Timber by EMSIEN-3 LTD
Waldir Guerra

Waldir Guerra

Domingo, 15 Outubro 2017 12:02

Velho pode significar maior competência

A indicação do deputado federal Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) como relator na Comissão de Constituição e Justiça, a CCJ, para encaminhar seu parecer na segunda acusação contra o presidente Michel Temer suscitou, de pronto, um mal-estar no seu partido e também uma surpresa nos demais pelo fato do deputado ser um dos mais velhos dentro do Congresso: 87 anos. Mas velho pode significar mais competência.

No fundo foi uma boa escolha porque o deputado Bonifácio tem larga experiência: 60 anos de vida parlamentar, o que lhe dá muita credibilidade junto aos colegas. Assim, tanto o presidente da CCJ, que o indicou, quanto o próprio Palácio do Planalto que torceu pela sua indicação. Assim, todos ficaram tranquilos com a boa condução do processo.

Pessoalmente também torço para que Michel Temer termine este mandato. Torço para que esta equipe econômica continue no trabalho de recolocar a economia nos trilhos e mantenha a inflação baixa. Também sou daqueles que acreditam que o presidente e alguns membros da sua equipe podem estar envolvidos nas acusações da Lava Jato, mas depois de completar seu mandato, que o processem e, se culpado, que pague pelos malfeitos.

Na verdade gostei da indicação do deputado Bonifácio sem mesmo conhece-lo; somente torci por conta da sua idade avançada, pela sua larga experiência política. Não gosto de políticos afoitos, principalmente se jovens e sem experiência. A experiência é que cria no político a capacidade de administrar a Coisa Pública.

Das várias decepções políticas que a falta de experiência mostrou fracassos nas coisas públicas posso citar a atual administração municipal da mais bela cidade balneária catarinense. O atual administrador, um moço que se elegeu por conta do seu jovem perfil de “papagaio de pirata” em frente ao microfone onde cada deputado pronunciava seu voto na cassação da ex-presidente Dilma Rousseff.

Sua pouca experiência administrativa permitiu que as grandes empreiteiras e construtoras continuassem dominando a cidade e hoje disputam para ver qual delas consegue construir o prédio mais alto. Já estão quase prontos os dois maiores da América Latina, prédios com 82 andares. Com 20% do seu mandato já gasto, o prefeito ainda não conseguiu fazer a coisa mais simples de uma administração: recolocar em funcionamento a cobrança do uso do espaço público das ruas para estacionar os carros.

Se experiência é importante? Também cito apenas um exemplo inconteste: Os últimos Prêmios NOBEL.

O Prêmio Nobel foi criado por Alfred Nobel em 1901 e é a premiação mais prestigiada e mais desejada no mundo. De acordo com a vontade de Alfred Nobel, o prémio deveria distinguir "a pessoa que tivesse feito a maior ou melhor ação pela fraternidade entre as nações”.

Fora o Nobel da PAZ que foi entregue neste ano de 2017 a uma Instituição, os demais:

Nobel de MEDICINA teve 3 vencedores: Jefrey C Hall com 72 anos – Michael Rosbak com 73 anos e Michael Warren com 68 anos.

Nobel de QUÍMICA também com 3 ganhadores: Jacques Dubochet com 75 anos – Joachin Frank com 77 anos e Richard Henderson com 72 anos.

Nobel de FÍSICA também com 3 ganhadores: Barry Barish com 81 anos – Kip Thorne com 77 anos e Rainer Weiss com 85 anos.

Nobel de LITERATURA: Kazuo Ishiguro, com 62 anos – o mais jovem dessa turma toda.

Nobel de ECONOMIA: Richard Thaler, com 72 anos.

Assim bem discriminadas as idades dessas onze personalidades fazem uma média geral de quase 75 anos e, com isso, se comprova que a competência tende a se externar mais em idades mais longevas.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, Secretário do Estado e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Domingo, 01 Outubro 2017 08:08

Seja curioso, leia

Toda vez que acabo de ler um bom livro penso que deveria indica-lo para ser lido aos meus amigos. Todavia, não tenho feito isso ultimamente porque os últimos que andei lendo não me deixaram tão empolgado para isso.

Nesses últimos meses minhas leituras se resumiram apenas a bons artigos em jornais e revistas feitas por bons jornalistas especialmente acerca da situação política do Brasil e, por conta disso, hoje faço questão de destacar aqui o que gostei e vou me atrever sugerir que meus leitores leiam também.

Vale a pena você ler, na última página da revista Veja, a de número 2549, o artigo de J.R.Guzzo com o título “Chegará a hora”. (http://veja.abril.com.br/revista-veja/chegara-a-hora/) Trata-se daquela palestra do General Mourão, um General da ativa, membro do Alto-Comando do Exército e ligado aos serviços de informação, uma palestra proferida numa Loja Maçônica. Fardado, o General disse que “ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso”.

A análise de J.R.Guzzo é precisa e reflete o pensamento de 99% dos brasileiros, segundo ele. A análise dele preenche uma página inteira da revista Veja e depois de lê-la você vai concordar comigo que seu autor tem toda razão. Além de gostar do artigo você vai entender a posição dos militares que estão hoje no comando das Forças Armadas – com certeza vais gostar do comentário.

Outro comentário que separei e convido você, caro leitor, a ler é um artigo de Hélio Schwartsman, excelente jornalista da Folha de São Paulo, do dia 26/09/2017, pág. A2 (https://www.portalaz.com.br/blog/blog-do-murilo/403977/possivel-fraudar-as-cotas-por-helio-schwartsman ) é acerca de um assunto muito discutido hoje: As cotas para negros nas Universidades. Hélio discorre rapidamente sobre este assunto e em poucas linhas diz que “Trocando em miúdos, não sabemos dizer, com um mínimo de objetividade, quem é negro”. Por isso nos convida para contornar essa encrenca de cotas e trocar o nebuloso critério racial pela mais mensurável renda familiar. Leia, vais gostar...

Certamente você leu ou, pelo menos, acompanhou pelos noticiários a decisão do STF em que, por três votos, numa Turma de 5 membros, o Supremo destituiu do cargo de senador Aécio Neves PSDB). Além do que ainda determinou o recolhimento domiciliar noturno do mesmo. Se você é contrário a essa decisão do STF deves ler o artigo do jornalista Demétrio Magnoli (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/demetriomagnoli/2017/09/1923137-guerra-de-poderes-compoe-o-cenario-de-anarquia-desejado-pelos-pregadores-da-ruptura.shtml ) do dia 30/09/2017 na Folha de São Paulo.

Agora, se você é a favor da decisão do Supremo vais encontrar muitos artigos defendendo a obediência à Justiça. Os artigos quase sempre começam dizendo: - decisão da Justiça não se discute, cumpre-se... Acontece que hoje precisamos, sim, discutir porque estamos trilhando caminhos minados e não é boa hora para reconhecer que ministros do STF podem destituir um senador, ou mesmo um deputado federal. Pense bem

Para completar minhas indicações de hoje leia também o artigo de Nizan Guanaes publicado na Folha de São Paulo dia 26/09/2017 (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/nizanguanaes/2017/09/1921759-intervencao-civil-ja.shtml ). Nizan não é jornalista é um grande empresário e escreve a cada duas semanas na Folha e o artigo dele é uma concitação para que façamos uma Intervenção Civil contra esse Estado velho e incompetente.

Seja curioso, leia...

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, Secretário de Governo e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Segunda, 18 Setembro 2017 07:54

Acreditando no otimismo

Alguns caros amigos, meus leitores costumeiros, me aconselharam deixar de lado o pessimismo, pois os últimos artigos, segundo eles, estariam mostrando isso e não gostaram de ver a ideia em mim.

Não é pra menos; não está nada fácil manter otimismo com todos esses escândalos sendo mostrados todo santo dia nos noticiários. Mas vamos lá...não me custa tanto de um limão fazer uma limonada. É o caso, por exemplo, daquelas enormes malas do Geddel Vieira Lima recheadas de dinheiro. Mais de 50 milhões de reais escancarados ao público, que imagino, deixou todo mundo de boca aberta.

Um escândalo extraordinário porque veio demonstrar o descaramento de um alto membro do atual governo – e de governos anteriores diga-se, pois fez parte de outros governos antes do atual. Considero esse escândalo como um dos melhores gols feitos pela Lava Jato nessa disputada entre ela e os corruptos deste país.

Duas coisas boas aconteceram na descoberta das malas do Geddel (olha meu otimismo aflorando aí): a primeira: o dinheiro já está de volta pro seu dono... e em cash! A segunda: agora fica mais difícil para políticos corruptos; corruptores intermediários e empresários gananciosos alegarem que não era propina, mas doação para campanhas.

Aquela montoeira de malas e caixas cheias de dinheiro está gravada no subconsciente das pessoas e tende a desmoralizar todos os atuais políticos, acusados ou não; infelizmente. Ou você, caro leitor, se atreveria hoje a dizer em alta voz: este não, ponho a mão no fogo por ele?

Uma boa consequência disso? A transparência nos gastos públicos começa a ficar mais clara e veio da presidência do STF através de uma determinação da ministra Cármen Lúcia para que todos os ganhos dos ministros do Supremo sejam devidamente explicitados. Certamente isso vai gerar um efeito cascata, de cima para baixo – é o que se espera – e todos os funcionários da Justiça terão seus ganhos detalhados ao público.

Outras duas consequências boas vieram da delação premiada de Antonio Palocci nessa semana passada; a primeira: liquidou de vez com a candidatura de Lula à Presidência da República e a segunda porque passou um verniz protetor no juiz Sérgio Moro fortalecendo-o muito, tanto que nenhum político irá enfrentá-lo na ofensiva. Se Lula imaginava fazer de seu depoimento no dia 13 um palanque para 2018, errou o pulo.

Como o tempo está ficando curto, nesta semana o Congresso deverá definir as normais quanto às eleições de 2018. De importante nada deve ser aprovado porque a preocupação dos atuais congressistas é com eles próprios e suas campanhas. Mas seja você também caro leitor um otimista: em pouco mais de um ano o Congresso será outro e prevejo atitudes corajosas e muito ousadas no novo Congresso Nacional, especialmente na Câmara dos Deputados – a Casa do Povo.

Este crucial momento político em que o País está mergulhado será uma ótima oportunidade para expiarmos os erros e implantarmos uma nova ética na sociedade e assim todos nos beneficiaremos no futuro. Winston Churchill, homem que governou a Inglaterra, uma das maiores nações do mundo durante um período de grandes dificuldades da história moderna disse: “O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê uma oportunidade em cada dificuldade”.

Agora só nos resta acreditar no exemplo de Churchill e sermos otimistas.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Governo e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Segunda, 04 Setembro 2017 15:55

Não vivemos num país sério

Quando Charles De Gaulle era presidente da França disse que o Brasil não era um país sério. Na semana passada constatei que ele tinha razão porque acompanhei abismado alguns fatos que se contados na França, ou em qualquer outro país desenvolvido, todos iriam acreditar que realmente não vivemos num país sério.

Sim, coisas esquisitas andam acontecendo no Brasil. Na semana passada precisei me questionar algumas vezes para ver se não estaria sonhando. Li nos jornais e acompanhei pelos noticiários que um ministro do Supremo mandou soltar um sujeito que estava preso por desviar dinheiro público. Questionado por que não havia se declarado impedido já que havia sido padrinho de casamento de uma filha desse mesmo sujeito, o ministro alegou que sua esposa havia sido madrinha da noiva, não ele, ministro.

Mais: não justificou e nem explicou que sua esposa trabalha no escritório dos advogados que defendem o sujeito acusado de roubar dinheiro público.

Dois dias depois um Juiz Federal decretou novamente a prisão do mesmo e, pela segunda vez, o ministro do Supremo mandou soltá-lo novamente – agora perdoe-me, caro leitor, mas se você não acha esquisitas as decisões desse ministro, então você deve ser parente da Salomé – aquela do Chico Anísio.

Outra esquisitice neste país também na semana passada: o Presidente Michel Temer viajou para a China e, como não temos um vice, assumiu a Presidência da República o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. A Presidência da Câmara passou a ser exercida pelo segundo vice-presidente da Casa: deputado André Fufuca.

Deputado de primeiro mandato do Estado do Maranhão e que tem apenas 28 anos de idade. Não tenho nada contra seu nome (Fufuca) e muito menos contra a falta de experiencia nos seus 28 aninhos completados no domingo passado; contudo, nesta semana entram em pauta para discussão na Câmara dos Deputados as Reformas, tanto a Eleitoral, como a da Previdência que têm prazos exíguos para ser examinadas e discutidas. Perdoem-me, mas esse deputado, pela falta de experiencia, não tem condições de conduzir os trabalhos. Caso esquisito esse também e você bem sabe que é porque estamos num país que não é sério – como diria novamente o General De Gaulle.

Outro caso esquisito e que me deixou muito triste na semana passada foi saber que um dos meus netos, Marco, que passou em primeiro lugar no vestibular de uma Faculdade Particular e preferiu cursar uma Universidade Federal, onde também obteve ótima classificação. Depois de alguns meses frequentando a Federal, obrigou-se a desistir dela.

Sim, fiquei triste, mas não porque Marco saiu da Federal para uma Particular; nisso ele tomou a atitude correta porque, as aulas foram iniciadas com cinco meses de atraso. Isso porque o ano letivo anterior precisou ser prorrogado em virtude da greve dos professores no ano passado; e depois, nesses primeiros meses de aulas, segundo ele, o não comparecimento dos professores tornou-se sistemático; ora por conta de licença médica, ora porque o substituto não foi acionado.

Enfim, estou triste porque, junto com o Marco constatei que as Universidades Federais desmoronaram. Estou triste porque elas foram o desejo desde sempre de todo jovem em poder cursar uma delas e foi o desejo de meu neto também. Lamento, Marquinho, infelizmente preciso te dizer que será mais fácil recuperar o BNDES e a Petrobrás que restituir o prestigio às Universidades Federais.

Sim, preciso reconhecer que Charles De Gaulle tinha razão, este não é um país sério – pelo menos com suas administrações públicas.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras, foi vereador, Secretário do Estado e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Segunda, 07 Agosto 2017 07:12

Acusações que cansam a todos

Um fim de semana em que novamente preciso fazer um artigo e desta vez determinado a não comentar os últimos acontecimentos políticos nacionais. É uma recomendação de amigos e concordo com isso, até porque esse questionamento ao atual governo federal está se tornando cansativo pra todo mundo, inclusive para meus leitores.

Tudo bem, mas de antemão confesso que é difícil largar os assuntos políticos, afinal, sempre foi assim na maior parte da minha vida. A política partidária entrou cedo na minha vida. Aos 23 anos já estava fazendo campanha para me eleger vereador na pequena cidade de Pato Branco, Estado do Paraná e para isso tinha o incentivo e a ajuda firme de um ex-vereador, meu pai.

Eleito com uma expressiva votação, o quinto vereador mais votado do município, já na Primeira Legislatura fui eleito Secretário da Mesa Diretora. Tendo em vista que o Presidente da Câmara, João Dalpasquale, ter se licenciado exerci, então, a Presidência do Legislativo Patobranquense durante quase todo aquele período.

Naqueles tempos vereador não recebia salário e também não tinha qualquer funcionário para assessorá-lo. Nem mesmo a própria Câmara de Vereadores os tinha. Eles eram requisitados à Prefeitura que os cedia para trabalhar nos dias em que havia Sessão no Legislativo – uma ou mesmo duas sessões semanais.

A primeira impressão que transparece é de que naqueles tempos não havia tanto trabalho, mas havia sim. A diferença dos dias de hoje com aqueles de antigamente é que hoje as Câmaras de Vereadores têm uma estrutura muito grande e a maior parte dos trabalhos – e dos gastos, claro – está voltada para atender a própria Casa.

(Cruzes! Lá fui eu navegar pelo passado. Bastava dizer que a política partidária está de todas as maneiras entranhada na minha vida, como disse no começo e estaria justificado para comentar a cerca de qualquer outro assunto; e pronto. Mas já que comecei...)

Ainda preciso acrescentar que dei um tempo na questão político-partidária a partir de 1964 quando os militares tomaram conta do país. Por conta disso larguei mão das coisas políticas e mergulhei Brasil a dentro; fui abrir lavouras novas no Estado de Mato Grosso. Certamente tomei uma das decisões mais difíceis na minha vida – mas foi acertada.

Se fui infectado novamente pelo vírus da política partidária em 1986, ou teria sido uma recaída ao mesmo vício, não saberia dizer, mas lembro que fui estimulado para que isso acontecesse pelo irmão Alceni e pelo médico, George Takimoto – que acabara de se eleger Vice-Governador – para que aceitasse comandar uma Secretaria no Governo do Estado.

Quatro anos trabalhando diuturnamente sob o comando de um governador (Marcelo Miranda) dinâmico e bem intencionado. Juntos conseguimos iniciar o processo da industrialização do Estado e foi pelo bom trabalho naquela Secretaria que me levou a ser candidato à Câmara dos Deputados em 1990. Terceiro candidato a deputado federal mais votado do Estado – ainda hoje sinto muito orgulho disso.

Em 1998 lutei, como candidato a vice-governador, para eleger Pedro Pedrossian ao governo do Estado; não conseguimos. O Partido dos Trabalhadores (PT) emplacou no MS seu primeiro governador. Foi a partir daí que os governos petistas iniciaram sua maneira de administrar a coisa pública.

Neste final de semana penso que poderia, sim, ter feito um pouco mais na política partidária e não ficar apenas no voto, como foi a recomendação de meu pai – ele que teve três filhos eleitos deputados federais. Contudo, se vivo fosse certamente não recomendaria fazer parte desta atual maneira de fazer política e estaria também cansado das acusações aos atuais políticos.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Estado e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Terça, 25 Julho 2017 17:42

Aumento de impostos

Você viu? O governo federal aumentou impostos e logo nos combustíveis que certamente irão influenciar os preços dos fretes e, por consequência, a economia como um todo.

Naturalmente você deve ter pensado, assim como também pensei, que tendo em vista a crise política em que o país se encontra o governo não deveria tomar esta atitude. Este governo está pedindo para levar vaias pensamos nos dois. E não deixa de ser verdade porque a FIESP já encomendou outro pato amarelo a fim de protestar contra o aumento de impostos.

Até a oposição já saiu vibrando por receber mais este motivo para continuar com o “Fora Temer”.

Mas veja bem, caro leitor, os banqueiros (nem sei o porquê, mas não gosto de banqueiros e rentistas em geral), esses caras competentes que administram as finanças do governo brasileiro e são capitaneados pelo atual Ministro da Fazenda podem não ter encontrado outra forma para fechar as contas.

Contudo, minha impressão é que eles estão apertando a corda no pescoço dos congressistas para que aprovem a Reforma da Previdência. Se a intenção foi esta, eles estão cobertos de razão, pois é aí que está a solução do problema, aprovar uma boa Reforma na Previdência. Para isso temos o exemplo do Rio de Janeiro que por incompetência administrativa – ou mesmo pela roubalheira dos políticos – hoje não consegue pagar em dia suas contas nem mesmo dos seus funcionários, que dirá, então, dos aposentados.

Na questão das aposentadorias, para exemplificar, constatei um caso de uma saudável jovem senhora de 50 anos que disse estar aposentada no Estado do Rio de Janeiro, mas trabalha desde 2003, numa loja de venda de peças de aviões em Miami. Nem me atrevi perguntar se nesses 14 anos que está trabalhando nos Estados Unidos teria continuado a pagar as devidas contribuições porque sua resposta poderia ser outra surpresa ainda maior.

Milhares de exemplos de aposentadorias precoces existem, mas com uma boa reforma na Previdência não poderão ser criadas outras e assim se acabaria com essas regalias daqui para frente, pois além de prejudicarem as finanças públicas, essas aposentadorias precoces tiram do trabalho no melhor momento da vida, em relação a sua produtividade, bons funcionários. Ou seja: funcionários se aposentam quando estão na melhor fase produtiva de suas vidas. Claro, saem para prestar serviços a particulares, ou então, para montarem um negócio próprio e aí está um grande prejuízo ao Poder Público.

Além dos escandalosos casos de aposentadorias precoces há um excesso de funcionários que multiplicam suas despesas, como mordomias de todo jeito; férias de três meses ao ano e despesas de toda ordem. Sim, a Reforma da Previdência precisa ser bem-feita não apenas para que Estados e União possam pagar suas contas, mas para que os governos voltem a ter capacidade para investir mais em bens comuns como saneamento básico, saúde pública, transporte urbano, educação e em estradas – especialmente em ferrovias.

Depois de uma boa reforma na Previdência vamos lutar para que um novo governo privatize todas as empresas públicas que, como estamos vendo através da Lava Jato, serviram bem até aqui, mas nestes últimos anos tornaram-se cabides de empregos e em roubalheiras de políticos. Se dizendo isso desagrado algum esquerdopata nem lamento porque sei que este aumento de impostos que agora você e eu teremos de arcar é por conta das más administrações de muitos deles.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Governo e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Segunda, 10 Julho 2017 08:00

Tempestade Perfeita se formando

A denúncia apresentada pelo procurador Rodrigo Janot na semana passada contra o presidente Michel Temer acabou balançando ainda mais a sustentação do presidente no cargo. Tudo indica que está se formando uma Tempestade Perfeita no atual governo.

Digo isso porque parece que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, foi picado pela mosca azul e encolheu a defesa que vinha fazendo a favor de Michel Temer. Como sucessor direto que é do presidente, caso aceita a denúncia contra Michel Temer, Rodrigo Maia irá substitui-lo por seis meses e imagino que este é o desejo do atual presidente da Câmara dos Deputados.

A seu favor Michel Temer terá possivelmente ainda nesta semana a aprovação da Reforma da CLT e deverá usar essa conquista para fortalecer sua permanência no governo. Isso lhe reforçará o discurso de que somente ele seria capaz de aprovar a Reforma da Previdência – hoje extremamente necessária.

Também lhe dará mais ânimo para ter os votos necessários na CCJ, Comissão de Constituição e Justiça, da Câmara dos Deputados que irá apreciar a acusação que lhe move o MPF. A vitória na CCJ não é decisiva, mas serve para influenciar a votação final que será feita no Plenário da Câmara.

Não acredito que Michel Temer seja afastado pelo plenário da Câmara dos Deputados porque são apenas 175 votos, dos 513 deputados, que ele precisa. Porém, não dá para subestimar alguns perigos que se evidenciam. O primeiro deles é a força da oposição. Afinal, ninguém desconhece a capacidade da militância do PT pela busca de um comando político; ainda mais agora que se trata de dar o troco a Michel Temer.

Que a oposição, agora representada pelo PT, PSOL e etc. prefiram Rodrigo Maia a Michel Temer governando até as próximas eleições é compreensível, pois com isso a Reforma da Previdência fica do jeito que eles preferem. Ou até nem fica e assim o país mergulha na esculhambação em que se encontra o Rio de Janeiro: sem conseguir pagar suas contas e sem condições de implementar obra alguma. Esse “quanto pior, melhor” serve apenas para manter aquele discurso demagógico, mas isso incomoda o esforço para consertar a economia.

Depois, ainda precisa considerar que dois partidos leais ao presidente Temer tendem a se afastar dele. Me refiro ao PSDB que parece vai mesmo desembarcar deste governo; pelo menos é o que sinaliza seu atual presidente, Tasso Jereissati. Outro partido, o DEM, partido do presidente da Câmara dos Deputados, se afastaria mesmo. E por que não? Afinal, parece que somente assim os democratas teriam um presidente governando o país.

Apesar de demonstrar certa insegurança até mesmo na sua postura física, o deputado federal Rodrigo Maia tem a orientá-lo o sogro, Wellington Moreira Franco que está ao lado do presidente Temer. Foi de lá que saiu a indicação de seu nome para presidir a Câmara dos Deputados. Tem mais: seu pai, Cesar Maia, ex-governador do Rio de Janeiro que de bobo não tem nada, quer ser senador e com um filho presidente do Brasil, essa luta ficaria bem mais fácil.

Pois é, apesar de Rodrigo Maia nem de longe ter a experiencia de Michel Temer para completar este pouco mais de ano para as próximas eleições, mesmo assim, parece que está se formando uma Tempestade Perfeita em seu favor. Tempestade Perfeita é quando qualquer evento em que uma situação fica drasticamente agravada em decorrência de uma combinação excepcionalmente rara de circunstancias.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Estado e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Domingo, 25 Junho 2017 17:57

Torço para que Michel Temer continue

Ainda continuo torcendo para que Michel Temer se mantenha no cargo de presidente; e sabe por que? Porque não temos outro para continuar no seu lugar. Torço somente por causa disso.

O tempo é curto, sei. Um ano e meio exatamente – a partir desta semana – é o que falta para que acabe este seu governo. Tempo curto diria você caro leitor, mas não para quem já passou dos oitenta, no meu caso. E por conta disso, tenho pressa; muita pressa.

Dizem que foi na comemoração dos oitenta anos de Platão que lhe perguntaram quantos anos ele tinha. Respondeu que dez ou doze, não saberia dizer porque dos oitenta já vividos uns poucos mais, talvez 10 ou 12 tinha para esperar de sua vida. Assim estou me sentindo hoje, como Platão. Por isso, ninguém tem mais pressa que eu para que este momento ruim acabe e o Brasil volte a trilhar o caminho do desenvolvimento.

Por isso sou contra o “Fora Temer”. E veja bem, não votei nele, mas quando a presidente Dilma Rousseff caiu e Michel Temer assumiu substituindo-a no comando de um novo governo gostei de ver a vontade do presidente em consertar as contas e suas propostas de reformas para endireitar os estragos feitos na economia do país pela incompetência do governo de Dilma.

Agora, a cada dia que passa as acusações ficam mais graves contra Michel Temer e todos os que o cercam. Nesta guerra entre a Justiça e todos os demais políticos que usaram recursos públicos surripiados para se elegerem – ou para se beneficiarem pessoalmente – penso que todos devem ser julgados; e se culpados, que paguem! Inclusive o próprio presidente.

A todos os que me perguntaram nesses últimos dias o que teria para dizer desta nossa grave situação política respondi que nada sei, mas também digo que ninguém sabe o que pode acontecer. Lembro agora que foi na festa de casamento do caro amigo Gandi Jamil, no ano que antecedeu a eleição de Fernando Collor, onde encontrei o todo poderoso Boni (José Bonifácio de Oliveira Sobrinho) da Rede Globo.

Já estávamos na reta final para as eleições presidenciais e ninguém sabia dizer quem poderia vencer as eleições. Boni também disse que não via nenhum dos políticos conhecidos com possibilidades de se eleger, mas saberia dizer quem seria o ganhador: seria um candidato jovem; prometendo acabar com a corrupção e mostrando muito entusiasmo.

Na eleição deu Fernando Collor que como todos lembram entrou na campanha de mangas arregaçadas e gritando aos quatro ventos que vinha para “caçar marajás”. Deu no que deu, nem caçou marajá algum e acabou sendo cassado – literalmente caçado, ele mesmo – e por corrupção.

E já que nada sei dizer do que pode acontecer neste interregno que vai daqui até as eleições de 2018, então digo que ajudemos a conscientizar os eleitores para que não seja eleito outro “caçador de marajás”, ou mesmo mais um, ou uma, que venha repetindo mil vezes as mesmas mentiras, se eleja e seja necessário cassá-lo também.

Assim, torço para que Michel Temer se mantenha no cargo de presidente e que juntamente com o Congresso Nacional faça as reformas necessárias porque não existe no momento outro com capacidade para substitui-lo.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Estado e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Quinta, 15 Junho 2017 07:23

Precisamos retomar o voo do crescimento

O governo brasileiro e nós juntos estamos vivendo dias difíceis. É uma sensação parecida como a de pilotar um avião em tempo ruim e tendo que confiar só nos instrumentos. Parece que logo ali na frente o tempo vai melhorar, porém, o voo precisa continuar porque não dá mais para voltar. Pilotar assim é angustiante demais – e para os passageiros também.

O governo do presidente Michel Temer está assim e até pior: atingido por uma tempestade seu voo pode ter o pouso forçado antes do destino – que é 31 de dezembro de 2018. Contudo – porque não há outra alternativa melhor – me atrevo dizer que ele deveria continuar.

As acusações contra grande parte dos políticos com mandato continuam a pipocar e agora até o presidente Michel Temer foi atingido e, por consequência, seu governo. As provas são tão fortes que estou inclinado também a repetir o que muitos dizem: que se dane. Se tiver que pagar, que pague. Digo isso porque a cada dia mais me convenço do envolvimento, pois a maioria dos políticos abusaram nos gastos para se eleger.

Então, já que as evidências contra o próprio presidente são graves que seja acusado; seja julgado e se condenado que pague.

Apesar de tudo isso concordo com o bom economista Delfin Neto que insiste para que o STF adote a solução do “menor custo social” e aceite o sobrestamento, até 1/1/2019, das questões que Temer deve esclarecer à Justiça. “Com isso se dará nova força ao governo para continuar com as reformas... e no futuro próximo responderá pelo que tenha feito”.

O governo de Michel Temer precisa continuar esse voo, mesmo que seja pelo auxílio de instrumentos (STF) porque é a única maneira que o país tem para fazer as reformas. Sem elas, em especial a da Previdência não somente os Estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, mas o próprio país – e nós todos juntos, claro – ficaremos prostrados.

No caso de um afastamento do atual presidente uma nova fase de incertezas com a sucessão se iniciará e um longo processo sucessório irá travar todas as grandes discussões do País; me refiro ás reformas. Tem gente demais - são 14 milhões de desempregados - esperando desesperados que o Brasil retome o voo do desenvolvimento e ele só acontecerá se as reformas forem aprovadas.

O momento é difícil sim, mas é de grandes mudanças também. Ou você tem alguma dúvida que a Lava Jato irá criar grandes mudanças na vida dos brasileiros? Vai sim! As próximas eleições irão mudar a cara dos políticos que governam o Brasil. Uma grande parte dos atuais mandatários estará impedida de se candidatar. Alguns ainda tentarão se reeleger, mas os próprios eleitores, agora devidamente esclarecidos pela publicidade das denúncias, os excluirá da administração pública.

Você não pensa assim? Não concorda? Então me ajude aí, por favor; mostre-me outra solução, mas que seja executável em alguns poucos meses, ou melhor, em poucos dias; já que o país, com 14 milhões de desempregados, não vai resistir e irá desmoronar, assim como a Venezuela desmoronou. É angustiante sei, mas o Brasil precisa continuar este voo para pousar tranquilo nas eleições de 2018; daí sim, trocar de aeronave e voar em outra conexão – e torcer que seja numa aeronave nova.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; Piloto Privado, foi vereador, secretário do Governo e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Segunda, 29 Maio 2017 21:33

Simplificar é preciso, e urgente

Muito verdadeira a afirmação de que no Brasil se criam dificuldades para vender facilidades. Talvez a origem desse vício entranhado hoje no caráter de grande parte da população brasileira tenha se originado com a cedência, a alguns poucos portugueses afortunados, as Capitanias Hereditárias, quinhentos anos atrás.

O tal “jeitinho brasileiro” é um descendente direto dessas facilidades que começaram logo depois do descobrimento do Brasil. E foram se multiplicando em maneiras diferentes de se criar dificuldades na vida dos brasileiros para delas alguns poucos usufruir vantagens.

Desculpe, mas essa irritação de hoje vem de ter sido obrigado a apresentar uma Cartela do Idoso exposta no para-brisa do carro a fim de ocupar uma das vagas para idosos. Levei multa porque estava sem a cartela. Apresentei minha Carteira de Identidade atestando meu direito; o guarda não aceitou. Fui multado. Pior...

Dia seguinte busquei na Prefeitura uma segunda via da Cartela, mas somente poderia requere-la se apresentasse um BO, Boletim de Ocorrência que deveria fazê-lo na Polícia Civil. Veja o que faz a burocratização neste país, uma simples cartela sem foto se sobrepõe a todos os meus documentos de Identidade. Ainda pior, além de não acreditarem nos meus documentos, também não acreditam que perdi a cartela; acreditam no BO da Polícia – ainda bem.

Ainda hoje uma das múltiplas maneiras de usufruir vantagens é a de explorar os cidadãos brasileiros, com a burocratização, através de Cartórios. Desculpe, mas não sei dizer quando foram criados aqui no Brasil os (des)necessários cartórios. Hoje eles se chamam cartórios de registro civil, cartório de tabelionato de notas, cartório de registro de imóveis, cartório de registro de títulos e documentos...

Eles, os cartórios, são o símbolo maior da burocratização brasileira. Nem na ditadura militar e sob o governo de generais se conseguiu acabar com seus poderes mais prepotentes. Em 18/07/79 pelo Decreto 83.740 foi lançado o Programa de Desburocratização e nomeado para o cargo de Ministro da Desburocratização, Hélio Beltrão e assim se previa a melhoria no atendimento dos usuários do serviço público.

O competente ministro Hélio Beltrão conseguiu quase extinguir a necessidade de reconhecimento de uma assinatura por um cartório. Infelizmente com a extinção do Ministério da Desburocratização voltaram com força total o símbolo maior dos cartórios, os “reconhecimentos de firmas”; só que agora com estampilhas coloridas e carimbos diversos, tudo como nos séculos passados. Como herança do excelente trabalho realizado por este ministério, temos a criação do juizado especial e o nascimento da lei de microempresas, políticas que visavam simplificar o serviço público.

Se me perguntares como é em outros países esses processos de reconhecimento de firmas posso dizer que nos Estados Unidos também se reconhece uma assinatura, mas é feita por uma outra pessoa qualquer que lhe conhece e que nada vai lhe cobrar, apenas ela se credenciou para isso junto ao governo.

O Legislativo, através da Câmara dos Deputados e Senado Federal, bem que tenta diminuir a burocratização no país. Agora mesmo o Congresso Nacional criou uma Comissão Mista de Desburocratização para tratar disso e essa Comissão já tem seu presidente indicado, deputado Júlio Lopes e também um relator, senador Antônio Anastasia.

O Executivo, Presidência da República, criou um Decreto no dia 7 de março de 2017 onde cria o Conselho Nacional da Desburocratização. Nesse Conselho participam todos os ministérios e dele e da Comissão do Legislativo se espera que no Brasil se extingam as dificuldades e se simplifique o atendimento aos usuários do serviço público.

* O autor é membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Estado e deputado federal. (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentário

Página 1 de 27
  • Unimed 38
  • unigran vest 18 menor

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus