

Com 190 milhões em investimentos nesta primeira etapa e quase 48 mil famílias beneficiadas com o programa Avançar Cidades – Saneamento, o estado de Mato Grosso do Sul estará a um passo de universalizar o saneamento. “Com esses novos investimentos vamos para 60% em todo o Estado e nas 16 cidades contempladas hoje iremos a mais de 70% na cobertura de rede de esgoto”, disse o secretário estadual de Infraestrutura, Helianey da Silva, durante a assinatura dos contratos do Programa.

De acordo com o governador Reinaldo Azambuja, os expressivos investimentos realizados em saneamento básico nos últimos três anos e meio dobraram a capacidade de coleta e tratamento de esgoto, além de contribuírem para que a atual gestão seja considerada a que mais realizou investimentos em saneamento em toda a história de Mato Grosso do Sul. “ O Estado dá um salto enorme entre o que tínhamos e o que nós teremos ao final de 2018, praticamente dobrando a capacidade de coleta e tratamento. Em algumas cidades a média chegará a ultrapassar 92% de cobertura de saneamento e isso significa melhoria na saúde das pessoas. Uma melhoria que é fruto da parceria construída com os 79 municípios”, pontuou o governador.

Com o Avançar Cidades os municípios de Amambai, Antônio João, Aquidauana, Batayporã, Chapadão do Sul, Guia Lopes da Laguna, Jardim, Maracaju, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Paranhos, Ponta Porã, Ribas do Rio Pardo, Sidrolândia e Terenos irão receber 798.063,00 metros de rede coletora de esgoto, 47.829 ligações domiciliares à rede de esgoto e a construção de 29 estações elevatórias de esgoto bruto.

Os contratos assinados nesta quarta-feira (20), em Campo Grande, são referentes à primeira etapa do Programa, que atenderá 76 cidades, de sete estados. Na segunda etapa, com processo seletivo até este mês, Mato Grosso do Sul poderá ser beneficiado, segundo o governador, com investimentos que poderão chegar a R$ 234 milhões.

Comentário

Célebre por ter mandado pela primeira vez para a cadeia, por acusação de corrupção, integrantes da elite política e empresarial do país, graças sobretudo à utilização da lei da colaboração premiada, a Operação Lava Jato vem registrando, entretanto, também insucessos – fruto justamente da fragilidade das delações como instrumento de prova.

De acordo com levantamento da Agência Brasil de notícias, nos últimos dois anos, 25 políticos acusados em delações tiveram as investigações contra eles suspensas ou arquivadas nos tribunais superiores. A principal justificativa é que, apesar de longas diligências, não se confirmaram os crimes. As delações em si não são consideradas provas, mas um meio de se obter a comprovação de crimes.

O último caso, ocorrido nesta terça-feira (19), foi a absolvição no STF (Supremo Tribunal Federal) da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), atual presidente do PT, e do marido dela, o ex-deputado e ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, também do PT, ambos ex-secretários de Estado no primeiro mandato do então governador Zeca do PT em Mato Grosso do Sul.

O julgamento foi decidido na Segunda Turma, não em plenário, mas o STF vem reafirmando o entendimento segundo o qual a denúncia ancorada apenas em relatos dos que fazem acordo para diminuição de pena não pode prosseguir. Isso porque a lei de combate às organizações criminosas (Lei 12.850/13), que legalizou a colaboração premiada, determina que “nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador”.

A maioria dos 25 pedidos de arquivamento levantados pela Agência Brasil partiu da PGR (Procuradoria-Geral da República) e, em alguns casos, quem solicitou o encerramento das investigações sem indiciar ninguém foi a própria Polícia Federal. Em outros, o Supremo decidiu pelo arquivamento mesmo contra a vontade do acusador, no caso a PGR, como foi a situação da senadora Gleisi Hoffmann.

A mesma situação aconteceu recentemente com os senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Omar Aziz (PSD-AM) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES), investigados durante mais de um ano por suspeita de terem recebido propina da Odebrecht. A PGR queria que as investigações continuassem em seus estados de origem, mas os ministros do STF Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso entenderam que elas já haviam se prolongado demasiadamente, sem obter prova pessoal, documental ou pericial.

Há duas semanas, também foi arquivado inquérito da Lava Jato contra o senador licenciado e ministro Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores). Neste caso, o pedido de arquivamento por falta de provas foi feito pela PGR.

Na segunda-feira (18), foi a vez de o ex-senador e ex-ministro Aloizio Mercadante (PT-SP) ser liberado, igualmente por falta de provas, pelo Ministério Público de São Paulo da acusação de ter recebido recursos de caixa 2 na campanha de 2010. A denúncia já havia tramitado pelo STF e fora enviada ao estado.

Revés

Umas delações de maior repercussão da Lava Jato em Brasília foi a do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Com base em gravações feitas por Machado, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu em maio de 2016 a prisão do ex-presidente José Sarney e dos senadores emedebistas Renan Calheiros (AL), então presidente do Senado, e Romero Jucá (RR), que ocupava na época o Ministério do Planejamento e teve de deixar o cargo. Todos foram acusados de obstrução de Justiça contra a Lava Jato.

Um ano e meio depois, em novembro de 2017, o próprio Janot pediu ao ministro do STF Edson Fachin o arquivamento do inquérito instaurado a partir do acordo de delação de Sérgio Machado. Responsável pelo inquérito, a Polícia Federal informou não ter conseguido materializar as denúncias de obstrução de Justiça – e chegou a sugerir que fosse anulado por ineficácia o acordo de colaboração de Machado, hoje em prisão domiciliar, segundo a notícia da agência oficial.

Números da Lava Jato:

Ao completar quatro anos, em março deste ano, a Operação Lava Jato apresentou o seguinte balanço:

- 160 pessoas condenadas em primeira instância;

- 77 condenados em segunda instância;

- 101 autoridades com foro privilegiado respondiam a 36 ações penais no STF;

- três denúncias foram abertas no STJ;

- 72 denúncias na Procuradoria da República no Paraná;

- 33 denúncias na Procuradoria da República do Rio;

- uma denúncia no Tribunal Regional Federal da 2º Região (TRF2);

- 187 acordos de colaboração premiadas firmados com o MPF e encaminhados ao STF;

- 395 pedidos de cooperação internacional em 50 países;

- R$ 12 bilhões a serem recuperados por meio de acordos de delação premiada, sendo que o valor de R$ 1,9 bilhão já havia sido devolvido aos cofres públicos.

Comentário

Convênio firmado na manhã desta quarta-feira (20) entre a Prefeitura de Dourados e a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) vai permitir a realização de programas de estágio curricular supervisionado com a utilização de acadêmicos da Universidade em atividades desenvolvidas pelas Secretarias afins da Administração municipal.

A cerimônia de assinatura do convênio não remunerado aconteceu na sala de reuniões da Prefeitura com a participação da reitora da Universidade Federal, professora Liane Calarge, que foi recebida pela secretária municipal de Governo, Patrícia Bulcão de Lima, representando a prefeita Délia Razuk, acompanhada pelos secretários de Educação, Upiran Jorge Gonçalves, da Funed, Jânio Cesar Amaro, e de Comunicação, Albino Mendes.

“Esse ato representa, mais uma vez, a forte presença da UFGD na Educação municipal e, para nós, da administração, como sempre defende a nossa prefeita Délia Razuk, é importante que todos os setores compreendam que estamos num grande barco, e remar no mesmo sentido é o que interessa”, citou o secretário Upiran Gonçalves.

A reitora da Universidade disse que entre as ações de extensão que participa, o estágio curricular supervisionado é uma das ferramentas mais importantes “porque vem suprir necessidades de capacitação” e, segundo ela, através da formação transdisciplinar, “estamos preparando acadêmicos para se tornarem melhores professores”.

Os acadêmicos vão atuar em projetos diferenciados desenvolvidos em forma de integração multidisciplinar nas áreas da Pedagogia, Letras, Matemática, Educação Cultural Indígena e na Educação do Campo. Para o diretor da Funed, Jânio Cesar, é possível incrementar mais atividades desportivas com o aproveitamento de estudantes de Educação Física nos programas da Fundação.

Comentário

O diretor administrativo do Procon de Dourados, Procurador municipal Mário Júlio Cerveira, está questionando junto ao Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência) de Mato Grosso do Sul, quais os motivos, ou causas, para a diferença no preço praticado de revenda dos produtos derivados do petróleo entre os postos de Dourados e da capital do Estado.

De acordo com último levantamento do órgão em Dourados, realizado entre os dias 5 e 6 deste mês, o menor preço encontrado na gasolina comum foi de R$ 4,400; no diesel comum foi de R$ 3,599; e diesel S10, R$ 3,649; e no etanol o menor preço praticado é de R$ 3,200. Já em Campo Grande, de acordo com pesquisa realizada pelo jornal Midiamax no dia 5, o preço do combustível chegou a ser encontrado a R$ 4,04 a gasolina e o litro do etanol a R$ 3,09.

Segundo o Procurador Mário Cerveira, a solicitação encaminhada ao presidente do Sinpetro no Estado, Carlos Alberto Silveira Maia, por meio do ofício 32/2018, de 13 de junho, visa a garantir os direitos do consumidor, conforme dispositivos da Lei federal 8.078/90, que instituiu o Código de Proteção e Defesa do Consumidor no País.

O Sinpetro deverá se manifestar, no prazo de dez dias, especialmente quanto à observação de que é direito do consumidor o acesso “à informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem”, conforme prevê item III do artigo 6º da lei.

Comentário

Página 1 de 960

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus