Timber by EMSIEN-3 LTD
Manoel Afonso

Manoel Afonso

EXEMPLARES PETISTAS... Como diz o filósofo preso em Curitiba: “A verdade adoece, mas não morre”. Primeiro - o ex-prefeito de Dourados Laerte Tetila (PT) foi condenado (STJ) em 2018 pela compra de carros vermelhos (tomatinhos) e uso do 13 nas placas, além da retirada do prenome ‘Estrela’ de 17 conjuntos habitacionais. Agora condenado pela Justiça Federal de Dourados pela compra super faturada de 4 veículos denunciada na ‘Operação Sanguessuga’, junto com o ex-deputado João Grandão (PT), já condenado na 3ª. Turma do TRF-1 em 2015 a pena de 11 anos e 10 meses de prisão em regime inicialmente por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e fraude, em caso originário também da ‘Sanguessuga’.

TORCIDA No saguão da Assembleia Legislativa papo agradável com o prefeito José Gilberto Garcia (PR) de Nova Andradina (54 mil habitantes - 60 anos de fundação). A prefeitura é a maior empregadora: 1800 funcionários, seguida pelo Frigorífico com 800 operários. 50 mil hectares de cana de açúcar abastecem a Destilaria com centenas de trabalhadores. Ele torce pela reforma da previdência que geraria economia mensal de R$300 mil - R$3.600 mil anuais. Fiel companheiro do deputado Londres Machado (PSD), confessa que a articulação dele tem sua fundamental junto ao Governo Estadual.

EM ALTA Elogiada a conduta de Maurício Saito, presidente da Famasul ( Federação da Agricultura de MS). Cabeça oxigenada, vai cumprindo seu programa: representação institucional, melhoria do ambiente produtivo e maior capacitação do produtor rural. Articulado, com boa inserção no cenário econômico/político, Saito é conselheiro da Fundação MS e presidiu o Sindicato Rural de Itaporã; Cooperativa da Serra de Maracaju; Associação dos Produtores de Soja de MS e Conselho Deliberativo de Desenvolvimento do Centro-Oeste representando o setor produtivo e empresarial.

OPORTUNISTAS O Conselho Federal da OAB emitiu nota indicando o afastamento do ministro da Justiça Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol. Mais um ato dos advogados esquerdistas que usam o conselho, como se isso representasse o pensamento dos advogados brasileiros. A nota é pública - mas não unânime. Afinal no direito não há verdade absoluta. Deveria o Conselho concentrar-se na defesa dos profissionais que sofrem desrespeito no exercício da profissão e usar a mídia para esclarecer as opiniões públicas que denigrem a classe. “Data vênia” - neste ato a Ordem não me representa.

REFLEXÃO: “As conversas entre Moro e Dalagnol contém ilegalidades? (...) Mas a ilegalidade não é o pior nas conversas e estratégias comuns, porque os dois não inauguraram o comportamento: ele acontece sorrateiro e discreto em todos os tribunais...( )...Antes de massacrar juiz e procurador deve-se perguntar: eles falsearam as provas, as sentenças não foram confirmadas no tribunal? No momento é o espetáculo, a encenação do escândalo ( )...No momento o Brasil vê-se novamente diante daqueles impasses de sua história: um passo adiante, dois passos atrás. A Operação Lava Jato foi um avanço, expôs a corrupção e a imprudência, o despudor dos políticos. Agora esses mesmos políticos levam o Brasil a recuar os dois passos de sempre: o descrédito da Lava Jato e o “resgate” daqueles nela apanhados.” (Rogério Distéfano - Blog “Insulto Diário”)

A PROPÓSITO Como um milagre (patrocinado pela Globo, Folha e cia) tenta-se passar a imagem de um país que nunca foi. É consenso de quem é culpado não gosta de juiz de direito e de promotor de justiça. Então tudo que foi provado na Lava Jato foi pura invenção? E as delações? E o dinheiro devolvido surrupiado? Toda a história relatada no episódio da JBS é invencionice? Aquela mala com dinheiro de posse do assessor de Michel Temer era balela? E o que dizer do tal coronel Lima e sua empresa que prestava ‘serviço$’ na Usina de Angra? Sobre isso o deputado Pedro Kemp (PT) não disse um pio no seu desequilibrado discurso na tribuna da Assembleia Legislativa.

PONTE AÉREA A doença é cruel, não espera! Muito bom o projeto do deputado Marcio Fernandes (MDB) prevendo a destinação dos pontos (ganhos por agentes públicos em geral nas viagens oficiais) a um futuro banco administrador na Secretaria da Saúde para usá-los em prol dos doentes em viagens para tratamento em outros centros. Ao contrário de outras leis nem sempre pragmáticas, a proposição é oportuna e deverá sensibilizar deputados e outros agentes a doarem o crédito das suas milhas.

ESTÍLOS A renovação na Assembleia Legislativa possibilita a oxigenação de ideias que deságuam em proposições compatíveis à nova realidade conectada aos apelos ao meio ambiente, mundo animal, comportamentos, lazer e outros. O deputado Lucas de Lima (SD) quer repetir o projeto ‘Dezembro Verde’ instituído com sucesso na capital quando era vereador. A proposta é conscientizar a população contra o abandono de cães e gatos que perambulam nas cidades. No país há 20 milhões de cachorros e 10 milhões de gatos soltos nas ruas, que podem transmitir doenças inclusive. Uma boa sacada!

A RECOMPENSA Não é fácil se destacar na multidão do Congresso. Agora mesmo, o deputado federal Fábio Trad (PSD) brinda seus eleitores com sua inclusão na lista do Diap dos 100 parlamentares mais influentes. Nada cai do céu: é fruto de seu preparo (especialização em direito) e produzindo 12 projetos e atuando em grupos de trabalho importantes. Pesa na escolha a reputação, liderança, capacidade de negociação, aspectos qualitativos e quantitativos. Claro, seria muito bom que todos os nossos parlamentares estivessem na lista que conferi. Mas por enquanto apenas ele, como ocorreu em 2014.

VAPT-VUPT 40 anos – Num piscar de olhos, passaram rápido. Dos deputados constituintes só Londres Machado (PSD) e Onevam de Matos (MDB) sobreviveram politicamente para descerrar a placa alusiva no saguão da Assembleia Legislativa. Neste período muitos cidadãos eleitos passaram pela Casa, mas nem todos conseguiram deixar pegadas realmente marcantes. Alguns despreparados, confusos e equivocados na missão de legislar. Como o direito a proteção a imagem é rigorosa, fica impossível o relato de boas histórias, algumas folclóricas, envolvendo alguns destes ex-parlamentares. É pena.

SOB HOLOFOTES Primeiro foi o ministro da saúde Luiz H. Mandetta. Na última quarta feira foi a vez da ministra da agricultura Tereza Cristina ser sabatinada no ‘Globo News’. Ao seu estilo tranquilo não fugiu das perguntas e soube sair das provocações com ‘endereço certo’. Mostrou que conhece; tudo da pecuária, dos desafios da lei ambiental, da produtividade, das reservas legais, uso de inseticidas e das lições para assegurar espaço no mercado internacional. Como ela disse-me certa feita: “eu não sou sabida; eu sou velha; assim como o diabo, que só é sabido - porque é velho”.

JORNALISTAS são ambientalistas natos, mas só voltados ao meio rural. Ignoram os 3.000 lixões nas 1.600 cidades, as 100 milhões de pessoas sem água/esgoto tratados, o gás carbono dos carros. O rio Tietê em São Paulo mostra a cegueira dos ambientalistas e Ongs. Prende-se quem cria um papagaio em casa, mas ignora-se os venenos químicos jogados nos córregos e rios. A ministra Tereza Cristina lembrou da incoerência da lei atual que proíbe a construção da linha de energia elétrica que precisa passar dentro da reserva Waimiri com 225.000 kms quadrados onde vivem apenas 350 indígenas. Os ecologistas são urbanos, ganham bem bebendo uísque no Rio de Janeiro. Até eu!

DUAS BARBARIDADES recentes envolvendo o meio ambiente. A primeira prende-se a iniciativa do Ministério Público Federal para barrar as obras de ampliação do Porto Murtinho orçadas em 40 milhões de dólares. É o velho discurso da falta de estudo do impacto ambiental. Uma apologia a filosofia do atraso. A segunda questão refere-se ao Ministério Público Estadual – depois de 13 anos do início do empreendimento – querer anular licenças ambientais concedidas ao Condomínio Alphaville I,II,III e IV onde já foram construídas mais de mil casas de alto padrão que geram empregos e renda. Vão desmanchá-las agora? Esse pessoal (estadual e federal) ganha bem e trava o progresso.

FIM DE FESTA Só no Brasil! Juiz de Direito que vende sentença, desvia dinheiro, pratica tráfico de influência, após muita lenga lenga – é ‘castigado’ com aposentadoria compulsória e não perde direito aos generosos salários. Mas agora o relator da Reforma da Previdência – deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) incluiu no texto original o fim da penalidade esdrúxula - sob a alegação que os magistrados e membros do Ministério Público devem ser incluídos na classe dos funcionários públicos e portanto sujeitos a mesma legislação. Após a ‘Lava Jato’, é a hora da vingança da classe política.

CALMA GENTE! Se a crise persistir até as eleições de 2010 ( que é bem possível), onde irão arrumar dinheiro para bancar as eleições municipais, sempre tão caras com esses eleitores viciados no ‘toma lá dá cá’? Falo isso porque ouço muita conversa de ‘lideranças’ políticas lá na Assembleia Legislativa citando esse ou aquele nome para prefeituras de determinados municípios, onde aliás o dinheiro virou coisa rara. E não me venham com churumelas; não se faz política sem dinheiro neste interior brasileiro. Quem vai financiar? O tráfico? A única atividade efetivamente rentável hoje em dia.

RÁPIDAS.......Vereadores da nossa capital restringindo o uso do narguilé. Mas na pratica não será fácil a fiscalização.......Sobre as drogas, o ministro da Luiz H. Mandetta da Saúde lembra que a cerveja e o cigarro – liberados - são as portas de entrada de tudo........ Derrotado na CCJR, o deputado João H. Catan (PR) aprovou em plenário seu projeto dispondo sobre cadastro único dos deficientes no MS e esteve em Costa Rica prestigiando palestra do ex-senador Magno Malta.......Solto após mais de um ano preso – o empresário João Amorim (Solurb) não tem sido visto. A ordem é discrição máxima.........Deputada Rose Modesto (PSDB) estaria se encantando com os elogios e acenos de antigos adversários. Mas também na política a pratica é diferente da teoria......O sonho da usina de asfalto para Dourados pode acontecer. Pelo menos o deputado Neno Razuk (PTB) saiu animado da reunião na Sudeco.......O ex-juiz Odilon de Oliveira adotou o habito de enviar artigos semanais à mídia e amigos. É sinal de que continua como aquele jogador que fica na área querendo fazer um gol........Deputado capitão Contar (PSL) lembrou em recente discurso que a grande prova de que o PT está em baixa foi a perda da metade da representação na casa; de 4 para 2 deputados.......O aumento das exportações para a China já refletiu nos preços da carne suína e de frango em nossos supermercados. Não podia ser diferente......Deputado Gerson Claro (PP) apresentou moção de apoio ao Fundep permanente. Proposição aprovada........Deputado Jamilson Name (PDT) pediu reforma do UPA da Coronel Antonino........Deputado José Carlos Barbosa (DEM) pediu instalação de delegacia de polícia em Dois Irmãos do Buriti.......Deputado Evander Vendramini (PP) viu aprovado projeto prevendo presença de tradutor de libras em centros comerciais.......Deputado Marçal Filho (PSDB) pediu ao Secretário de Governo Eduardo Riedel a participação do Governo nas obras do trevo do DOF em Dourados......Deputado Lídio Lopes (Patriota) recebeu lideranças no seu gabinete, participou das sessões ordinárias, da sessão da CCJR e visitou secretarias junto com prefeitos e vereadores do interior.

O escracho sobre Moro e Dallagnol é pura hipocrisia. De repente

o Brasil descobriu-se puro e virtuoso (Rogério Distéfano)

.

Comentário

DISCURSOS Nem sempre eles representam na íntegra o projeto político de um candidato. Mesmo assim vale a pena – às vezes – analisá-los nas suas entrelinhas para aferir seus reais propósitos e também suas incoerências ao compará-los com sua postura dentro do cenário político-eleitoral. E convenhamos, há bom tempo não temos tido o prazer de absorver ensinamentos do conteúdo da classe política. Basicamente nivelados na maioria abaixo da razoabilidade, não trazendo luzes que efetivamente possam contribuir com o debate e a gestão política brasileira.

OS PARASITAS ainda vão sobrevivendo por aí no desfrute da sombra do legado de seus líderes. Contra o implacável relógio do tempo, citam suas frases, trajetória e tentam trazer para nossos dias as antigas agendas, como se não vivêssemos em outro contexto social. Nas siglas vinculadas ao trabalhismo, por exemplo, é visível a preocupação de se estabelecer identidade com as propostas e Governo de Getúlio Vargas na distante década de 50. É como se o mundo e o Brasil não tivessem mudado economicamente e socialmente. Falta-lhes liderança, discurso e propostas compatíveis com a realidade. Daí essa vocação de se agarrar aos ‘velhos troncos’ já naturalmente corroídos.

MUDANÇAS Os conceitos de gestão pública mudaram muito. O que era essencial ontem às vezes passou a ser opcional hoje. A prioridade de construir estradas – do então presidente da República Washington Luiz (1926-1930), era compatível com aquela época de grandes dificuldades de locomoção e transporte. A construção da rodovia Rio-São Paulo justificou seu lema “Governar é construir estradas”. Hoje, mais urgente que as estradas é a expansão da rede de internet num mundo refém da tecnologia. Enfim, as prioridades deixaram de ser estáticas, flutuam de acordo com o momento de seu povo.

LUZ PRÓPRIA Parece faltar à maioria dos políticos, por formação ou incapacidade nata. Mas aqueles que têm bom senso vão captando ensinamentos para depois adequá-los à realidade e perfil. Uma postura inteligente sempre aberta a críticas e observações que possam acrescentar algo de positivo. O governador paulista João Dória Jr (PSDB), embora nascido em bom berço político, só estreou e vencendo na política aos 59 anos de idade como candidato a prefeito de São Paulo em 2016. Isso também tem ocorrido com profissionais liberais e empresários bem sucedidos que acabaram ingressando na vida pública partidária por prazer ou vontade de servir.

COMPARANDO Estrearam nos países do 1º Mundo e agora já são vistas em lojas de supermercados de Campo Grande. São as ‘caixas inteligentes’ que dispensam a mão de obra da tradicional ‘caixa’. E não adianta os sindicalistas chiarem: vieram para ficar! É consequência desta legislação trabalhista (CLT) que só ferra quem gera emprego, ao contrário dos Estados Unidos onde a “Lei dos Poderes Justos do Trabalho” trata com igualdade de direitos e deveres empregados e patrões. Não é por outra razão de que os brasileiros fazem de tudo para conseguirem trabalhar na ‘Terra de Tio Sam’. Certo?

MEIA VOLTA! Ao colunista o deputado Pedro Kemp (PT) admitiu que vem fazendo profunda reflexão sobre o cenário político – seus personagens – e inclusive sua inserção nele. Para o parlamentar é preciso abandonar a prática dos discursos vazios apenas para marcar posição ideológica partidária que nem sempre resolvem. Kemp confessa estar mais amadurecido e está se policiando em determinadas situações e assuntos. Ao final manifestou sua preocupação com o professorado, onde aliás está sua base eleitoral.

DISTORÇÕES Em se tratando de questão salarial elas resistem por leis. Um leitor de Dourados envia-nos números sobre a prefeitura municipal. O salário mensal líquido da prefeita Délia Razuk seria de R$ 10.411,98. Já o ganho líquido mensal do Procurador (Execução Fiscal) seria de R$ 21.706,71 após o desconto de R$ 10.074,38. O Procurador Especial, funcionário desde 1989, ganharia R$ 41.452,56 e, descontando R$ 12.678,94, ficaria com R$ 28.773,62. O Guarda inspetor de 2ª. classe receberia líquido R$13.053,39, enquanto o engenheiro (desde 2001) ganharia líquido R$ 10.119,13.

LONGE de discutir o mérito dos números, é preciso reconhecer que os vencimentos estão amparados em lei e que existem vários aspectos que devam ser levados em conta. Mas, o que interessa aos olhos críticos da opinião pública é que no país – de um modo geral – leis e mecanismos beneficiam determinados nichos da função pública. Ainda há pouco a mídia repercutiu os ganhos dos motoristas e ascensoristas do Congresso Nacional. Alguém ironizou: eles não ganham tanto - são os brasileiros comuns que ganham muito pouco. E segue a ‘galopeira’.

É VERDADE A opinião pública pode não entender de direito, mas tem noção ou parâmetros de justiça. O mesmo raciocínio se aplica ao crime cometido pelo policial rodoviário federal Ricardo Hyun Moon contra Adriano Corrêa Nascimento e mais duas outras vítimas em 31/12/2019 na capital. Não há que se confundir a instituição da Polícia Rodoviária Federal (que saiu desgastada) com seu integrante que não estava de serviço na ocasião. A opinião pública também condenou a iniciativa de se colocar ‘out-doors’ nas ruas de Campo Grande para influenciar no julgamento à favor do réu.

E MAIS.... O apoio de forma ostensiva dos colegas dele no julgamento foi visto como tática de pressão que intimidou e amedrontou quem foi ao fórum. Mas, as notícias e fotos publicadas na mídia, depoimentos de testemunhas oculares e outras provas ao longo do processo deram subsídios para o cidadão comum entender o que realmente aconteceu. Mas para se absolver o réu o caminho usual é denegrir a imagem da vítima. Frieza e maldade de um campeão de tiro em pleno clima de final de ano. Pena que continua valendo o velho ditado: “No Brasil só ficam presos puta, preto e pobre”.

ABNEGAÇÃO Temos só dois hospitais psiquiátricos no MS. O Hospital Nosso Lar – na capital e o Instituto Adelina Thiago Dias – em Paranaíba – que atende 35 pacientes internos e tem 50 funcionários. Segundo o gerente de planejamento Wagner Alves de Oliveira, o nosocômio vive em dificuldades. As verbas públicas (SUS-Saúde Municipal) cobrem apenas metade dos gastos e o restante vem da ajuda de segmentos diferentes da sociedade. Wagner fez dois registros: da verba recente da Secretaria Estadual de Saúde e da ajuda que vem recebendo do deputado Coronel David (PSL). Ao final apelou para que os demais deputados incluam a entidade como beneficiárias de suas emendas.

DOIS ESTILOS diferentes: deputado capitão Contar (PSL) e deputado Jamilson Name (PDT). O primeiro apostou no estilo próprio através das redes sociais e de moto para visitar as 78 cidades onde foi votado. Figueirão foi onde obteve menos votos: 28. Diz que sua maior alegria é ser cumprimentado nas ruas por pessoas que confessam não ter votado nele. Quanto a Jamilson cresceu no ambiente político onde sua mãe Tereza Name é a referência, sempre atendendo carentes. Está investindo em proposições para melhorar a infraestrutura como pontes, prédios e estradas. Confessa: na pratica os poderes do deputado são menores do que a imagem de quem olha de fora.

ALELUIA... Aquela luta por taxas e emolumentos cartoriais menores, iniciada em 2017 pela Federação da Indústrias de Mato Grosso Sul e que era tida como indigesta, segue em frente. O desembargador Sergio Martins Sobrinho, Corregedor do TJMS, mostrou boa vontade ao receber a sugestão/proposta das mãos dos representantes da própria Fiems, Famasul, Fecomércio, Creci, Secovi e Sindimóveis. Logo após o evento falei com Sergio Longes (Fiems) e Maurício Saito (Famasul) e eles estavam otimistas.

CREDIBILIDADE Os números de pesquisa recente divulgada pelo site Antagonista retratam com fidelidade aquilo que o brasileiro pensa do político – de um modo geral. Para 29% dos entrevistados, todos os políticos são corruptos; para 50% dos pesquisados mais da metade dos políticos são corruptos; para 15% dos que opinaram metade dos políticos são corruptos; para apenas 6% menos da metade são corruptos. O incrível ou inacreditável: para 1% dos entrevistados nenhum político é corrupto.

A LUTA Os adversários do Governo precisam parar de torcer contra – ou seja – para que o cenário piore e assim eles possam levar vantagem eleitoral. O quadro de hoje é bem diferente daquele quando Marcelo Miranda era o governador e conviveu com as greves plantadas pelo PT. Não há clima para que isso se repita! O governo está fazendo a lição de casa para pagar em dia os funcionários e fornecedores. Radicalizar em tempos de recessão é bobagem pura.

JUÍZO é bom em qualquer situação. Basta olhar ao lado para se perceber que o Brasil passa por uma situação inusitada, onde o otimismo vai se tornando raridade. Quais segmentos de atividade econômica estão rentáveis, com exceção do sistema financeiro? Empresas tradicionais em dificuldades, demitindo, postos de combustíveis fechando e outros empresários enxugando custos como nunca antes visto. Os poderes públicos precisam e devem levar em consideração todo esse esforço da iniciativa privada. Afinal, é dela que saem os impostos que sustentam a gulosa e insaciável máquina estatal.

‘TRIUNFO DA FOFOCA’ “...vivemos nos tempos de fake news, dos tititis nas redes sociais, das notinhas cifradas (...) Bastam alguns segundos de distração e lá estamos nós postando bobagens, mandando mensagens pelo zap zap para pessoas erradas, mostrando nossas intimidades e nossos segredos, revelando nossas raivas, hipocrisias e intolerâncias. A mente é incerta e o dedo é bobo. Um dia, sem querer, replicamos mensagens sem saber do que se trata (...) Assim, às vezes, somos printados com toda a inocência e nos tornamos vítimas dos inescrupulosos profissionais da fofoca” (Dante Filho)

RESENHA LEGISLATIVA

DEPUTADO GERSON CLARO: Participou da sessão da CCJR emitindo pareceres; requereu uma unidade do Corpo de Bombeiros para Água Clara e em Brasília participou de proveitoso Seminário sobre temáticas do trânsito.
DEPUTADO JOÃO H. CATAN: Participou de eventos em Chapadão do Sul, manteve contato com lideranças locais ouvindo reivindicações, participou da sessão da CCJR e apresentou 2 projetos versando sobre direitos do consumidor.
DEPUTADO BARBOSINHA: Pediu maior policiamento na fronteira; maior atenção da gestão municipal de Dourados no caso do Córrego Paragem; esteve na sessão da CCJR e comemorou o aumento dos benefícios pela chamada tarifa social.
DEPUTADO LUCAS DE LIMA: “Não tá bonito”. É o nome da campanha que ele – como presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia lançou na emblemática Bonito, com várias ações lembrando a importância da conscientização. Um sucesso!
EVANDER VENDRAMINI: Pediu água potável em assentamentos; aparelhos de ar condicionado em escolas de Corumbá e Ladário; comemorou a sanção da sua lei sobre Educação Ambiental do Pantanal; atendeu lideranças e visitou secretarias.
LÍDIO LOPES: Presidente da Frente Parlamentar em defesa da Assistencia Social participou da reunião do Coegems; foi as ruas da capital para distribuir mudas de plantas em comemoração a Semana do Meio Ambiente e presidiu a CCJR.
JAMILSON NAME: Propôs o Dia de Prevenção e Combate à crueldade contra os animais; comemorou aprovação de seu projeto que garante a divulgação dos diretos dos portadores de câncer; recebeu prefeitos e vereadores do interior no seu gabinete.
MARÇAL FILHO: Aprovada sua Lei contra Pichação; propõe campanha permanente contra a depressão; pediu rapidez da Sanesul nos reparos das calçadas de Dourados; pede rapidez na contratação de empresa gestora no Hospital de Cirurgias de Dourados
CAPITÃO CONTAR: Suas intervenções nas sessões são pontuais; a cada dia aumenta o número de lideranças de bairros da capital e interior em busca de apoio; tem visitado bairros, escolas públicas e entidades assistenciais. Elogiado pelos colegas.
ANTONIO VAZ: Vem focando o mandato em ações para corrigir e melhorar o serviço público na saúde; mantém contato frequente com secretários municipais de saúde e tem procurado ampliar seu arco de relações tanto na capital como no interior. Boa gente.
MARCIO FERNANDES: Atento as questões voltadas basicamente ao universo rural; mantém contato permanente com a ministra Tereza Cristina e direção da Famasul; defensor intransigente do fim dos encargos bancários do agronegócio.
NENO RAZUK: Pediu academia para o distrito de Bocajá; ciclovia em trecho da MS-386; reforma do prédio público da APAE de Nova A. do Sul; atendimento integral aos pacientes oncológicos; requereu nomeação de peritos criminais para Paranhos e melhorias em Laguna Carapã.

A verdade é que ninguém chega impunemente a presidente da República (Stanislau Ponte Preta)

Comentário

O TEMPO A avaliação de sua velocidade depende de que lado você esteja: Fora ou atrás das grades da prisão. O desabafo do ex-deputado federal Edson Giroto (PR) numa entrevista revela os estragos causados pela sua prisão de pouco mais de um ano aqui na capital. Lamentou o destino, o preço pago alto demais, o sumiço da maioria dos ‘velhos amigos’, as questões familiares, a dura rotina carcerária, a alimentação precária, a sarna, o desconforto, as humilhações e questões de higiene da cela para 24 detentos. As marcas decorrentes desta experiência horrível são visíveis nas fotos recentes do ex-deputado.

A ENTREVISTA de Edson Giroto, publicada no Campo Grande News no último dia 28, precisa ser lida pelos políticos e pretendentes a cargos eletivos em 2020. Sem entrar no mérito do processo, a entrevista serve como um alerta para os riscos que hoje correm os gestores da coisa pública. Basta olhar quantos políticos de expressão – daqui e pelo Brasil afora – passaram ou ainda passam pela experiência desonrosa da prisão. Aos olhos céticos da opinião pública na cadeia todos são iguais. O estigma que fica é cruel, eterno. Enfim, se para nós em liberdade o tempo voa, na prisão é uma eternidade.

EM TEMPO: Esse é o perigo ao qual está exposto quem tem o poder, e o tributo que se paga na sua busca a qualquer preço. Os casos de prisões por corrupção e esse clima de suspense (insônia) lembra a lenda grega da espada de Dâmocles, um membro invejoso e adulador da corte do rei Dionísio que lhe ofereceu ser rei só por uma noite com direito a luxuria da corte. Aceitou; mas quando estava no ‘auge da orgia’ viu pendendo sobre sua cabeça uma espada afiada suspensa só por um fio de crina de cavalo. Apavorado, fugiu! Aí - o rei lembrou-lhe: “essa espada também pende diariamente sobre a minha cabeça”.

O GOLPE A presença do deputado Jamilson Name (PDT) incomodando o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT), que há bom tempo reina absoluto no partido. Para incentivar a saída de Jamilson do PDT, Dagoberto divulgou uma declaração onde ele os integrantes do diretório estadual ‘autorizam’ a iniciativa comprometendo-se a preservar o mandato de Name na Assembleia Legislativa. Mas, o suplente de Jamilson – Antonio Carlos Biffi (PDT) - nesta suposta saída, teria o direito de requerer o mandato de Jamilson (que pertence à agremiação). O caso deve parar na direção nacional do PDT e renderá novos capítulos. No primeiro, Jamilson não engoliu a ‘isca’.

CAMPEÃO Quem assistiu ao programa Roda Viva no último dia 27 na TV Cultura ficou impressionado com a performance do ministro da Saúde Luiz H. Mandetta. Ao seu estilo tranquilo de fala pausada respondeu a todos os questionamentos dos jornalistas e outros convidados da produção do programa. Nada ficou sem resposta e pela expressão dos questionadores o ministro foi literalmente aprovado. Com isso Mandeta vai se fortalecendo no cenário político, como ocorre também com a ministra Tereza Cristina – da Agricultura. Enfim, estamos bem representados lá em cima.

ASSUSTADOR Como pagar salários com os aumentos reivindicados pelo nosso funcionalismo público? O pior: dos 75 mil servidores estaduais quase 20 mil podem se aposentar antes dos 65 anos. São os professores, bombeiros, policiais civis e militares. Isso aumentaria o déficit. Compare: No MS a média da aposentadoria pelo INSS é de R$ 2.246,06; na Previdência Estadual é R$ 7.207,49. Se a iniciativa privada está estagnada, não rende mais impostos ao Estado. Ora! Estado e União nada produzem: vivem dos impostos. Agiu certo o governo estadual que em 2017 unificou os 2 regimes previdenciários, quando alterou a alíquota de contribuição e reduziu assim o déficit.

PARTIDOS Cada qual com suas divisões e problemas. Muitos criados apenas para a missão de coadjuvantes. Mas, todos eles participam do bolo do poder, de uma forma ou de outra – sempre com vantagens em cargos ou atividades no entorno poder – mesmo em instâncias diferentes. Quando um partido nanico está sendo implantando lá naquele município interiorano, não resta dúvida que está sendo plantada uma semente para germinar ‘dividendo$’ para esse ou aquele grupo. Ao contrário da escolha para dirigentes de Asilo e outras entidades caritativas, para diretórios partidários não faltam pretendentes. Massageia o ego e compensa o bolso – lá na frente.

MARATONA Pelo calendário eleitoral, até 29 de junho todos os partidos terão que estar organizados sob pena de não poderem participar das eleições de 2020. No fundo, essa fase já é uma amostragem da potencialidade dos partidos e das lideranças que vão participar ou influenciar na escolha de seus candidatos e o caminho a seguir em termos de possível coligação. Quem tem o comando do diretório acaba naturalmente ditando as normas. Após esse prazo já teremos definido o painel para se fazer avaliações sobre a tendência nas urnas. Fora disso é pura bobagem.

A VOLTA Em termos de pluralidade de nomes e de grupos pode-se dizer que a grande novidade partidária foi o retorno do medico Ricardo Ayache ao comando do PSB. Ele que realiza excelente gestão na Caixa de Assistência dos Servidores do Estado, retorna com respaldo da direção nacional para fortalecer a sigla no Estado. Pés no chão e planilha nas mãos - Ayache está fazendo a leitura do quadro eleitoral, consciente de que primeiro precisa plantar as sementes para a primeira safra em 2020. O projeto maior ficaria para a sucessão estadual, ainda distante para nosso exercício da futurologia.

INJUSTIÇADOS Ao longo das eleições muitos candidatos foram prejudicados pelo sistema das coligações. No pleito de 1998, embora com menos votos acabaram eleitos deputado estadual: Antonio C. Arroyo (PL), Pastor Reginaldo (MDB), Luiz T. de Melo (PDT), Ary Rigo (PDT), José Monteiro (PDT), Sandro Fabi (PPS), Geraldo Resende (PPS), Loester N Oliveira (PDT). Com mais votos que eles, ficaram de fora Sergio Assis, Valdenir Machado, Moyses Nery, Evandro, Dr. Domingos Albaneze, Valter Pereira, Miguel Tabox, dr. Hosne e Vanderley Cabeludo.

TAMBÉM para a Câmara Federal nem todos os mais votados foram eleitos. São os casos de Antonio Cruz (PST) 34.870 votos; Oscar Goldoni (PPB) 31.645 votos; Elísio Curvo (MDB) 30.071 votos; Marcelo Miranda (PL) 24.215 votos; Marco Aurélio (PR) 23.939 votos; Levy Dias (PMN) 23.350 votos; Celso Martins (MDB) 20.393 votos; George Takimoto (PPB) 19.867 votos. Na outra ponta o sistema elegeu com menos votos os candidatos Nelson Trad (PTB) com 28.976 votos e João Grandão (PT) com apenas 19.169 votos – total inferior a votação dos 8 candidatos que ficaram de fora da lista dos 8 eleitos.

MARÇAL FILHO Político experiente, sem mágoas, aprendeu a ganhar e perder eleições. Sobre isso ele contava-me nesta semana no saguão da Assembleia Legislativa sua frustração nas eleições de 1994 para a Câmara Federal. Mesmo obtendo 28.965 votos – nada menos que 4.510 votos a mais que os 24.455 votos do candidato Flávio Derzi (PPR), acabou barrado pela força da coligação partidária. Aliás, fui conferir e verifiquei que também o candidato Valter Pereira (MDB) com seus 24.710 votos, tinha superado o concorrente eleito. Coisas de outros tempos.

SANTA INOCÊNCIA Lendo as notícias sobre esse escândalo em Três Lagoas onde havia muita ‘bufunfa’ amoitada fiquei imaginando a situação – no mínimo estranha, desconfortável e desgastante da ex-prefeita Marcia Moura, uma das investigadas na “Operação Atalho” da Polícia Federal. Afinal, presume-se que quem comanda uma administração da proporção daquela cidade que não é tão grande, tenha a leitura mais detalhada da maquina pública. Daí fico matutando; o fato de um gestor ser portador de diploma de nível superior nem sempre garante boa capacidade gerencial. Desgaste para a ex-prefeita e seu grupo político, responsável pela sua eleição. E não adianta chorar.

COMPLICADO O Brasil tem 66% de sua área preservada, mas o mundo inteiro (já desmatado) continua criticando nossa política de preservação ambiental. De um lado os ambientalistas (urbanos) e de outro os ruralistas com seus argumentos interessantes integram um cenário de discussão. Um amigo questionava: “será que o americano, o francês ou um alemão permitiria que ONGs e entidades do exterior metessem o bedelho nas questões internas deles?” O Brasil virou casa de ‘Mãe Joana’. Todo mundo dando palpite.

DOURANDENSES! Quem olha de longe às vezes enxerga melhor – sem paixões! A população deve sentir vômito quando se trata de assuntos relacionados aos escândalos do poder legislativo. Uma cidade com várias universidades não consegue aprender os princípios básicos para a escolha de seus vereadores? Por onde andariam os cidadãos probos, que amam verdadeiramente aquela cidade? Teriam se acomodado ou, o que é pior, desmotivados diante da sucessão de absurdos? O que fazem as entidades que deveriam zelar pelos valores morais da sociedade local? De leve...

RÁPIDAS
Deputado Gerson Claro (PP): Falou na tribuna dos números dos acidentes de trânsito no MS; participou da sessão da CCJR, recebeu lideranças classistas, visitou Amambai e Ponta Porã e tem agenda para Sonora, Coxim e Pedro Gomes. Motivadíssimo.
Deputado Marçal Filho: requer suplementação da campanha de vacinação; visitou o TJMS, participou da sessão da CCJR e pediu ao Detran a notificação ao motorista 30 dias antes do vencimento da CNH para evitar multas. Pés no chão.
Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Presidente da Comissão de Saúde mediou o relatório da Secretaria de Saúde; defende atenção aos renais crônicos e portadores de outras doenças; recepcionou os produtos de leite em visita. Sempre cortes.
Deputado Capitão Contar (PSL): Elogiou na tribuna as manifestações cívicas na capital; recebeu representantes dos surdos e mudos; apoiou incorporação do abono a mais de 40 categorias e defendeu o benefício ao servidores do Judiciário. Consciente.
Deputado Marcio Fernandes (MDB): Comemora o atendimento de seu pedido pelo Governo beneficiando proprietários de veículos híbridos e elétricos; pede isenção de taxas/emolumentos nos projetos voltados a política agrária. Vive o mandato.
Deputado Londres Machado (PSD): Atua como moderador em alguns conflitos, ouve aconselha ao seu estilo discreto. Seu gabinete é destino de peregrinação constante de vereadores, lideranças e prefeitos do interior. Sempre agradável com o público.
Deputado Neno Razuk (PTB): Pediu asfaltamento e melhorias de ruas de Amambai e Caarapó, além de solicitar a disponibilidade de cadeiras de rodas aos necessitados. Foi nomeado membro da Frente Parlamentar de Enfrentamento à tríplice epidemia. Simples.
Deputado Herculano Borges (Solidariedade): Atento as atribuições na mesa diretora, foca as ações nas questões da proteção de menores, carentes e doentes. Pelo gabinete transitam pessoas da periferia, líderes de classes e desportistas. Amigão.
Deputado José C. Barbosa (DEM: Atendida sua indicação para reforma do ginásio de esportes de Dourados; participou da sessão da CCJR; viabilizou sinalização viária de Eldorado; debateu aspectos do abono salarial aos funcionários. Vibrante.
Evander Vendramini (PP): Recepcionou produtores de leite; insiste na revoção de leis de vigência temporária; manifestou apoio a reeleição do prefeito Marcelo iunes (PSDB) de Corumbá; recebeu visita de vereadores da ‘Cidade Branca’. Zeloso na função.
Deputado Lídio Lopes (PATRI): Participou da sessão da CCJR; visitou 5secretarias estaduais e pessoalmente fez o encaminhamento de reivindicações de prefeitos do Cone Sul, além de participar ativamente de todas sessões semanais. Tranquilo.
Deputado João H. Catan (PR) Presente as sessões da CCJR; dedicou-se para uma solução justa no caso do abono do funcionalismo; tem mantido contato com líderes do Bolsão e da capital; pretende motivar a militância política nos jovens. Atento!
Jamilson Name (PDT): Propõe proibição do uso do borato de sódio na fabricação de massas (geleias/smiles) usadas por crianças; acompanhou eleitores junto a secretarias estaduais, encaminhou ofícios e recebeu lideranças esportivas da capital. Atencioso.
Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Um dos 6 deputados que votaram pela incorporação do abono ao salário dos funcionários; recebeu em audiência lideres do funcionalismo e tem na agenda visita a vários bairros da capital. Muito receptivo.

A depressão do PIB se explica: é a inveja da propina que movimenta mais riqueza do que o trabalho (Fraga)
.

Comentário

POLÍTICA: A origem da palavra vem de ‘Polis’ que significa ‘Cidade’, que para o povo grego era visto ou imaginado como um lugar sagrado, feliz e seguro. Por consequência – no imaginário consolidado – o político era aquele nobre cidadão com a sublime missão de zelar daquele espaço em benefício exclusivo dos seus moradores - com direito a felicidade. Pura utopia.

LENHADOR O conceito grego do político contrasta com a visão tupiniquim do escritor Guimarães Rosa (‘Grande Sertão: Veredas’) que magistralmente assim definiu o político: “ ...O político pensa apenas em minutos. Sou escritor e penso em eternidade. Eu penso na ressurreição do homem. Quem pensa em minutos não tem paciência para plantar arvores. Uma árvore leva anos para crescer. É mais lucrativo cortá-las”.

POLÍTICOS Aqui, em Serra Talhada, Uganda, Teerã e Paris, a política é vista como chance de ascensão social. Não ‘é a profissão mais honesta’ como disse aquele ex-presidente da república que cumpre pena em Curitiba por corrupção. A política pode ser definida como uma geradora de regras que garantam mandatos aos seus agentes; muitos sem espaço profissional no mercado daqui de fora.

QUANTO mais tempo o agente político embrenha-se na selva utópica da política, mais dificuldades terá de readaptar-se num eventual retorno. Ora! No poder as regras são generosas, inversas ao ‘sereno’ das ruas sem as bênçãos do apadrinhamento. Recomeçar na iniciativa privada é mais desafiante do que o teste das urnas. Pesam o estigma político e a urgência da atualização devido a evolução de conceitos e praticas da atividade anterior ao mandato, seja ela qual for.

DELÍRIOS Há exceções – claro! Mas de uma forma geral ouço certas manifestações de ex-poderosos em ‘tentar voltar’ como mero exercício fantasioso - como quem teima em ensaiar passos após o final da música. Como tudo na vida hoje, também na política o descarte tende a ser ainda mais rápido e sucessivo. Não há mais a figura do insubstituível. Na morte, as lembranças acabam na missa de 7º Dia.

O DITADO de que ‘os adversários e inimigos são os responsáveis pela permanência na política’ deverá ser aplicado ao caso do vereador Idenor Machado (PSDB) – em Dourados - que escapou por um triz da cassação de seu mandato. Conversei com ele na manhã seguinte ao julgamento e eram visíveis as sequelas do estresse. Após lamentos desabafou com a intenção de ‘dar a volta por cima’. Só muda a floresta – os ‘lenhadores’, iguais.

MEMÓRIA Candidato a deputado federal em 1962, na Bahia - João Dória (pai do governador paulista João Dória Jr.) fazia campanha rica e ganhou o apelido de ‘João Dólar’. Deputado, teve atritos com seu colega Antonio Carlos Magalhães. Em1964, foi Ulysses Guimarães quem o ajudou a entrar na embaixada da Tchecoslováquia e a se exilar em Paris com a família – sobrevivendo com a venda das telas das pinturas retiradas das molduras na casa de Salvador.

RECOMEÇO O velho PTB de guerra tem novo presidente aqui no Estado com a eleição do deputado Neno Razuk na última quarta feira. Em 2018 o PTB elegeu 10 deputados federais e 31 estaduais, mas hoje não tem representantes no Senado, pois os dois eleitos deixaram a sigla – a exemplo do senador Telmário Mota (RO) que no curso do mandato mudou de sigla. Neno está animado e vai a campo na busca de lideranças e filiados. Política não é para os fracos!

CAFÉ AMIGO com meu ex-companheiro de Conselho da OAB-MS, André Borges, sempre atento à nova legislação e orientações fiscalizadoras dos agentes públicos. Na sua ótica isso exigirá maior profissionalismo dos gestores, sob pena de ‘dores de cabeça’ inclusive após o mandato. André inaugurou escritório em Brasília para facilitar o atendimento. Sinal verde!

INJUSTIÇADO No pleito de 2002 com 15.893 votos ,Vanderlei Bispo (PT) foi o 10º votado da coligação que elegeu 9 deputados estaduais. Amargou a suplência durante todo o governo de Zeca do PT. Com menos votos foram eleitos Pastor Barbosa (PTB) 15.447 votos; Celina Jalad (MDB) 15.113; Roberto Orro (PSDB) 14.391; Raul Freixes (PST) 10.956; e Ari Artuzi (PMN), este com 6.821 votos apenas.

PREFEITO de Japorã, Wanderlei Bispo lembrou ao colunista de que o então governador Zeca do PT poderia ter aproveitado um dos 9 deputados da coligação para ele assumir uma cadeira. Diz que jamais entendeu essa discriminação, pois seus 15.893 votos obtidos com muita luta na região do Cone Sul, ajudara a eleger 9 candidatos da coligação. Coisas da política.

JAPORÃ: Dos 9 mil habitantes, 5.600 são índios. Deles – 200 trabalham na prefeitura, 850 concluíram o ensino médio, 3 são vereadores e a Assistência Social é comandada por uma índia. Na reserva indígena funciona um polo da Universidade Aberta do Brasil com 5 cursos e que formará em junho próximo a 1ª. turma em Pedagogia. Auditor da Secretaria da Fazenda estadual, o prefeito Vanderlei Bispo administra e reparte os votos aos políticos que destinam emendas vitais ao seu governo. Um herói!

COERÊNCIA Dele não se poderia esperar outra postura! Cumprindo aquilo que prometeu, o deputado Fabio Trad (PSD) votando no sentido de que o COAF ficasse com o Ministério da Justiça e justificou: “ O objetivo do COAF é produzir inteligência financeira para detectar indícios de lavagem de dinheiro e terrorismo – que são dois crimes que tem que ficar com o Ministério da Justiça”. Esse honra a advocacia!

VINGANÇA contra o preso pobre e sem qualificação profissional que contraria os artigos 41 e 126 da Lei 7.210/1984 (de Execuções Penais). É o que se depreende do fantasioso projeto do ex-senador Waldemir Moka (MDB), com substitutivo da senadora Soraya Thronicke (PSL), que foi aprovado ingenuamente pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado.

O PROJETO mostra desconhecimento da realidade prisional. Quantos presídios tem condições de oferecer trabalho remunerado ao preso? Dalí o pobre sairá doente, sem qualificação profissional e com uma dívida junto à União que irá executá-lo judicialmente. Os dois autores aderiram ao populismo que não ajudará na ressocialização do preso. Espera-se que o plenário do Senado barre esse projeto absurdo. Ao final restará o Presidente da República e o STF.

RÁPIDAS... Deputado Antonio Vaz (Republicanos) solicitou reativação da Coordenação Técnica que atende 2.500 índios em Nioaque; recebeu visitas de líderes comunitários de Campo Grande......Deputado Neno Razuk (PTB) pediu aparelho de ‘raio-x’ odontológico para Bocajá (distrito), aparelho de ar condicionado em escola de Amambai e a troca do quadro negro por quadro de vidro no MS......Deputado Marcio Fernandes (MDB) propôs – para incentivar as vendas - redução da alíquota de ICMS de veículos híbridos e elétricos de 17% para 12%...... Deputado Evander Vendramini (PP) quer regularizar a profissão de instrutor de trânsito; pede apostilamento dos documentos dos cartórios de Corumbá e Ladário; incluiu no calendário oficial de eventos a Educação Ambiental do Pantanal.... Deputado Marçal Filho (MDB) requereu a viabilização de pista de aula para CNH em Itaporã, reforma da sede do Batalhão da PM em Fátima do Sul e projeto esportivo para Caarapó..... Deputado Capitão Contar (PSL) usou da tribuna para cobrar princípios rígidos na nomeação de cargos na Sanesul; sugeriu a criação de escolas bilíngues, sendo a libras a primeira língua e o português escrito – a segunda; apresentou Emenda Substitutiva para resgate do patriotismo no âmbito do nosso ensino básico..... Deputado Gerson Claro (PP) presente nas reuniões das comissões legislativas que integra, recebeu em seu gabinete prefeitos e vereadores e representou a Assembleia Legislativa na abertura do Congresso Jurídico usando da palavra inclusive......Deputado Lídio Lopes ((Patriota) participou das festividades de aniversário de Mundo Novo e Eldorado, recepcionou lideranças de bairros da capital e enviou diversos ofícios para órgãos oficiais......Deputado Jamilson Name (PDT) participou ativamente das sessões da Assembleia Legislativa, requereu a instalação urgente de Unidade de Pronto Atendimento Veterinário na capital....... Deputado Lucas de Lima (SD), propõe projeto de combate ao câncer, estará no evento em Bonito para discutir questões ambientais, promove mais um ‘Dia de Cidadania’ neste sábado no Aero Rancho e no domingo prestigiará ‘Evento Pet’ em Terenos......Deputado Herculano Borges (Solidariedade) dando suporte a expansão da campanha ‘Maio Amarelo’, visitou entidades da capital e recebeu a visita de lideranças de bairros .....Deputado José Carlos Barbosa (DEM); comemorando o Cadastro Familiar na tarifa social de energia em benefício de mais de 10 mil famílias de baixa renda; visitou secretarias e algumas repartições públicas tratando de questões atinentes ao mandato..... Deputado João Henrique Catan (PR); questionou na tribuna o projeto que denomina a cidade de Água Clara como capital do MDF; comemorou a boa repercussão de seu vídeo na internet onde vive a experiência de gari da coleta noturna de lixo.

A coluna é publicada simultaneamente em 28 sites e jornais de MS

Comentário

REFLEXÃO O parlamentar precisa separar seu estilo de vida antes e depois de assumir o mandato. São situações diferentes, sendo que a atual é de maior visibilidade aos olhos da opinião pública e, portanto, sujeita a observações e críticas. Como cidadão comum da comunidade pode improvisar e até cometer equívocos em algumas situações sem que isso tenha repercussões profundas ou graves. ‘Trata-se de um simples mortal’. Certo?

ELEITO Aí a situação muda. Ele é o depositário das esperanças de seus eleitores – que veem nele o modelo exemplar ou confiável para o exercício de representação dentro do quadro político-administrativo. Portanto terá que adaptar-se à função parlamentar e ao cenário respectivo, demonstrando além de competência - a habilidade para conviver com algumas situações complicadas. É a arte de transformar pimentas em licores. Uma simples frase, gesto, repercutem como penas ao vento.

LEMBRETE O mandato não pode ser visto como uma espécie de procuração com poderes ilimitados ao seu titular. Ele precisa observar aquilo que vem expresso na Constituição Federal recomendando ou exigindo os preceitos da moralidade, legalidade, impessoalidade, eficiência, transparência e finalidades públicas. Aí, detentores de mandato que atravessam o sinal correm perigo.

ASSESSORIA Nunca ela foi tão relevante para formatar o mandato diferenciado por conta das mudanças nas relações com o eleitor e a opinião pública. A competência pessoal na iniciativa privada do político não garante um mandato proveitoso. Seu estilo pessoal (empresário, profissional liberal, fazendeiro) precisa amoldar-se ao cotidiano burocrático, no relacionamento habilidoso, nas sessões, reuniões, corredores e gabinetes oficiais.

BOM ASSESSOR Braço direito do parlamentar! Deve conhecer o pensamento político dele para redigir textos, ofícios, correspondências diversas, pronunciamentos e minutas de projetos. Ele cuida da agenda do chefe, promove ou cancela audiências, reuniões e organiza a rotina administrativa do gabinete. Deve evitar que problemas cheguem até ao chefe para poupá-lo de dissabores. Precisa resolvê-los com habilidade. Mas o assessor precisa ter autonomia, sob risco de virar ‘aceçor’ apenas, um abridor de porta.

MUDANÇAS Na década de 70 a relação do eleitor com seus políticos resumia-se nas raras notícias da ‘Voz do Brasil’, nas ‘folhinhas calendários’ que o senador Rachid Saldanha Derzi (Arena) distribuia e as visitas de comícios. E só! O deputado federal Ubaldo Barem (Arena) era chamado de ‘Copa do Mundo’; só aparecia de 4 em 4 anos. Citei esse caso para descrever as relações dos políticos e o eleitorado que mudaram muito ultimamente.

‘LIGADÃO’ Assim pode ser definido hoje o eleitor. As assessorias parlamentares devem cuidar bem do item comunicação. Precisam abastecer os jornais, blogs, colunistas e sites, rádios e televisões com notícias positivas. O universo digital é imenso e perigoso. Qualquer eleitor com um celular acompanha a atuação dos parlamentares. Uma nota fiscal ‘salgada’ de jantar de político é notícia ruim. Há pouco um prefeito do Paraná protagonizou escândalo sexual num elevador do hotel em Brasília.Virou notícia com direito a foto de celular.

EQUÍVOCOS Desde a Assembleia Constituinte conheço figuras probas, de sucesso na iniciativa privada e que não se deram bem no exercício do mandato. Na prática a política não era aquilo que viam na teoria, isto é, do outro lado do balcão. Alguns nem tentaram a reeleição. Mas também lhes faltou gente experiente na assessoria. O gerente nota 10 de uma loja, por exemplo, nem sempre será um bom assessor parlamentar.

COMPROMETIMENTO: É o requisito básico em qualquer atividade na iniciativa privada ou pública. Um amigo viu cena exemplar numa praça em Boston (USA). Sob temperatura perto de zero grau e nevando um funcionário da prefeitura lavava uma estátua de um personagem histórico. Estranhou e perguntou-lhe as razões do trabalho sob aquelas condições. O funcionário explicou com naturalidade que estava cumprindo o calendário anual das suas tarefas estipulado pela administração, independentemente do clima. Imagine essa situação no Brasil. Os deveres são ‘exclusivos’ do patrão.

SEM BÚSSOLA Quando da prisão do ex-governador Puccinelli (MDB) corria solta a piada no saguão da Assembleia Legislativa de que ele teria levado a bússola do partido que ficou sem rumo e que deu no que vimos. Até aqui as reuniões do partido tem se pautado pela mesmice das invencionices com a citação de nomes e alternativas para 2020. Mas no fundo os dirigentes nutrem ‘aquela esperança’, fingindo ignorar a agenda da justiça. O MDB como um todo no país envelheceu estigmatizado pelo seu envolvimento em casos escabro$o$.

RAPIDAS...Deputado Marcio Fernandes (MDB) representou a Assembleia Legislativa na abertura da ‘ExpoCam’ em Camapuã; esteve na Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura e recebeu vereadores e prefeitos em seu gabinete.....Deputado Antonio Vaz (Progressistas) prestigiou as comemorações do 39º aniversário de Costa Rica; fez visita a Chapadão do Sul; participou das sessões legislativas.....Deputado José Teixeira (DEM), autor de projeto instituindo código (QR) de barras nas obras para fiscalização....Deputado Lucas de Lima (SD) propõe projeto de coleta itinerante de sangue pelo Hemossul na capital e visitou vários bairros da capital para conhecer suas carências..... Deputado Gerson Claro (PP) alertou sobre o fim do Fundeb em 2010 e requereu dilação de prazo do Refis aos gestores públicos – deferido pelo Tribunal de Contas do Estado.....Deputado Lídio Lopes (Patriota) viu aprovado seu projeto dispondo sobre o uso de ambulâncias no transporte de pacientes das redes pública e privada em casos urgentes.....Deputado Marçal Filho (PSDB) pediu ambulância para o distrito de São Pedro; cobrou asfalto no bairro Parque dos Jequitibás (Dourados); anunciou liberação de R$ 870 mil para as obras da Av. Presidente Vargas (Dourados) e fez críticas a saúde em Dourados.....Deputado Jamilson Name (PDT) pediu liberação de recursos para o hospital de Anastácio; pediu urgência na implantação do Plano de Políticas Públicas dos povos indígenas.....Deputado Capitão Contar (PSL) visitou Corumbá, manteve contacto com Associação Comercial, Sindicato Rural, com o trade do turismo e esteve nas barragens da Vale e Vetorial; presente à audiência (requerida pelo parlamentar) dos Conselhos para debater medidas pró-gestantes.....Deputado Neno Razuk (PTB) pediu regulamentação do uso de canudos e copos biodegradáveis; requereu nomeação para funcionário do Detran em Ribas do Rio Pardo, melhoria em escola de Corumbá e ajuda do Governo na reforma da Av. Presidente Vargas (Dourados).....Deputado Herculano Borges (Solidariedade) esteve com lideranças políticas da capital e interior e integrou-se ao ‘Maio Amarelo’ lançado em Dourados, concedendo entrevistas a vários órgãos da mídia....Deputado José Carlos Barbosa (DEM) prestigiou a troca de comandado do 9º Batalhão Policial de Dourados; fez várias manifestações na tribuna; participou da sessão semanal da Comissão de Constituição, Justiça e Redação..... Deputado Evander Vendramini (PP) pediu ao Detran sinalização turística em Miranda e ao Governo o aumento do efetivo da Polícia Militar em Corumbá, além da criação do centro de formação de policiais militares naquela cidade.....Deputado João H. Catan (PSDB) presente a reunião da Comissão de Constituição/Justiça/Redação; participou de debates nas sessões ordinárias, visitou vários municípios e recepcionou lideres políticos, além de encaminhar ofícios reivindicatórios.

PATÉTICA Assim poderia ser definida a situação no Partido Progressista do ex-prefeito da capital Alcides Bernal, que trava uma luta no mínimo curiosa com alguns de seus companheiros de legenda. Não custa lembrar que o PP é um dos campeões em matéria de Fundo Partidário – o que não deixa de ser um enorme atrativo para comandá-lo ainda que regionalmente. Mas os próximos capítulos prometem ser interessantes. É aguardar!

DOURADOS/PESQUISA Foram 1.200 pessoas consultadas pelo Instituto Ranking entre 4 e 13 deste mês. Estimulada para prefeito: Marçal Filho 29,16% - Renato Câmara 9,08% - Geraldo Resende 6,00% - Murilo Zauith 4,33% - Rodolfo Nogueira 4,00% - José Carlos Barbosa 3,75% - Alan Guedes 3,25% – Délia Razuk 3,00%. Votos brancos, nulos e não responderam totalizam 37,43%. (Pesquisa de acordo com o art. 33 da Lei 9.504/1997 e do TSE nº 23.549/2017)

REJEIÇÃO: Marçal Filho 2,00% - Rodolfo Nogueira 2,25% - Alan Guedes 3,16% - Renato Câmara 4,08% - José Carlos Barbosa 4,25% - Murilo Zauith 7,08% - Geraldo Resende 9,75% - Délia Razuk 33,25%. Quanto a avaliação da administração municipal, ficou assim: 15,16% ótima e boa – 40,25% regular – 37,33% ruim/péssima – 7,26% não souberam e não responderam. Por ordem, os principais problemas da cidade seriam buracos nas ruas, saúde, pavimentação, desemprego, segurança e saneamento. Não votaram, não souberam responder e indecisos somaram 34,18%

Vamos tomar o poder o poder, que é diferente de ganhar eleição (Zé Dirceu, 27/09/2018)

Comentário

PREPARATIVOS Os candidatos estão antenados com a importância do papel da internet no pleito de 2020? A lição de 2018 mostrou a força das redes sociais (facebook, WhatsApp, instagram, twitter e os fake news). É preciso pensar e colocar logo em pratica o projeto eleitoral através da exposição de ideias, propostas e com discursos em vídeos. Foi assim que muitos candidatos surpreenderam com grandes votações.

HISTÓRICO Em 2008 o candidato a presidência dos Estados Unidos Barack Obama inovou ao usar a internet para seduzir o eleitorado, levando os jovens às ruas. Foi o pioneiro no uso do twitter, postou vídeo no facebook e foto com filtro ‘Snapchat’. Seu sucessor na Casa Branca, candidato Donald Trump (2016) também explorou a mídia social mantendo perfil ativo polêmico - responsável pela vitória tida antes como impossível pela mídia especializada.

RETROVISOR O candidato ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro (PSL) começou 2 anos antes divulgando sua candidatura. O candidato a deputado federal Loester Carlos Gomes de Souza (PSL) obteve 56.335 votos também com o uso das redes sociais, a exemplo do candidato à Assembleia Legislativa Renan (capitão) Contar (PSL) com 78.390 votos. Outra usuária do sistema foi a candidata ao Senado Soraya Thonick (PSL). Convencido da eficiência do sistema, o deputado estadual José Carlos Barbosa (DEM) priorizou a contratação de um ‘webmaster’ para fidelizar os eleitores e conquistar outros.

PONDERAÇÕES Claro que nem sempre milagres acontecem na busca ao eleitor ‘invisível’, exigente e até cético. Textos, observações, comentários e vídeos sobre pauta diversificada do dia a dia (política & economia) são fundamentais para agregar simpatizantes ao longo desta relação digital. O candidato tem que se identificar com o perfil do público alvo a ser atingido. Ele precisa também criar uma marca como um produto comercial qualquer.

A ESTRATÉGIA de panfletar carros com mensagens tipo assim ‘Amigos do Ditão’ tentando popularizar o nome do pré-candidato nem sempre funciona. Inaugurar um escritório político é faca de 2 gumes. A estratégia digital unindo a divulgação de ideias e imagens tende a ser mais eficiente. Mas, tudo dependerá do planejamento profissional. No lugar do cabo eleitoral, priorize o profissional digital (social mídia).

ENFIM... as dicas servem evidentemente também para quem pretender disputar o cargo de prefeito. Mas em qualquer eleição, seja onde for, a capacidade técnica dos profissionais responsáveis precisa ser ajudada pelo candidato. Ele tem que fazer sua parte. Aí entra também o dedo do marqueteiro político (outra figura imprescindível) para dosar a atuação do candidato. Seguro sim, mas sem excessos!

REALIDADE No hall da Assembleia Legislativa conversei com vereadores do interior sobre a invasão dos celulares e a influência da internet nas campanhas eleitorais. Um vereador de Ivinhema estima que só 10% da população não tenha aparelho celular. Ainda revelou que os eleitores enviam suas reclamações com ilustrações de fotos, o que facilita a relação e também agiliza a solução dos problemas. Sobre a participação do tradicional cabo eleitoral nas campanhas, admitiu que ainda seria indispensável, mas sem aquela importância de antes.

FRANCAMENTE... O presidente Jair Bolsonaro (PSL) insiste em inverter prioridades e comete incoerências. Essa manifestação a favor da Corrida de Fórmula 1 no Rio de janeiro é de uma bobagem sem tamanho. Vai se indispor com São Paulo e baterá de frente com o governador do Estado e o prefeito paulistano. Ademais - há aspectos jurídicos envolvendo contratos entre a prefeitura, empresas patrocinadoras e a própria direção do evento. Deveria sim priorizar a reforma da previdência e ponto final!

CENÁRIO eleitoral após as eleições municipais de 2016 no MS. O PSDB elegeu 36 prefeitos, PMDB - 17, PR - 8, PSB - 5, DEM - 3, PEN - 3, PDT - 2, PMN, PSL, PSC, PTB - 1. Vereadores: PSDB - 165, PMDB – 117, PR - 73, PSB - 62, DEM - 55, PT – 40, PTB - 42, PEN - 28, PSD - 27, PPS - 20, PROS - 19, PP - 18, SD - 18, PRB - 16, PV - 1, PRP - 10, PSC - 10, PSL - 6, PTC - 5, PHS - 5, PMN - 4, PRTB - 2, PTN - 2, REDE - 1, PSDC - 1 – PPL - 1.

A MISSÃO Exercer a função de líder do Governo na Assembleia Legislativa é missão espinhosa, que exige muito jogo de cintura, principalmente quando há oposição consistente. Ledo engano imaginar que o escolhido acabará saindo fortalecido ao final. Neste sentido ouvi lamentos de parlamentares que passaram pela experiência, entre eles o ex-deputado Roberto Orro (PMDB) e Valdomiro Alves Gonçalves (PDS). O líder acaba exercendo a função de uma espécie de para-choque. Mas é imprescindível.

VEXAMES São medidos de acordo com a fama ou importância social e política dos personagens envolvidos nos episódios. Lá atrás o ex-Juiz José Nicolau Neto (Lalau) foi preso aos 75 anos de idade por desviar R$ 170 milhões nas obras do Forum Trabalhista de São Paulo. Seu neto era vítima de chacotas na escola por isso. Agora o ex-presidente da República Michel Temer (MDB) de novo humilhado aos 78 anos de idade. Ora, o avô precisa ter juízo dobrado para preservar os filhos e netos destes vexames!

POR ECONOMIA... O deputado Evander Vendramini (PP) demonstra que seu olhar vai além dos problemas da região pantaneira. Apresentou proposição questionando os gastos com os direitos reservados por lei aos ex-governadores do Estado. Sugere que a segurança seja feita por 3 militares ao invés de 4 atualmente; que esse direito a proteção seja reduzido de 4 para 2 anos; prevê ainda perda dos benefícios no caso de mudança para fora do Estado ou de eleição para qualquer cargo eletivo.

A BATALHA Mede-se o desempenho do parlamentar pelo número de projetos que apresenta, independentemente se ele é aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e Redação? Só boa intenção não basta; é preciso ter amparo legal. Daí - tenho percebido que algumas proposições tem sucumbido na CCJR e frustrado seus autores ansiosos em mostrar desempenho, que alias pode ser feito na tribuna, que tem muita visibilidade com a TV Assembleia. É a dica.

RAPIDAS.....Deputado Neno Razuk (PTB) pediu nomeação para defensor público em Dourados; conservação de ruas no bairro Zé Pereira (capital) e cascalhamento da estrada entre Córguinho e Baianópolis.....Deputado Herculano Borges (Solidariedade) elogiou na tribuna a Lei ‘Maio Amarelo’ de sua autoria, enviou ofícios diversos, recebeu líderes comunitários no gabinete.... Deputado Jamilson Name ( PDT) pediu viatura policial para Aral Moreira e enalteceu a aprovação de seu projeto “Família-Escola”.....Deputado José Carlos Barbosa (DEM) pediu aumento do efetivo policial em Coronel Sapucaia e apresentou projeto dando isenção de ICMS para armas e munições destinadas aos agentes de Segurança Pública.....Deputado Gerson Claro (PP) apresentou projeto para acabar com os contratos de gaveta nos programas fundiários rurais e urbanos com isenção de impostos pelo Governo Estadual.....Deputado Lídio Lopes (Patriota) participou da reunião do Conisul em Iguatemi e esteve no 1º Seminário de Prevenção ao suicídio e Violência contra a Mulher em Brasília.....Deputado Marcio Fernandes (MDB) apresentou proposição visando baixar o valor do ICMS na comercialização do bezerro e presidiu evento na Assembleia Legislativa pela vacinação contra aftosa.....Deputado Marçal Filho (PSDB) pediu obras e melhoramentos no aeroporto de Dourados e presidiu audiência pública pela presença de psicólogos e assistentes sociais nas escolas..... Deputado Contar (PSL pediu mudança no regimento interno e cumprimento das pautas da Assembleia Legislativa; maior transparência e controle nas compras do Estado por licitação; presidiu audiência pública sobre o turismo estadual....Deputado Lucas de Lima (SD) recebeu lideranças no gabinete, esteve em várias Secretarias de Governo e órgãos oficiais na busca de solução de problemas.

ÚLTIMO CAPÍTULO Deus queira que realmente seja porque a opinião pública não suporta mais essa novela do famigerado Aquário do Pantanal que nos custou quase R$ 250 milhões, quando o valor total da obra anunciado era por volta de R$ 80 milhões. Age com rigor e cautela o governador Reinaldo (PSDB) porque a obra já caiu inclusive nas malhas da Operação Lava Jato ao ser ‘beneficiada’ com dinheiro federal. Pergunto: com esse dinheiro daria para construir quantas creches e escolas? De leve.

BOQUINHAS Notícia nada boa para o ex-ministro da Secretaria de Governo Carlos Marum. O Diário Oficial da União, na edição desta quinta feira (9), publicando a nomeação de 3 novos conselheiros da Itaipu Binancional: o presidente da Eletrobras Wilson Pinto F. Junior, o ex-diretor geral brasileiro da Itaipu, Luiz Fernando L. Viana; o chefe da Assessoria Especial do Presidente da República – Célio Faria Junior. O mandato vai até 16 de maio de 2020. No mesmo decreto a exoneração de 3 antigos conselheiros.

FACADAS Não custa repetir: ninguém aguenta pagar pelos serviços cartorários aqui no Mato Grosso do Sul. Quem pode vai para os Estados vizinhos onde os valores são muito menores. Passou da hora do pessoal responsável pelas mordidas cair na real. Olhe quem são os beneficiados nos emolumentos de uma escritura. Enfim, o contribuinte continua pagando a conta de várias entidades e associações ligadas ao cenário jurídico. Só aqui mesmo. O mundo mudou e o brasileiro mortal empobreceu. Menos, please!

Ponto final: Os mandatos dos políticos são transitórios – a imprensa permanece!

Comentário

VALE A PENA circular pelo saguão da Assembleia Legislativa. Encontra-se com ex-políticos, poetas e outros sonhadores. Vale também pelas observações de assessores que revelam os papos nos gabinetes. Um deles revelou a possibilidade do vice governador Murilo Zauith (DEM) filiar-se ao PSDB após assumir o Governo - se governador Reinaldo (PSDB) renunciar ao cargo para disputar o Senado. Com o poder da máquina poderia tentar viabilizar sua candidatura a reeleição pelo mesmo partido do governador. Uma tese muito interessante. Em tempo: Murilo nasceu em Barretos (SP), pertinho da divisa com Minas Gerais. Uai...sabe como é!

1-HABILIDADE Poderia começar pelo deputado Londres Machado (PSD), mas a figura de Tancredo Neves é mais emblemática, pela ‘mineirice’ nata e por sua dimensão nacional acima de ideologias e partidos. Ele sobreviveu com êxito à Ditadura sem se render aos generais e foi competente ao transformar o enfrentamento em conciliação. Dele, duas frases são marcantes sobre a postura do líder político numa situação delicada: “Não se tira o sapato antes de chegar ao rio” – “Ninguém chega ao ‘Rubicão’ para pescar”.

2-HABILIDADE Foi o que faltou à ex-presidente Dilma Roussef (PT) que não soube dialogar com o Congresso. Como jamais havia disputado uma eleição, tinha apenas o perfil gerencial. Esqueceram de avisá-la: na política bronca funciona muito pouco e ordens nem sempre são bem vindas. Uma figura que representa a antítese dela é Ângela Merkel – 1ª. Ministra da Alemanha. Nos últimos anos tem sobrevido politicamente graças a sua habilidade, ouvindo e dialogando muito, decidindo sem precipitação. Se Dilma tivesse lido a respeito do comportamento de Merkel, teria errado menos.

3-HABILIDADE Mais importante do que o prestígio eleitoral. Dois exemplos nossos. Londres Machado e o ex-governador Pedro Pedrossian. De secretário da prefeitura de Fátima do Sul ao Governo; ele comandou pessoalmente e indiretamente a Assembleia Legislativa por anos a fio com influência direta em todas as administrações, chegando inclusive a ocupar interinamente o Governo estadual. Londres sempre separou o que é adversidade política com inimizade ou ódio. Foi o consenso na direita e esquerda, a referência, com poder invisível nas duas bancadas.

PEDROSSIAN, apesar de ser engenheiro, líder por natureza, não era hábil. Os políticos reconheciam sua capacidade administrativa, mas criticavam seu estilo personalista, centralizador, muito franco e direto. Seu dicionário era de poucas palavras. Pedrossian encarnou a figura do lobo solitário, governando e discursando sempre na primeira pessoa, não compartilhando com companheiros as conquistas e vitórias. Marcou muito mais pelo gerenciamento do que pela habilidade política. Perdeu sua última eleição exatamente pela falta de habilidade em agregar lideranças.

REPORTANDO ao título da coluna, pelos exemplos locais, nacionais e no mundo, os exemplos mostram que nem sempre o prestígio pessoal tem sido o passaporte para o poder. Candidatos preparados para o cargo acabaram derrotados por equívocos nas alianças partidárias, erros nos discursos e propostas e tropeços ao longo da campanha. Normalmente seus discursos são reflexos do que realmente pensam, independente da opinião dos eleitores. Não se preocupam em agradar.

GANHAM os habilidosos, que conversam atrás das cortinas, que ouvem mais, que cedem espaços e encaram as eleições como um jogo normal, onde se perde e se ganha. Por exemplo – em tese – o ex-governador Alckmin (PSDB) seria o candidato mais apto a governar o país, mas faltou-lhe habilidade em várias ocasiões. Em Campo Grande, Edson Giroto (PR) era o portador de todas as qualificações para o cargo de prefeito, mas perdeu feio.

ROBERTO CAMPOS lembrava: “ao subir num palanque, os candidatos competentes devem esquecer seu currículo e as suas propostas racionais. Lá o que vale é o dialeto do PAMG – que quer dizer – prometer, acusar, mentir e gritar”. Infelizmente na hora do voto o coração fala mais alto do que a mente. Assim a primeira derrotada é a verdade, pois os votos são passionais. Vota-se pela simpatia ou antipatia. O que falta nestas horas é racionalidade. Já vi candidato a vereador derrotado porque resolveu dar aula de Educação Moral e Cívica no palanque. O povo detesta candidato chato, pessimista.

SÓ DESGRAÇA? Pelo conteúdo do noticiário da TV Globo, o país está despido de esperança e aspectos positivos. De cabo a rabo a pauta só fala de golpes, violência, tragédias e dados negativos sobre o comportamento do brasileiro. Para a Globo, o Brasil seria uma ‘Chernobil’, sem chances após o episódio da explosão na usina nuclear. Será que a maioria da população não é de gente de bem e que sonha com um país melhor? Bolsonaro fechou a$ torneira$ e deu nisso!

VOTO OBRIGATÓRIO. “Os nossos governos são escolhidos por eleitores que tem um dos piores níveis educacionais do universo, quase metade da população é analfabeta pura ou funcional. (Luiz G. Bertelli – Academia Paulista de Educação). “O voto obrigatório garante que no dia da eleição compareçam todos os habitantes dos seus currais, cujos votos compram com a doação de dentaduras e com anúncios de felicidade instantânea na televisão, pagos por sinal, com seu dinheiro”. (José R. Guzzo) “Dos 231 países em que há eleições, só em 31 o voto é obrigatório, sendo 13 na América Latina” ( ex-deputado federal Hélio Duque)

“A ESQUERDA vê o Estado como o instrumento de política pública para criar o máximo de igualdade possível. A direita, aposta que se pode promover a igualdade e mudança estrutural com menos Estado. Como explicar uma ditadura direitista? Simples: Estado forte em benefício de poucos. O que caracteriza a esquerda, como se vê, não é apenas o gosto por muito Estado, mas o uso do Estado para determinados fins. A ditadura de direita é uma distorção perversa do liberalismo econômico, assim como a de esquerda é uma corrupção do social”. (Juremir Machado da Silva - Correio do Povo)

CONFIRA: “A infelicidade tomou conta do Brasil, segundo o Instituto Gallup em parceria com a ONU e fundações internacionais (era o 15º país mais feliz em 2015, passou para a 32ª posição). Crises econômica, política, moral, ética, tudo explica a queda. Mais: desemprego, trabalho precarizado, fome, miséria, perda de status social, insegurança jurídica, corrupção, revolução tecnológica que privilegia a concentração de riqueza, uso vulgar da internet, ódio, violência e por aí vai. O predomínio é dos discursos, não das ações da vida. A ilusão tomou lugar da verdade”. (Luiz Flávio Guimarães – jurista e deputado federal PSB-SP)

ORELHA EM PÉ Os políticos profissionais que se cuidem. A cada eleição aqui e mundo afora resultados rejeitam os que fazem da política mais que profissão, adotando o Governo como sua propriedade. A última lição veio da Ucrânia onde o humorista Volodymyr Zelenski venceu o presidente e candidato a reeleição Petro Porochenko. A frase emblemática do vencedor no último debate merece ser decorada pelos nossos políticos. Anotem: “Eu não sou político. Eu sou só uma pessoa comum que veio para quebrar o sistema. Sou o resultado de seus erros e promessas”.

É POUCO? Cada deputado federal tem salário de R$ 33.763,00; auxílio moradia de R$ 4.253,00 (ou apto grátis), verba de R$ 101,9 mil para contratar até 25 funcionários; de R$ 30.788,66 a R$ 45.612,52 mensais para alimentação, aluguel de veículo e escritório, divulgação do mandato, entre outras despesas. Dois salários no primeiro e no último mês da legislatura como ajuda de custo, ressarcimentos de gastos médicos. Esses os principais benefícios entre salários e benesses custam R$ 2,14 milhões por ano, ou R$ 179 mil mensais.

RESENHA PARLAMENTAR:

ANTONIO VAZ (PRB): Projeto autorizando o Executivo a criar acesso ao Portal da Sejusp para atender ocorrências de animais. Projeto proibindo sátira religiosa em manifestações culturais e sociais, além de participar de reuniões de comissões.

CAPITÃO CONTAR (PSL): Quer honrar os 78.390 votos recebidos. Participou de reuniões das comissões e das sessões semanais da Casa e na quinta feira, usou a tribuna manifestando-se contra a retirada do abono salarial de funcionários, sendo aplaudido.

BARBOSINHA (DEM): Participou da reunião da CCJR, ocupou a tribuna para abordar questões jurídicas de projetos, presente a reunião da Comissão de Combate a Violência nas Escolas e manifestou opinião sobre a qualidade e preservação das águas.

JOÃO HENRIQUE (PR): Autor de projeto isentando de ICMS os repelentes no período do surto da Dengue. Presente (membro titular) da reunião da Comissão de Constituição Justiça e Redação e esteve presente a premiação de prefeito empreendedor na capital.

LÍDIO LOPES (Patriota): Propôs projeto permitindo a visita de animais nos hospitais e usou da tribuna para elogiar o Empreendedorismo da atual administração municipal da capital. Visitou órgãos públicos em questões envolvendo municípios do interior.

MARÇAL FILHO (PSDB): Participou da reunião da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, ocupou a tribuna várias vezes e participou da reunião da Comissão Permanente de Segurança Pública e Defesa Social. Recepcionou vereadores do interior.

EVANDER VENDRAMINI (PP): Emitiu 103 ofícios para órgãos diversos e assinou 72 proposições e foi as reuniões das comissões que integra. Esteve em Brasília tratando de questões partidárias. Sua assessoria é constituída de pessoas vinculadas a Corumbá.

LUCAS LIMA (SD): Tomou posse como membro do Conselho Estadual de Controle Ambiental; pediu ao Governo o asfaltamento do acesso até o distrito de Areado (33,5 kms) e promove Ação de Cidadania neste sábado no bairro Nova Campo Grande.

JAMILSON NAIME (PDT): Aprovou projeto beneficiando portadores de câncer através de campanhas oficiais divulgando os direitos e orientando sobre os caminhos disponíveis para o tratamento. Deve insistir em ações sociais como é tradição familiar.

Já se foi o tempo que a união fazia a força. Hoje a União cobra os impostos e quem faz força é você (Max Nunes)

Comentário

MOTIVOS: Pensei, conversei com amigos para abordar esse tema. Ele começa exatamente com a pergunta: “Quais os motivos que levariam o cidadão a ingressar na política aqui no Brasil?” Uma pergunta banal à primeira vista, mas, interessante e que enseja uma abordagem prática, simples, sem questionamentos sociológicos e, acima de tudo, objetiva como gosta meu leitor de muitos anos. Aliás, não há mais tempo para obras literárias no jornalismo atual. Tudo vapt vupt!

VAIDADE: Já disse na edição anterior que ela seria irmã gêmea do poder. Ela está quase sempre presente – mesmo camuflada, às vezes por um falso sentimento de patriotismo ou de amor à causa pública. A vaidade é esperta, consegue se inserir nos mais diferentes contextos. O empresário abastado, mas pouco reconhecido publicamente na comunidade, se sente às vezes tocado pela necessidade de algo mais que o dinheiro no caixa. Outro caso é do profissional reconhecido pela sua capacidade no trabalho e que contaminado pela vaidade resolve abraçar uma candidatura política. Ele não consegue separar as duas coisas.

INDIGNAÇÃO: Cada vez mais raro esse tipo de motivação, principalmente devido aos escândalos envolvendo administradores públicos e agentes políticos. Lembra o patriotismo. Ocorre quando há uma situação insustentável ou grave ameaça de desastre político-administrativo e alguém resolve ingressar na política com a visível intenção de mudanças para melhor. O caso do empresário Antonio Ermírio de Moraes, então presidente do poderoso Grupo Votorantim que em 1986 filiou-se ao PTB para liderar um movimento contra a candidatura de Orestes Quércia (MDB) ao Governo de São Paulo. Independentemente do resultado das urnas, sua postura caracterizou-se pelo sentimento de indignação face aos desmandos denunciados contra o ex-governador Paulo Maluf e Cia.

OPORTUNISMO: Ocorre sobretudo na política interiorana de todas regiões do imenso Brasil. Onde há um ambiente de descrença que gera desinteresse pela vida pública partidária, abre-se janela de oportunidade para quem apenas estava à espreita do quadro local, sem participação direta, mas sem apresentar desgastes. Às vezes – mesmo sem ter identidade com esse ou aquele grupo político – mas diante das perspectivas que se abrem ele acaba aceitando e até vencendo – mais em função das circunstancias e fatos que lhe favoreçam do que por méritos próprios. Casos de funcionários públicos, dentistas, advogados, médicos, comunicadores, engenheiros e comerciantes principalmente. Como se diz na política: ele estava no lugar certo na hora certa.

PROFISSÃO: O homem é um animal político, mas nem todos conseguem se nivelar por cima. Alguns deles estão dispostos a tudo para conseguir o poder e vão galgando os degraus custe o que custar. Impressionante a garra, a obsessão deles. Tenho visto exemplos deles por aí: desde cedo conseguem oportunidade de politicar através de maneiras ou mecanismos diversos. É o funcionário com postura diferenciada que atrai a simpatia da clientela, do funcionário público prestativo ou do simples morador que se destaca como bom vizinho para depois se tornar líder do bairro e vereador por exemplo. O Congresso nacional – até a legislatura passada – tinha em seu bojo dezenas de ‘exemplares’ desta espécie que dedicaram toda a vida à política, incorporando-a inclusive a sua própria personalidade. Quando perderam o poder murcharam como as plantas arrancadas do canteiro. Político sem mandato lembra barata tonta.

TUDO AZUL! A figura do vice em cargos executivos em todos os níveis tem gerado abordagens de todos os tipos na imprensa. A melhor definição seria de que a figura do vice deva ser a mais discreta possível, evitando atritos e desgastes. Posto isso lembro de Adriane Lopes (PEN) – vice-prefeita da nossa capital - inicialmente vista como candidata surpresa na chapa de Marcos Trad (PSD) e que até aqui vem tendo comportamento exemplar. Não avança o sinal com atos e nem com palavras. Perspectivas de vida longa na política.

EXAURIDO O Estado em si como modelo paternalista de gestão exauriu. Todos da sociedade querem de algum modo mamar nas tetas da maquina pública em todos os níveis. O sonho continua aquele: ser ‘empregado do Governo’ para garantir vantagens ao longo da carreira e aposentadoria razoável. Mas como diz o caipira: “não tem mais de onde tirar leite – a teta secou”. Todo santo dia vejo as reivindicações de funcionários baseadas em leis também paternalistas. É funcionário reivindicando seu quinquênio, de promoção por merecimento, bravura e outras tantas motivações. Outro desafio: acabar com a farra da tal cessão onerosa de funcionários de um poder para outro. Há muita gente fora da função original, como professores fora da sala de aula.

VAI QUEBRAR! É uma simples afirmação com base nos números da economia local, regional e nacional. Como garantir tantas benesses e generosidades aos funcionários? Quando os legisladores criam leis dando direito aos funcionários, eles estão apenas olhando o lado eleitoral. Querem os votos dos beneficiados. Temos o clássico exemplo do 13º salário instituído demagogicamente lá atrás para agradar o eleitorado. Agora a máquina pública e nem o pessoal da iniciativa privada aguentam arcar com mais essa despesa numa época de tantos encargos fiscais. Mas, se alguém propor a sua extinção será executado em praça pública.

TEMPOS ESTRANHOS Quem (STF) deveria garantir a liberdade de expressão acaba censurando-a. Aplausos ao deputado João Henrique (PR) por criticar na tribuna da Assembleia Legislativa a decisão do ministro Alexandre de Morais (STF) de censurar a reportagem “O amigo de meu pai” publicada na revista Crusoé. Ele lembrou que a liberdade de expressão é pilar da democracia como mostra a história moderna. A sua iniciativa ganhou o apoio dos seus colegas Gerson Claro (PP), professor Rinaldo (PSDB) e Pedro Kemp (PT). Enquanto isso, nenhuma palavra da OAB-MS sobre o episódio. “Liberdade... abra as asas sobre nós”.

PERNA QUEBRADA As eleições de 2018 acabaram com o cacife financeiro de muitos partidos que elegeram pouca gente. Muitos deles eram e continuaram sendo nanicos que apenas serviam de arma terceirizada para as siglas maiores. Aliás, a tendência é que com o tempo eles acabem desaparecendo. Deveremos ficar no máximo com 15 partidos; convenhamos já seria de bom tamanho. Além da clausula de barreira que impedirá o acesso ao rádio e televisão, 14 partidos ficarão sem financiamento público em suas campanhas. São eles: Rede, Patriota, PHS, DC, PC do B, PCB, PCO, PMB, PMN, PPL, PRP, PSTU, PTC.

FELIZARDOS Dos 35 partidos, são essas as 21 agremiações que vão ter direito a fatia do bolo de – pasmem! - R$ 927.750.560,00 que o glorioso Congresso Nacional tratou de reservar com bastante antecedência. São eles: PSL – 12,81%; PT - 11,32%; PSDB - 6,60%; PSD – 6,43%; PP – 6,12%; PSB – 6,02%; MDB – 6,08; PR – 5,84; PRB – 5,58%; DEM – 5,12%; PDT – 5,08. Vale recordar que alguns partidos estão se adequando com seus diretórios, inclusive. Aqui em Campo Grande temos dois exemplos bem visíveis: do PT com problemas de caixa e o MDB que dispensou inclusive vários funcionários diante dos resultados das últimas eleições. Eu pergunto: será que tanta pompa se justificava diante do nosso cenário econômico? Menos, please!

OLHAR JURÍDICO Integrante do seleto grupo de 10 parlamentares que se dedicam ao estudo das propostas anti-crime do Ministério da Justiça, o deputado Fabio Trad (PSD) ganha espaço e elogios dos colegas e especialistas na área. Sua exposição após o encontro do grupo com o ministro da Justiça, Sergio Moro mostrou intimidade com a matéria e vem de encontro com os anseios da opinião pública e as necessidades tão visíveis. Também como advogado posso dizer que ele vem pautando pelo equilíbrio no trato desta questão tão delicada que exige conhecimento, firmeza e acima de tudo sensibilidade.

REDES SOCIAIS Quem não aderir ao novo instrumento de comunicação ficará na saudade. Em sintonia com a realidade o PRB (Partido Republicano Brasileiro) já possui seu sistema de plataformas: 6.266 seguidores no Instagram, 4.139 no Twiter e 10.468 no facebook. No papo com o deputado estadual Antonio Vaz (PRB) e o vereador e presidente do diretório estadual Gilmar da Cruz percebi a estratégia de aumentar a bancada de vereadores na capital (hoje são 2) e do interior (14). Para evitar problemas jurídicos o partido agiliza a formatação dos diretórios municipais em substituição às comissões provisões. É a luta pelo espaço.

VERGONHA! Esse tem sido o principal motivo que leva os homens públicos ao suicídio. Aqui essa pratica é rara por motivos óbvios. O ex-presidente Getúlio Vargas (em 1954) e o ex-reitor da Universidade de Santa Catarina Luiz C. Cancelier (2016) preso por acusação de corrupção. Ficou famoso o caso de Budd Dwyer, governador da Pensilvânia (USA) em 1987 que cometeu suicídio frente as câmeras de TV antes da sentença final por corrupção e o episódio do ministro Toshikasu Matsuoka, da Pesca do Japão (2007) que se enforcou pela acusação da mesma pratica. Agora é vez do ex-presidente peruano Alan Garcia por envolvimento nas falcatruas da empreiteira Odebrecht. Imagine se todos os envolvidos na ‘Lava Jato’ tivessem a tempera de Garcia” Faltariam balas! Sem políticos ‘samurais’, jamais teremos o ‘Haraquiri’.

O RELÓGIO não para! Termina no dia 28 de junho próximo o prazo para os partidos em âmbito municipal e estadual formalizarem seus diretórios permanentes. A resolução do TSE de 2018 vale para todos os partidos. Quem dormir de touca e não cumprir com as exigências estará impedido de lançar candidatos à prefeito e vereador nas eleições de 2020. Tem um aspecto interessante: até aqui os partidos faziam o que bem entendiam com as comissões provisórias dos partidos nos municípios e estados. Era comum às vésperas de lançamento de candidaturas nos pleitos municipais os dirigentes negociarem destituindo toda a comissão provisória e nomeando outras pessoas estranhas ao partido e ao ambiente político da cidade. Enfim, acabou o ciclo das maldades partidárias.

SEM ILUSÕES Não custa pedir, mas para especialistas, não deve ter futuro a Proposta de Emenda a Constituição apresentada pelo deputado Peninha (MDB-PR) prorrogando o atual mandato de prefeitos e vereadores para 2022. Para o deputado Fabio Trad (PSD) ela seria inconstitucional por agredir o princípio republicano que prevê eleições periódicas no art. 60, parágrafo 4º, inciso II da Carta Magna, onde fica estabelecido mandato de 4 anos. Impera a velha máxima de que não se pode mudar as regras no meio do jogo, sob pena de se atentar contra o princípio democrático e a segurança jurídica.

DEPUTADOS e suas ações na Assembleia Legislativa: Deputado João Henrique (PR): Projeto dispondo sobre a proteção de dados pessoais dos consumidores e Projeto que altera a redação do art. 55 da Constituição Estadual. Deputado Jamilson Name (PDT): Projeto incluindo no Calendário Oficial de Eventos do Estado o Dia do Esporte Amador e o Projeto instituindo o Dia Estadual da Família na Escola. Deputado Marçal Filho (PSDB): Projeto incluindo Educação Financeira nos currículos escolares da rede estadual e o Projeto restringindo porte de armas aos ‘violentos domésticos’. Deputado José Carlos Barbosa (DEM): projeto pedindo maior divulgação da tarifa social de energia elétrica e na tribuna falou da sua lei, sancionada, que obriga o hospital a informar sobre a reconstrução da mama pelo SUS. Deputado Lucas de Lima (SD): apresentou proposição pedindo ao Governo Estadual a nomeação de mais médicos especialistas para atendimento em Dourados. Deputado Capitão Contar (PSL): fez a entrega de medalhas da ‘Comenda Guararapes’ a 4 personalidades militares na Sessão Solene que ele presidiu (por deferência do deputado Paulo Correia (PSDB) em homenagem ao Exército Brasileiro. Deputado Gerson Claro (PP): apresentou proposição no sentido de que o Tribunal de Contas autorize o Governo Estadual a prorrogar a data (vencida dia 15 último) para adesão do contribuinte ao programa Refis.

NA INTERNET: ‘Onde está a petezeda exigindo retratação do STF?”

Comentário

A HISTÓRIA da humanidade mostra a proximidade entre o poder e o dinheiro. Do rei Salomão passando por Nicolau II da Rússia por exemplo. Mas há quem se aproveita da relação com o poder para levar vantagens. Lá atrás a Mercedes Benz, a Hugo F.Boss, a Bayer e Basf cresceram na sombra de Hitler; de carros, uniformes de exercito e gás para matar judeus em campos de concentração. Nos ‘States’ a família Rockefeller também soube tirar vantagens do poder durante décadas.

NO BRASIL essa relação também é antiga com a política abrigando personagens interessantes em certas épocas. O banqueiro (Banco Nacional) Magalhães Pinto não resistiu aos encantos do poder e acabou governador de Minas Gerais. Para observadores, os prejuízos da aventura teriam sido maiores do que os lucros. Outro banqueiro político foi José Andrade Vieira (Bamerindus) que acabou sem o banco e poder. Aqui o Banco Financial foi sacrificado no embate interno da Família Coelho polarizado entre Italívio e Lúdio Coelho.

ORESTES QUERCIA foi um personagem que lucrou com a política e suas relações. Locutor de rádio em Campinas passou pelo Senado e chegou ao Governo Paulista amealhando uma fortuna fantástica objeto de discórdia de seus herdeiros. Na época teria havido um acordo com o regime militar que ameaçava investigar e confiscar seus bens de origem discutível. Já nos dias atuais as empreiteiras – como mostrou a Operação Lava Jato – são as grandes parceiras do poder através de propinas como revelou o veterano empresário Emílio Odebrechet e outros processados e presos.

SUCE$$O e desastre ocorrem em todos os recantos, inclusive perto de nós. Exemplos não faltam, mas devido aos riscos de responder judicialmente, omite-se os nomes dos personagens. No interior do Estado o sonho do poder turbinado pela vaidade fez ricos ficarem pobres envolvendo venda de fazendas, agiotagem, vacas arrendadas, dívidas impagáveis e famílias desfeitas. Na capital, uma minoria se deu bem através de esquemas juridicamente legais com empresas de fachada. Como o país virou uma lavanderia, esse dinheiro acaba legalizado um dia.

CREDIBILIDADE Já foi o tempo em que uma notícia do Jornal Nacional era palavra de ordem para o país inteiro. Essa constatação se aplica também as pesquisas do IBOPE e do DataFolha que acabavam influenciando – por razões diversas – na decisão de grande parte do eleitorado. Conta o deputado Marçal Filho (PSDB) que mais de 400 ouvintes de sua emissora – consultados – sobre os números do DataFolha relativos ao desempenho do Governo Bolsonaro – a grande maioria colocou em dúvida a veracidade dos números. Não há mais ingênuos.

NOVATOS O entusiasmo e o preparo são visíveis na postura dos deputados estaduais estreantes. Essa oxigenação está revitalizando a Casa de Leis e de algum modo acaba até influenciando os parlamentares veteranos na participação de comissões, solenidades e eventos de cunho oficial. Lembra a chegada de novos craques que acordam os antigos que começam a se preocupar com seus espaços no time. Confira algumas propostas e perfis dos estreantes:

ANTÔNIO VAZ (PRB) Sempre em contacto com as lideranças dos bairros e do interior que o apoiaram na candidatura. Agradável no relacionamento e objetivo nas suas proposições. Em seu gabinete transitam pessoas de todos os extratos sociais. Integra as Comissões de Saúde; do Trabalho Cidadania e Direitos Humanos; da Defesa dos Direitos do Consumidor. Suas propostas e pronunciamentos estão voltadas ao bem estar da família, educação, incentivo ao esporte e a saúde das pessoas. Recentemente homenageou na Assembleia Legislativa atletas amadores vencedores. No início do mandato esteve na Santa Casa da capital onde constatou os avanços e necessidades daquele nosocômio. Portanto, sua visão é eminentemente social.

MARÇAL FILHO (PSDB) Propôs o desconto no pagamento do IPVA ao motorista que não cometer infração no ano anterior; protestou pedindo a suspensão do aumento da tarifa de energia elétrica: cobrou a duplicação da BR-163; criou a Frente de Prevenção do Acidente do Trabalho; solicitou a campanha permanente de Educação no Trânsito em todo o Estado; participa como membro titular da Comissão de Constituição Justiça e Redação; pediu a reforma do teatro municipal de Dourados, além de ocupar a tribuna para abordagem de temas diversos.

LUCAS DE LIMA (SD) Preparando projeto sobre a implementação da coleta de sangue pelo Hemosul fora das instalações da unidade. Preside a Comissão de Meio Ambiente. Autor do projeto reservando vagas nas creches aos filhos de mães vítimas de violência doméstica.Projeto em parceria com o deputado Gerson Claro (PP) propõe desconto no valor de IPVA ao veículo convertido para o uso do Gás Nacional Veicular; Participou da vistoria das barragens das Siderurgicas de Corumbá. Integra várias comissões, dentre elas Saúde, Finanças e Orçamento. Propôs a criação da Frente Parlamentar para Salvação e Conservação dos rios de Bonito, atendendo aos reclamos daquela região.

CAPITÃO CONTAR (PSL) Propôs a criação da Frente de Combate a Corrupção e pela Transparência da Gestão Pública; sugeriu duas emendas importantes no Projeto Governamental do Plano de Demissão Voluntária (PDV); integra a Comissão de Segurança Pública e Defesa Pessoal, Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural, Frente Parlamentar do Cooperativismo; participou da audiência pública sobre o ‘Cota Zero’ atinente a pesca em nossos rios; participou das solenidades de homenagem aos atletas e incentivados do esporte na Assembleia Legislativa e tem usado da palavra na tribuna na falar de assuntos de naipes diferentes.

EVANDER VENDRAMINI (PP) Lidera movimento pela fiscalização das barragens em Corumbá; cobra informações e providencias da Agencia Nacional de Mineração; participa da Frente Parlamentar do Cooperativismo, é autor de projeto proibindo empréstimos aos aposentados e propõe a consolidação e atualização das leis aprovadas no parlamento estadual através de comissão vinculada a CCJR e tem questionado o Governo sobre os dados atuais do Programa de Avanço da Pecuária no Estado. Sua experiência na vereança de Corumbá somada à formação da advocacia resultam num parlamentar preparado.

JAMILSON NAIME (PDT) Segue a tradição familiar e é sensível as questões sociais da capital; do atendimento médico aos moradores de ruas. Pediu desativação de radares, maior proteção aos ciclistas da capital, atendimento em libras nas UPAs, mais segurança nas escolas, nomeação de médico legista para Bela Vista, reforma da Ponte do Taboco em Corguinho e reparos urgentes na rodovia MS 217 entre Coxim e Alcinópolis; requereu ao Detran aumento da frota de veículos para exames de habilitação para candidatos especiais. Outro olhar do parlamentar é para os esportes e chegou a comandar uma sessão solene para homenagear atletas e os incentivadores dos esportes. O estilo do deputado é simples e de fácil comunicação, sendo que participa de várias comissões e de frentes parlamentares.

NENO RAZUK (PTB) Outro parlamentar que carrega a tradição familiar no sangue. Seu pai foi deputado estadual e sua mãe é prefeita de Dourados. Ele parece à vontade, familiarizado com esse tipo de ambiente. Integra a Comissão de Serviço Público, Obras e Transporte; do Controle e Eficácia Administrativa; do Desenvolvimento Agrário; e da Comissão de Assistência Social e Seguridade Social. Seu mandato está voltado às causas das minorias sociais como se percebe do teor de seus projetos e manifestações na tribuna. Vem recebendo as visitas de correligionários da capital e interior, notadamente de Dourados e cidades em seu entorno. Percebe-se nele muita motivação no exercício do mandato. Isso é bom.

GERSON CLARO (PP) A experiência como diretor geral da Associação dos Prefeitos de Mato Grosso do Sul, sua formação profissional como advogado, além da militância política em Sidrolândia (MS) formatam um parlamentar tranquilo no ambiente da Assembleia Legislativa. Tem se dedicado à Comissão de Constituição Justiça e Redação (membro permanente) e várias frentes parlamentares da Casa. É parceiro do deputado Lucas Lima na proposição de projeto que concede descontos no pagamento de IPVA relativos aos veículos objetos de adaptação do sistema tradicional de combustível para o uso do Gás Nacional Veicular. Interiorano, vem atendendo dezenas de vereadores e prefeitos que buscam melhorias para seus municípios, percorrendo com eles as secretárias e órgãos públicos.

JOÃO H. CATAN (PR) Compõe a cobiçada CCJR e participa ainda de mais três comissões parlamentares. Sua formação em Direito é um fator que ajuda em muito no exercício do mandato. Mostra notável disposição em debater temas atuais e de interesse junto a opinião pública com uso inclusive das redes sociais. Percebe-se pelas suas manifestações e ações que tem projeto para consolidar seu espaço – garantindo assim sua reeleição. Sabe da responsabilidade em representar segmentos da região do Bolsão onde tem sólidas ligações afetivas. Cauteloso e ousado quando necessário, o jovem parlamentar vai caminhando bem até aqui.

NÚMEROS da pesquisa realizada em 20 cidades entre os dias 1 e 10 de Abril pela empresa Ranking Pesquisas e Comunicações, de acordo com o artigo 33 da Lei 8.504 de 1996 e do TSE – Lei 21.549 de 2017: Governo Estadual (100 dias): 31,16% -Ótimo/Bom; 38,06% - Regular; 22,20% - ruim/péssimo; 8,58% - não sabem/não responderam. Governo Bolsonaro: 40,16% - Ótimo/Bom; 30,60% - regular; 20,43% - ruim/péssimo; 8,81% -não sabem/não responderam.

ODILON PAI Teor do bilhete que recebi do ex-Juiz Federal Odilon de Oliveira: “Ando meio sumido mesmo. É que estou concentrado na conclusão de dois livros; um sobre administração de ativos ilícitos, ou seja, da montanha de bens apreendidos no Brasil inteiro, que a justiça não tem condições de administrar. O outro – é sobre benefício da prestação continuada, aquele que o projeto do Bolsonaro quer alterar. Estou também produzindo artigos semanalmente, para a página do escritório de advocacia de meu filho. Eis os motivos pelos quais ando meio recluso”.

ODILON FILHO Nos bastidores já tinham cantado a pedra de que o vereador Odilon de Oliveira Filho iria mesmo deixar o PDT. Entre a hipótese de comandar uma nova sigla ou embarcar numa agremiação maior, essa segunda alternativa parece mais atraente e de mais futuro. O PDT não sucumbirá pelo fato, mas também não vejo maiores chances de se revigorar no atual cenário onde o ex-senador Ciro Gomes continua atirando para todos os lados. Já passou, como tudo na vida.

DERROTA A recente decisão do TRF da 3ª. Região em manter na 4ª. Vara da Justiça Federal de Campo Grande o processo contra Puccinelli (MDB) e seus ex-secretários Antônio Lastória (Saúde), Jader Afonso (Fazenda) derrubou por terra as pretensões de responder a ação na justiça estadual. O Ministério Público Federal está cobrando R$ 10 milhões dos acusados pelo fato do Governo Estadual à época ter deixado de investir R$ 370 milhões na saúde.

BOQUINHAS Seria preciso um computador daqueles da NASA para conseguir catalogar quantos petistas já perderam suas boquinhas no Governo Federal e quantos ainda estão esperando a vez do facão. Aqui não é diferente. Se antes o PT tinha 4 deputados estaduais, agora só tem dois. Mas é notório que muitos discípulos do Lula já se arrumaram na Assembleia Legislativa. Sabe como é – um cabidinho aqui – uma boquinha acolá – e eles vão brotando como grama entre as pedras.

“Assim que os militares deixaram o poder, o esquema começou” (Emílio Odebrecht)

Comentário

O CAMPEÃO Na avaliação do ex-deputado federal pelo PT Ben Hur Ferreira, dentre todos os nossos políticos desde a criação do nosso Estado, o ex-governador Pedro Pedrossian foi a figura mais emblemática, diferenciada, o líder que mais se destacou - com luz própria - que não dependia de partidos, padrinhos ou circunstâncias. Na criteriosa ótica de Ben Hur, Pedrossian deixou marcas reconhecidas pela sociedade em todo o Estado. O melhor, o maior sem dúvida, é a opinião geral!

ESTÍLO Cada político ao seu modo, com variações sujeitas a influências diversas. O secretário de Saúde Geraldo Resende (PSDB) – suplente de deputado federal - por exemplo, é conhecido por ser avesso a formalidades e protocolos nas suas relações. Para o pessoal da área da saúde, a ficha parece ainda não ter caído para Resende que continua agindo como se estivesse em pleno exercício do mandato parlamentar.

A PROPÓSITO: O velho ditado de que ‘o uso do cachimbo acaba entortando a boca’ se aplica a alguns ex-políticos e autoridades. No retorno ao ‘mundo real’ após o desfrute das benesses do ‘paraíso’, eles tem dificuldade de adaptação. Sem status, às vezes são vítimas da amnésia exigindo o direito de preferência - já prescrito para eles. Ufa! A exemplo dos remédios, o poder também tem prazo de validade.

A VAIDADE é irmã gêmea do poder. Um simpático morador que vira síndico pode mostrar sua outra face. É assim como o amigo no exercício de algum tipo de poder: você perceberá a presença dos sinais da vaidade – ainda que ele use de subterfúgio para tentar escondê-la. A humildade ou a modéstia são disfarces. Ora! Poder sem vaidade não existe. Pesquise na história da humanidade, na Bíblia em Eclesiastes 1:2-3.

AFIRMAÇÃO do escritor argentino Ernesto Sabato vem a calhar: “A vaidade se encontra nos lugares menos esperados; ao lado da bondade, da obrigação, da generosidade. Faz- me rir esses senhores que falam da modéstia de Einsten: é fácil ser modesto quando se é célebre, quer dizer parecer modesto”. Aliás, no filme ‘O advogado do Diabo’ fica a mensagem ao final: “A vaidade é meu pecado favorito”.

ENFIM... Na ausência da humildade no exercício de qualquer poder aparecem a arrogância e a vaidade como instrumentos da soberba. Aí inexistem limites, gerando a ambição desmedida e a falsa ideia de impunidade. Essas prisões de ex-governadores e ex-poderosos da política nacional e local são exemplos disso. Como bradava o personagem Sinhozinho Malta na novela Roque Santeiro: “Tô certo, ou tô errado?”

PAÍS MARAVILHA Para o deputado Evander Vendramini (PP) há uma rede invisível na administração pública que inibe iniciativas de mudanças para melhor. Sobre a questão da fiscalização federal das barragens das mineradoras, pela Agencia Nacional de Mineração, o parlamentar lembrou da lei que protege os cartéis do transporte de passageiros. Tudo hermeticamente fechado. Alguém leva vantagem com as dificuldades representadas pelas leis reguladoras. É assim que funciona.

IDÊNTICO é o mecanismo que envolve os critérios para cobrar e reajustar os valores da energia elétrica. Nesta semana na Assembleia Legislativa a bronca foi geral contra a Aneel, que além de não recuar na cobrança das contas altas, anunciou reajuste de 12,48%. Conversei com os deputados José Carlos Barbosa (DEM), Marçal Filho (PSDB), Capitão Contar (PSL), Lídio Lopes (Patriota), Antonio Vaz (PRB) e Lucas de Lima (SD) e notei que a indignação pela causa era unânime.

INTERROGAÇÃO Para qual direção os tucanos voarão após a derrota presidencial e a perda de grande parte da bancada no Congresso? Embora João Dória tenha vencido a eleição no Estado de São Paulo, é notório: ele não tem ligação efetiva com os caciques do PSDB. As declarações do ex-governador Alckmin após encontro com o presidente Bolsonaro (PSL) atestam: o partido está sem rumo.

SEM SEXO? Divididos no 2º turno presidencial de 2018, mais uma vez confirmou-se a tese irônica do ex-governador paulista Orestes Quercia (MDB), segundo a qual o “PSDB é um partido sem sexo”. O partido elegeu só 3 governadores, 29 deputados federais e 6 senadores em 2018. Com os escândalos envolvendo o deputado Aécio Neves e o ex-governador Beto Richa do Paraná, João Dória é a figura mais importante dentre os tucanos.

TUCANOS-MS Costura-se um acordo entre PSDB e PSD do prefeito Marcos Trad. O quadro ainda confuso, mas sem riscos de motim. O governador Reinaldo (PSDB) tem sob sua batuta o ritmo do partido que vai mantendo boas relações com o MDB, DEM, PT e outras siglas com representação na Assembleia Legislativa presidida por um deputado do PSDB, Paulo Correa.

ELEIÇÕES municipais são diferentes das outras. O universo é menor e aí os seus personagens tem maior visibilidade e também estão mais expostos, positivamente ou negativamente aos olhos implacáveis da opinião pública. Aquelas práticas de antes como compra de votos ou ameaça ao eleitor estarão sob a mira das câmeras dos celulares. Um perigo!

CAPITAL Duas fases distintas: antes e depois da vitória de Alcides Bernal (PP). A vitória dele mostrou a insatisfação do continuísmo daquele grupo que mandava, mas seu fracasso administrativo mostrou que a emoção não pode influenciar o cérebro (razão) na escolha do administrador. Essa hecatombe vai funcionar como argumento contra os pretendentes neófitos, ainda que sob a bandeira da renovação ou salvadores da pátria. Se o presidente Bolsonaro (PSL) não for bem, será outro fator influenciador negativo.

FALA MANSA Quem estaria costurando o retorno ao cenário político é o ex-senador Delcídio do Amaral (PTC). Convidado pelo PTB do deputado estadual Neno Razuk, Delcídio poderia disputar a prefeitura da capital. Mas pelo visto já estaria havendo atropelamento da notícia. O PTC já reagiu! Pelo sim pelo não, a presença de Delcídio daria uma pitada de charme na campanha. Mas pergunto: qual é mesmo o grupo político do ex-senador? Sem grupo forte é difícil!

DR.ODILON Sem volta! Comprou o bilhete para Corumbá quando o destino do trem era Três Lagoas. Não conseguiu ser maior do que as contradições de seus companheiros de campanha e do próprio partido (PDT). Passado tanto tempo - não reapareceu em público para fazer uma análise política daquelas eleições. Simplesmente manteve-se encolhido num significado de rendição de sua luta. Tenho dúvidas de que seu filho, o vereador Odilon Jr. consiga reunificar o grupo e atrair mais gente de peso e voto.

NELSINHO Pode ser o grande eleitor das eleições de 2019, notadamente em Campo Grande. Sua influência no Governo e a agilidade que vem demonstrando na ocupação de espaços tem sido duas surpresas agradáveis em seu comportamento. O dedo do senador do PSD pode destravar verbas e projetos importantes para o Governo do Estado e capital. Diferentemente do PSL e MDB (das duas senadoras) o interesse político de Nelsinho se encaixa no projeto de seu partido com o PSDB de Azambuja. Certo?

TEMPOS DIFÍCEIS: Ex-assessor parlamentar não mediu palavras no saguão da Assembleia Legislativa referindo-se ao ambiente intestinal do MDB. Segundo ele pesariam as dificuldades na atração de novas lideranças devido as investigações policiais mirando emedebistas, dentre eles o ex-ministro Moreira Franco, o ex-governador Puccinelli e o ex-presidente Temer. Jogar a toalha e vir a ser apenas coadjuvante na sucessão da capital seria uma das hipóteses na mesa.

‘NOVOS TEMPOS’ A declaração emblemática é do ex-senador Romero Jucá – presidente do MDB – após o encontro com o presidente Bolsonaro (PSL) nesta quinta feira: “É preciso construir uma nova modelagem na relação política. A antiga modelagem foi vencida pelas urnas”. Se o veterano político que serviu aos Governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e de Lula (PT) chegou a essa conclusão, é sinal de que o eleitor deve ser levado a sério daqui pra frente.

FOLCLÓRE Os vereadores Carlos Lacerda e Ivete Vargas travavam um bate boca no legislativo carioca quando ela disse que ‘Lacerda não passava de um purgante’. Ele, rápido de raciocínio rebateu: “e vossa excelência é o efeito”. Outro episódio: Um deputado chama outro de “beócio”. O outro se defendeu com classe: “Se beócio for elogio, agradeço e retribuo, mas se for xingativo, beócio é a mãe de vossa excelência”.

A DÚVIDA transformada em pergunta. A propalada proibição do consumo do Narguile em ambientes públicos – pela Câmara Municipal de Campo Grande, está no centro desta interessante polêmica. Mas com a capital ocupando uma extensa área territorial, como seria feita essa fiscalização nestes espaços públicos? Acho que a lei tem tudo para ser incluída no rol daquelas que ‘não pegam’.

O Brasil é realmente muito amplo e luxuoso. O serviço é que é péssimo (Millôr Fernandes)

Comentário

Página 1 de 21
  • PMRV

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus