Timber by EMSIEN-3 LTD
Manoel Afonso

Manoel Afonso

‘EM CASA’: Na última coluna falamos do ladrão de shampoo preso por decisão da ‘bravíssima’ Rosa Weiber, ministra do STF. Aqui no MS, a novela envolvendo Breno F. S. Borges, condenado a 21 anos de prisão, continua. O fato não ganharia destaque se ele não fosse filho da desembargadora Tania Garcia de Freitas Borges, cuja influência na justiça é notória. Mas entristece: tanto no caso do ladrão no STF, como no caso do réu privilegiado daqui nenhum deputado ou senador teve a sensibilidade ou coragem de abordar. Uai! Os políticos não comungam com as aspirações e decepções do povo?

FACEBOOK: É sucesso o sermão do padre Júlio Lancelotti (SP) sobre a falta de moradia, comparando-a com o auxílio moradia dos juízes de direito, mesmo com salário excelente ou tendo 60 imóveis como é o caso do desembargador paulista José A. Neto. O religioso cita casos de ambos os cônjuges juízes, se achando a última trincheira da moralidade, mesmo com casa própria não abrindo mão do benefício. Com a grana do auxílio construiria 50 mil casas para os pobres. Como tantos outros penduricalhos imorais, o tal auxílio é garantido por lei. Calados, os políticos concordam. Porque será?

CONSUMIDOR: Ele ainda leva vantagem em relação ao eleitor. Quando ele compra um produto estragado; que não corresponda a propaganda ou a especificação no rótulo pode recorrer com base na lei. Apesar da mão de obra, da dor de cabeça, às vezes até que recupera o eventual prejuízo ou tem o produto substituído por similar. Mas no caso do eleitor é diferente; ele nem sempre compara a embalagem (propaganda) com o real conteúdo do produto (qualidade do candidato). Depois do voto – decepcionado - ele fica no mato sem cachorro, chorando o leite derramado.

A INDÚSTRIA eleitoral crescendo. A função dela é aperfeiçoar as embalagens, dar-lhes roupagem atraente, embalagem que atraia e seduza o eleitor como as crianças pelo chocolate nas gôndolas do mercado. Irresistíveis. Estão maquiando os candidatos com regras de postura, ensinando-lhes frases de efeito e inclusive preparando-lhes o pacote de promessas sob o cognome de ‘projeto de governo’ ou algo parecido. É frequente na internet a oferta de cursos intensivos ou pacotes de preparação dos candidatos. Sem desmerecer esses profissionais, vale deixar os eleitores de sobreaviso - que poderão comprar ‘gato por lebre’ nestas eleições. Aí, não há Procon que resolva o problema.

A SAÚDE: Analisando na internet as postagens de pré-candidatos a prefeito, percebe-se que a saúde será um dos alvos preferidos, principalmente com o clima criado pelo Covid-19. Virão os questionamentos diversos: o dinheiro público foi gasto de modo racional, planejado, no lugar certo? A gestão na saúde correspondeu às necessidades? Como melhorar e solucionar os desafios? A propósito; lendo as últimas notícias sobre o custo astronômico e lesivo do Aquário do Pantanal, antevejo esse questionamento.

‘NOVO MORO’: Difícil prever seu futuro; se será usado por algum grupo político ou tentará ‘voo solo’. A única certeza é que ele se arrependeu amargamente de ter trocado a função jurisdicional pela ilusão da política, às vezes doce, às vezes amarga e tão cruel. Faltou-lhe na verdade bons conselheiros, infelizmente. Ele tem frequentado cada vez mais a mídia, dando entrevistas e escrevendo artigos envolvendo as relações da justiça com a política. Não sei onde isso vai desaguar, mas ele não é do ramo, não leva jeito, sem embocadura, falta-lhe os predicados que a sinuosa carreira política exige.

‘CATARINENSE’: O perfil deste povo é admirável, referência em vários segmentos sociais e econômicos. Um exemplo: A primeira geladeira produzida no Brasil foi a Consul (1947) em Brusque, numa modesta fabrica de anzóis, garfos e facas por Rudolfo Szutzer, um autodidata que conhecera o produto em Porto Alegre. De 1947 a 1950 ele fabricou 30 geladeiras a querosene. Mas Wittich Fretag (dono de rede de lojas) propôs a sociedade e a mudança da empresa para Joinville, inaugurada em 15/07/1950; há 70 anos, portanto. A marca Consul foi homenagem ao cônsul Carlos Renaux, incentivador do projeto e que emprestou dinheiro à Rudolfo para montar a fabrica em sociedade.

ELE MUDARÁ? Primeiro foi o 1º ministro britânico Boris Johnson que reviu seus conceitos sobre o Covid 19 e adotou o lema de Thomas Jefferson (‘O preço da liberdade é a eterna vigilância’). Agora, presume-se que a bola da vez deva ser o presidente Bolsonaro após o susto do resultado positivo. Nada contra ele continuar sendo aquele garoto propaganda da hidroxicloroquina, mas espera-se que ele mude de postura e discurso neste momento de medo e tensão. E que se ele se cure o mais rápido possível.

‘TIO TRUTS’: Pela tradição na vida pública quem levar em conta o que disse na campanha acabará ficando só. Pelas notícias, o deputado Loester C. Souza compactua com a tese. A Câmara é generosa; basta justificar os gastos com notas. Embora ela tenha advogados e técnicos, o deputado gastou até aqui mais de R$ 345 mil com assessorias. O que pensam os 56.339 eleitores que acreditaram no seu discurso? Isso sem contar o incrível episódio do atentado que ele teria sofrido há meses, sua postura na presidência do PSL da capital e de ter chamado os deputados estaduais de ‘bundas moles’.

‘DOURADOS’: O nicho dos indecisos aumentou de 32% na pesquisa de maio para 42,40% nesta última após Marçal Filho desistir. Como decidirá a maioria dos indecisos e que não responderam? No painel-2 de entrevista estimulada com apenas 3 nomes: Barbosinha tinha 17,40% na pesquisa anterior, foi para 31%; Renato Câmara avançou de 8,80 para 14,20%; Délia Razuk saltou de 11,60% para 12,40%. Valdenir Machado só anunciou sua pré-candidatura após as pesquisas. Amostra realizada pela Ranking Comunicação & Pesquisa, entre 01 e 04 de julho; entrevistadas 500 pessoas, registro MS 06028/2020.Margem de erro, 4,4% para mais ou para menos.

MANCADAS: Segundo os especialistas do direito, aquela oferta da Lava Jato de R$ 500 milhões ao Governo para combater o Covid-19 noticiada no Jornal Nacional da Globo não procede. Não tem respaldo legal! Primeiro - porque a Juíza Federal Gabriela Hardt não integra a Força Tarefa; segundo - porque os acordos das empresas envolvidas foram apenas com o Ministério Público; terceiro - porque a Juíza não tem competência para decidir onde a grana roubada da União deva ser aplicada. Portanto, esqueçam a notícia.

AGORA VAI? Cabides onde os protegidos de políticos ocupam cargos de diretoria, ganhando muito e proporcionando facilidades (leia-se negociatas), podem estar perto do fim. O Banco do Brasil, Correios e Eletrobrás à caminho da privatização; viáveis na iniciativa particular. Lembra do discurso do falso nacionalismo na privatização da CSN (Cia Siderúrgica Nacional), da Vale, Telefônicas e Embraer? Foi um ‘xororô’ danado com o fim das ‘boquinhas’. Mas o Governo não aguenta mais injetar milhões nestas empresas, com o dinheiro saindo pelo ralo e com o contribuinte pagando a conta.

DO LEITOR: “A internet sem controle ou restrição na democracia funciona como uma espécie de megafone na mão de cada cidadão para também denunciar atos abusivos dos governantes e de muitos poderosos. Claro, a esses, interessam a censura mascarada restringindo a liberdade de expressão. Nunca é demais dizer que já existe legislação penal para castigar quem atravessa o sinal, com a pornografia, injúria, difamação, calunia, apologia ao crime e afins”. Não há puritanismo nessa pretensão do STF.

SEM MÁSCARA! Os reais objetivos do movimento ‘Vidas Negras Importam’ (Black Lives Matter), segundo os jornalistas Andrew Olivastro e Mike Gonzales do ‘Daily Signal’ são diferentes do que parecem. Não é esse apelo de garantir o direito a vida e a busca da felicidade para todos os americanos. Na verdade, por trás daqueles cartazes e das manifestações de ruas que temos visto, existem os interesses de organizações raciais radicais comandadas por marxistas que pretendem remodelar os Estados Unidos. Assim a esquerda usa a raça negra contra a agenda americana. E aí, Donald Trump reagiu!

MUITO BOM! Quem conhece a região sabe de seu potencial e que asfaltamento da rodovia MS 306 - Paraíso das Águas a Costa Rica (60 kms) - terá impacto positivo no agronegócio presente pela soja, milho, algodão, girassol, sorgo, cana de açúcar, laticínio e pecuária seletiva. O Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) resgata compromisso ao prefeito de Paraíso, Ivan da Cruz Pereira (DEM) ao assinar contrato para execução de projeto da obra que foi publicado no Diário Oficial na edição do último dia 7.

LULA & BRIZOLA: Após o 1º turno das eleições presidenciais em 1989, Lula esteve no apartamento de Brizola em Copacabana para pedir-lhe apoio no 2º turno contra Collor. Brizola propôs que Lula renunciasse à candidatura e que ambos lançassem Mário Covas para enfrentar Collor de Mello. O candidato petista disse não a proposta e foi derrotado nas urnas. Para os observadores, Covas pelo seu estilo, agregaria parte dos eleitores que não votariam em Lula de jeito nenhum. Mas agora é tarde. Passou.

EXPECTATIVA: Como se comportará o consumidor após a pandemia? Continuará comprando com faz hoje? Selecionará certos tipos de comércio? Continuará comprando para receber os produtos em casa? Voltará às grandes redes de supermercados? Dará preferência ao comércio próximo de sua casa? As famílias vão admitir que precisam programar reserva financeira para atravessar período difícil como esse? O comercio precisa trabalhar com essas questões e para tal precisa pesquisar junto ao consumidor.


FIQUE EM CASA. DEPOIS CHORAR NÃO RESOLVE!

Comentário

‘HOME OFFICE’: Igual ao protagonista do filme ‘Feitiço do Tempo’(entediado pela mesmice dos dias olhando uma dócil marmota para prever o final do inverno) estou em casa explorando o quintal, revendo conceitos, olhando pra dentro e fazendo a leitura do cenário político. Experiência que espero ser única! Sinto-me ‘passarinho com vontade de voar’, sem os abraços amigos, a cerveja no boteco, os risos, a conversa informal, confidencial, distante dos nichos políticos. Contra a tese de ‘cancelar 2020’, vou elegê-lo ‘Ano do Aprendizado’, mas infelizmente com as ‘aulas’ ainda sem data para findar.

DA TOGA: O confronto do Supremo Tribunal Federal (STF) com o Planalto é notório. Temos visto o impensável em matéria de decisões e posturas de ministros. Esse caso do jornalista Osvaldo Eustáquio (preso em Campo Grande) é apenas mais um absurdo que nos reporta ao estilo ’Ditadura’. A OAB-MS já questionou a situação do blogueiro. Tudo errado! Quem julga não pode investigar e quem investiga no caso do ‘fake news’ e que irá julgar é o STF (juiz de si mesmo). Mas, para a grande imprensa (inimiga de Bolsonaro), esse fato grave é irrelevante. Pode isso, Arnaldo?, indagaria Galvão Bueno.

‘SUPER MORAES’: Dos 81 senadores na época da escolha do ministro Alexandre Moraes, 44 respondiam acusações criminais no STF ou estavam na lista de delações ou planilhas da Odebrecht. O senador Lobão (MDB) presidente da Comissão respondia a 3 inquéritos na Lava Jato e outros 9 senadores respondiam processos do Petrolão. No currículo apresentado por Moraes as suspeitas de plágio acadêmico e o Pós doutorado fajuto. São suspeitas as ligações partidárias (MDB) de Moraes no exercício de cargos e muito próximo ao ex-presidente Temer (MDB) - alvo de investigações e inquéritos. Comparando: se o ex-ministro Decotelli da Educação pagou caro, Moraes saiu-se bem!

‘OS PALADINOS’: Nossa justiça é parte de notório sistema de interesses. Políticos, empresários e influentes são beneficiados por brechas de leis absurdas ou entendimentos dúbios. Só para provar a incoerência: há poucos dias a ministra Rosa Weiber (STF) negou a liberdade a um rapaz que furtou 2 shampoos de R$ 10,00 cada. O ministro Felix Fischer (STJ) argumentou que o acusado representava ‘grave risco a ordem pública’. Na outra ponta da justiça (aqui no MS) ‘ilustres’ acusados na famosa Lama Asfáltica estão em liberdade. Conclusão: o rapaz que furtou os dois shampoos é muito mais nocivo.

‘HILÁRIO’: Desafio o leitor a um teste de memória: das dezenas de empresários, políticos e ‘lambaris’ presos e acusados ao longo da ‘Lava Jato’, quantos deles ainda estão cumprindo penas em prisões? Poucos deles ainda curtem o sol nascendo quadrado. Impressionante: ao longo dos processos os julgadores se mostraram sensíveis/generosos aos mais diferentes argumentos. Um deles, os réus tinham responsabilidade social como geradores de empregos. Agora, a Covid-19 caiu do céu para alguns deles que já estão em casa felizes, entre eles o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB). Que justiça é essa?

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Criticou a ação da Guarda Municipal no culto da IURD; autor do projeto de lei da Semana da Gripe H1N. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Liderando ações em pról dos profissionais artísticos sem poderem atuar; atento na fiscalização da qualidade da água servida à população. Deputado Evander Vendramini (PP): Seu projeto revogou duas leis superadas sobre telefonia; coautor de projeto exigindo o aviso nos cartórios da gratuidade do reconhecimento da paternidade.

MUDANÇAS: Especula-se os desdobramentos devido a desistência de Marçal Filho (PSDB) em disputar a prefeitura de Dourados. O cenário, alterado com o recuo do deputado Geraldo Resende (PSDB), sofre outra defecção, ainda não definitiva por conta do esperado realinhamento de forças políticas e as ações do deputado José Carlos Barbosa (DEM) para reforçar sua candidatura a prefeito. Há de se considerar ainda a postura da prefeita Délia Razuk (PTB) e a articulação do deputado Renato Câmara (MDB) para vitaminar sua postulação também ao Executivo. As cartas sendo postas na mesa.

RETROVISOR: Na cassação do ex-prefeito Ari Artuzi questionei: a prefeitura douradense seria o cemitério dos prefeitos? Basta o leitor clicar na memória desde a derrota de José Elias ao Governo (1982) passando por uma série de personagens de partidos diversos, fatos graves, condenações, cassações de mandatos e várias prisões. Ainda recentemente o ex-prefeito Braz Mello (PSC) perdeu o mandato de vereador por decisão judicial. Em 2018 o ex-prefeito Laerte Tetila (PT) acabou condenado pelo STJ e paga pesadas multas por irregularidades em sua gestão. Seria praga?

FUTEBOL & POLÍTICA: Athiê Jorge Cury - de ex-goleiro a presidência do Santos, (1945/1971) (‘era Pelé’), vereador em Santos(1948), deputado estadual (1950 a 1958), deputado federal até 1982. Outro que se deu bem foi João Mendonça Falcão, presidente da Federação Paulista de Futebol (1955/1970). Deputado estadual em 1958, reeleito duas vezes; cassado pelo AI-5 em 1968; Secretário de Esportes da capital paulista no Governo Jânio Quadros (1987). Recentemente tivemos André Sanches (Dep. Federal), Zezé Perrela (senador - MG) e Alexandre Kalil (prefeito de B. Horizonte).

O CASAMENTO das chuteiras com as urnas tem ocorrido com frequência, aqui e lá fora. Alguns exemplos: Lato, ex-ponta da Polônia na Copa de 1974 foi senador; Blanco, da Seleção Mexicana, é governador do Estado de Morelos. Bebeto se reelegeu pela 3ª. vez deputado estadual no Rio; Danrlei reeleito deputado federal no RS; Bobô reeleito deputado estadual na Bahia e João Leite reeleito deputado estadual em MG. Piazza foi vereador em B. Horizonte de 1972/88. Flanou no prestigio da Copa do Tri no México.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Lídio Lopes (Patriota): Presidiu a distribuição de 16 matérias na Comissão C. J e Redação; ativo nas sessões e atento ao Covid-19 no Cone Sul. Deputado Neno Razuk (PTB): Sua emenda de R$ 230 mil permitiu aquisição de UTI Móvel para atender Dourados e região contra o Covid-19. Deputado Capitão Contar (PSL): Pediu a reativação das linhas de ônibus ‘bairros-shopping’; propõe implantação de programa de ajuda às empresas e manutenção de empregos. Deputado José Carlos Barbosa (DEM): Comemora a licitação para construção do prédio do DOF e asfaltamento da rodovia Terenos-Ponte do Grego; pede cinema exclusivo para autistas.

MUDANÇAS: Se as empresas (alegando temer boicotes racistas) retirarem seus anúncios do facebook ele ficará inviabilizado. São elas que dão lucro. Tudo porque esse espaço digital democrático vem sendo alvo de campanhas de boicote ancoradas na onda antirracista que atinge o planeta. Até aqui o facebook funcionou bem; livre, sem regras e filtro de regulamentação. Uma ‘festa boca livre’ onde os usuários se servem à vontade e de graça A tendência é que haja uma completa reformulação no uso com regras que não devem agradar. Acabou-se o que era doce? Não sei! Acho melhor esperar pra ver.

‘DOCE PODER’: Dos nossos 79 prefeitos, 65 deles estariam em condições legais de tentar a reeleição. Mas só o aspecto jurídico não basta. Pesa o fator decisivo; a avaliação da administração. Existem dois tipos de prefeitos: os sonhadores e os ajuizados. Os primeiros levitam entre a incompetência e a maionese da vaidade; os demais são pés no chão – com a leitura certa do cargo e das consequências. O fator pandemia surgiu pelas portas dos fundos das cidades e os prefeitos sentem o peso de lidar com esse desafio.

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): É seu PL dando a gestante surda o direito a interprete durante todo o procedimento; de sua autoria projeto que prevê cardápio em braile nos bares e similares. Deputado Marçal Filho (PSDB): Coautor do projeto obrigando os cartórios exibirem aviso de gratuidade da averbação do reconhecimento de paternidade; pede a Secretária de Educação manter estoque de material impresso usado pelos alunos. Deputado José Teixeira (DEM): sugeriu a realização de exames do Covid-19 nos funcionários, independentemente de cargo e função. Deputado Gerson Claro (PP): Ativo nas sessões e na Comissão Constituição. J. e Redação; incluiu a Festa de N.S. da Abadia em Sidrolândia no calendário de eventos do Estado.

‘FAKE NEWS’: Após aprovado por 44 senadores o projeto do Fake News que visa combater a desinformação precisa ser aprovado na Câmara, o que não será fácil. O temor é que o rastreamento de mensagens traga prejuízos aos movimentos sociais e principalmente aos jornalistas, configurando uma espécie de censura. O Governo já antecipa; é contra - inclusive deixando no ar que se aprovado poderá vetá-lo. Mas para os especialistas, a proposta promove uma inversão do princípio de inocência e enxerga todos os usuários como potenciais suspeitos. Daí, ele poderá sofrer reparos.

‘PÓS PANDEMIA’: ...( )...Passada ou diminuída a pandemia, será necessário voltar aos poucos para iniciarmos a recuperação. Assim como ajudamos na saúde, teremos que fazer o mesmo pelas pessoas e negócios... Gostaria muito de acreditar que tudo fechado não traria consequências drásticas. Mas isto não é verdade. Para aqueles que precisam do fluxo de pessoas, estamos vivendo o caos... Precisamos pensar em voltar. Com segurança, mas, voltar. Caso contrário, não encontraremos mais nada pelo caminho”. (Michel Gralha)

Bolsonaro solta o vento que Dilma estocou e provoca destruição no Sul do país (no facebook)

Comentário

TREVAS? A morte de George Floyd motivou os protestos. Mas após a derrubada de estátuas - há no ar um apelo para a reação ir além. Prega-se a destruição da arte sacra e seus símbolos por serem racistas e discriminatórios contra os negros. No rol dos alvos a figura de Jesus e inclusive de obras arquitetônicas do cristianismo. Visível na escalada revanchista, mistura de ódio, ressentimento, complexo e inveja sob a desculpa de que é preciso fazer correções na história da humanidade e de seus valores. É o oportunismo cheirando vingança num mundo complexo, com mais perguntas e menos respostas.

A PROPÓSITO: Toda a obra de Jorge Amado é baseada em senhores de engenho e de muitas servindo-os, mucamas servindo suas senhoras, cuidando de seus filhos, amas de leite! Capitães de Areia, Os Pastores da Noite, Jubiabá, Dona Flor e seus Dois Maridos! Livros transformados em filmes, considerados livros sexistas de subjugação da mulher negra ao homem branco e posteriormente a um movimento de ‘cruza’ caracterizado como branqueamento! Indago: o que fazer com as obras de Jorge Amaro? Vamos nos espelhar nos americanos em sua reação ao racismo do filme ‘E o vento levou’?

CONCORDA? “...(-)... No campo do imaginário, o novo normal não será como antes. A gradual mudança de mentalidade coletiva, a meu ver, será o principal ganho no pós pandemia. O mundo seguirá ambíguo e contraditório, não eliminará de imediato as contradições sociais. Uma nova sociedade não surgirá num passe de mágica. Entretanto, respostas às crises são sempre criativas e inovadoras. O ano de 2020 não será um ano perdido. Talvez seja o prenúncio da virada. Haverá, como sempre, quem puxe para trás. Com certeza, porém, aumentarão os que sonham.” (Luiz Gonzaga Mota)

‘ESPERTOS’: Inconcebível conotação mais branda, incompatível com a gravidade do recebimento indevido do auxílio emergencial . Para minimizar o ato, ouvi a justificativa: “São um bando de espertos”. Então fui conferir os sinônimos de ‘esperto’ no dicionário e encontrei: Burlão, caloteiro, intrujão, escroque, pilantra, desonesto, solerte, patife, trapaceador, cambalacheiro, safado, ludibriador. Agora com máscara também para esconder o sorriso amarelo - muita gente ‘esperta’ terá devolver a grana que não tem direito - e o pior; que está fazendo muita falta às pessoas realmente necessitadas.

PLIM...PLIM... A vida para Bolsonaro não tem sido fácil. Os pontos negativos são superdimensionados pela grande mídia e os aspectos positivos ignorados. Claro que ele próprio e os filhos colaboram para tanto. Mas apesar dos escândalos e das bobagens, o presidente consegue – em todas as pesquisas - manter estável seu pelotão de eleitores fieis. Enquanto isso, as outras forças políticas seguem dispersas. Não há uma liderança no Congresso ou fora dele que encante o eleitor. Com crise, STF, pandemia, centrão e eleições; é esse o quadro! Mas o excesso de críticas poderá até vitimizar Bolsonaro.

PROCURA-SE: Onde estão as lideranças políticas do país? Antigas, desgastadas e não há novos nomes com brilho. E dentre os governadores nenhum destaque especial. João Dória (PSDB) ensaia o projeto sob a antipatia do eleitorado paulista devido ao currículo de oportunista. Com a esquerda dividida e enfraquecida essas eleições municipais funcionariam como uma espécie de ponte para o pleito de 2022, com os partidos do centrão preparando agora o terreno nas bases municipais. Basicamente é assim mesmo.

‘CENTRÃO’: Ele voltou! A frase lembra aquelas propagandas anunciando o retorno de um produto que realmente resolve todos os problemas com menor custo benefício. Essa votação para tentar adiar as eleições será um bom teste para comprovar se se a Câmara continua ou não como sempre foi. Alí não há espaço para ingênuos que acreditam em Papai Noel. É o velho jogo bruto para atender suas bases eleitorais que garantem aos deputados sua sobrevivência política. Seduzir 308 deles dentre 513 a trocar o certo pelo duvidoso não será tarefa fácil. Conclusão: sorte de quem irá tentar a reeleição.

CORRUPÇÃO: Em plena pandemia que assola o planeta não conseguimos nos livrar dela. As denúncias assustam: fraude na contratação de serviços não prestados, aquisição irregular de medicamentos e equipamentos para hospitais com faturamento muito acima do preço de mercado. Sem contar o recebimento ilegal do auxílio emergencial. Todo esse conjunto de praticas aéticas mostra que a pandemia tem sido uma oportunidade de ouro para’ bons negócios’. Conclusão: a vida está custando muito pouco.

VOTOS X VIDAS; Em cada cidade o mesmo drama para a administração: equalizar os interesses eleitorais/sociais com a responsabilidade de gerir a saúde da comunidade. Contemporizar todas as questões de personagens diferentes exige muita habilidade; primeiro para preservar vidas e segundo - dosar as atividades econômicas de modo a garantir o bem estar de todos. Mas há implicações eleitorais, dependendo da avaliação da opinião pública. Então alguns prefeitos sairão maiores, outros menores.

BATINA & VOTO: A Igreja Católica não tinha concorrência e reinava absoluto no 1º Reinado desde a 1ª. legislatura iniciada em 1826. Dos 102 deputados federais 23 deles eram clérigos. Na 2ª. legislatura chegou a 22%; na 3ª. legislatura atingiu 24% das cadeiras. Durante o período imperial foram 223 religiosos na Câmara e 13 no Senado. Com as novas seitas o número de representantes católicos caiu nas últimas legislaturas.

PADRE GODINHO: Famoso em São Paulo, foi deputado estadual e deputado federal por dois mandatos (1963/67 e 1967 a 1971). Bom orador, vice líder da União Democratica Nacional . Quando da morte do presidente Jonh Kennedy ele foi escolhido para proferir o pronunciamento e a a repercussão foi tal que o discurso acabou gravado em disco de vinil muito divulgado. O fato teria sido um dos motivos da cassação de seu mandato em 1969 - com os militares fazendo inclusive a apreensão do famoso disco.

DESTAQUES: Na pesquisa prefeitural da capital, divulgada na última edição, embora 43,68% não respondessem e não tivessem escolhido o candidato, o prefeito Marcos Trad (PSD) já teria 48,00% . Faltaria então pouco para vencer no 1º turno. Já o deputado Dagoberto Nogueira (PDT) em 6º lugar com apenas 2%, é o mais rejeitado com 14,08%. Enquanto isso, o ex-vereador Marcelo Bluma (PV) é o último colocado na aceitação com 0,17% - mas é o vice campeão em matéria de rejeição com 6,33%.

‘OS DONATÁRIOS’: Carlos Lupi manda no PDT desde 2004; o DEM é quintal do espólio de Antônio C. Magalhães; Ciro Nogueira impera no PP desde 2013. PMDB, PSDB, PT e outras agremiações fazem um rodízio no comando mas sem sair do grupo. Sabe como é! Seguro morreu de velho. Aqui também é visível a falsa democracia em vários partidos. Não há espaço para os novos com potencial. Assim ficam sempre nas mesmas mãos - que inclusive usufruem das generosas verbas partidárias. Entendi.

‘SOLUÇÃO?’ No país - a cada uma hora cinco pessoas morrem em acidentes de transito. A violência foi banalizada, tornou-se ‘normal’. Enquanto aqui vão afrouxar as normas, nos países asiáticos e europeus elas são cada vez mais rígidas. O afrouxamento das regras contido no projeto que o Senado irá apreciar representa ameaça de morte para todos nós. Os abusos regados à álcool devem aumentar . Depois, não adianta chorar!

‘SOBRA DE VAGAS’: Completo aqui a abordagem na última edição sobre as vagas de vereador. Explico: mesmo sem atingir o quociente eleitoral o partido pode eleger. Na sobra de vagas, faz-se novo cálculo dividindo o total de votos validos do partido pelo número de vagas que obteve no cálculo anterior, mais 1. O partido que obtiver a maior média recebe a primeira vaga , desde que o candidato atinja os 10% do quociente. Se não houver partidos que não atendam as exigências, as vagas serão distribuídas às legendas com melhores médias pela ordem de votação dos candidatos.

DOURADOS: Pelo menos através do noticiário envolvendo suas articulações, o deputado José Carlos Barbosa (DEM) , em desvantagem nas pesquisas até aqui, tem se mostrado aguerrido como pré-candidato à prefeito. Impressiona sua disposição. Na outra ponta o líder, deputado Marçal Filho (PSDB) – ao seu estilo conhecido - também como pré-postulante. A desistência do deputado Geraldo Resende (PSDB) deixa um vácuo sem um beneficiado exclusivo. O embate promete; muitos interesses em jogo.

PONTO FINAL: “...(-)...Não nos iludamos. O vírus não veio para dar lição de moral à humanidade nem para ajudar a natureza a se livrar de seus maiores predadores. Veio para cumprir o seu ciclo químico de infectar organismos vivos na tentativa de se replicar, ainda que para isso possa causar a morte dos seus hospedeiros. Portanto, todas as previsões de como sairemos desse episódio surreal da caminhada humana são apenas conjecturas motivadas por nossos desejos e medos e pela nossa irremediável pretensão de querer adivinhar o futuro.” ( Nilson Silva)

OS GAFANHOTOS DA ARGENTINA CHEGARÃO AO CONGRESSO? (Na Internet)

Comentário

NA INTERNET: Na semana de serviço comunitário o barbeiro nada cobrou do florista pelo corte. No dia seguinte ganhou um buquê de rosas e um bilhete de agradecimento. Depois o barbeiro atendeu ao padeiro e nada cobrou. No outro dia cedo ganhou uma linda cesta de pães/doces com bilhete agradecendo. Mais tarde, a vez de um vereador que cortou o cabelo e saiu feliz pela gratuidade. Mas na manhã seguinte ao chegar no salão uma surpresa para o nosso barbeiro: havia uma fila de vereadores para cortar o cabelo. (Ficção. Qualquer semelhança com personagens reais é mera coincidência).

ELEIÇÕES: Vale a votação de cada partido. Os partidos disputarão individualmente as vagas, ao contrário de antes com as coligações. É o fim da carona dos partidos e dos candidatos nanicos que terão menos chances de serem eleitos. Um candidato a vereador pode estourar na votação e não ser eleito se o total de votos do partido não superar o quociente eleitoral – que é a soma dos votos válidos dividida pelo número de vagas. Um exemplo: um candidato a vereador tem 10 mil votos e os demais candidatos da sigla tem o total de 5 mil votos. Sendo o quociente de 16 mil votos, ninguém será eleito.

DETALHES: Antes os partidos grandes usavam candidatos ‘fraquinhos’ sem chances e que funcionavam como ‘formiguinhas’ para eleger os candidatos favoritos. Ocorre que esses candidatos cansados de ser usados estão hoje em partido próprio com chances inclusive de serem eleitos. Pode ocorrer que partidos ‘fortes’ não tenham sucesso e os ‘nanicos’ elejam candidatos. Ainda: a nova regra resultará em muitos candidatos a prefeito e as câmaras municipais terão representantes de mais partidos do que hoje.

A MISSÃO: Ungido pelos cardeais petistas o deputado Pedro Kemp (PT) carimbou o passaporte para disputar a prefeitura da capital. Tentará compensar o vexame de Alex em 2016 que obteve só 8.482 votos (1,99%) dos votos para prefeito; menos que os 8.772 votos do candidato a vereador André Salineiro (PSDB) no pleito. Lembrando: em 2004 o candidato a prefeito Vander Loubet (PT) chegou aos 23% dos votos; em 2008 Pedro Teruel (PT) bateu nos 23,23%; E em 2012 Vander ficou com 4,87% dos votos.

A QUESTÃO: Haveria clima para campanha com tanta gente ainda morrendo pelo país afora? Os prefeitos que vão para a reeleição, na sua maioria, seriam contra o adiamento para não dar tempo maior a campanha dos adversários. Mas a prorrogação envolve os interesses dos congressistas que olham primeiro as suas bases eleitorais. Detalhe: para passar na Câmara serão precisos 308 votos em 2 turnos. Portanto, esse ‘pré-acordo’ de prorrogação pode ou não vingar.

EXPLICADO: Publicadas na mídia declarações ‘indignadas’ de políticos devido os foguetes disparados contra o STF. Duas delas chamaram a atenção; dos ex-presidentes José Sarney (PMDB) e Collor de Mello. Pensando bem, ambos têm razões de sobra para se solidarizarem com a corte onde vários processos seus acabaram prescritos e em outros absolvidos. Mas convenhamos, a imagem que a população tem do STF e seus ministros é ruim: vivem em ‘outra galáxia’. O estigma da corte tem sido crescente.

‘MARAVILHA’: Os custos da estrutura do poder, as benesses, as mordomias dos ministros, a falta de sensibilidade, o excesso de exposição na mídia, a politização em decisões, atraíram a ira da população. O povo pode não entender de leis, mas faz a sua leitura da situação nas pesquisas; 39% dos consultados classificam o STF como ruim e péssimo. Os ministros agradam certos setores da plateia e mídia. Mas quem acusa pode julgar? “A pior ditadura é a ditadura do poder judiciário. Contra ela, não há a quem recorrer.” (Rui Barbosa)

‘UMA MÃE’: É a imagem do STF junto aos políticos. Denúncias por desvios de verbas públicas e falsidade contra o sistema financeiro geralmente não dão em nada. A lentidão dos processos ajuda os réus com foro privilegiado na prescrição das penas. E a favor deles mais uma mãozinha amiga: com 70 anos réus são beneficiados pelo Código Penal. Casos dos senadores José Serra (PSDB), Collor de Melo (PTC), Jader Barbalho (MDB), ex-ministro Eliseu Padilha (PMDB e a ex-senadora Marta Suplicy (PT). Está explicado porque no país não há político contra o ‘foro privilegiado’.

JEITINHO: A pena acessória segue a pena principal. Uma é consequência da outra. A inabilitação prevê a inegibilidade. Se há condenação do titular de cargo, deve haver também a perda dos direitos políticos. Mas no caso da ex-presidente Dilma (PT), o presidente da sessão do STF, ministro R. Lewandowski (indicado pelo ex-presidente Lula) optou por duas votações no Senado; a primeira pela perda do cargo e a outra referente à perda dos direitos políticos. E Dilma manteve seus direitos políticos. Mas o ex-presidente Collor perdeu o mandato e teve também os seus direitos políticos cassados.

TENTAÇÃO: Alguns prefeitos querendo eleger o sucessor ou se reelegerem, cometem excessos que dão ‘dor de cabeça’. Mas, antes era pior; os abusos eram comuns na falta de leis específicas. Prefeitos contraiam dívidas absurdas e o sucessor tinha que saldá-las inviabilizando a sua administração. A propósito estou lendo a cartilha do nosso Tribunal de Contas com recomendações didáticas aos prefeitos para que neste ano eleitoral não metam os pés pelas mãos. Com tantas informações e das condenações de ‘desavisados’, só não caminha certo quem não quer.

PESQUISA para prefeito de Campo Grande entre 10/14 de junho (1.200 entrevistados) pela Ranking Comunicação e Pesquisa, registro MS 00405/2020.Na estimulada: Marcos Trad 48,00% - Marcio Fernandes 4,25% - Sergio Harfouche 4,00% – Pedro Kemp 3,08% - Dagoberto Nogueira 2,00% - Cris Duarte 1,25% - Esacheu Cipriano 1,00% - Guto Scarpant 0,92% - Vinicius Siqueira 0,83% - Wilton Acosta 0,75% - Sergio Murilo 0,67% - Paulo Matos 0,33% - Mario Fonseca 0,25% - Marcelo Bluma 0,17%. Não sabem/não responderam 30%.

REJEIÇÃO ESTIMULADA: Dagoberto Nogueira 14,08% - Marcelo Bluma 6,33% - Pedro Kemp 6,25% - Marcelo Miglioli 5,58% - Marcos Trad 5,00% - Esacheu Cipriano 4,83% - Vinicius Siqueira 4,00% - Paulo Matos 3,50% - Mario Fonseca 2,00% - Marcio Fernandes 1,50% - Sergio Harfouche 1,25% - Cris Duarte 0,75% - Guto Scarpant 0,50% - Sergio Murilo 0,42% - Wilton Acosta 0,33%. Não sabem/não responderam 43,68%.

AVALIAÇÕES ADMINISTRATIVAS: Do prefeito Marcos Trad - bom/ótimo 55,25% - regular 26,50% - ruim/péssimo 13,08% - não sabe/não respondeu 3,34%. Governador Reinaldo Azambuja: bom/ótimo 29,50% - regular 36,42% - ruim/ péssimo 27,83% - não sabe/não respondeu 6,25%. Presidente Bolsonaro: Bom/ótimo 30,33% - regular 27,08% - ruim/péssimo 39,25% - não sabe/não respondeu 3,34%. Da Câmara Municipal de Campo Grande: Bom/ótimo 25,33% - regular 34,67% - ruim/péssimo 22,75% - não sabe/não respondeu 17,25%.

PESQUISA & COVID-19: Na capital 77,25% usam máscara; 15,58% não usam. Sobre a reabertura das escolas 75,08% a favor e 20,50% contra. Auxílio emergência: 47% pediram e deles 76,00% receberam. Cerca de 52,83% não solicitaram o auxílio. Medo: 41,00% admitem muito temor; 15,33% apenas pouco medo. Cerca de 62,42% admitem que o número de contaminados seja maior que o divulgado; 17,75% que é menor. Isolamento: só 5,34% isolados em casa; 28,83% saindo só o inevitável; 52,00% tomando remédio e trabalhando e 13,00% seguindo a rotina antes da pandemia.

‘VIDA REPAGINADA’: “A vida seguia seu curso como um rio que teria destino certo, o mar. Porém, algo acontece, o curso é mudado, pedras surgem pelo caminho e aquilo que estava certo – o deságue do rio no mar -, de repente, não é mais tão certo assim. De fato, a pandemia desconfigurou os sonhos de muitas pessoas, se não de todas...(-) Presenciar a vida neste momento é torna-la presente, sem tentar fugir para o passado, que não existe, ou para o futuro que se mostra incerto...” (Adriano Gonçalves, missionário - formado em filosofia e psicologia)

‘LIDERANÇAS: Nabi Abi Chedid reinou por décadas em Bragança Paulista. Em 1958 se elegeu vereador e deputado estadual em 1962 na primeira das 10 eleições vitoriosas. Ligado ao futebol levou o Bragantino ao título de campeão paulista de futebol em 1990 e de vice campeão brasileiro em 1991. Hoje o estádio da cidade leva seu nome. Foi presidente da Federação Paulista de Futebol e da CBF. Foi filiado ao PRP, Arena, PDS, PFL, PSD, PTB; foi presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo; faleceu em 2006 de câncer pulmonar. Jesus Chedid, imão de Nabi é o atual prefeito de Bragança e o sobrinho Edmir Chedid cumpre o 6º mandato de deputado estadual em São Paulo.

MARACAJU: O prefeito Maurilio Azambuja recebeu 56,25% de bom/ótimo para sua administração, 27,50% de regular e 13,00% de ruim (3,25% não sabe/não respondeu) na amostra da Ranking Comunicação e Pesquisas ouvindo 400 pessoas entre 12 e 14 de junho; registro MS 02897/2020. Para prefeito (estimulada): Lenilson 24,25% - Giovana Corrêa 18,00% - Marcos Calderan 14,50% - Jeamilton 12,75% - não sabe/respondeu 30,25%). Avaliação do governador Reinaldo Azambuja (PSDB): 32,25% boa/ótima – regular 35,75% - ruim 28,00% - não sabe/não respondeu 4,00%. Presidente Bolsonaro: ótima e boa 44,00% - regular 26,75% - ruim/péssimo 26,00% - não sabe/não respondeu 3,25%.

A pior ditadura é a ditadura do poder judiciário. Contra ela, não há a quem recorrer” (Rui Barbosa)

.

Comentário

FUNDÃO ELEITORAL: É preciso (mas é difícil) exorcizá-lo. É muito dinheiro à serviço da política e políticos em plena crise, de retorno discutível? A análise deve ser sem paixões, mesmo que parte da grana saia pelo ‘ralo’. Mas há quem defenda o uso dessa fortuna no combate ao coronavírus. Mas, a justificativa é acabar com as doações de empresas (desmascaradas na ‘Lava Jato’) aos candidatos/partidos, dando condições igualitárias aos concorrentes (de todas as classes) que assim poderão ser avaliados pela sociedade brasileira. Com isso (quem sabe!) teremos um Congresso mais oxigenado.

A DISTRIBUIÇÃO dos R$ 2 bilhões é ligada a vários fatores, onde o desempenho nas urnas e a representação congressual dos partidos contam muito. O PT levará mais de R$ 200 milhões, seguido do PSL, mais de R$ 193 milhões; PSD - mais de R$ 157 milhões; MDB mais de R$ 154 milhões; PP mais de R$ 140 milhões; PSDB mais de R$ 26 milhões; PL – mais de R$ 123 milhões e DEM mais de R$ 114 milhões. O partido que receberá menos é o ‘UP’ – Unidade Popular, sigla nascida em 2019 e seu presidente é um morador de ocupação em Belo Horizonte: R$ 1.233.305,95. O Partido Novo que teria direito a R$ 36.593.934,06 abriu mão deste benefício. Aleluia!

A ESPERA: As lideranças partidárias estaduais sabem: a cota do ‘Fundão’ de cada sigla é proporcional a importância (pequena) do Estado no contexto político nacional. Cada partido vai priorizar os maiores colégios eleitorais e onde seus candidatos tenham potencial eleitoral. No fundo, repete-se aqui a prática adotada pelos diretórios nacionais.

REFERÊNCIAS: Sem estardalhaço, zeloso e pragmático. Esse tripé tem garantido ao Governo de nosso Estado uma posição de destaque no ranking nacional quando se trata do desempenho eficiente no combate ao Covid-19. O mesmo se pode dizer da administração de Campo Grande, rigorosa e sensível neste enfrentamento. É preciso, sim, que a população tenha mais juízo e faça sua parte. Depois, não adianta chorar!

DE VOLTA? Deputado estadual por 8 mandatos consecutivos, Maurício Picarelli comanda como pastor ao lado a mulher, a ex-vereadora Magali, programa religioso em rede social. Usa o mesmo bordão que o acompanha há tempos: “A verdade. Nada mais que a verdade!”. Por ter cargo na Assembleia Legislativa, a tendência é que sua mulher ou o filho Maurício Picarelli Junior seja candidato à vereança de Campo Grande.

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Preside a Comissão de Saúde, em sintonia com a Sec. de Saúde no combate ao Covid-19 . Deputado Lucas de Lima (Solidariedade) : Pediu maior policiamento ‘Aero Racho, Parati e Pioneira e um posto policial na região; insiste na distribuição de máscaras aos usuários de ônibus. Deputado Evander Vendramini (PP): Aguarda justificativas pelo fim das atividades do SESC em Corumbá e acompanha as ações anti Covid-19 na região do Pantanal.

MEMÓRIA: Winston Churchill ganhou notoriedade pela sua liderança política e preparo intelectual que lhe valeu o Nobel de Literatura de 1953 com “Memórias da Segunda Guerra”. Mas, o ex-Primeiro Ministro também era excelente orador e de raciocínio rápido. Discursando em plenário, ele concedeu aparte a Nancy Astor que esbravejou: “Winston, se você fosse meu marido, eu poria veneno no seu café”. De charuto entre os dedos, ele retrucou: “Senhora, se eu fosse seu marido, tomaria o café”.

FRASES de Churchill: “Não existe opinião pública. Existe opinião publicada. Você tem inimigo? Bom! Significa que você lutou por algo, alguma vez na vida. Uma mentira dá meia volta ao mundo antes que a verdade tenha tempo de vestir a calça. É preciso coragem para se levantar e falar; mas também é preciso coragem para sentar e escutar. Meus gostos são simples; me satisfaço com as melhores coisas. Entre a desonra e a guerra, eles escolheram a desonra e terão a guerra” (do discurso contra a Alemanha)

6 DE JUNHO: Decorridos 76 anos, vale lembrar para efeitos históricos que neste dia em 1944 houve a mais emblemática batalha (‘Dia D’) da Segunda Guerra no litoral da região da Normandia francesa. Anote os números espetaculares envolvidos nesta ação militar: 3 milhões de soldados aliados, 5.339 embarcações, 11 mil aviões e 15 mil tanques e veículos blindados. Morreram 80.295 soldados alemães, 34.417 soldados aliados e 12.850 civis franceses. Mas a guerra só terminaria em 8 de maio de 1945.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Lídio Lopes (Patriota): Aprovado seu projeto que garante criação de leis para tratar a depressão pós parto; presente nas sessões on line.. Deputado Neno Razuk (PTB): Atento questinou o critério de atendimento do SAMU em Dourados aos indígenas infectados com o Covid-19 .Deputado Capitão Contar (PSL): Relator da CPI-Energisa, recebe apoio de dirigentes de entidades em seu trabalho; atento às ações oficiais no combate ao Covid-19. Deputado José C. Barbosa (DEM): De olho no crescimento dos índices, pede reforço nas ações de atendimento dos indígenas de Dourados com Coronavírus.

OUTROS TEMPOS: O transporte de passageiros no Estado e em nível interestadual é preocupante. Mas mesmo antes da pandemia a situação já era ruim. A concorrência das ‘vans’, ligando a capital ao interior, emplacou pelos preços e conforto. A situação piorou e até as empresas que ligam Campo Grande a outras capitais vivem esse drama. A tendência é que as pessoas viajem menos, atingindo também em cheio o transporte aéreo. Se a ordem é para ficar em casa, ela atinge as viagens. E viajar mesmo para que?

SERÁ O BENEDITO? Sinônimo de espanto. Poucos sabem a sua origem. Explico: Em 1930, após chegar ao poder, Getúlio Vargas nomeava os seus interventores nos Estados. Em Minas Gerais os favoritos eram Virgílio Melo Franco, apoiado por Graça Aranha, e Gustavo Capanema apadrinhado por Flores da Cunha. Mas Getúlio optou por Benedito Valadares, político iniciante, mas que o apoiara. Quando saiu a escolha, a mãe de Valadares, após receber a notícia, exclamou perplexa: “Mas será o Benedito?!”

‘SÓ ALEGRIA’: Vereança de Sidrolândia imune à crise. Com repasse mensal de R$ 700 mil teria gasto R$ 350 mil só com diárias. Maceió, Caruarú, Belo Horizonte, Brasilia, P.Porã e Bonito no rol dos destinos preferidos. A situação foi denunciada num out door na entrada da cidade e que foi destruído horas após sua instalação. Os campeões de diárias: Cledinaldo Cotócio R$ 49.334,52; Edno Ribas R$ 38.549,00; Geosafá Pinto R$ 36.405,00 e Wilma Feline R$ 35.110,00. Em ano de eleições essa denúncia do colega Otávio Neto (O Sul Matogrossense) deve pesar. Presume-se!

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): Aprovado seu projeto que desvincula a responsabilidade do proprietário do imóvel das dívidas de água/energia do titular do contrato de locação. Deputado Marçal Filho (PSDB): Com participação nas sessões ‘on line’ e atento a pandemia de Dourados, região e aldeias indígenas. Deputado José Teixeira (DEM): Secretário da casa, focado também nos projetos em andamento de reforma e modernização do prédio. Deputado Gerson Claro (PP): Assíduo nas sessões ‘on line’; em contato com os prefeitos de sua região para aferir o quadro da pandemia e providenciar ações do Governo.

PINDAMONHANGABA: Da cidade natal dos ex-governadores Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), um ‘causo’ folclórico. Um vereador da bancada oposicionista criticou o prefeito por não ter reconstruído parte do muro do cemitério que caiu após fortes chuvas. Mas não contava com a criatividade de um vereador da situação que argumentou: “Consertar o muro do cemitério não deve ser prioridade por dois motivos: quem está fora não quer entrar e quem está dentro não quer sair!”

“Existem homens de bem; homens que se deram bem e homens que são flagrados com bens”

(Laurence Peter – educador e administrador canadense – 1919-1990)

.

Comentário

‘DÓI NA ALMA’: “A proibição de visitar hospitais e asilos desafia os limites do sofrimento. Morrer sozinho é contra a dignidade humana. Quem vai segurar a mão na hora da despedida derradeira? Quem dará o último beijo? Quem vai pronunciar as últimas palavras de conforto? Quem ira cerrar as pálpebras?...(-).. pessoas no leito da morte estão isoladas. Sem família e sem amigos, sem carinho e sem ternura. Elas deixam a vida sem poderem se despedirem...(-)...Essa sensação dolorosa certamente acompanhará muitos pelo resto de suas vidas...” (Astrid Praenge – jornalista alemã)

NOVO TEMPO: Como a recuperação econômica só começará em 2023, devemos repensar a rotina, a profissão, o consumo, a vida bancária, as relações sociais (com menos viagens e festas), mais cuidado com a estética e saúde e adaptar a residência para atividades profissionais inclusive. Quanto às perdas, já são notórias em alguns segmentos como na indústria aeronáutica, automotiva, bens de consumo e do vestuário. Acho que a conscientização só ocorrerá à medida que os casos de morte acontecerem perto de nossas casas ou em nossos círculos de relacionamento.

POLÍTICA & GUARÂNIA: A maioria conhece a música ‘Saudade’. Poucos sabem; seu autor é Mário Palmério, quando era embaixador no Paraguai em 1961. (“Si insistes en saber que es saudade/tendrás que antes de todo conocer/Sentir lo que es querer, lo que es ternura/Tener por bien um puro amovo, vivi...”). Deputado federal (PTB-MG) 4 vezes, fundador da Universidade de Uberaba, músico e escritor, titular da cadeira nº 2 da Academia Brasileira de Letras com o romance ‘Chapadão do Bugre’ que ele escreveu na “Fazenda Cangalha” de sua propriedade em Água Clara. Morreu em 1996.

‘BATATA ASSANDO’: A insônia do deputado federal Vander Loubet (PT) continuará até o próximo dia 9 quando será julgado no STF pela denúncia de suposta pratica de corrupção no caso ‘Petrolão’ graças a delação do doleiro Alberto Youssef. A pena pode superar 22 anos de prisão e mais a multa de R$ 1.900 mil. Preocupa Vander: o relator é o ministro Edson Fachin e o revisor é o ministro Celso de Mello, considerados da linha dura da Corte. Em tempo: o caso foi iniciado nos primórdios da ‘Lava Jato’

VALEU A PENA? Os detentores do poder (Executivo,Legislativo,Judiciário) não podem esquecer que, agindo errado, pagarão de algum modo. Alguns pelo estresse ou no vexame da prisão. Caso emblemático é do ex-Juiz Nicolau (Lalau). Morreu agora, humilhado por ter se apropriado de milhões de reais na construção do prédio do TRT em São Paulo. Velho, desmoralizado, não podia ir à padaria e causava constrangimento ao neto na escola. Lembro também as prisões de políticos daqui justamente para inibir eventuais pretendentes a essa prática. Enfim, nada substitui a consciência tranquila.

NUMA PAREDE do bairro Palermo em Buenos Aires encontra-se a pichação favorita do jornalista Ariel Palácios citada em “Os Argentinos”, livro de sua autoria. Ela diz: “Argentinos: chega de realidades! Agora nós queremos promessas.!”. Além de revelar sentimento do argentino, idêntico ao do brasileiro de hoje – com a perda da autoestima - o desabafo inspira-nos para observações neste início esquisito do período pré-eleitoral. O brasileiro não aceita mais sacrifícios e o adiamento do início de um futuro melhor.

ATÍPICA essa fase, pela crise econômica herdada do PT, devido a pandemia atual e pela própria legislação que inibe gastos e ações duvidosas dos partidos e postulantes a prefeito e vereança. Para piorar, não se sabe a data exata do pleito. Esse clima ‘xoxo’, que não motiva, é comparável ao final de ano sem musicas Natalinas, ao Carnaval sem mascaras/adornos, às Festas Juninas sem fogueira, sanfona e trajes caipiras...

TESES: Os políticos lembram: antes as campanhas municipais começavam cedo, eram caras. Acham que serão beneficiados financeiramente. Menos tempo resultará em menos contato pessoal com o eleitor e menores chances de levar ‘mordidas’. Os candidatos usarão as mídias sociais e outros meios para divulgar imagens e propostas. O temor da pandemia justificaria o distanciamento; pedir votos sem abraçar; mas manifestando muito otimismo. Afinal, o eleitor rejeita candidato pessimista, amargo.

ENIGMA: Os prefeitos chiam: pela Constituição e leis complementares eles ficaram só com os encargos. As tais emendas parlamentares tem destino certo e não ajudam no caixa do dia a dia. Pergunta-se: onde os candidatos oposicionistas buscarão subsídios para o discurso otimista, da reinvenção, para vencer quem está no poder? O eleitor quer otimismo, promessas, mas não é otário. A proposta de reinventar a roda, não cola.

MUITO BOA! A pronúncia do presidente Marechal Eurico Gaspar Dutra (1945/51) era complicada, motivava piadas ao trocar o C pelo X na pronúncia. Até inspirou uma marchinha no carnaval de 1951: “voxê qué xabê / voxê qué xabê / não pixija sabe / pra que voxê qué xabê?” Certa vez, fardado, no interior da Paraíba, ele foi cumprimentado por um matuto: Bom dia, coronel. E Dutra respondeu na lata: não xô coronel. Xô o presidente da República. O caipira retrucou: “Mas não é coronel porque não quer”.

‘CONCENTRAÇÃO’: Pré candidatos aumentam a presença nas redes sociais. Venceu no dia 4 o prazo para desincompatibilização dos Secretários Municipais, Secretários de Estado, Defensor Público, Delegado de Polícia, Diretor de Associações Municipais, Diretor de Autarquias, Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista, Fundações Públicas, Dirigente Sindical, Funcionário do Fisco, Presidente da Comissão de Licitação Municipal, Presidente do Fundo Previdenciário Municipal. Carlos Alberto de Assis, por exemplo, saiu do Governo Estadual para tentar um mandato eletivo. Qual seria?

‘DE OLHO’: Em 2022 deve ser mais acirrada a disputa pela única vaga ao Senado do que para o Governo Estadual. Dependendo das circunstâncias, poderemos ter nomes interessantes disputando como o ex-senador Delcídio do Amaral (PTB); ex-ministro Luiz H. Mandetta (DEM), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), além da própria senadora Simone Tebet (MDB). Aliás, nos bastidores especula-se que ela poderia até optar, (dependendo do cenário) pela candidatura à Câmara Federal.

‘PÉROLAS’: Os políticos ‘se reinventam’ nas propostas inócuas. Em Sertãozinho (SP), como medida de proteção aos gatos, um vereador propôs a proibição de se cantar nas escolas municipais a música “Atirei o pau no gato...toto...” Deputado gaúcho tentou proibir o uso de nomes de humanos em animais domésticos e aves. Outro deputado queria penalizar os homicidas com a doação dos próprios órgãos (rim, córnea, medula) para compensar os males causados a terceiros. Outras propostas absurdas registradas por aí: ‘Dia do Skate’, ‘Dia do flasback’, ‘Dia do Orgulho Étero’, ‘Dia do Saci’...

OBSESSÃO pelo poder é coisa séria. Nas eleições municipais, por vaidade, ‘miopia’, falta de auto crítica e ‘surdez’, ambiciosos metem os pés pelas mãos e se lançam candidatos a prefeito de suas cidades. Alguns sonham em aproveitar a visibilidade para outras pretensões eleitorais em 2022. Um deputado estadual ou federal, por exemplo, não teria em tese nada a perder como candidato. Mas dependendo das urnas poderá sair menor do que entrou e inviabilizar eventual projeto.

‘BOLA CHEIA’: Independentemente de partidos e interesses eleitorais o Secretário de Saúde Geraldo Resende vem sendo alvo de elogios dos políticos pelo desempenho no combate ao coronavirus, colocando o Estado como referência inclusive. Sobre o fato, o deputado Barbosinha (DEM) publicou na mídia um manifesto elogioso à decisão do Secretário de Saúde em permanecer no cargo, declinando à candidatura à prefeitura de Dourados e priorizando seu compromisso junto ao governador Reinaldo Azambuja.

GUIMARÃES ROSA: “Tem uma verdade que se carece de aprender, do encoberto, e que ninguém ensina: o bêco para a liberdade se fazer. Sou um homem ignorante. Mas, me diga o senhor: a vida não é cousa terrível? ( ) O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.” (Grande Sertão Veredas)

“Mas depois do túnel há uma curva fechada. Não sairemos dessa como entramos...” (J.P. Cuenca – jornalista e cineasta alemão)
.

.

Comentário

‘FAXINA’: Acompanho o parlamento estadual há várias legislaturas. Nelas, também foram aprovadas leis praticamente inócuas, sem aplicação e que pouco acrescentaram ao ordenamento jurídico. Fruto do corporativismo; um deputado retribuindo a postura do colega. Agora, o deputado Evander Vendramini (PP) pesquisa e propõe a revogação destas leis. O ‘entulho’ descartado é um alerta aos deputados no critério da aprovação de leis, para que elas não nasçam mortas, sem utilidade. Aliás, já temos leis demais!

ALELUIA!!! A aprovação do esperado socorro do Governo Federal num total de R$ 60 bilhões e a suspensão das dívidas trouxeram alívio temporário para as finanças de Mato Grosso do Sul. Foi bem o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) ao dizer que “é tempo de união, não de embates”. Esse equilíbrio de postura, sem raivosidade, valeu a sua indicação para falar em nome dos governadores em recente videoconferência com o presidente Bolsonaro. Repetindo: aleluia!

FOLCLORE: O governador de Seixas Dória, ne Sergipe, teve que viajar para o Rio de Janeiro, e o vice governador Celso Carvalho fora a Natal (RN) devido a morte da sua sogra. Aí assumiu o governo o deputado Fernando Leite, presidente da Assembleia Legislativa. Vaidoso, sentiu-se a cereja do bolo em 2 dias de poder, enviou telegramas para todas as autoridades comunicando o fato. E mais: mandou um telegrama à mãe enferma no Rio de Janeiro : “Mamãe, pode morrer tranquila. Seu filho é governador. Beijos. Fernando”.

ERROUUUUU!! A jornalista Sônia Racy, ‘Estadão’, perguntou (em 2 de março) ao médico Drauzio Varella se o Brasil estava preparado para o coronavírus? Ele respondeu: “Está. Acho que o mundo, de um modo geral, está mais preparado. E o SUS tem condições de atender. Só vai depender da quantidade de casos. Agora, a repercussão do coronavírus está em dissintonia com a realidade dos dados. Não há essa calamidade...”

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Presidiu reunião da Comissão E. de Saúde detalhando os gastos do Estado em R$22,6 milhões contra o Covid-19 neste quadrimestre . Deputado Lucas de Lima (Solidariedade) : Articula eventos e para arrecadar alimentos e outros produtos para segmentos da classe artística, ociosa pela pandemia; insiste na distribuição de máscaras aos usuários de ônibus no MS. Deputado Gerson Claro (PP): Elogiado líder do Governo; na Comissão de C. Justiça e Redação votou contra projeto alterando dispositivos relativos ao Direito do Consumidor. Deputado Evander Vendramini (PP): Questiona o fechamento das atividades do SESC em Corumba; Requer que o Instituto Chico Mendes instale sua nova sede em Corumbá; aprovado seu projeto garantindo aulas ‘on line’ aos alunos internados pelo Covid-19 e ainda aos em recuperação.

É GERAL! As relações entre a população e a classe política remete-nos a situação conflituosa vivida pela mulher de malandro. ‘Apanha, reclama, mas continua junto por falta de alternativa’. Em recente amostra da Ranking Comunicação e Pesquisas em 20 cidades, um item – na relação dos problemas mais graves chama a atenção: 20,59% sentem raiva dos políticos. Conclusão: o eleitor irá às urnas com mais raiva do que esperança. Mas acho inclusive que o grupo raivoso (leia-se indignado) é maior e indago: Será que o ilustre leitor não faz parte deste time de ‘raivosos’ (‘pês da vida’) ?

OS NÚMEROS desta pesquisa confirmam o pensamento coletivo de que os políticos pensariam primeiro nos seus interesses do que nas necessidades da população. Ora! A igualdade do voto - mesmo na democracia - pode não traduzir a efetiva igualdade de representação. No fundo, o eleitor tem menos liberdade do que imagina só porque decidirá que números poderá clicar. Alguém já comparou essa situação ao cidadão que convidado para festa, não entra no espaço vip só da ‘diretoria’. Na mesa farta as benesses; aposentadoria especial, imunidade, mordomias e benefícios mil.

NO FUNDO essa raiva revelada é o represamento de problemas em nível nacional, como dívidas, desemprego, corrupção, doença, desesperança, desigualdade, fome, saúde, corrupção na polícia e no judiciário. Se você somar o percentual dos ‘raivosos’ com os percentuais de outros problemas colocados na pesquisa, concluirá que os números reais são muito maiores. A verdade é que há uma espécie de nuvem carregada, (desilusão & raiva) sobre a cabeça do eleitor, que infelizmente é vítima e cúmplice.

IMPRESSIONA a postura dos congressistas. Em proveito próprio separam o direito da moral. O lema: Meu pirão primeiro! Afinal aqui não é a Suécia! Quase duas centenas deles não abriram mão da aposentadoria especial. Esquerda, centro e direita iguais. Olham só para o próprio umbigo. Na questão do uso do dinheiro do ‘Fundo Eleitoral’ ouvimos do senador David Alcolumbre (DEM) argumentos de derreter o busto de Ruy Barbosa. E impressiona: mesmo os parlamentares novatos decepcionam. Esse conjunto de fatos faz com que o eleitor vá às urnas com faca nos dentes. Pê da vida!

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): atento ao seu seu projeto anti- limitação de tratamentos prescritos por profissionais de saúde credenciados nos planos de saúde; Lamenta a não isenção de impostos dos produtos anti Covid-19; Deputado Marçal Filho (PSDB): Olha de perto a situação dos hospitais públicos e privados na luta contra o Covid-19; participação ativa das sessões ‘on line’. Deputado José Teixeira (DEM): otimista com seu projeto obrigando as concessionários públicas a promoverem campanha pela doação de sangue. Sua outra proposta institui multa aos propagadores de fake News do Covid-19.

MAIORES desafios nas 20 principais cidades de MS: Coronavirus 82,94% - Falta de renda 44,76% - Saúde 40,65% - Desemprego 38,29% - Segurança 36,70% - Raiva dos políticos 29,53% - Dívidas 25,06% - Drogas 23,12 – Corrupção 21,24% - Obras paralisadas 19,00% - Escolas fechadas 18,88% - Energia cara 17,41%. Os números são da pesquisa (estimulada) entre os dias 20 e 26 de maio – efetivada pela Ranking Comunicação e Pesquisa - ouvindo 1800 pessoas. A margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos e o nível de confiança de 95%.

E MAIS: Avaliação do desempenho do Governo Estadual: Bom/ótimo 28,12% - regular 34,47% - ruim/péssimo 31,24% - não sabem/não responderam 6,17%. Avaliação do Governo Federal: Bom/ótimo 26,29% - regular 28,35% - ruim/péssimo 42,06% - não sabem/não responderam 3,30%. A amostra foi efetivada nas mesmas cidades e datas citadas no tópico anterior desta coluna.

‘PÃO DE QUEIJO’: Juscelino era o xodó dos mineiros na época do regime militar. Mas falar dele era perigoso. Então os espertos vereadores da emblemática Diamantina pediram ao Contram que as placas da cidade tivessem as letras JK – argumentando se tratar de homenagem ao presidente John Kennedy. Mas o Contran percebeu o golpe, o real objetivo e negou a solicitação. Um vereador de Diamantina ironizou: “Esse pessoal do Contran deve ser do Partido Republicano, eleitor do Richard Nixon”.

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado Capitão Contar (PSL): Relator da CPI-Inergisa pede esclarecimentos junto ao Inmetro para provar que a USP está apta para periciar os relógios da empresa. Deputado Neno Razuk (PTB): Requer adoção pelos hospitais de protocolo diário de informações do estado clínico de paciente do Coronavídeo-19. Deputado Lídio Lopes (Patriota): Requer dilação de prazo para o Procap até 30 de julho; analisou 12 projetos na presidência da Comissão C.Justiça e Redação. Deputado José C. Barbosa (DEM): Pede explicações sobre o ‘toque de recolher’ adotado pela Prefeitura Municipal de Dourados; recebeu pedido da Associação dos Moradores do Parque dos Jequitibás para asfaltamento naquela região de Dourados.

RESOLVE? Com mais de 30 partidos políticos há uma gama incrível de opções para acomodar gregos e troianos e ajeitar certas situações, inclusive familiares. Sobre isso existe no folclore político o episódio ocorrido lá em Bagé (RS) após a extinção da Arena e do MDB. Um vereador do MDB, filiou sua mulher no PDS, motivando a pergunta do senador Pedro Simon (MDB): Como é que você fica no MDB e sua mulher no PDS ? O vereador emendou sorrindo: “Pois é senador, não se preocupe. Ainda tenho três filhos para aproveitar essa tal reforma partidária”;

REFLEXÃO: “ ( - )...O vírus, além de seu efeito devastador produz lição de humildade aos governantes. O quanto lusório é o poder! Até os mais autoritários líderes mundiais dobraram os joelhos...(-)...Será que descobriremos a quase inutilidade dessa guerra ideológica polarizada e de má qualidade?...(-)... aprenderemos que ninguém é dono da verdade?...(-)...Não temos vacina, remédios com eficácia comprovada...(-)...Será que depois da crise valorizaremos e daremos mais atenção ao sistema e sobretudo aos seus profissionais e ao SUS?...(-)...Transformar a tempestade em bonança depende de nós...”. (Marcus Pestana – ex-deputado federal)

“As crises nos acordam para as coisas boas que não percebemos”
(Robin Willians no filme Gênio Indomável)

Comentário

EXTREMOS: O jornalista Otávio Neto abordando um caso ‘interessante’. O vereador Luiz F. Sauer (PSD) de Bandeirantes gastou R$ 53.586,00 de diárias nestes 4 meses em viagens (70 kms) à capital. Cada diária R$ 458,00. Aliás, ele desabafa: “você ser político não é fácil...nós políticos somos muito malhados!” Já o vereador Renê Venâncio (PSD) de Três Lagoas nada gastou e diz: a tecnologia permite atuar sem viagens e gastos. O Ministério Público Estadual já usa os sinais dos celulares de vereadores captados nas torres ao longo dos percursos para aferir a veracidade destas viagens ‘milagrosas’.

‘DAY AFTER’: Na mídia muitas publicações questionando as mudanças que possam ocorrer nas relações sociais após essa pandemia. Mas não entrarei nesta seara. O meu questionamento é das eventuais lições sobre o funcionamento do Judiciário, Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas e Congresso. Será que esses poderes realmente precisam destas grandes e caras estruturas (funcionários/prédios/mobiliário) para poder desenvolver suas atividades? A realidade verificada tem mostrado que não.

CONVENHAMOS! O mundo mudou. Os avanços tecnológicos do mundo digital, acoplados aos recursos da internet, estão sendo melhor aproveitados pela iniciativa privada e afins. Os congressos cansativos em cidades distantes dos participantes deram lugar a videoconferências, com mais participantes, melhor aproveitamento e custo zero. Aliás, o Rotary Club-MS promoveu agora uma videoconferência com êxito total.

NOVOS TEMPOS: Mais praticidade e menos custos financeiros. Esse binômio tende a ser o lema de conduta social. Os exemplos estão aí: muitos profissionais exercendo suas atividades praticamente sem sair de casa. O que era utopia é realidade. Daqui para frente deve haver crescente adesão a essa modalidade. A propósito: sobre o Congresso Nacional muitos já questionam sua pesada estrutura e a necessidade de torna-la menos onerosa usando-se mais a internet. Seria realmente uma boa!

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Quer teste rápido do Covídio-19 de funcionários da Penitenciária Federal; pede suspensão da cobrança de juros de boletos atrasados na pandemia. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): irá reunir-se com o Secretário da Saúde; pede isenção de multa no trancamento de matriculas nas faculdades na pandemia; requer distribuição de máscaras aos usuários de ônibus no MS. Deputado Gerson Claro (PP): Votou a favor da reforma previdenciária; líder do Governo atento as ações anti-Covídio 19; participa das sessões on-line. Deputado Evander Vendramini (PP): Sua indicação pede agilidade na tramitação do projeto na Câmara sobre o piso salarial de enfermeiros e outros profissionais da saúde; sancionado seu projeto instituindo o Dia da Assembleia de Deus.

‘VALE TUDO’: A prática resiste. Muitos candidatos dispostos a uma ‘conversinha’ com o eleitor. Os termos da barganha atualizados. Como alerta lembro: eleita vereadora na capital em 2012, Thais Helena (PT- partido da ética) foi condenada por abuso de poder econômico e compra de votos. Perdeu o mandato, pagou multa de 50 salários mínimos, direitos políticos suspensos por 7 anos e ainda foi obrigada a prestar serviços comunitários no Asilo São João Bosco. Quanta humilhação para a professora petista!

BARBARIDADES: Duas notícias que repercutiram muito mal junto a população. A primeira diz respeito as prisões de militares de altas patentes acusados de integrarem o esquema de contrabando de cigarros. A segunda; a denúncia do Ministério P. Estadual contra o Juiz de Direito Aldo Ferreira da Silva por supostas vendas de sentenças que teriam causado prejuízos de R$ 8.792.683,45. Independente das sentenças ao final, elas abalaram a credibilidade das instituições que deveriam ser os pilares da justiça e da segurança. Vergonhoso! E quem irá nos defender agora? O Chapolim Colorado?!

‘A VIDA É BELA’: Ex-senador Waldemir Moka (MDB) irá receber R$ 6.700,00 brutos de aposentadoria no Senado. Já o ex-senador Delcídio do Amaral (PTB) garantiu seus R$ 11.500,00 mensais de aposentadoria naquela generosa casa. Quem também se ajeitou foi o ex-ministro Carlos Marun (MDB) que usou dos tentáculos políticos para renovar por 4 anos o mandato de conselheiro de Itaipu com vencimentos privilegiados.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Capitão Contar (PSL): Votou contra aumento da alíquota da previdência estadual; atento as ações anti-Covideo-19 no MS. Deputado Neno Razuk (PTB) Cobra ações eficazes/urgentes da Secretaria de Saúde contra o covid-19 nas aldeias indígenas: Projeto obriga a comunicação diária dos hospitais aos familiares dos pacientes com o covid-19. Deputado Lídio Lopes (Solidariedade): Presidindo reuniões da Comissão C, Justiça/ Redação; votou contra o projeto da previdência dos servidores. Deputado José C. Barbosa (DEM): Pela transparência, manifestou-se contra o aumento de comissionados na Sanesul; votou contra o aumento da alíquota da previdência estadual.

MAIS UMA... Outro fato recente com eco eleitoral: a decisão judicial determinando a indisponibilidade de R$ 190.333.339,73 do ex-governador Puccinelli e outros 19 réus (pessoas físicas e jurídicas) delatados por executivos da JBS num dos feitos resultantes da Operação Lama Asfáltica. O Ministério Público Estadual se baseia nas provas do inquérito da Polícia Federal sobre o recebimento de supostas vantagens ilícitas entre 2007 a 2015 junto a JBS. O caso deve inibir o discurso de Puccinelli em prol do pré-candidato do MDB Marcio Fernandes à prefeitura da capital. Ou não?

DOURADOS: Pesquisa para prefeito, estimulada, no cenário 1: Marçal 30,20% - Barbosinha 17,40% - Délia 11,60% - R. Câmara 8,80% - Racib 1,40% - D. Hall 1,20% - J.Bezerra 1,00% - não sabem/não responderam 28,40%. Cenário 2 estimulada: Marçal 36,40% - Barbosinha 20,60% - R. Câmara 11,00% - não sabem/não responderam 32,00%. Rejeição estimulada: Délia 25,40% - R. Câmara 9,80% - D. Hall 8,60% - Marçal 7,00 – Barbosinha 5,40 – J. Bezerra 2,00% - Racib 1,80%. Não sabem/não responderam 40%. A amostra realizada pela Ranking Pesquisa e Comunicação com 500 pessoas entre 13 e 16 de maio; margem de erro 4,4% para mais ou para menos, índice de confiança de 95% - registrada na Justiça Eleitoral sob nº MS-02090/2020.

FOLCLORE: Deputado da Bahia enviou milhares de cartões de ‘boas festas’ e um deles acabou endereçado a uma mulher já falecida. Indignados, os familiares retribuíram com outro cartão: “Prezado amigo, embora jamais o tenha conhecido durante os meus 78 anos de vida terrena, daqui de além-túmulo, onde me encontro, agradeço o seu gentil cartão esperando encontra-lo muito em breve nessas paragens para um frio aperto de mão. Purgatório, Natal de 2005”.

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): autor de projeto vedando a limitação de tratamentos prescritos por profissionais de saúde credenciados juntos aos planos de saúde; votou contra o aumento da alíquota previdenciária. Deputado Marçal Filho (PSDB): Requer incentivo aos profissionais de saúde; pede criação de incentivos fiscais aos empresários doadores de alimentos durante a pandemia; Deputado José Teixeira (DEM): é seu o projeto instituindo multa aos propagadores de fake news sobre o Covid-19; PL obriga concessionárias públicas a fazerem campanha pela doação de sangue. Deputado Londres Machado (PSD): Ativo na política de prevenção ao Covid-19 nas cidades de sua base eleitoral; presente nas sessões on-line.

EXCESSOS & ABUSOS: Impressionante como alguns prefeitos também estão pegando carona na religião alegando questão de fé, etecetera e tal. Mas no fundo sabe-se que estão mesmo de olho nas eleições. ‘Esquecendo’ que o Estado é laico, eles estão impondo por decreto ilegal o período de jejum e oração como se fosse um remédio eficiente ou decisivo contra o coronavideo. A expectativa é que a OAB-MS proponha ação para declarar a inconstitucionalidade da medida. Quanto besteirol!

VERDADES: “...( - ) A relação da periferia com a morte é habitual. Esse discurso de que a vida está em risco não surte efeito, porque a vida na periferia é um risco permanente. Com postura de São Tomé, somente quando a morte bate à porta, no caso do coronavírus, essa conscientização é tardia. Favelados, às vezes, só tem a liberdade, e a covid-19 lhes tirou isso. Mas, se a ideia da morte dentro da periferia é banalizada, fora dela os mortos do asfalto têm nome e família. Na periferia, são números de estatísticas-favela...” (Manoel Soares – comunicador em Porto Alegre - RS.)

PONTO FINAL: Surpresa na sucessão da capital onde o vereador Vinicius Siqueira é anunciado para concorrer pelo PSL, embora o deputado capitão Contar era tido como o mais provável, aparecendo inclusive em 2º lugar em pesquisas. Um partido novo e com rachaduras visíveis. Outro assunto em destaque foi a aprovação do projeto da reforma da previdência na Assembleia Legislativa, unificando a tabela de contribuição em 14% para aliviar o déficit atual de R$30 milhões. Detalhes: 16 votos a favor; 7 contrários e duas abstenções com o fim da isenção aos aposentados. Os tempos são outros.

“Nossa maior saudade hoje talvez seja a de sentir esperança” (J.P. Cuenca)

.

Comentário

‘VALE TUDO’: Com 3,67% nas pesquisas da ‘Ranking’ (leia no 11º,12º e 13º tópico) o pré-candidato do MDB Marcio Fernandes tenta atrair o PSDB oferecendo a candidatura de vice prefeita à deputada Rose Modesto. Ela tem outro projeto pessoal, mas não tem o comando da sigla e é experiente para a leitura correta dessa oferta. Já se questiona: a presença de Rose seria suficiente para virar o jogo e zerar essa distância de 42,58% em prol do pré-candidato Marcos Trad (PSD)? A pesquisa registrada na Justiça Eleitoral sob nº 08097/2020, ouviu 1.200 pessoas entre 28 de abril/05 de maio.

À PROPÓSITO: Presume-se que o titular da chapa majoritária tenha mais brilho, experiência e prestígio que o candidato a vice. A última vez que o brasileiro votou num candidato a vice foi na eleição presidencial de 1960. João Goulart (PTB) – vice de Teixeira Lott (PSD), venceu Milton Campos (UDN) candidato a vice do vitorioso Jânio Quadros (PTN). Na época a lei permitia o voto em separado. Hoje a figura do vice é comparada aos suplentes ao Senado. Você vota, mas às vezes sem saber quem são eles.

MODELO: Vemos na mídia o drama de Estados que desobedeceram as orientações da Organização Mundial da Saúde e pagam preço caro. Não é o caso do nosso Governo Estadual que, consciente, apegou-se à ciência e tomou medidas eficientes. Além de fechar parques, instituiu 13 controles sanitários nas divisas com outros estados, fechou as fronteiras com Bolívia e Paraguai, além de antecipar os recessos da Rede Estadual de Ensino e da Universidade Estadual. O secretário da Saúde, Geraldo Resende, tem sido elogiado pela postura, inclusive pelo ex-ministro Luiz H. Mandetta!

VERDADES ESQUECIDAS: No Brasil Império eram só 14 impostos; hoje 98. Em 1880 éramos a 4ª. economia mundial, a média de crescimento de 8,81%, nossa moeda tinha o mesmo valor do dólar e da libra esterlina. A inflação anual entre 1850/89 era de 1,08%. No Império fomos o país que mais construiu ferrovias (26 mil kms). Em 1840, 92% da população era analfabeta e em 1889 caiu para 56% graças ao incentivo do Império. D.Pedro II doava à entidades 50% de sua dotação anual. Ele falava 23 idiomas; fez empréstimo pessoal num banco europeu e reflorestou o Parque Nacional da Tijuca. Todos os negros da Família Real eram alforriados e recebiam salário.

MAIS VERDADES: D. Pedro II financiou o maestro Carlos Gomes até ele alcançar o sucesso. Foi da princesa Izabel a ideia de construir o ‘Cristo Redentor’. O Imperador tentou em 1848 a abolição dos escravos, mas o parlamento rejeitou. Ele acabou com a ‘Guarda dos Dragões’ por economia, que voltou na República. Ele recebeu em 1887 diplomas honorários de Astronomia e Botânica da Universidade de Cambridge. Nas eleições livres dos EUA, na Filadelphia, D. Pedro II foi votado para presidente por 14 mil pessoas. Ele traduziu do árabe para o português a obra ‘1001 Noites’. Era a favor da imprensa livre, que na época já fazia campanha pela República. Enfim, uma figuraça! Compará-lo com os políticos contemporâneos, convenhamos, uma covardia! Certo?

1-DA ASSEMBLÉIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Quer a Rede Estadual de Saúde fazendo cirurgias reparadoras; está em contato direto com a Secretaria da Saúde acompanhando as ações anti coronavirus. Deputado Evander Vendramini (PP): Requereu ao Governo-Agehab a dilação do prazo do pagamento das prestações até dezembro; pediu informações sobre a falta de profissionais da saúde nos presídios de Corumbá. Deputado Neno Razuk (PTB): Sugere o uso de álcool gel nos ônibus do transporte público nos municípios; 18 cidades beneficiadas com sua verba de R$1.210 mil contra o coronavirus. Deputado Gerson Claro (PP): Focado na liberação da ajuda da União ao Estado contra os estragos do Coronavirus. É o elo entre Estado e cidades.

BONS EXEMPLOS: Num cenário de tantas notícias ruins deparo com a lista dos 10 municípios que melhor remuneram os seus professores. Angélica faz bonito e lidera com salário de R$ 4.346,82, seguida por Campo Grande (R$ 4.235,47), Nova Andradina (R$ 4.174,92), Três Lagoas (R$ 4.011,86), Sidrolândia (R$ 3.823,62), Eldorado (R$ 3.597,93), Fatima do Sul (R$ 3.505,36), Maracaju (R$ 3.504,04) e Bonito com R$ 3.482,28. Detalhe: o Governo Estadual com R$ 4.296,98 é vice líder neste ranking.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado José C. Barbosa (DEM): Pede a manutenção do abono salarial aos servidores públicos estaduais; sua verba de R$ 850 mil beneficia 12 cidades no setor saúde. Deputado Capitão Contar (PSL): Requer a suspensão do aluguel pela Infraer, das lojas do aeroporto da capital pela queda dos voos; aprovado seu projeto proibindo eventos nas escolas promovendo a erotização. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Presidente da Comissão de fiscalização de gastos atento aos encargos devido ao coronavirus; membro da Comissão de Saúde em sintonia com a Secretaria de Saúde. Deputado Lídio Lopes (Solidariedade): resgata promessa de campanha com início do asfalto da MS-386 entre Iguatemi e Japorã (39 kms) pelo Governo Estadual; presidiu sessão semanal da Comissão C.Justiça/Redação.

SIM OU NÃO? Sobre o suicídio do ator Flávio Migliaccio pergunta-se: a carta (à família) que ele deixou deve ser publicada? Cada cidadão confecciona sua própria fita métrica de valores na vida, mas no caso sua família há de ser respeitada. Além disso, o conteúdo da carta pode estimular pessoas com os mesmos traços de personalidade ou que atravessem fase idêntica. Como disse o ator Lima Duarte – “Migliaccio, eu te entendo...eu não tive coragem...” Enfim, essa discussão sobre ‘abreviar a velhice’ é delicada independentemente de religião e cultura. Como se diz: dói fundo na alma.

PESQUISA: Na capital 33% usando álcool gel nas mãos; 63% optando por álcool 70; 47% por sabonete nas mãos/rosto; 34,58% limpando objetos com álcool 70; 27,50% lavando mãos com detergente; 25,42% com mascaras/ luvas. Interessante: 93,67% confessando rezar; 56% cuidando da família e pasmem: 26% ‘voltando a falar com a família. E mais: para 33,25% a renda caiu e 21,17% perdeu o emprego. Para 23,33% o trânsito na capital melhorou; o trabalho piorou para 35%. O prefeito Marcos Trad age certo para 68,25% e erra para 21,17%. A Câmara Municipal acertou só para 17,58% e errou para 57,92%. Bolsonaro peca para 56,83% e acerta para 22,92%.

NÚMEROS da amostra estimulada da ‘Ranking Pesquisas’ para prefeito de Campo Grande: Marcos Trad 46,25% - Capitão Contar 5,08% - Marcio Fernandes 3,67% - S. Harfouche 3,42% - M. Miglioli 2,75% - Dagoberto 1,50% - T. Ujacow 1,42 – Esacheu 1,25% - P. Kemp 0,83% - M. Bluma 0,75% - Paulo Matos 0,50% - Guto Scarpari 0,42% - Wilton Acosta 0,33% - Sergio Murilo 0,25% - Mario Fonseca 0,08% - 31,33% não sabem não responderam.

FATOR REJEIÇÃO: Na pesquisa ‘Ranking’ que ouviu 1.200 pessoas de todas regiões, entre 28 de Abril e 2 de maio, registro na Justiça Eleitoral sob nº 08097/2020, os resultados são esses: Dagoberto o mais rejeitado com 15,83%, seguido de P. Kemp com 8,50% - M. Bluma 7,33% - Marcos Trad 5,42% - C. Contar 4,75% - Esacheu 3,67% - Paulo Matos 2,17% - Mario Fonseca 1,75% - Cris Duarte 1,50% - Marcio Fernandes 1,00% - Guto Scarpari 0,83% - W. Acosta 0,75% - Sergio Harfouche 0,67% - Sergio Murilo 0,58% - Tatiana Ujacow 0,50%. Não sabem/não responderam 38,25%.

QUESTÕES: Marcos Trad tem 46,25% mas lembro: 31,33% dos entrevistados ainda não escolheram o seu candidato. O pleito distante e a pandemia atual poderá beneficiar o prefeito (hoje as pesquisas dizem sim), mas há vários fatores políticos que não podem ser desprezados. Num eventual 2º turno o adversário conseguiria agregar os demais postulantes derrotados? Nesta hora o prefeito teria mais cacique político para negociar apoios. A tese de que 2º turno é outra eleição é incerta. A distância que separa o prefeito do 2º colocado é grande; influencia quem não gosta de ‘perder o voto’. É aquele eleitor influenciado pelo barulho, pelo clima de otimismo que envolve o favorito.

3-DA ASSEMBLEIA: Deputado João H. Catan (PR): Solidário a proposta de dar abono salarial ao funcionalismo; presente as sessões ‘on line’, acompanha a situação da saúde pública nas cidades do Bolsão. Deputado Marçal Filho (PSDB): Requer a criação da Semana contra os Relacionamentos abusivos (família/sociedade) tendo como referência o dia 12 de julho. Deputado José Teixeira (DEM): Requereu estudos para permitir a instalação da 3ª. Vara da Comarca de Maracajú.

‘A PARTILHA’: Foi lá que a pilhagem da África pelos europeus oficializou. Em 1884 na Conferencia de Berlim, as potencias mundiais dividiram o continente africano, definiram divisas dos seus territórios, assinaram tratados comerciais, de navegação e proibiram a escravidão e o tráfico deles. Presentes: Rússia, EUA, Gra Bretanha, Itália, Portugal, Espanha, França, Império Turco Otomano, Império Austro Húngaro, Noruega, Suécia, Império Alemão e Holanda. As maiores e melhores áreas para a Inglaterra, Alemanha e Portugal. Essa situação de domínio durou 61 anos; até o fim da 2ª. Guerra quando começaram os primeiros movimentos de independência das colônias.

O MAPA africano ‘confeccionado’ pelos europeus: França ficou com o norte, costa ocidental (Argélia, Mauritânia, Costa do Marfim, Togo. E Guiné) e ilhas do Índico; Gra Bretanha ocupou desde o Egito até o sul, com a África do Sul; Portugal: Angola, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé/Príncipe, Guiné e Ilha da Madeira. Espanha: Tiger, Ilhas Canárias, Camarões , Rio do Ouro. À Itália: Líbia, Somália e Eritréia. Alemanha: Tanzânia, Camarões e Namíbia. Belgica: com o Congo e Ruanda. Depois de tantos anos explorados pelos ‘colonizadores’ os africanos estão na Europa pedindo ajuda, mas são discriminados. Essa é a Europa, ‘chic’ e moderna na mídia, mas exploradora e ingrata.

O novo coronavirus ensina: o hospital é mais importante que o estádio em Manaus ou o aquário em Campo Grande

Comentário

PREOCUPANTE? A atual pandemia levando-nos a revisão da tese de que a idade dos políticos pode representar vantagens. Nomes de personagens, ex-líderes são lembrados na argumentação. Mas muitos deles por aí, já priorizaram a própria saúde e entraram em reclusão preventiva, responsável e exemplar. Sabem bem, a exposição física pública é arriscada e tende a se agravar com a proximidade dos eventos atrelados a campanha eleitoral – onde as manifestações gestuais contam muito. Pedir votos sem abraçar?

A LISTA de políticos influenciadores que podem intervir no processo eleitoral e com idade na faixa de risco de contrair o novo coronavirus merece ser divulgada: Deputado José Teixeira (DEM) 80 anos; deputado Londres Machado (PSD) 78 anos; deputado Onevan de Matos (PSDB) 77 anos; vereador Loester Nunes (MDB) 73 anos; ex-governador André Puccinelli (MDB) 71 anos; ex-governador Zeca do PT - 70 anos; deputado Luiz Ovando (PSL) 69 anos; ex-senador Waldemir Moka (MDB) 69 anos; deputado Dagoberto Nogueira (PDT) 63 anos; deputado Paulo Correia (PSDB) 62 anos. É obvio, com o pleito na data prevista, permanecerão as dúvidas e suspeitas num ambiente intimidatório e desconfortável. E isso poderá influenciar nas urnas.

‘WANTED’: O deputado federal Loester ( PSL) de volta às redes sociais. Ao lado de Ciro Fidelis, empresário na capital, prometem recompensa de R$ 100 mil para quem der informações que esclareçam o atentado de Adélio Bispo contra o presidente Bolsonaro. ‘Tio Truts’ lembra que essa prorrogação de 90 dias para a Polícia Federal investigar o caso é uma boa chance de se descobrir quem estaria por trás do crime. O telefone para informações ‘sob sigilo’: 99107.5856. Uma baita grana nesta crise. Quem se habilita?

1-DA ASSEMBLEIA: Deputado Antônio Vaz (Republicano): Autor do Projeto Empresa Amiga da Saúde para melhorar a estrutura das unidades da saúde. Deputado João Henrique (PL): autor do Projeto ‘Programa CNH Social; acompanhando de perto as ações da Secretaria de Saúde nas cidades do Bolsão. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade); Membro titular da Comissão da Saúde; acompanha a distribuição de sua verba pessoal de R$909 mil em 13 cidades tendo o objetivo de combater o coronavirus. Deputado Contar (PSL): Ativo nas sessões on line, opinando com críticas e elogios pertinentes aos mais diferentes temas em debate na Casa, sem esquecer o combate ao coronavirus.

‘DESTILARIA’ Quem frequenta as redes sociais tem uma boa noção de como anda o clima político, onde a radicalização é crescente e preocupante. Aproveita-se o espaço para destilar mágoas, frustrações e até ódio. Impressiona: todos se julgam especialistas na área, falando bobagens, discutindo o sexo dos anjos, o óbvio. Com a grande mídia dissecando o tema que ficou tóxico até, o colunista abre mão da sua abordagem, optando pela pauta da política local e outros temas menos estressantes.

2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Marcio Fernandes (MDB); Autor de projeto que concede pensão especial aos servidores públicos no combate ao coronavirus. Deputado Lídio Lopes (Solidariedade) presidiu sessão da CC Justiça e Redação; registrou sua admiração pela atuação de todos servidores da saúde contra o coronavirus. Deputado Evander Vendramini (PP) Autor de indicação para que o Governo atenda as justas reivindicações de ajuda do Movimento Organizado dos Profissionais de Eventos devido ao impacto causado pelo coronavirus. Deputado Gerson Claro (PP): Ativo durante a sessão semanal da CC Justiça e Redação; participou das sessões ordinárias como líder do Governo.

1- QUESTÃO CULTURAL: O povo e seus valores. Masabumi Hosono, funcionário público, de família de ex-samurais, era o único passageiro japonês no ‘Titanic’. Ao soar o alarme, não esperou ser chamado e tomou o lugar num bote e se salvou. No Japão isso soou mal e ele perdeu o emprego e foi ‘condenado’ pela opinião pública por se salvar em vez de morrer no navio, desrespeitando o código de honra deles. Só em 1997 o Governo concedeu-lhe o perdão, reabilitando a sua família. Imagine isso no Brasil!

2- QUESTÃO CULTURAL: Nakano Takeko nasceu em 1847 em Tóquio. Em 1867 já era uma notável samurai. Na ‘Guerra de Boshin’ em Fukushima, ela lutava com sua espada ao lado da irmã, tendo já abatido 5 inimigos, quando foi atingida por um tiro nas costas. Temendo que seu corpo fosse usado como troféu pelos oponentes, ordenou que a irmã a decapitasse. Feito isso, sua cabeça foi levada ao templo da família.

3- DA ASSEMBLEIA: Deputado Barbosinha (DEM): Comemora a antecipação das férias escolares conforme sua indicação de 17 de março; enalteceu o papel dos profissionais da saúde no combate ao coronavirus no Estado. Deputado Marçal Filho (PSDB): Viu aprovado seu projeto criando a Semana Estadual de Combate ao Trabalho Escravo tendo como referência o dia 28 de janeiro; Aprovado em 1ª discussão o seu projeto que obriga os condomínios comunicarem à Polícia as agressões contra mulheres. Deputado Neno Razuk (PTB): Acompanha a aplicação de sua verba de R$ 1.210 mil a 18 municípios no combate ao coronavirus; aprovado em primeira votação seu projeto que inclui o nome do cônjuge nas contas de água, luz, telefone e gás.

VISIONÁRIOS. Fazem a diferença. Se aqui tivemos Manoel da Costa Lima, São Paulo teve o ‘Conde Matarazzo’ que veio da Itália em 1881 aos 27 anos e faleceu em 1937. Começou vendendo banha suína em Sorocaba (SP) e só tinha renda inferior a São Paulo e a União; patrimônio de 20 bilhões de reais (equivalente); mais de 200 fábricas e empresas; o 5º homem mais rico do mundo, conhecido como ‘O patrão de São Paulo’. Mas os seus sucessores não se acertaram na administração e nem abriram o capital social; veio o pedido de concordata pela neta gestora Maria Pia em 1984. Grande parte do patrimônio acabou diluída para saldar as dívidas em dólares. Aí as ‘Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo’ afundaram ao melhor estilo ‘Titanic’.

O DESASTRE da administração familiar do ‘Império Matarazzo’ não é o único que temos visto. ‘Tudo que vem fácil, vai fácil’. O ‘Conde’, proprietário do automóvel (Packard) da placa número 1, tinha bancos, terras, fábricas, hidrelétricas, ferrovias, filiais na Europa, EUA e Argentina. Empregava 35 mil pessoas. Deixou 11 filhos e talvez isso ajude a explicar o insucesso da nova geração. O filho Chiquinho não seguiu a receita do pai, “o segredo do negócio está na compra e não na venda”. Até a mansão na Av. Paulista acabou demolida em 1996 dando lugar a um shopping com 170 lojas.

DETALHES: Sua mansão foi a 2ª. construída na Av. Paulista. Ele foi o doador da área do estádio do Palmeiras e fundador da FIESP. No final de 1914 ele volta à Itália (a passeio) com a mulher e os filhos mais novos e com o início da Guerra permanece para coordenar a distribuição de alimentos na região de Napoli, o que lhe rendeu o reconhecimento do Governo italiano com a comenda de ‘Conde do Reino’. Na velhice, foi proibido pelo médico de tomar os dois litros diários de vinho. Teria que se contentar com apenas um copo. Seguiu a recomendação usando um copo com a capacidade de um litro ‘apenas’. Na sua adega havia 6 mil garrafas. Uma figura que merece ser lembrada.

A LIÇÃO: O ‘caso Matarazzo’ – embora emblemático pelo seu potencial na época – é apenas mais um caso em que a administração familiar passa a ser incompatível com a nova realidade econômica e a própria estrutura empresarial. Administrar meia dúzia de padarias, hotéis e lojas só com gente da família é possível. Mas quando se trata de um conglomerado de empresas de segmentos diversos neste mundo globalizado, é preciso ter profissionais competentes e abrir o capital através de ações. Quem demorou a fazer essa delicada transição gestacional, naufragou com seu negócio ou ficou para trás!

EFEITO CASCATA: O pesquisador Fernando M. Lamas (Embrapa) preocupado com o futuro do algodão, cuja safra no MS começa em julho. Apesar de sermos o 5º produtor mundial, consumimos menos que 1/3 e o restante exportamos. Com o petróleo barato, o fio sintético ganha espaço no mercado na indústria. Com essa crise ainda há estoque da safra passada nas indústrias. Um indicativo ruim! Indaga-se: os contratos firmados serão honrados pelos importadores? Como se portará a China, seu maior produtor e maior consumidor? Irá impactar na economia do MS e nos nossos municípios produtores.

“Nenhum coração bateu mais doce no coração de um Presidente da República do que no peito de Juscelino Kubitschek.

Bolsonaro tem essa opção; ser um Juscelino ou um presidente qualquer” (Deputado Fábio Trad-PSD)

Comentário

Página 1 de 26
  • disk corona

O Tempo Agora

  • mascaras
  • unigran novo

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis