Timber by EMSIEN-3 LTD
  • 10 anos
  • 10 anos1
Quarta, 29 Dezembro 2010 07:36

Empresas dão mais calote nas contas em novembro

Escrito por Redação Douranews/com r7 noticias

A inadimplência das empresas cresceu 10,5% em novembro deste ano, na comparação com outubro, segundo o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas divulgado nesta quarta-feira (29). Esse foi o maior crescimento verificado desde o mês de março.

Já na variação anual – contra novembro de 2009 – a inadimplência das pessoas jurídicas apresentou queda de 2,4%. De acordo com o levantamento, foi o maior recuo verificado desde 2006, nessa comparação, considerando o penúltimo mês do ano.

Para os economistas da Serasa Experian, o crescimento é pontual e decorre das pressões de custos sobre o caixa, como o pagamento da primeira parcela do 13º salário, as compras de composição dos estoques para o Natal e importações para a data.

Nas comparações anual e nos 11 meses de 2010, os efeitos da recuperação do crédito para os negócios e o forte crescimento da economia neste ano foram determinantes para as quedas no indicador.

A perspectiva é de que a inadimplência das empresas caia nos primeiros meses de 2011, em razão da atividade econômica aquecida e da crescente oferta de crédito.

Títulos protestados

Na comparação de novembro com o mês anterior, os títulos protestados cresceram 16,3%, dando a maior contribuição para o crescimento do indicador, de 6,5%.

Os cheques devolvidos por falta de fundos seguiram na mesma direção, com evolução mensal de 14,9% e contribuindo com 5,2% no resultado mensal do indicador.

Em sentido oposto, as dívidas não honradas junto aos bancos experimentaram uma queda de 4,8% entre novembro e outubro, ajudando a ter uma contribuição negativa de 1,2% no indicador.

Na análise por porte, na relação mensal – novembro frente outubro –, as grandes empresas apresentaram o maior crescimento da inadimplência, de 18,5%. Na sequência ficaram as médias (13,4%) e pequenas (10,2%). Na comparação anual, novembro 2010/2009, as quedas foram generalizadas: médias 3,6%, pequenas 2,5 e grandes 1,8%.

Valor médio das dívidas

De janeiro a novembro de 2010, as dívidas com bancos tiveram um valor médio de R$ 4.727,55, o que representou uma elevação de 3,3%, na comparação com o mesmo período de 2009.

Quanto aos títulos protestados, o valor médio de janeiro a novembro, ficou em R$ 1.651,56, resultando em queda de 5,3%, na relação na comparação com o mesmo período do ano passado.

Os cheques sem fundos apresentaram, neste mesmo período, um valor médio de R$ 2.052,21, com um crescimento de 24,3%, quando comparado com os 11 primeiros meses de 2009.

ENTREVISTA

  • unigran 150
  • Editais

O Tempo Agora

  • unigran novo
  • live full house

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis