Timber by EMSIEN-3 LTD
Manoel Afonso

Manoel Afonso

‘BUTANTAN’ Aquela pesquisa onde o ministro Mandetta foi bem avaliado inclusive eleitoralmente pode ter sido a gota que faltava, embora ele não tivesse avançado o sinal e nem sido picado pela mosca azul. Além das discordâncias com o presidente Bolsonaro pesa suas ligações com o governador Caiado (Goiás) e outros políticos do DEM. Uma situação previsível, mas num momento inoportuno e delicado. Muito veneno no Governo. As perguntas: Mandetta aguentará até quando? Qual a próxima atitude de Bolsonaro? Se o ministro sair, seu substituto seguirá sua linha comportamental?

APOSTAS Claro que a saúde desagua na economia e por extensão chega a política. Essa é a visão clara que se tem inclusive no cenário de Campo Grande. Lideranças de partidos oposicionistas ao prefeito Marcos Trad (PSD) querem aproveitar o episódio do coronavirus para desgastá-lo. As entrevistas e manifestações com carreatas inclusive em protesto contra as medidas proibitivas da prefeitura podem ou não atingir o prefeito, que tem se portado racionalmente. É cedo para avaliação do resultado destes embates nas urnas, mesmo porque calendário eleitoral corre riscos caso a epidemia se agrave.

‘MILAGRES do coronavirus: Apagou o fogo da Amazônia, acabou com a seca do Nordeste, com a dengue, zica e chikunguia – não se fala mais da herança do Gugú, a Marielle finalmente descansa em paz – acabaram os assaltos, sequestros e as manchas de óleo nas praias – zeraram as balas perdidas, acabou a corrupção, pararam de falar do Flamengo, não tem mais aborto, acabaram as novelas e todo mundo passou a rezar.

COMPARE as opiniões e conclua comigo: o placar de 7 a 1 na Copa foi pouco: Para o brasileiro Guilherme Arana (Atlético Mineiro), “a redução salarial não se justifica; temos que ficar em casa para seguir as determinações passadas, mas os jogadores não tem nada a ver com isso’. Já para o alemão Manuel Neuer, “somos privilegiados, temos que aceitar a redução salarial – o Bayern tem mil empregados e muitos outros ligados indiretamente em tarefas importantes – queremos ajuda-los com esse gesto”.

EM FRENTE: Inegável, existem problemas, mas muitos desafios vão sendo vencidos. Assistindo o vídeo das primeiras barcaças carregadas de soja deixando a plataforma do Porto de ‘Murtinho’ rumo a Argentina fiquei convencido que o Governo acertou nesta aposta para exportar nossos produtos. Vejam bem: só neste primeiro trimestre mais de 10% da soja exportada pelo Estado saiu pelo Porto de Murtinho. Isso é só o começo! Pagamento aos funcionários e fornecedores em dia; obras em todas as áreas e vigilante no combate ao coronavirus dão ao Governo a imagem de estar efetivamente presente.

ASSEMBLEIA-1: Deputado Antonio Vaz (Republicanos) Presidente da Comissão que cuida dos assuntos da saúde atento a pandemia do coronavirus. Pediu a desinfecção das ruas da capital e a vacinação anti ‘influenza’. Deputado Lídio Lopes (Patriotas) entregou ambulância à Glória de Dourados e R$100 mil também de emenda ao combate ao coronavirus. Eleito Secretário de Turismo da Unale. Deputado Marçal Filho (PSDB) Requereu ao Governo ampliação do ‘Vale Renda’ e a suspensão da cobrança da próxima prestação do IPVA. Atento as atribuições parlamentares o deputado Lucas de Lima (Solidariedade) não perde o foco dos assuntos ligados a comissão que preside. Deputado Gerson Claro (PP) líder do Governo e membro da CCJR destinando mais de R$ 1 milhão para aparelhamento de hospitais de cidades do interior.

ASSEMBLEIA-2: Deputado Zé Teixeira (PSDB): requer a redução dos valores dos serviços cartorários. Deputado José C. Barbosa (DEM): comemora os investimentos da Sanesul em Dourados (rede coletora) no J. Guaicurus, Jequitibás, Cohab 2, Res. Sól Nascente, Pelicano. Deputado Contar (PSL): cobra melhor estrutura aos funcionários e órgãos da saúde e mais transparência nos contratos emergenciais do coronavirus. Deputado Neno Razuk (PTB): beneficiando 17 cidades na área da saúde com emenda de R$1.210 mil. Deputado Evander Vendramini (PP): requer a liberação dos alunos militares para fazerem os cursos em suas cidades. Comemora o adiamento do pagamento das parcelas de maio e junho do FCO - requerido pelo parlamentar.

FLASH BACK: O último presidente eleito da Assembleia Legislativa do Mato Grosso (uno) foi Paulo Capiberibe Saldanha, eleito pela Arena em 1974 e com base eleitoral em Ponta Porã. Para exercer o resto do mandato presidencial assumiu o 1º vice presidente Cleomenes Nunes da Cunha. Saldanha ocupou o cargo de 15/03/1977 a 15/11/78 e se elegeu como deputado constituinte em 1978 em nosso Estado, mas em março de 1980 tomou posse como conselheiro do Tribunal de Contas e veio a aposentar em 20 de janeiro de 2012. Na sua vaga na Assembleia assumiu Manfredo Alves Correa.

PRESIDENTES (eleitos) Assembleia Legislativa do Mato Grosso (uno) de 1947 a 1978 em ordem cronológica decrescente: Paulo Saldanha, Nelson Ramos (duas vezes), Waldomiro Alves Gonçalves, José Cerveira, Renê Barbour, Emanuel Pinheiro (duas vezes), Augusto Mario Viana, Walderson Moraes Coelho, Edyl Pereira Ferraz, Manoel Oliveira Lima (duas vezes), Licínio Monteiro Silva, Wilson Dias de Pinho (duas vezes), Vicente Bezerra Neto, Rachid Mamede (duas vezes), Antônio C. Spinelli, Júlio Castro Pinto, Benedito Vaz de Figueiredo, Rosário Congro Neto, Clovis R. Cintra, Jary Gomes, Waldir dos Santos Pereira (duas vezes) e Virgílio Alves Corrêa Neto.

BARÃO DE LADÁRIO: Carioca, José da Costa Azevedo nasceu em 1825 e morreu em 1904. Oficial da marinha, estudou nos ‘USA’, lutou na Guerra do Paraguai, serviu na Comissão de Limites do Brasil com Uruguai e Peru percorrendo rios da Amazônia e participou do reconhecimento de limites com a Guiana Francesa. Na política foi deputado na Assembleia Geral pelo Amazonas, chegou ao Senado e foi Ministro da Marinha do Império. Segundo a história ele teria sido a única vítima da Proclamação da República ao ser baleado ( e sobrevivido) por um atirador desconhecido que resistira a uma ordem de prisão. Pela sua trajetória ele é homenageado com seu nome batizando ruas e logradouros públicos em todo o país, inclusive em Campo Grande.

1-HISTÓRIA: Pelos mapas de antigamente temos a noção da extensão territorial de Mato Grosso; de Ponta Porã até a divisa com o Perú, Pará e Amazonas Em 1943 por estratégica de segurança e ocupação, o presidente Getúlio Vargas criou os territórios federais de Guaporé (mais tarde Rondônia) e de Ponta Porã desmembrados de Mato Grosso. No mesmo ato também foram criados os territórios de Iguaçu, Amapá e Rio Branco. Em 1956 o presidente Juscelino Kubitschek alterou a denominação do Território do Guaporé para Território de Rondônia. Em 1981 o presidente Médici promoveu o território de Rondônia para o Estado de Rondônia com 13 municípios (hoje tem 52) e nomeou o 1º governador – coronel Jorge Teixeira de Oliveira.

2-HISTÓRIA: O território de Ponta Porã teve como primeiro governador o coronel Ramiro Noronha. Mas a duração do território foi curta. Com a saída de Getúlio Vargas em 1945 e a posse de Eurico G. Dutra veio a Constituinte extinguindo em 1946 os territórios de Iguaçu (Paraná e Sta Catarina) e Ponta Porã. Os constituintes de Mato Grosso se uniram aos parlamentares catarinenses e paranaenses que reivindicavam a reanexação das terras do território de Iguaçu. Destacou-se a atuação de Aral Moreira (UDN), deputado que faleceu em 06/11/1952 aos 54 anos de idade no exercício do cargo, tendo assumido o suplente Lucílio de Medeiros (UDN), de Corumbá.

3-HISTÓRIA: Quando da emancipação do Distrito de Rio Verde do Sul em 1976, esse novo município foi batizado de Aral Moreira em homenagem a esse político, advogado e jornalista, nascido em Aquidauana e prefeito de Ponta Porã em 1928. Quanto ao deputado Lucílio de Medeiros, nasceu em 1909 em Corumbá, tendo cursado o Colégio Anglo Latino em São Paulo e a Faculdade de Farmácia no Rio de Janeiro. Embora no cargo, tentou sem sucesso a reeleição ficando novamente como 1º suplente. Além desta experiência parlamentar - fora inspetor federal de ensino e prefeito de Corumbá onde um ginásio de esportes é batizado com seu nome.

O MERGULHO no passado da nossa terra é oportuno e necessário. Primeiro - porque o cenário político está anestesiado com a pandemia do coronavirus. Segundo – porque é preciso passar aos leitores mais novos informações históricas de um período distante e pouco divulgado por uma série de fatores. Parte da população veio de outros Estados e por razões diversas não conhece a nossa história. Aliás, espero que as crianças estejam recebendo nas escolas essas lições de conhecimento, sob pena de termos uma geração alienada; craques na informática e pernas de paus em cultura regional. Sobre o assunto, o deputado Fabio Trad (PSD) observa que os cuiabanos são bem mais ligados que nós.

A esquerda tá com medo de morrer ou de trabalhar? (na internet)

A gente tem que se unir, procurar entender o outro, deixar suas diferenças de lado (Senador Nelson Trad Filho-PSD)

Ser demitido por ter sido fiel à medicina será razão de orgulho (deputado Fábio Trad-PSD)

Comentário

DIVIDIDOS: Quem está com a razão? Aqueles que se apoiam na visão científica amparada na Organização Mundial da Saúde, ou quem defende a tese de que o novo Coronavirus é jogada estratégica com objetivo financeiro da China? Na internet há farto material sobre as duas teorias. E para completar o quadro há o embate deste problema de saúde com os fatores políticos e econômicos. Temos uma eleição pela frente, a guerra no Congresso Nacional e uma notória preocupação empresarial. Quem está verdadeiramente com a razão?

ENFIM... cada um deve fazer sua parte, dentro de seus limites em nome da vida. A rotina doméstica era algo impensável nestes tempos modernos. Tirar o pé do acelerador pode ser uma grande chance de reflexão sobre nossa vida, resgate de velhos prazeres e valores de cada um. Vai depender, é claro, da formação social, familiar e cultural. A questão está posta. Pessoalmente, sem poder fazer meu comentário na TV Record MS, estou aproveitando deste ócio, tornando-o criativo através da internet. Vida que segue.

LEO FRAIMAN Para esse psicoterapeuta paulistano, essa quarentena vem em boa hora para os pais conhecerem que tipo DE filhos mandam às escolas para desespero dos professores. Os 15 dias ou mais será também a chance para pensar que tipo de vida estão levando, insatisfeitos no trabalho e no casamento. Afinal, hoje existem mais pessoas com medo de morrer do que com vontade de viver. Essa sociedade onde o importante é vencer, levar vantagem, caducou sem espiritualidade representada pela alegria, bom humor, leveza, flexibilidade e perdão. Nunca tivemos tantos gordos, endividados e viciados em soníferos. Época da sofrência. Concorda meu brother?

ASSUMINDO Nem todos os prefeitos do país estão vendo o problema sob o ponto de vista de saúde e avocando essa obrigação de decidir. Muitos deles, de olho nas eleições, querem evitar desgastes e tentam repassar às Câmaras Municipais, Clubes Lojistas e Associações Comerciais o poder (abacaxi) da decisão que certamente não agradará a todos os interessados. Aqui em Campo Grande o alcaide Marcos Trad (PSD) mescla medidas necessárias mas sem avançar o sinal; deve sair fortalecido do episódio. Seus eventuais concorrentes não tem sido protagonistas no atual cenário.

POSITIVA também a postura do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) com ações diversas; na economia prorrogou para 15 de junho o pagamento de prestação do ICMS (Refis) e Fundersul; suspendeu corte de energia e água por 3 meses e anunciou o pagamento de salários (R$ 482,1 milhões) a partir do dia 31; pediu concessões do Governo Federal nas dívidas de MS. Na saúde decretou estado de emergência, contratou 207 leitos hospitalares, disponibilizou 48 leitos exclusivos no Hospital Regional, fechou fronteiras, proibiu visitas aos presídios, suspendeu aulas e distribui kits para as unidades de saúde do interior. Faz a lição recomendada.

ALGUNS dados da amostra da Ranking Pesquisas em 20 cidades do MS realizada entre 20 e 24 de março exclusivamente sobre o novo CoronavÍrus. O trabalho possibilita a avaliação da postura de nossa gente, o que pensa e suas reações neste episódio inédito. O ministro Luiz H. Mandetta, por exemplo, é tido como correto para 42,24%; dominador do assunto para 33,88% e faz certo para 23,21%. Dado interessante: 80,12% estão com medo – 12,06% sem medo e 7,82% não sabem e não responderam. As medidas impostas são corretas para 76,41%; 18,06% reprovam e 5,53% não sabem/não responderam.

OUTRAS RESPOSTAS: 73,24% lavam as mãos – 22,12% acham que é coisa da China – 21,82% mentira, invenção pra lucrar - 5% doença de gente rica - 17,47% atrapalha a economia - 91,06% necessidade da quarentena - 40% acredita que não seja tão grave - 25,36% medidas muito duras - 17,64% admite ler fake news - 39,06% repassar o conteúdo. Vale destacar as opiniões sobre a pandemia: Muitos acham que é castigo de Deus; outros reclamam da falta de dinheiro, trabalho e comida. Há quem reclame da rotina caseira, sem poder viajar inclusive. Os dados disponíveis em Ranking Comunicação e Pesquisa – https://facebook.com/rankingpesquisa

1-DA ASSEMBLEIA: Deputado Antônio Vaz (Republicanos) presidente da Comissão de Saúde da AL vigilante em todas ações do Governo contra o Coronavirus. Deputado Lucas de Lima (Solidariedade) quer a liberação da cobrança de pedágio pela CCR-MS Vias na BR 262 e BR163 durante a pandemia do coronavirus e a suspensão das cobrança do IPVA por 60 dias. Deputado Neno Razuk (PTB) destinou R$1.250 mil de emendas à área da saúde de 17 cidades; pediu suspensão das atividades de servidores dos grupos de risco; debateu com o governador ações de enfrentamento da pandemia.
2-DA ASSEMBLEIA: Deputado Marçal Filho (PSDB) pede ao Governo a ampliação dos benefícios do programa Vale Renda; requer o uso do dinheiro do Fundo Eleitoral no combate ao Coronavirus; pede a suspensão da cobrança do estacionamento em Dourados através de parquímetros. Deputado José C. Barbosa (DEM) sugere o uso do antigo prédio do ‘Extra’ em Dourados como hospital de campanha e cobra kits para teste de vírus; celebra a decisão da ANEEL em suspender a cobrança da taxa energética por 90 dias. Deputado Capitão Contar (PSL); requer o uso da verba dos gabinete dos deputados para compra de máscaras e álcool em gel; votou pela decretação do Estado de Calamidade Pública.
3-DA ASSEMBLEIA: Deputado Lídio Lopes (Patriotas), presidente da CCJR - é membro da Comissão Fiscal e Orçamentária tem comparecido pessoalmente as sessões legislativas, atento as ações anti Coronavirus. Deputado Evander Vendramini (PP); requer ao Governo medidas que reduzam o impacto financeiro pelo isolamento social inclusive a suspensão da cobrança do IPVA; comemora liberação de emendas suas para aplicação na área da Saúde em Corumbá e Ladário; pede ao Ministério da Economia estudo para efetivar o refinanciamento das dívidas junto ao FCO e o uso do FGC.

FAMÍLIA & PODER O ex-governador de Mato Grosso Júlio Campos teve como pai Domingos de Campos, ex-vereador e prefeito de Várzea Grande entre 1947/1963. Jaime Campos, seu irmão, foi governador e é senador pela segunda vez. Sua mulher Lucimar é prefeita de Várzea Grande. Seu tio Silvio Curvo, senador nos anos 50. O seu primo Roberto Campos foi embaixador, ministro, deputado federal e senador. O primo Nelson Ramos foi deputado estadual (1959/1979). O primo Ari L. Campos foi prefeito de Várzea Grande e deputado estadual. O primo Nereu B. de Campos foi prefeito de Livramento e deputado estadual. O primo Gonçalo B. de Barros foi deputado estadual e José A. Curvo, secretário de saúde e deputado federal entre 1991 e 1995. Ainda, Roberto Campos Neto, atual presidente do Banco Central, é neto do ex-ministro.

‘NO RETROVISOR’: É natural; quem chegou aqui após 1978 desconheça a história de D. Aquino – que virou nome de cidade e de ruas no MT e MS. Seu prestígio era tal que numa época conturbada politicamente foi indicado governador por Wenceslau Braz entre 1918/22. Marcou pelo espírito conciliador político, incentivo ao patriotismo e cultura fundando a Academia Matogrossense de Letras. Nascido em Cuiabá em 1885, ordenado padre em 1903, doutorou-se em Teologia em Roma; aos 29 anos assumiu o Arcebispado de Cuiabá. Foi o 1º representante de MT na Academia Brasileira de Letras e tido como o maior orador de MT de todos os tempos. Faleceu em 1956 em São Paulo.

É POSSÍVEL um alemão genuíno no sertão ao Mato Grosso em 1843? Sim! Foi August Frederich Muller que veio como bolsista de Medicina Tropical e na região de Diamantino contraiu malária e acabou hóspede do prefeito (rico português), casando-se com sua filha Brígida (viúva) em 1848. Da união vieram dois filhos e um deles Júlio, casou-se com Rita Teófila da poderosa ‘Família Correia da Costa’. August veio a falecer logo depois aos 33 anos de idade. Júlio, virou prefeito de Cuiabá e deputado estadual por 5 mandatos. Teófila deu 3 filhos a Júlio e um deles era Fillinto Muller, personagem conhecido e senador duas vezes. Deste relato a sábia conclusão: sogro com prestígio abre as portas do poder para o genro.

‘FLASH BACK’: Eleitos para a Câmara Federal de Mato Grosso em 1945 (5 vagas): Dolor de Andrade (UDN) 6.769 votos; Ponce de Arruda (PSD) 5.190; Agrícola Paes de Barros (UDN) 4.792; Argemiro Fialho (PSD) 4.483; Gabriel Araújo (PSD) 4.249.

ELEITOS EM 1950 (7 vagas): Ponce de Arruda (PSD) 11.037 votos; Dolor de Andrade (UDN) 7.532; Ataíde de Lima Bastos (UDN) 7.272; Lício Proença Borralho (PTB) 6.643; Aral Moreira (UDN) 4.616; Philadelpho Garcia (PSD) 4.528; Virgílio A. Correa Neto (PSD) 3406.

ELEITOS EM 1954: Ponce de Arruda (PSD-PTB) 17.555 votos; José Fragelli (UDN) 11.702; Philadelpho Garcia (PSD-PTB) 9.976; Wilson Fadul (PSD-PTB) 9.195; Ytrio Corrêa da Costa (UDN) 9.158; Rachid Saldanha Derzi (UDN) 8.547; Júlio Abouth de Castro Pinto (UDN) 7.564.

ELEITOS EM 1.958: Wilson Fadul (PSD-PTB) 18.403 votos; Philadelpho Garcia (PSD-PTB) 12.335; Fernando L.A. Ribeiro (UDN) 10.579; Rachid Mamede (PSD-PTB) 9.584; Fernando J. Mendes Gonçalves (PSD-PTB) 9.262; Ytrio Corrêa da Costa (UDN) 8.590).

ELEITOS EM 1962 (8 vagas): Ponce de Arruda (PSD-PTB) 22.551 votos; Wilson Fadul (PSD-PTB) 22.070; Wilson Barbosa Martins (UDN) 21.963; Rachid Derzi (UDN) 17.699; Ytrio C. Costa (UDN) 16.220; Philadelpho Garcia (PSD-PTB) 15.482; Rachid Mamede (PSD-PTB) 10.744; Edson de Brito Garcia (UDN) 7713.

LEMBRANDO: Era difícil se eleger naquela época e também dificultava a renovação devido ao eleitorado diminuto e esparrado num território imenso de comunicações e transportes precários. Os distritos eleitorais sediados em Cuiabá, Rosário do Oeste, Cáceres, Corumbá, Campo Grande, Ponta Porã, Três Lagoas e Paranaíba.

Comentário

‘O OUTRO’ Enquanto o ex-governador Puccinelli (MDB) está em plena atividade política, seu ex-secretário de Obras e homem de confiança Edson Giroto leva mais uma ‘cacetada’ na segunda sentença condenatória da ‘Lama Asfáltica’: 7 anos e 6 meses de prisão. Em março de 2019 já fora condenado a 9 anos e 10 meses de prisão. O total agora chega a 17 anos e 4 meses e Giroto perdeu todos os recursos, inclusive no STF. Sem os bens que surrupiou, tomados pela justiça e com chance de novas condenações, ele pode ser equiparado a situação do ex-governador Sergio Cabral, do Rio de Janeiro. Plantou, colheu! Desejos sem limites e regras imorais que levam à desonra da prisão.

ESTRATÉGIA Valeu o ‘berro’ da sociedade, através das entidades produtivas e da manifestação através das redes sociais. Percebendo que o projeto ‘cavernoso’ das taxas cartorárias seria barrado na Assembleia Legislativa, o Tribunal de Justiça espertamente desistiu através da solicitação de arquivamento. Não acredito em novo projeto – como prometido – para abaixar essas taxas oceânicas que colocam o Estado como o mais cruel nas facadas cartorárias. Mas aqui fica a pergunta incômoda aos deputados: não irão eles propor um projeto para diminuir os valores destas taxas, ou não querem se indispor com o poderoso Poder Judiciário? Aguardo a resposta. Essa tal Anoreg é ‘sanguinolenta’!

JOAQUIM MURTINHO A maioria só tem como referências a cidade de Porto Murtinho e a rua que leva seu nome na capital e em outras cidades. Ele nasceu em Cuiabá em 1849 e foi para o Rio de Janeiro. Formou-se engenheiro e médico homeopata e a partir de 1890 se elegeu senador 3 vezes e foi ministro de Obras (Governo Manoel Vitorino) e da Fazenda (Governo Campo Sales). Tornou-se o maior acionista da Cia Mate Laranjeira e da Cia de bondes do RJ. Ele mandou na política de MT de 1892 a 1911 elegendo inclusive todos os senadores e deputados federais, impondo derrota aos grupos de Generoso Ponce e Antonio Paes de Barros.

E MAIS... Joaquim Murtinho era tão influente politicamente que em 1890 conseguiu que o presidente Deodoro da Fonseca demitisse o governador Antonio Maria Coelho e ganhou a concessão de duas ferrovias para seus dois irmãos. A Oligarquia Murtinho era forte: seu irmão Antonio Murtinho também comandou o governo estadual no Império e fora presidente de MT de 1892 a 1895 e ministro do STF no Império. O irmão mais velho de Joaquim foi senador e seu outro irmão Francisco Murtinho foi presidente do Banco Rio e Mato Grosso. Joaquim Murtinho morreu no RJ em 1911, aos 62 anos de idade. Detalhe: Sem jamais voltar à Cuiabá deu as cartas na política de Mato Grosso.

‘CURIOSIDADES’ O tal Banco Rio e Mato Grosso foi criado em 1891 (ação entre amigos!) com autorização do Governo. Os incorporadores eram Francisco Moreira da Fonseca, Francisco Murtinho e Francisco de Paulo Mayrink. O banco operou só até julho de 1902 quando entrou em liquidação amigável. Embora com sede no Rio de Janeiro, sua finalidade era de operar em MT tendo eles (antes mesmo da constituição do banco) ganho por decreto, a cessão gratuita de 500 mil hectares de terras em 10 glebas de 50 mil ha cada. O banco teve agencia em Cuiabá e caixa filial em Corumbá. No fundo o banco era só fachada dos interesses da Cia Mate Laranjeira aqui no Estado. Como se vê, a esperteza (500 mil ha) dos políticos brasileiros não é invenção recente.

CONFLITOS Eles não devem faltar nas relações sociais nesta época de coronavírus. Afinal, o brasileiro se acha o rei da cocada, acima de tudo e das regras inclusive. Nos bancos, no comércio e no dia a dia, é comum a desobediência às normas do Ministério da Saúde. Imagine o que vai acontecer então nos condomínios residências com piscinas, local de recreação infantil e salão de festas. A função do síndico será dificultada por esse tipo de comportamento de condôminos sem preparo para conviver com seus semelhantes no mesmo espaço. Se em época normal as relações nos condomínios andam difíceis, com discussões e brigas inclusive, agora ficará insuportável. É guerra!

CONFIRA: “ (...) Existe muito a se conhecer sobre a China e os chineses. Assim como comem cachorros, produzem excelentes vinhos. Um país que tira milhões de pessoas da pobreza, mas que mantém o desafio da desigualdade... Tanto a desinformação a respeito do vírus quanto o próprio desinteresse sobre o vírus são sintomáticos de uma era de pobreza informacional no âmbito intercultural. Só falamos do vírus de forma egoísta: quando o risco e o pânico batem em nossa porta...” (Rosana Pinheiro Machado, do The Intercept Brasil).

SACANAGENS Sai governo – entra governo e a Receita Federal continua tratando o contribuinte como inimigo, tendo em seu comando uma casta que parece viver em outra dimensão. Lá atrás, Bolsonaro jurou de pés juntos de que iria elevar o valor mínimo da isenção do pagamento do Imposto de Renda. No poder, ele não fala mais nisso. Outra barbaridade ocorreu em relação ao incentivo para que todos os patrões registrassem a empregada doméstica sob a promessa de que seria teriam o desconto na declaração do Imposto de Renda. Os patrões acreditaram e agora vão dançar sob o olhar silencioso dos políticos (coniventes ou ingênuos?)

REFLEXÃO: “As epidemias são uma categoria de doenças que, como um espelho, confrontam-nos com quem realmente somos. (...) Para enfrentá-las, é fundamental tomar consciência de que estamos todos juntos, fazemos parte da mesma espécie, o que afeta uma pessoa afeta todas as outras, sem divisões de raça ou status econômicos”. Trecho da entrevista de Frank M. Snowden, professor emérito de história da medicina na Universidade Yale para a revista The New Yorker. Conclusão: estamos todos no mesmo barco, podemos ir para o mesmo buraco.

ALERTAS: Ceder faz parte do jogo político. Bolsonaro foi congressista e sabe como as coisas funcionam. A força do eleitorado pode não reverter a sua falta de apoio lá no Congresso. Uma aposta perigosa. Os exemplos do passado mostram isso. Afinal, os congressistas tem igual legitimidade do presidente, pois também foram eleitos pelo voto. Pior: não temos a dimensão que o coronavírus tomará e até aonde impactará as economias nacional e mundial. As pessoas jurídicas e físicas estão apavoradas pelas oscilações da bolsa de valores. O momento exige equilíbrio do Governo. Bolsonaro deveria se inspirar na postura do ministro Mandetta, da Saúde. Seria o suficiente.

O CACIFADO: Antes, era o ministro da Justiça Sergio Moro a figura maior de todo o ministério do Governo Federal. Com a explosão da pandemia do coronavírus, o ministro Luiz H. Mandetta, discretamente – lembrando os mineiros – foi encarando os desafios e com postura e declarações didáticas e não agressivas caiu no gosto da população. Independentemente do final deste episódio, Mandetta sairá vitaminado politicamente a ponto de ser figura obrigatória no pleito de 2022. Já se fala: com Puccinelli fora de combate, o senador Nelsinho Trad (PSD) ainda com mandato, o atual ministro será uma nova opção para a sucessão de Reinaldo Azambuja (PSDB). Quem viver, verá!

VERDADE? Circulam várias teses sobre o aproveitamento econômico em cima da crise do coronavírus. Uma delas é que a China, internamente com uma inflação alta e concentração de renda superior dos americanos, acompanha a instabilidade e as crises nos mercados de valores representados pela volatilidade dos preços negociados na bolsa. Com isso aproveita através da compra de ações estrangeiras e brasileiras a preços baixos cujos resultados só saberemos no fim da pandemia. Fala-se que empresas nossas conhecidas mudarão de mãos. É legal, como permite a economia globalizada. Enfim, os chineses comprando algo mais que a simples pipoca em frente a escola. Eles podem!

FANTASMAS Eles estão por aí, às vezes levados a sério ou tratados com nossa ironia costumeira. Mas há quem compare essa crise com aquela de 2008/2009 da ‘bolha imobiliária nos ‘States’ e Europa que foi uma carnificina nos mercados globais de ações. O diabo é que o coronavírus apareceu num momento inoportuno - quando americanos e chineses travavam uma guerra de mercado. Prorrogar as contas mensais (água, energia etc) é simplesmente empurrar com a barriga. O Governo terá que arrumar dinheiro para bancar gastos bem mais altos do que garantir a cesta básica. Boa hora para medir a ‘sensibilidade’ do glorioso congresso nacional. Pra rir ou chorar...

NA TERRINHA Governo e prefeitura da capital vão fazendo as lições que o caso inédito exige. Suspensão das aulas, redução do pessoal, a concessão de férias aos servidores, revezamento de turnos, diminuição do atendimento presencial ao público são algumas delas. Já o prefeito Marcos Trad (PSD) após decretar emergência na saúde pública recomendou o fechamento por 15 dias de shopping centers, academias de ginástica, parques de lazer e restrição em 30% no horário de atendimento de bares e restaurantes. Museus, igrejas, cinemas, teatros, bibliotecas e centros culturais só poderão contar com apenas 50 pessoas. Quanto aos eventos públicos foram cancelados.

NA ASSEMBLEIA : Deputados José Carlos Barbosinha (DEM) e Marçal Filho (PSDB) juntos assinaram projeto aprovado que denomina Olga C. Parizotto o futuro Hospital Regional de Dourados com 79 leitos ao custo de R$ 79 milhões oriundos de recursos diversos. Enquanto isso, o deputado Antonio Vaz (Republicanos) é autor de projeto que institui o Código de Defesa do Empreendedor. Já o deputado Zé Teixeira (DEM) foi autor de emenda ao projeto do Executivo prorrogando em 30 dias a dilação de prazo para pagamento de créditos tributários. Finalmente o deputado capitão Contar (PSL) e o deputado José C. Barbosa participam das ações da CPI da Energisa mesmo neste período de recesso parlamentar.

Uma epidemia diz mais sobre nós mesmos do que sobre a própria doença (Denise Pimenta, antropóloga da USP)
.

.

Comentário

PERGUNTO: É muito ou pouco? Só os cartórios de Campo Grande em 2019 faturaram nada menos que R$ 108,8 milhões. Mas eles continuam insatisfeitos. Querem mais! Através do projeto patrocinado pelo Tribunal de Justiça e que tramita na Assembleia Legislativa - querem inibir a pratica de se lavrar escrituras em outros Estados onde são cobrados valores menores pelos cartórios. A notícia coloca em alerta nossas entidades de classe e já provocou reflexos imediatos junto a opinião pública. Vamos conferir qual a posição dos parlamentares sobre o projeto maligno. Pior que o novo coronavirus!

FACADA O deputado Marçal Filho (PSDB) é um dos deputados inconformados com a falta de boas práticas cartorárias em nosso Estado. Deu um exemplo que pode ser confirmado por vários cidadãos: uma escritura cobrada aqui no valor de R$ 9.600,00 custa apenas R$ 1.300,00 no Estado do Paraná. Vale lembrar que no ano passado a Federação das Indústrias do Mato Grosso do Sul e várias entidades do setor produtivo promoveram uma campanha contra essas taxas pornográficas cobradas. Foi entregue um memorando ao Tribunal de Justiça, mas pelo visto sem resultados positivos.

PINGA FOGO! No facebook os políticos vão vendendo o peixe como podem e a lei permite. O ex-secretário Marcelo Miglioli (Solidariedade) bate na tecla das multas de trânsito na capital, ouvindo motoristas e mostrando os problemas. Outro que tem usado a mesma arma é Marcelo Bluma (PV) que mais uma vez ressurge ao seu estilo. Seria o caso de se aproveitar esse espaço para questionar as ações do Partido Verde em prol da arborização das ruas e praças públicas da nossa capital. Há quem garanta que o PV não teria plantado nem um pé de alface nesta terra. Mas segue a galopeira...

PALANQUE O MDB apostou de vez no deputado Marcio Fernandes e até políticos expurgados pelas urnas foram convocados para reforçar a campanha. O plano do ex-governador André Puccinelli (MDB) é viabilizar a candidatura para chegar ao 2º turno agregando outros grupos adversários do atual gestor municipal. Como previsto, no facebook já começaram as postagens irônicas das supostas ligações entre André e o tio de Marcio – dono de 15 concessionárias de veículos. Prato cheio e indigesto durante a campanha. A internet é um campo minado na batalha eleitoral; isso é só o começo!

OPINIÃO Para o prefeito Marcos Trad (PSD) toda essa movimentação no MDB não passaria de simples jogo de cena com dois objetivos: manter o MDB unido e preservar de desgastes a imagem de Puccinelli para lançá-lo candidato no último prazo permitido pela lei. Marquinhos sabe com quem lida e não demonstra medo. Foi assim quando foi excluído da Comissão de Constituição Justiça e Redação da Assembleia Legislativa por interferência de André e deixou o MDB, sem espaço para viabilizar sua candidatura. Um detalhe é relevante: Marquinhos é bem mais preparado que Alcides Bernal. Daí...

VALORES Alguns casos do cotidiano apontam as inversões de valores. Suzane Von Richthofen – após planejar a morte dos pais – é bajulada como uma artista. O goleiro Bruno (réu na morte brutal de Elisa Samúdio) já bate as asas por aí e até inspirou a mini série na Globo. O episódio envolvendo o médico DráuzioVarela e um assassino de criança numa reportagem nojenta mostrada no ‘Fantástico’ é outro exemplo de desrespeito aos familiares de vítimas. Bandido aqui vira herói! Ora! Ao vermos o Paraguai prender o ex-jogador Ronaldinho é de se questionar: seria o país vizinho rígido demais ou o Brasil que dispõe um sistema penal benevolente, frouxo?

DONALD TRUMP: Esse seu discurso até que poderia ser utilizado por Bolsonaro. Confira: “Juntos estamos derrotando os democratas socialistas radicais, a mídia fake news, os políticos corruptos e a turba da esquerda movida a ódio... Estamos defendendo nossos valores, herança cultural, fronteiras, direitos e liberdade dada por Deus. Desde minha posse a esquerda iniciou a cruzada para anular a eleição. Radicais socialistas querem transformar a América num país irreconhecível como eles fizeram pelo mundo afora. Reprimem a dissidência exigindo conformismo absoluto, doutrina as crianças impondo 1 código fanático politicamente. Querem tomar as suas escolhas, seu dinheiro, discurso, armas, religião, história e liberdade... Nós temos que endireitar esse país”.

TRECHO do editorial “Não há Dráuzios no Paraguai nem no Japão” do “Estado” de 10/03/2020: “...(-) A reportagem do médico Dráuzio Varela não seria possível em terra japonesa. No Oriente, de vez em quando, as redes de TV mostram exemplos de casos de organização e disciplina, o trans brasileiro possivelmente teria sido condenado à pena de enforcamento. No Japão existe pena de morte. Também algemam seus presos e seu crime seria processado rapidamente, sem passar por uma delegacia de polícia...No Paraguai ou no Japão, um abraço dado a um detento, que matou uma criança de 9 anos seria certamente nos familiares da vítima. O Brasil é um dos poucos países em que idolatram bandidos. Em que matar os pais vira filme. Em que roubar a nação é tratado como Deus...”

CAPITAL Aquinhoada pelo Governo Estadual com mais de R$ 180 milhões para serem investidos em vários segmentos, da saúde à mobilidade urbana para garantir maior fluidez aos 590 mil veículos. Mais: 6 bairros ganharão 80 kms de asfalto; a avenida Mato Grosso será recapeada e novo acesso ligará o bairro Moreninhas à Av. Guaicurus em direção ao centro. Também será concluído o novo acesso a UCDB pela rua Marechal Câmara, no Jardim Seminário, além do recapeamento da Av. Florestal, maior via comercial do Conjunto Coophatrabalho e o acesso ao Polo Industrial Norte.

POLÍTICA Da tese de doutorado ‘Elites Políticas de Mato Grosso’ (1930-1965) de autoria de Larissa R. Vacari de Arruda, na Universidade Federal de São Carlos (SP) em 2019 (disponível na internet) extraí dados interessantes que a maioria desconhece. No trabalho de 273 páginas ela disserta sobre fatos e personagens do cenário político, muitos lembrados com o batismo de ruas, praças e prédios públicos. Consultando dezenas de obras ela passa a ideia do que foi o Mato Grosso desde o início, suas relações com o Governo Federal e as divergências políticas entre as suas regiões (norte e sul). Um trabalho de fôlego que ajuda a entender a nossa realidade política e social.

OUTROS TEMPOS Hoje reclamamos do asfalto; no início a viagem (de 3 meses) de Cuiabá ao Rio de Janeiro era pelo rio Paraguai até o Uruguai e subindo a costa brasileira. Duração de até 4 meses. Em 15 de dezembro de 1889 num baile em Cuiabá foram dadas ‘vivas ao Imperador’ e a notícia da proclamação não havia chegado. O ex-governador Arnaldo Estevão de Figueiredo estudou Agrimensura em Rio Grande (RS) e ia até lá de navio. Nas férias não vinha à Cuiabá devido ao tempo gasto na viagem.

‘LUZ DE POPA’ Nas eleições para o governo de Mato Grosso em 1965 votaram 203.649 eleitores, obtendo Pedro Pedrossian 109.905 votos e Lúdio Coelho, 87.588 votos. No pleito ao Governo em 1960 Fernando Correia da Costa (UDN) venceu com 66.206 votos contra 55.105 votos de Filinto Muller (PSD). Em 1955 João Ponce de Arruda (PSD) se elegeu governador com 51.314 votos contra 48.408 votos de Rachid S. Derzi (UDN). Eleições para governador em 1950: Venceu Fernando C. da Costa (UDN) com 42.286 votos contra Fillinto Muller (PSD) com 38.801 votos. Aliás, Fernando C. da Costa foi governador e senador duas vezes e prefeito da capital (eleito em1947).

CONTINUANDO... Eleições ao Senado em 1950: Silvio Curvo (UDN) 31.683 votos e Júlio Muller (PTB) 27.750 votos. Eleições presidenciais em 1945: Eurico G. Dutra 20.570 – Eduardo Gomes 19.426 votos. Para o Senado no mesmo pleito: Vespasiano Martins (UDN) 20.967 votos, J. Villasboas (UDN) 20.531, Filinto Muller (PSD) 20.432 votos e Arnaldo E. Figueiredo (PTB) 20.419 votos. Eleitos para a Câmara Federal: Dollor de Andrade (UDN), João Ponce de Arruda (PSD), Agrícola Paes de Barros (UDN), Argemiro Fialho (PSD) e Gabriel M. Araújo (PSD). Eleições ao Governo em 1947: venceu Arnaldo E. Figueiredo e Filinto Muller ao Senado.

RETROVISOR: Teor do requerimento do deputado estadual Valter Pereira em 1975 endereçado ao governador de Mato Grosso e publicado na imprensa: “Quanto custaram as cadeiras compradas para o Estádio José Fragelli; se houve licitação de preços; em caso positivo remeter cópia dos preços à Comissão de Finanças e Orçamento deste poder; em caso negativo esclarecer as razões da dispensa e qual a garantia de durabilidade oferecida pela firma vendedora das referidas cadeiras”. O lado curioso: a polêmica se repetiu por ocasião da compra das cadeiras da Arena Pantanal em 2013.

É tão bom cuidar dos pobres e o Sergio Cabral faz isso com muito carinho (Lula)

RÁPIDAS LEGISLATIVAS


Deputado Antonio Vaz (Republicanos): Fez indicação ao Governo para reforma da ponte de madeira no rio Aquidauana, em Terenos; participou de evento em homenagem às mulheres na AL; apresentou projeto com novas diretrizes em prol do empreendedor.
Deputado Evander Vendramini (PP): sugere a criação de CPI em nossa Federação de Futebol: autor de projeto instituindo o Carnaval de Corumbá como patrimônio cultural do Estado; eleito presidente da Comissão de Acompanhamento da E. Orçamentária.
Deputado Neno Razuk (PTB): Pede nova viatura e aumento de policiais militares em Nova A. do Sul; sugere curso de libras para os homens da Guarda Municipal da capital; pede conservação de estradas vicinais de Dourados e asfalto no Jardim Pelicano.
Deputado Contar (PSL): Atuando nas reuniões da CPI da Energisa; Requer política de proteção às vítimas do feminicídio; seu projeto que instituiu a Semana de Combate a Violência Obstetrícia virou lei e foi publicada no Diário Oficial na última quarta feira.
Deputado Marçal Filho (PSDB): Eleito presidente da Comissão de Serviços Públicos, Obras, Transporte, Infraestrutura e Administração; voltou a ocupar a tribuna abordando a questão das taxas cartorárias pedindo união dos colegas em benefício da população.
Deputado Zé Teixeira (DEM): Abordou com detalhes a importância da prorrogação do programa de concessão do REFIS pelo Governo do Estado; Requereu à prefeitura estudos para reordenar o transito na Av. A. Arinos no acesso ao Parque dos Poderes.
Deputado Londres Machado (PSD): Eleito presidente da importante Comissão de Controle de Eficácia Legislativa e Legislação Participativa; participou do ato de filiação ao PSD dos vereadores Aldair Freitas e Alinete Rodrigues de Inocência.
Deputado Barbosinha (DEM): Pretende implementar política para que os indígenas tenha maior renda na sua produção agrícola; eleito vice presidente da Comissão de Controle de Eficácia Legislativa e Legislação Participativa.
Deputado Gerson Claro (PP): Presente ao lançamento do pacote de obras do Governo Estadual onde manteve contacto com lideranças do interior; como líder do Governo tem levado ao Chefe do Executivo as reivindicações de dezenas de municípios.
Deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Junto com o vereador Francisco Veterinário tem implementado campanhas de proteção aos animais domésticos na capital; atento as questões de mobilidade urbana em alguns bairros de Campo Grande. Bom ouvidor.
Deputado Lídio Lopes (Patriota): Atuante como presidente da importante CCJR (Comissão Constituição Justiça e Redação); recebeu lideranças de bairros da capital e vereadores do interior em seu gabinete. Sempre aberto a eventuais sugestões.

Comentário

COMEÇOU! Com alguns quilos a menos e imagem facial renovada graças a um implante capilar, o ex-secretário estadual de Obras Marcelo Miglioli (Solidariedade) já iniciou suas estocadas contra a administração de Campo Grande. Na sua página do facebook ele fala das finanças prefeiturais e das enchentes ao criticar o drama que se repete a cada ano - sugerindo projeto de macrodrenagem. Internautas compareceram para criticar o oportunismo do pré-candidato. A campanha eleitoral promete.

NA PRAÇA Outro pré candidato que tem marcado presença nas redes sociais com fotos inclusive é Izaqueu Cipriano – ‘cap’ da Santa Casa de Misericórdia da nossa capital. Filiado ao Partido Progressista (PP) Izaqueu não é noviço em matéria eleitoral e vem exteriorizando a formula adotada para tentar chegar ao 2º turno. Percebe-se que o candidato progressista irá fundo nas questões sociais das regiões periféricas. O PP dispõe de tempo razoável no rádio e televisão e tem um bom fundo partidário.

PUREZA Nesta última quinta feira o procurador Sergio Harfouche deu entrevista na Radio Hora onde criticou episódios carnavalescos na capital envolvendo jovens. Ao final, questionado sobre sua eventual participação no pleito da capital, lembrou que até o final de março selará seu destino. E fez um arremate colocando-se como vítima do sistema: “ Infelizmente existem oportunistas querendo causar ainda mais impedimentos para que os eleitores possam escolher melhor seus representantes – é a prova de que ainda há políticos que pensam em benefício próprio”. Descoberta a América!

INSÔNIA: Basta ler o que ele pensa, escreve e decide para se ter o perfil do Juiz de Direito Roberto Ferreira Filho – titular da 1ª Vara Criminal de Campo Grande: “Um cidadão que vende um CD pirata pode receber pena de 2 a 4 anos de prisão, uma pena semelhante ao que se envolve em crime de corrupção...” Nas mãos dele dois processos merecedores de farto noticiário: o caso envolvendo o empresário Jamil Name (Operação Omertà) e da Lama Asfáltica onde pontifica a figura do ex-governador André Puccinelli (MDB). Magistrado desde 2001 vindo de Paranavai (Pr), é alvo de elogios pela sua conduta serena e rígida onde não admite distinção de classes sociais perante a justiça.

POR UM FIO: O assassinato brutal de Dirceu Lanzarini (ex-secretário da Casa Civil-MS) é mais uma demonstração da fragilidade das atuais relações humanas. As pessoas estão cada vez mais intolerantes, nervosas e matam seus semelhantes como se fossem baratas no banheiro. Recomenda-se cautela, sabedoria e grandeza – abrindo mão inclusive da própria razão. Como se diz: É melhor levar desaforo para casa ou prejuízo financeiro do que perder a vida. Lembrando Pearl S. Buck: “De todos os perigos, o maior é subestimarmos o nosso inimigo”.

ADEMAR X JÂNIO: Pelo estilo pessoal marcaram na política - ficando famosos por episódios que protagonizaram no poder e fora dele. Ademar de Barros foi fazer comício em Mogi Guaçu (SP) e disparou contra Jânio Quadros: “...Entre várias obras que fiz em São Paulo está o Pinel, hospital para loucos. Mas infelizmente não foi possível internar todos. Um deles está solto e fará comício aqui nesta praça na semana que vem”. Jânio soube da referência feita pelo adversário e na mesma praça lascou: “Quando fui governador de São Paulo construí várias penitenciárias, mas não prendemos todos os ladrões. Um deles escapou e na semana passada fez comício aqui nesta cidade”.

GENIAL: Presidente, Jânio Quadros recebe pedido de emprego para o sobrinho de um ministro que acabara de se formar advogado. Na lista de cargos vagos de assessores federais havia um na tesouraria dos Correios e Telégrafos. Quando o presidente revelou o salário do cargo o ministro padrinho do pedido curiosamente recusou alegando que era muito dinheiro para o rapaz começando a vida e que o ideal seria um salário mais modesto. Surpreso com a honestidade do ministro, Jânio desabafou: “Caro Ministro, abaixo desse salário só emprego por concurso público”.

OPINIÕES: O ex-ministro Roberto Campos tinha opiniões geniais. Economista liberal, cutucava os socialistas defensores da igualdade lembrando: “Deus não é socialista; criou os homens profundamente desiguais”. Segundo ele, a economia era a ciência de alcançar a miséria com o auxílio da estatística. Ele contava que em Moscou uma professora pediu a um aluno para conjugar o verbo planejar. Mal começou o aluno a balbuciar “eu planejo, tu planejas”; a professora interrompeu e perguntou-lhe o tempo do verbo: “Tempo perdido”. Campos lembrava Krushev - para quem os políticos são capazes de grandes ousadias, como oferecer pontes onde não há rio.

ASAS & CHIFRE: Quando o ex-presidente Jânio Quadros morreu, o velório foi dos mais concorridos. Chamou atenção um cidadão que não parava de chorar. Questionado por um jornalista, ele relatou sua ligação com o ex-prefeito paulistano. Disse que certa feita, muito tempo atrás, encontrava-se no alto de um prédio, pronto para cometer suicídio, quando o então vereador paulistano Jânio, apareceu gritando pedindo para que ele não fizesse a enorme bobagem. O tal homem insistiu que iria pular porque a esposa o havia traído. Jânio foi cirúrgico: “O que tua mulher te arrumou foi um par de chifres, não um par de asas. Desça já daí”. E salvou o cidadão.

FRUSTRADO: Embora considerado um cidadão por demais inteligente, patriota, estudioso e organizado, o grande Ruy Barbosa morreu sem realizar seu desejo de governar o país. Mas não foi por falta de insistir. Concorreu em 4 eleições: 1894 (ficou em 4º lugar), em 1910 perdendo para Hermes da Fonseca, 1914 derrotado para Wenceslau Braz e 1919 perdendo para Epitácio Pessoa. Sobre ele os críticos da época diziam que ele era intelectual demais e pragmático de menos. Pelo seu preparo e estilo era considerado ‘chato demais’, não era agradável aos olhos do eleitor. Contra ele uma notícia: Ruy era contra as vacinas, consideradas por ele como condutoras de moléstias.

MINEIRO: Explicação de José Maria Alkmim ao réu condenado a 5 anos de prisão por matar a namorada: “O ano tem 365 dias e 5 anos são 1825 dias. Nos 5 anos há 260 domingos, quando ninguém faz nada. Nos sábados (130) trabalha-se só meio dia. Na sua idade deve dormir 8 horas-dia e 5 anos representam 608 dias dormindo. Nos 5 anos temos 100 feriados. Assim você soma 260 com 130, mais 608 e 100 totaliza 1098 dias. Pegue os 1825 dias e deles retire 1098 e chegará ao total de 727 dias. Dividindo esse resultado por 30 sobrarão 24 meses, ou seja, só 2 anos de prisão...”. O condenado sorriu e suspirou aliviado diante da explicação do político. Enfim, embromado, mas feliz.

CHAMINÉS DA CULTURA: O deputado Luiz Eduardo Magalhães era o poderoso presidente da Câmara. Seu colega de parlamento, Paulo Lima (PFL), herdeiro da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) de Presidente Prudente, um dia reclamou: “Você precisa pedir ao MEC para dar uma folga nesta fiscalização em nossos cursos”. Magalhães mostrou-se surpreso – “MEC? Por que MEC? – Ora, Luiz, quem fiscaliza os cursos é o MEC. Eles estão pegando demais no nosso pé. Luiz Eduardo insistiu: “Achei que no caso das suas faculdades a relação fosse com a Fiesp. Não se trata de uma fábrica de diplomas? Então quem fiscaliza a fábrica é a Fiesp”. Os dois riram muito.

AH! O CORREIO... Eleitor sem dinheiro, do interior nordestino, foi ao prefeito pedir ajuda e ouviu dele a sugestão: “ Por que você não pede a Jesus Cristo? Ele não é o pai dos pobres?” O eleitor obedeceu e fez a carta pedindo 100 cruzeiros. Os funcionários dos Correios abriram a carta e com pena dele fizeram uma vaquinha de 50 cruzeiros e colocaram na carta. Mas veio a surpresa numa outra carta dizendo: “Senhor Jesus, agradeço a ajuda que pedi, mas da próxima vez mande em cheque porque dos 100 reais o pessoal do Correio meteu a mão em 50”.

UMA FIGURA!: Helio Garcia contrariou a lógica e governou Belo Horizonte e Minas Gerais fazendo seus sucessores Newton Cardoso e Eduardo Azeredo. Era especialista em pensar muito e não dizer o que pensava. Frases suas: “Tem o sabido e o sábio” – “Não brigo, mas também não faço as pazes” – “Não tenho tempo para fazer novos amigos, quanto mais novos inimigos”. Em 1985 elegeu Sergio Ferrara (que tinha defeito numa perna) prefeito de BH. Em campanha pelas favelas, Hélio incentivava: “ Manca, Ferrara! Mancar dá voto!” Por beber muito e pela estatura enorme ganhou o apelido de ‘Dojão’ (o carro Dodge Dart da época). Morreu em 2016, aos 85 anos de idade.

‘RETRO-CID’: “Quando pensamos que estamos no fim, vem uma retroescavadeira e cava um novo fim do poço. Quando um senador joga um veículo desse em cima de uma multidão e é parado com tiros no peito, é porque não vivemos em estado de normalidade democrática. O que Cid Gomes fez e ao que foi submetido na última quarta – feira (19) foi a mais triste demonstração de que fracassamos miseravelmente – como sociedade.... Estamos no pré-sal do poço da democracia e sinto muito dizer, mas estamos longe de chegarmos no fim” ( Erick Mota – jornalista)

Tancredo Neves: “Se Deus não lhe deu a graça da humildade, peça a ele a da dissimulação e finja que é modesto”

Comentário

QUEM MESMO? Ao cronista, Pedro Kemp insinuou que gostaria de ter seu colega de PT e de parlamento estadual Cabo Almi como candidato a vice prefeito da capital. Mas Almi já viveu a experiência como vice do deputado Vander Loubet (PT) no pleito de 2012 com 21.377votos (4,87%). Aliás, nas eleições de 2004 Vander já havia tentado ser prefeito contra Nelsinho Trad (MDB) obtendo 87.981 votos (22,99%) e em 2008 foi a vez de Pedro Teruel (PT) perder para Nelsinho chegando a 93.948 votos (23%). Em 2016 Alex do PT perdeu para Marcos Trad (PSD): 8.482 votos (1,99%). Vexame total!

A MISSÃO: Pedro Kemp tem a dimensão de sua candidatura, numa época de vacas magras do PT e pelos últimos resultados aqui. O deputado petista reúne os predicados necessários ao encantamento do eleitorado? Sua estrutura de campanha será compatível com o projeto de poder? Sabe que precisará vencer a natural timidez, pois falta-lhe também a imprescindível iniciativa do abraço e sorriso no dia a dia Numa eleição municipal isso conta. Mas como se diz: ainda ha tempo para ele aprender.

AVANÇOS Foi o resultado do equilíbrio da postura política partidária com o preparo técnico a reeleição do deputado Lídio Lopes (Patriotas) para a presidência da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) da Assembleia Legislativa. Sendo a comissão mais importante da casa tem várias atribuições exclusivas: Uma delas: É ela quem dá o parecer sobre a intervenção federal, estadual e municipal, a perda de mandato do governador, do seu vice e dos deputados. Assim, após fortalecer sua liderança regional no Cone Sul , o parlamentar vai consolidando seu espaço no legislativo.

‘O HONESTO’: Lula continua se achando a cereja do bolo; o mais correto de todos os homens; o mais humilde e menos pretensioso da terra. Repercute na mídia e redes sociais a ‘esculhambada que ele recebeu (audiência da última quarta feira) do procurador federal Igor Miranda – negro e originário da periferia que rebateu os comentários escrotos do ex-presidente Lula (PT), lembrando que não fora o responsável pela denúncia, mas que tinha o dever institucional de buscar a verdade. Lula engoliu seco e voltou para seu lugar.

ESQUISITO: É o termo apropriado para definir o episódio envolvendo o deputado federal Loester Truts (PSL) no último dia 16, quando teria sido vítima de atentado na rodovia Campo Grande a Sidrolândia. Embora estejamos distante de uma campanha eleitoral vale lembrar como os atentados influenciam no imaginário popular, criando clima, mexendo com a cabeça e a imagem das pessoas. Longe de admitir que esse fato poderá tornar o deputado vítima ou mártir, o episódio vem sendo tratado até aqui com certo ceticismo pela opinião pública. Mas esperar a apuração é o melhor remédio.

NA TRIBUNA: Sem dar entrevistas, o deputado fez pronunciamento na Câmara Federal só exibido nas redes sociais. Sobre o fato a fala clareou pouca coisa e priorizou as críticas à classe política local – ligando-a inclusive a vários episódios policiais como a apreensão de armas e a prisão recente de pessoas influentes daqui. Por omitir nomes, naturalmente atraiu a antipatia de outros políticos. Há mais dúvidas do que certezas. E mais: o deputado – embora corajoso em suas falas, não é ainda figura ícone que gere sentimento de consternação geral.

A PROPÓSITO: Os atentados marcam a memória. Lá fora foi assim com Abraham Lincoln, Gandi, John Kennedy, Robert Kennedy e Martin L. King. Aqui tivemos o atentado contra o presidente Prudente de Moraes, o assassinato de João Pessoa e a tentativa contra o jornalista Carlos Lacerda. Mas a tática do deputado em adotar uma postura atípica é que municia a imprensa de incertezas e vazios. Em início de mandato, de estilo criticado (não concede entrevistas – só usa as redes sociais) o deputado não mereceu nem dos colegas de partido as manifestações de solidariedade. Mau sinal.

CADÁVERES: Influentes no curso da história dos povos. Aqui no Brasil tem caso pitoresco. João Pessoa (Presidente da Paraíba) ex-companheiro de chapa de Getúlio Vargas que perdeu a eleição presidencial para Júlio Prestes em 1930. Ele foi assassinado pelo advogado João Dantas (por motivos passionais), mas espertamente o grupo político de Getúlio deu ao fato motivação política que fomentou a ‘Revolução de 30” - derrubando o presidente Washington Luíz, impedindo a posse de Prestes e permitindo a ascensão de Vargas. Morto em 26 de julho - o cadáver ficou insepulto ( sob discursos e manifestações) até ser sepultado no ‘Rio’ em 8 de agosto. Rendeu dividendos políticos.

‘VALE TUDO’ O então deputado Alvaro Valle (PL) foi solicitado pelo presidente da Câmara da época Luiz Eduardo Magalhães para atender um pedido de ressarcimento de despesa com uma operação de hemorroidas feita nos EUA ao custo de 40 mil dólares pelo deputado Wellington Fagundes, do Mato Grosso. “Eu não sabia que ele havia operado...” disse Vale, antes de apurar o caso. Dias depois, contou o que descobriu: Fagundes fizera sim um implante de cabelos, mas como tal tratamento não permitia a reembolso - ele optou por algo, digamos, tanto mais delicado, oculto e convincente. Impossível conferir.

A SOLUÇÃO? Finalmente o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por 7 votos a 2 manter em vigor a lei que renova antecipadamente a concessão de ferrovias. No rol das linhas está a Malha Paulista da Rumo que por consequência beneficiará também a Malha Oeste de nosso Estado, que na pratica poderá concretizar o projeto do corredor logístico da ferrovia Transamericana. Mas em temos mais imediatos poderemos ter reformado esse trecho da antiga Noroeste. Se a Rumo alegava incertezas quanto a renovação para investir na recuperação da ferrovia, agora essas desculpas não se justificam mais. Chegou a hora!

OTIMISMO: Leio tudo sobre tudo quando o assunto versa sobre as previsões da economia do Estado neste ano. Achei interessante essa nota divulgada pelo ‘Radar Industrial da Fiems’ sobre a nossa indústria moveleira. Temos nada menos que 372 empresas que empregam 2.702 trabalhadores com uma massa salarial superior a R$48 milhões mensais. Após 3 anos de crise, a previsão é de crescimento do faturamento em 20% em 2020. Esse nicho de atividade atrelado a construção civil - locomotiva da economia - segue monitorado pela Federação das Indústrias do Mato Grosso do Sul.

TIROTEIO: “Nós não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Foda-se”. A frase dita pelo ministro Augusto Heleno (Segurança Institucional) – revoltado com a postura legislativa contra o Palácio do Planalto - tem repercutido nas mídias sociais sob aplausos de seus frequentadores, críticos ferrenhos dos presidentes Rodrigo Maia (Câmara Federal) e Davi Alcolumbre (Senado Federal). Se o jogo de braço continuar será visto como um 3º turno das eleições presidenciais - até que se resolva de vez o acordo relacionado a maior liberdade dos deputados e senadores para destinação das verbas federais. Entendeu? ‘É dando que se recebe...’ Entendeu?.

PAUTA INDÍGENA infinita! O deputado Pedro Kemp (PT) rebateu a sugestão do seu colega João Catan (PR) para mudar a Constituição visando acabando com conflitos pela terra. E argumentou: Como pretender que o índio negue sua própria raça? Seria como pretender que alguém seja um esquimó! O índio sempre será índio. Índios cursam faculdades, mas continuam índios. Dois provérbios indígenas: “Ajuda-me, ó Manitu, a não julgar meu semelhante antes que eu tenha andado sete dias com suas sandálias”. “Somente após última árvore ser cortada; o último rio ser envenenado; o último peixe ser pescado – só então o homem descobrirá que dinheiro não pode ser comido”.

MISTÉRIO No passado sofri com as formalidades da Unimed em não reembolsar os fatos efetivados fora do MS. De vez em quando ficamos sabendo de casos intrigantes. O último deles: um amigo teve que pagar o preço da tabela de ‘particular’ a um notório especialista do coração aqui em Campo Grande para implantar pontes de safena porque o mesmo se negara a operar pela Unimed. O mais grave do caso: o citado médico revelou que prefere realizar o procedimento pelo SUS do que pela citada cooperativa. E pensar que as mensalidades da Unimed estão cada vez mais caras e inacessíveis para a grande maioria. Fim da picada!

O PREÇO Os moradores de todas regiões da capital querem asfalto. É assim também nas demais cidades onde essa melhoria representa o progresso e bem estar a população. Mas aqui – a exemplo de tantas outras capitais – as chuvas vem provando de que as aparências enganam. Após alguns anos da construção vieram a tona as deficiências nestas obras – principalmente no que tange a capacidade de absorção das águas pelas galerias, incompatíveis com a extensão e seu fluxo. Vamos ter que nos acostumar com essa realidade? Pelo jeito sim.

BARÃO DE MAUÁ:

O melhor programa econômico do governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem

RÁPIDAS LEGISLATIVAS


Deputado Antonio Vaz ( Republicanos): Presidente da Comissão de Saúde está comemorando os R$400 milhões injetados pelo Ministério da Saúde no MS e com a entrega de 28 desfibriladores e 52 monitores de sinais vitais pelo ministro Mandeta.
Deputado Lucas de Lima (Solidariedade) lembra: Na Alemanha caminhões movidos a ‘GNV’ são isentos de pedágio; Em Madri, mil ônibus usam gás natural; caminhões de lixo idem: Em Cartagena (Colômbia) 500 ônibus já trocaram o diesel pelo gás natural.
Deputado Marçal Filho (PSDB) Questionou a falta de planejamento na educação em Dourados; pede chance dos devedores quitarem débitos de água e energia antes do corte e pediu maior atenção da prefeitura douradense quanto a educação infantil.
Deputado Lídio Lopes (Patriotas) Líder maior do Cone Sul marcou presença no dia 16 último em Anaurilândia com a realização de Ação Social Unidos pela Fé com atendimento médico, odontológico e jurídico a centenas de pessoas da comunidade.
Deputado Zé Teixeira (DEM) Pediu reparos na ponte do Córrego Cristalina (Fátima do Sul) na MS 278; patrolamento das rodovias MS 280 e MS 278 (Caarapó); na tribuna fez a análise equilibrada da delicada questão de áreas ocupadas por indígenas no MS.
Deputado estadual José C.Barbosa (DEM) Titular da CPI da Energisa está atento aos trabalhos; na tribuna propôs ao Governo solução para a convocação dos professores atuantes na educação especial; recebeu visita de vereadores e prefeitos em seu gabinete.
Deputado Gerson Claro (PP) Pediu recuperação de ruas do Jardim Bordon e Oliveira I (na capital); tem se reunido com deputados da base aliada objetivando sua missão de líder do Governo na Casa; recebeu lideranças de bairros e interior no seu gabinete.
Deputado Londres Machado (PSD) Mais uma vez coube-lhe intervir para elucidar questões envolvendo a participação de deputados nas mais diferentes grupos de trabalho. Braço direito do presidente da Casa, cumpre com êxito a missão.
Deputado Neno Razuk (PTB) Destinou emenda parlamentar no valor de R$40 mil à APAE de Novo Horizonte do Sul para aquisição de veículo. A entidade existe há 20 anos e atende 65 pessoas urbanas e rurais, segundo sua presidente Marinalva Lemes.
Deputado Evander Vendramini (PP) Pediu instalação da unidade de cuidados intermediários neonatal em Corumbá: requer voos da capital para Corumbá com escala em Bonito; inclusão do Dia da Assembleia de Deus no Calendário Oficial de Eventos.
Deputado Marcio Fernandes (MDB) Prepara-se para conciliar o exercício do seu mandato, inclusive nas comissões, com sua candidatura a prefeito de Campo Grande; vem conversando com lideranças de bairros e acolhendo sugestões de propostas.

Comentário

MODISMO: “Ser de esquerda é muito fácil. Basta dizer “sou de esquerda” e acabou. Você vira vagamente intelectual, vagamente sensível, vagamente descolado, solidário. Mas se você diz “não sou de esquerda” em que se explicar para o resto da vida: ‘não sou de esquerda, mas não sou homofóbico, não sou de esquerda mas não sou racista’. Essa ideia de que você tem um lado da rua onde está a bondade e outro não, a história já massacrou isso de um jeito, velho. Você precisa ser muito analfabeto, alienado, muito marciano para não ver os estragos que a utopia e projetos ditos coletivistas fizeram com a humanidade. Então rapa fora enquanto é tempo”. Do ator ‘casseta’ Manoel Cláudio.

‘CAFÉ AMIGO’ com o prefeito Ivan da Cruz Pereira (Xixi) (DEM) de Paraíso das Águas ainda comemorando a premiação pelo Ministério da Saúde junto com apenas 14 cidades de todo o país, entre elas Brusque (SC), Campos de Jordão (SP) e Carlos Barbosa (RS) por suas ações de combate e preventivas contra epidemias em geral. Nos contatos junto a população do município senti a satisfação da comunidade no trato da saúde pela prefeitura que garante assistência médica 24 horas no pronto socorro com serviços de ultrassom e raio-X digital. Em Paraíso o prefeito consegue a proeza de ser unanimidade pela sua postura ágil e competente. Aliás, as pesquisas mostram isso.

AVALIAÇÕES A ministra Tereza Cristina da Agricultura, segundo confissão de Bolsonaro ao prefeito Ivan, é o nome preferido dele presidente para ser candidata a vice em 2022. Para o prefeito, o ministro Mandeta da Saúde hoje em alta - poderá ser o nome do partido para a sucessão estadual. Na audiência com o presidente Bolsonaro o prefeito ficou impressionado com a intimidade dele em relação a realidade social e econômica do nosso Estado, ao quadro político e seus personagens inclusive. Avalia o prefeito Xixi: “um presidente bem informado de tudo sobre o MS”.

MAU SINAL Nem começou o jogo e o ex-governador Puccinelli (MDB) já levou cartão amarelo com declaração inoportuna e arrogante, apesar de desempenho fraco nas pesquisas, das prisões e dos escândalos pipocndo na justiça. Acostumado a condição de ‘pole position’ e bajulado nos círculos políticos, está revoltado com a nova situação que ele próprio provocou. No saguão da Assembleia Legislativa o assunto esteve na pauta do observadores de plantão com um dúvida unânime: até onde a participação de Puccinelli na campanha do ‘candidato’ Marcio Fernandes garantiria o êxito da mesma?

O PRÓXIMO? A morte do jornalista Leo Veras na região da Fronteira lembra bem o último dia de vida de Santiago, o personagem do livro ‘Crônica de uma morte anunciada’ do escritor colombiano Gabriel Garcia Marques. Sobre mais essa barbárie do narcotráfico os deputados Lídio Lopes (Patriotas) e Evander Vendramini (PP) e Lucas Lima (Solidariedade) fizeram ao colunista uma análise do clima tenso que paira entre os profissionais de comunicação na fronteira – com uma indagação pertinente: ‘quem será o próximo’? Leo Veras não encerrará a triste lista de assassinatos. No jornalismo da fronteira até os cronistas sociais correm risco de vida.

DILEMA Como montar um projeto eleitoral sem gastar muito para se eleger vereador numa cidade de 5 a 7 mil habitantes? Nesta semana conversei com um ex-candidato a vereança numa cidade deste porte que desabafou? “Tá difícil! Você vai numa igreja e antes de falar com o chefe (pastor) você tem que acertar o diácono para conseguir um espaço paralelo. O pior; em todas as famílias numerosas há vários candidatos; um cenário muito diferente de antes. Guardar dinheiro para comprar voto na véspera nem sempre funciona. Ouvi pacientemente e conclui: ‘trabalhar ninguém quer’.

LÍNGUAS AFIADAS Para esse ex-candidato o salário (sem os penduricalhos) acaba atrapalhando o discurso, pois reina na opinião pública uma ideia de que os pretendentes visariam apenas as vantagens financeiras. A situação chegou a ponto de que eventuais promessas – com declarações firmadas em cartório inclusive abrindo mão dos salários em prol de entidades – não dobram o ceticismo do eleitorado. Numa cidade pequena a população fica de olho no padrão de vida dos políticos, fazendo a comparação com a época anterior a conquista do mandato. Nada passa despercebido. Olhar com lupa!

NOVO CENÁRIO: Teremos 35 partidos políticos. Nos municípios com até 100 mil eleitores cada um deles poderá lançar até duas vezes o total de cadeiras na Câmara. Nos municípios com mais de 100 mil eleitores - o número de candidatos não poderá ser superior a uma vez e meia do total de cadeiras legislativas. Assim aumentará o número de candidatos dos partidos nanicos; explico os motivos: antes os nanicos ficavam de fora da disputa por não atingir o quociente eleitoral e agora passarão a disputar as ‘sobras’ das cadeiras não distribuídas pelo Quociente Partidário.

E MAIS... Outro fator é o aumento da direita no país desde 2018 - que provocará a ideologização das campanhas - tornando o embate municipal num espelho do quadro nacional, com o debate sobre valores e costumes inclusive. . Até aqui as campanhas municipais eram divorciadas politicamente do cenário federal, com os candidatos impondo o caráter da pessoalidade, independentemente de partido ou grupo alinhado. A tendência é que temas nacionais façam parte da campanha, com a exploração dos casos de corrupção e as consequências danosas as cidades interioranas inclusive; a situação do hospital; a escola inacabada, a viatura policial , a rodovia ruim na lista dos ‘lembretes’.

RETROVISOR: Na política nacional a direita extremada cresceu, mas no interior centro-direita e a direita moderada historicamente são superiores à esquerda. Aliás, o perfil dos prefeitos prova isso: empresários, agricultores, comerciantes, curso superior completo e quase sempre contrários a política da esquerda. Em 2016, foram 3.699 prefeitos eleitos (66% das cidades) pertencentes aos maiores partidos (MDB,PP, PSDB, PR, DEM, PSD e PTB). A tendência é de crescimento das siglas alinhadas ao projeto do Planalto, como aconteceu antes no Governo de Fernando Henrique (PSDB) e dos petistas Lula e Dilma Roussef.

ENFIM... a nacionalização do debate eleitoral também será caracterizada ainda pela maior participação dos militares e de gente ligada a segurança, a exemplo das eleições de 2018. A tendência é que tenhamos também nas câmaras municipais um contingente maior destes personagens alinhados a política mais a direita e com forte tendência na defesa dos valores morais e da família tradicional. Isso dependerá também da avaliação do Governo Bolsonaro no decorrer deste período e da postura (hoje encolhida) da forças da esquerda em dificuldades para juntar a militância, bem menor do que era antes.

POLARIZAÇÃO: Ela não terminou após as eleições de 2018; muito pelo contrário - ganhou contornos de radicalização dos posicionamentos políticos-ideológicos com ingredientes ligados a religião, artes, cultura e sexualidade nas redes sociais com direito inclusive ao fenômeno do ‘fake news’. Todo fato noticiado é explorado politicamente. Dois casos atuais: a nomeação da atriz Regina Duarte para a Secretaria da Cultura e a indicação do documentário ‘Democracia em Vertigem’ da diretora Petra Costa para concorrer a premiação do Oscar 2020. É o olhar político do cidadão internauta.

MILONGUEIRO? Papa Francisco desagradando o decrescente ‘rebanho católico brasileiro’ cada vez mais ausente da igreja. Sua posição mais à esquerda em questões emblemáticas é visível; desastroso no episódio das queimadas na Amazônia a exemplo de suas opiniões em questões sociais e políticas. Soou mal sua posição contrária a participação de homens e mulheres nos atos da Igreja na Amazônia. O Papa argentino que vendia a imagem de renovação passará a história como o Papa igual ao antecessor alemão. Quanto ao encontro com o ex-presidente Lula só agradou ao PT e Cia.

DUAS PONTAS: Na primeira delas o Governo Bolsonaro vai bem com medidas de ordem econômicas que vão mostrando recuperação – ainda que lentamente. Também não tem havido casos escabrosos de corrupção como ocorreu nas administrações anteriores. Na segunda, representada pela comunicação com a sociedade, há muito a aprender e melhorar. O Governo consegue se desgastar em agendas sem importância e que ganharam destaque na mídia exatamente pela falta de habilidade no seu trato. Bolsonaro precisa falar menos, a exemplo de alguns ministros e auxiliares. Com isso fornece combustível à oposição tratada com carinho pela grande mídia. Amadorismo!

PRAZOS ELEITORAIS: Detentores de mandatos eletivos que vão disputar a reeleição poderão trocar de partido ( janela eleitoral) entre 5 de março a 3 de abril. Vence no dia 4 de abril o prazo para aqueles sem partido e que pretendam se candidatar. Dia 4 de agosto é o último dia para registro das candidaturas. Será mais curto o período da propaganda eleitoral no rádio e televisão: de 28 de agosto a 1 de outubro. Até o dia 3 de outubro (véspera das eleições) poderão ser realizadas caminhadas, passeatas e carreatas. Já as convenções partidárias poderão ser efetivadas entre 20 de julho a 5 de agosto. Dia 1 de outubro é a última data para os debates no rádio e televisão.

CUIDADO!: Os pré-candidatos que se cuidem para não ‘dançarem’ antes do ‘baile’. Não pode fazer pedido explícito de votos e utilizar outdoor, mesmo sem texto de teor eleitoral. Proibido usar meios de publicidade vedados no período eleitoral, como distribuir camisetas, bonés e brindes. A justiça eleitoral estará de olho nos gastos excessivos e na utilização de meios vedados. Neste caso ele poderá ser penalizado por abuso de poder econômico que resulta em cassação do registro, diploma, mandato ou inegibilidade por 8 anos. ( Caso da senadora (Selma-PSC) de MT). Lembro; os suplentes destes candidatos – se eleitos – poderão recorrer a justiça contra eles tomando-lhes a vaga. Vale tudo por um mandado. Se vale!

NA INTERNET: “O desfile das escolas de samba no Rio custa R$ 70 milhões para a prefeitura. O enredo é fácil de entender, difícil de engolir. Quem vende os espaços é a Liesa (Liga das escolas); quem vende o patrocínio comercializando várias cotas milionárias é a Rede Globo. O carnaval do Rio precisa viver De recursos privados ,não da prefeitura que tem 100 mil aposentados, 100 mil funcionários pra pagar e 650 mil crianças nas escolas pra cuidar – a maioria atendida pelo Bolsa Família. O carnaval é bom pra cidade, mas ele deve ser pago pelos recursos privados e não da prefeitura.”

RÁPIDAS LEGISLATIVAS

Deputado Antônio Vaz (Republicanos): Pediu mais recursos ao Hospital Municipal de Naviraí; requereu a criação da comissão para defesa das crianças e juventude; presidiu audiência pública ( dia 13) sobre saúde através do programa ‘Previne Brasil’.

Lucas de Lima (Solidariedade) Ligado as questões do meio ambiente e proteção dos animais. Presidente da Comissão do Meio Ambiente quer a preservação da mata do P. dos Poderes; trata de incentivos ao uso do GNV como combustível junto a MS Gás.

Deputado José C. Barbosa (Democratas) Contra a reelicitação das obras da BR 163 pedida pela CCR MS Via; pede a disponibilização de recipientes com gel em locais públicos para evitar a propagação do vírus do H1N1 e de outras epidemias.

Deputado Lídio Lopes (Patriotas) Visitou 7 cidades do Cone Sul e entregou aparelho de ultrassonografia para a Casa da Gestante de Eldorado. Com 40 vereadores, prefeitos, vice prefeitos o deputado promete surpreender nestas eleições. Uma força interiorana.

Deputado Marçal Filho (PSDB) Quer medidas para coibir posturas lesivas aos idosos na contratação de empréstimos; alertou sobre a previsão dos casos de câncer no MS em 2020; fez reflexão na tribuna sobre o valor do planejamento na administração pública.

Deputado Capitão Contar (PSL) Contra o desmate de vegetação nativa no Parque dos Poderes; pede transparência no Fundersul; flexibilização na cobrança do ICMS antecipado; insistindo no combate eficaz ao mosquito da dengue em todo o Estado.

Deputado Neno Razuk (PTB) Comemora abertura da licitação pela Agesul do projeto de engenharia para duplicação da rodovia156 e construção de passarela no entorno de Dourados ); eleito vice líder do bloco partidário denominado G11. Tem bom trânsito.

Deputado Jerson Claro (PP) Eleito líder do Governo na Assembleia; foi à MS Gás junto com o deputado Lucas Lima para tratar da política de incentivo ao uso do GNV; está atento a política de industrialização do Estado sem descuidar do meio ambiente.

Londres Machado (PSD) Por unanimidade eleito líder do bloco denominado G 11 com a função de decidir por posições na apreciação de matérias diversas que exijam bom trânsito junto a colegas e a outros poderes e experiência no trato com a coisa pública

Marcio Fernandes (MDB) Apesar da escolha para disputar a prefeitura da capital não descuida de seus projetos e no contato com lideranças em seu gabinete. O início da colheita de soja e Rota Bioceânica monitoradas pelo parlamentar ligado ao meio rural.

Evander Vendramini (PP) Requereu a criação de salas de descanso aos médicos, enfermeiros e auxiliares nos hospitais; Viu atendido seu pedido para asfaltamento do trecho ( 12 kms) de acesso a Porto Esperança, uma velha aspiração da comunidade.

José Teixeira (DEM) Focado em ações voltadas ao meio rural e nos desafios das cidades interioranas principalmente. Pediu empenho da bancada federal na solução de problemas de Caarapó, com quem o parlamentar mantém laços fortes de relação.

Deputado João Catan (PL) Arquivado por 9 votos a 2 seu polêmico projeto de 2019 permitindo a doação de sangue por homossexuais. Matéria de competência exclusiva federal ( Ministério da Saúde)segundo relatoria do deputado José Carlos Barbosa –

Comentário

PESQUISAS: Criticadas ou não cabe ao leitor fazer sua leitura e tirar as conclusões que entender coerentes ou convenientes aos seus interesses. A amostragem realizada pela ‘Ranking Pesquisas’ em Campo Grande entre os dias 28 de janeiro e 2 de fevereiro (registrada na Justiça Eleitoral sob número 05366/2020) traz em seu bojo alguns números e respectivos personagens que merecem considerações do colunista.

REJEIÇÃO: Antes ignorada, é fator olhado com atenção pelos cientistas políticos. Candidatos com chances de vitória não conseguem superar um patamar de intenção de votos devido a antipatia pessoal ou aversão a postura. No relacionamento humano rejeição significa desprezo e repulsa. Sigmund Freud definiu a rejeição como um sentimento terrível vivido pelo ser humano. Quando esses postulantes ficam estagnados ao longo das pesquisas, as causas podem estar ligadas a rejeição. Luz amarela que não pode ser ignorada nas pesquisas eleitorais.

VEJA BEM: Zeca do PT é o mais rejeitado dos candidatos da pesquisa com 16,08% dos entrevistados, embora esteja em 7º lugar no item aceitação, atrás de Marcos Trad (37,66%); André Puccinelli (6,08%): Rose Modesto (4,66%); Odilon (3.66%); coronel David (3,50%); capitão Contar (3,08%). Outro veterano da política que se destaca na rejeição logo atrás de Zeca do PT é o ex-governador Puccinelli (MDB) com 15,00% dos eleitores consultados. Esses dois políticos tem vários fatores em comum causadores da rejeição do eleitor. A reversão da tendência do eleitorado é difícil.

ACEITAÇÃO: Líder nas pesquisas e mantendo uma distância significativa do 2º colocado Puccinelli, o prefeito Marcos Trad (PSD) é o favorito, mas os números não garantem uma eventual vitória no 1º turno. Como estamos muito longe do pleito não é possível antecipar uma avaliação segura. Desistências e composições partidárias acontecerão ao longo do processo eleitoral. Afinal, eleição você sabe como começa mas não tem a leitura de seu final.

DETALHES: As eleições municipais são marcadas pela pessoalidade, onde o eleitor olha com lupa os candidatos. Nada escapa: da caspa capilar ao sorriso, tom de voz e roupas. Sobre isso ouço observações inimagináveis de gente simples, mas com senso crítico incrível. O então candidato ao governo Odilon (PDT) em 2018 foi criticado pela sua postura na TV. O uso das mãos atrapalhou; não passou a indignação. Hoje deixou de ser novidade e tem só 3,66%. Casos também de Marcelo Miglioli (Solidariedade) e Sergio Harfouche (PSC) respectivamente com 2,08% e 2,41 nestas pesquisas.

SURPRESA: Pode acontecer! E na eleição de dois turnos ela é mais provável. Quem não se lembra da eleição na capital paulista de 1988 onde Paulo Maluf (PDS) perdeu na reta final para Luiza Erundina (PT)? Um fato novo, imprevisível virou a eleição. Seis dias antes do pleito uma ação do Exercito contra uma greve na siderúrgica de Volta Redonda que resultou na morte de 3 operários gerou uma onda incrível de indignação pelo país. Imagine você uma denuncia com imagens fortes ou uma delação contra um candidato nas redes sociais tão ativas e acessadas! Nitroglicerina pura!

COERÊNCIA: Na eleição para a prefeitura de São Paulo em 2012, o candidato do PT (vencedor contra José Serra-PSDB) era Fernando Haddad e Luiza Erundina (PSB) estava acertada para ser a candidata a vice. Mas o então ex-presidente Lula estava de namoro com o PP de Paulo Maluf por causa dos minutos na TV no horário eleitoral e acabou indo à casa do ‘brimo’, deixando-se fotografar nos jardins da mansão. Erundina desistiu da candidatura alegando que ela e Maluf não caberiam no mesmo palanque.

SURPRESA? Não acredito que a escolha do companheiro (a) de chapa de Marcos Trad seja tão difícil de ser efetivada. Alguns aspectos devem ser observados: a boa relação com o Parque dos Poderes; eventual candidatura do governador Reinaldo (PSDB) ao Senado; e a não descartada candidatura de Marquinhos ao Governo – o que abriria espaço para que o (a) vice assuma por dois anos. É um jogo de xadrez que pode ou não dar certo. Mas no rol das especulações existe essa possibilidade.

‘PEDREIRA’: Sobre alianças não faltam especulações. Da eventual candidatura do deputado Pedro Kemps (PT) a prefeito de Campo Grande dizem que só agora, na falta de outro pretendente, é que o partido irá lançá-lo. Já se pode imaginar seu discurso e limitações nas urnas. Em 2018 obteve 10.428 votos na capital. Sobre o MDB a tendência é apoiar um nome de outro partido (Harfouche?) para evitar o vexame e sobreviver até 2022. Foi assim em 2012; o MDB apostou em Edson Giroto (PR). ‘Tempo de vacas magras’. E sobrou quem no MDB - que seja bom de voto na capital?

ROMARIA: Mapear a situação política em cada município em ano de eleições é muito importante. Os deputados Gerson Claro e Evander Vendramini (ambos do PP) andaram mais de10 mil quilômetros em janeiro com uma extensa lista de nomes a serem visitados. Interioranos, tem facilidade neste tipo de ação. Após dezenas de cafezinhos, plantaram muitas ‘sementes’ que esperam germinar nestas eleições. Estiveram com empresários, profissionais liberais, pré-candidatos a prefeito e a vereança para fortalecer a sigla que passa por uma fase de renovação. Articulados.

BOQUINHA Quem vai a Avenida Afonso Pena nas manhãs dominicais se acostumou com a imagem folclórica do capitão reformado do Exercito José Magalhães portando um megafone, fazendo denúncias contra a corrupção e políticos. Mas isso é passado! Nesta semana ele foi nomeado para comandar a administração estadual da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Não se sabe quem foi o seu padrinho político junto ao Planalto, mas o fato de ter sido candidato a deputado estadual em 2018 pelo PSL deve ter influenciado na escolha. Tudo como dantes no quartel de Abrantes.

A PROPÓSITO: Deve render muito barulho aqui e no exterior o projeto do Governo em liberar a exploração de determinadas áreas indígenas, como aliás ocorre há muitos anos nos Estados Unidos em sistema de parceria – garantindo melhor qualidade de vida aos índios. O que se sabe é que muitas ONGs que hoje mamam nos recursos naturais das reservas na Amazônia vão usar a mídia para boicotar o projeto. Será que os povos daquela região estão condenados a viver sem estradas, assistência médica, escolas, energia elétrica e outros benefícios da sociedade moderna? Corajoso esse projeto.

DOURADOS: Tenho conversado com os deputados José Carlos Barbosa (DEM) e Marçal Filho (PSDB) sobre o pleito de Dourados. Cuidadosos nas declarações, mas decididos, ambos já tem delineado a linha mestre de projeto de governo que pretendem debater ao longo da campanha. Quem imagina que um deles possa desistir está enganado. Cada qual com seu currículo e propósitos de gestão já vai encorpando o discurso na fala com a imprensa. Os dois devem proporcionar uma campanha propositiva - de bom nível.

SEDE DE PODER! Pelas movimentações percebe-se a divisão entre os apoiadores do presidente Bolsonaro pelo futuro comando partidário local, independentemente do novo partido ‘Aliança pelo Brasil’, ainda sem data para nascer. Arquivado pelo diretório nacional do PSL o pedido de exclusão do deputado Coronel David por infidelidade é ferida não cicatrizada. De um lado estariam o próprio David e seu colega federal Luiz Ovando; de outro a senadora Soraya Thronicke, o deputado federal Loester Trutis e o deputado estadual Renan Contar. Aliás, esse último anunciou ao colunista de que com a ‘janela partidária’ aberta ingressará na nova sigla de apoio a Bolsonaro.

O DISCURSO: O presidente Donald Trump anotou mais um gol de placa com seu discurso exemplar. Foi uma síntese da história deste país próspero e com influência no resto do mundo. O presidente fez um balanço dos avanços da economia, que aliás vai muito bem, apesar do cenário conturbado no comércio mundial. Mas o ‘interessante’ é que apenas os jornalistas da Rede Globo ousaram criticar o teor do pronunciamento feito no Congresso. Com o desemprego de 3,5% - o menor índice nos últimos 50 anos, Trump vai garantindo sua reeleição para desespero do Partido Democrata (o PT deles).

FRASES DE PAULO MALUF:

Eu, perto do Lula, sou comunista!
Quero ser Rob in Hood!
Os ‘States’ não tem AI-5. Tem cadeira elétrica.
Professora não é mal paga. É mal casada.
No Brasil o político é veado, corno ou ladrão. A mim escolheram como ladrão.
O Palácio dos Bandeirantes é uma colmeia. Uma metade voa e a outra faz cera.
Nossa Polícia é boa. O que atrapalha é a política dos direitos humanos para bandidos.
Se não fosse político, se fosse cientista, eu estaria perto de descobrir a cura do câncer.
Não se pode comprar deputados. Eles saem contando por aí e você fica desmoralizado.
O Collor é um bom rapaz. Mas se quiserem um malufista votem em mim.
Entre um administrador petista e um bando de gafanhotos, fique com os gafanhotos.
Não há nada pior do que um burro com iniciativa.
Tá bom. Está com vontade sexual? Estupra, mas não mata!

FRASES DE LEONEL BRIZOLA:

Os pastores querem estação de rádio e dinheiro. São adoradores de bezerro de ouro.
O povo não é bobo. Abaixo a Rede Globo.
Pra gaúcho, esse tal Viagra é overdose.
Sou como um cavalo inglês. Só vou morrer na cancha.
O PT é uma galinha que cacareja à esquerda, mas põe ovos para a direita.
O Garotinho é o beijo da morte.
Essa moçada continua querendo curar câncer com injeção de Cibalena.
Já tinha que enfrentar o Cesar. Agora ainda vou ter que enfrentar o Brutus.
Venho, volto do campo e os bois são os mesmos. Não mudam o caráter. Já os homens...
Nunca coloquei a igreja debaixo do braço para me eleger.
Divididos, seremos sempre os degraus para a direita subir.
A política ama a traição e odeia o traidor.
Lula pisaria no pescoço da mãe para ganhar uma eleição.

Comentário

OPINIÃO do deputado Lucas de Lima (Solidariedade): Campo Grande precisa tirar lições da catástrofe de Belo Horizonte (MG). Nossa topografia é amena, mas temos córregos urbanos canalizados na década de 70 quando a população era de 100 mil habitantes apenas e o espaço físico ocupado era 10 vezes menor que hoje. A capital BH tinha só 500 mil habitantes quando aqueles córregos foram cobertos de concreto. Lá como aqui – as águas pluviais aumentaram com novos bairros e mais ruas asfaltadas. Para piorar o fator lixo passou a prejudicar o fluxo das águas na zona urbana.

FANTÁSTICA a obra de canalização do Córrego da Maracaju (prefeito Levy Dias) que faz a ligação com a Av. Ernesto Geisel que preservou o Córrego Segredo a céu aberto. Mas tem sido feita a manutenção ou vistoria interna aferindo o seu real estado? Já se passaram 50 anos e nada é eterno ou indestrutível. Insisto: as águas aumentaram - as enchentes inevitáveis. Um dia poderá ocorrer aqui a tragédia dos córregos canalizados sob as avenidas da capital mineira. Seria oportuno que a administração municipal aproveitasse o clima preocupante e nomear uma equipe para vistoriar nossas avenidas sobre os córregos, incluindo o ‘Prosa’ (Av. Fernando C. da Costa).

QUE PAÍS! Um ano após a tragédia de Brumadinho (MG) e não tivemos mudanças significativas na legislação e o procedimento judicial se arrasta ao melhor estilo da ‘ampla defesa’ – que tem sido o caminho certo rumo a impunidade. Quando vejo aqueles comunicados da ‘Vale’ ‘coincidentemente’ em horário nobre e nos intervalos dos noticiários da TV tenho náuseas. Pura enganação para inglês ver. Vale repetir: em todo o Brasil temos 796 barragens e uma ‘multidão’ de 16 fiscais para vistoriá-las.

PARCEIROS Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o prefeito Marcos Trad (PSD) juntos. O anúncio do recapeamento da Av. Mato Grosso e da Av. Ceará mostram o porte da parceria. Outro gol de letra é a futura via de acesso ao bairro Moreninhas. Na outra ponta o Governo anuncia para março pacote de obras que engloba reforma de escolas, do Pronto Socorro de Corumbá, termino dos hospitais de Dourados e Três Lagoas, construção de 130 pontes de concreto, pavimentação de 800 kms de rodovias e restauração de outros 560 kms.

NO FACEBOOK O deputado estadual capitão Contar (PSL) não perde tempo e continua usando bem as redes sociais em defesa do Governo Federal, fazendo inclusive comparações dos avanços sociais e econômicos neste primeiro ano da gestão Bolsonaro. Na mensagem de sua autoria mostra que o Brasil já está no 4º lugar (antes era 6º) na classificação dentre os países destinos de investimentos com 75 bilhões de dólares, superando o Reino Unido inclusive. Quem não é visto não é lembrado.

LER E PENSAR: “...O fato é que Moro parece mesmo na estrada para 2022, e o roteiro conhecido. Nunca há espaço para 2 reis num só palácio, e o Ministro da Justiça parece já operar politicamente com uma estrutura própria, por enquanto informal. Junta braços e dá sinais de força na burocracia repressiva, no sistema de Justiça e até no Congresso, onde tem pronto um partido, o Podemos, para chamar de seu. Isso não vai passar assim batido no Planalto. Quem chega ali pode ser tudo, menos trouxa...Ele liquidaria no nascedouro ambições como as de Dória. E Luciano Huck poderia já ir preparando seu 3º artigo de por que desistiu da disputa...” (Alex Feurerwerker)

CARLOS MARUN O Conselheiro da Itaipu Binacional falou a Arthur Mário na “Rádio Hora’ na capital e revelou: irá se dedicar a profissão e família. Mas no ‘face’ do Arthur várias pessoas criticaram Marun, usando – dentre outros - os termos “soberbo, arrogante, provocador de náusea, crápula e lixo”. Avesso a esse tipo de atitude o colunista indaga: “o ex-parlamentar acionará a Justiça em defesa de sua honra?” O prestígio eleitoral nem sempre tem o respaldo na opinião pública, de critérios próprios para aferir valores dos personagens do cotidiano. Casos dos ex-presidentes Michel Temer (MDB) e de Lula (PT). “A vida começa todos os dias!” (Érico Veríssimo)

DESMAMA Atividade rentável era de líder sindical no país. Direito a mordomias incontáveis e outras coisas mais. Graças ao imposto sindical que acabou na reforma trabalhista. Valores que iam para os Sindicatos dos Trabalhadores, Patronais e para o antigo Ministério do Trabalho. Em 2018 foram R$3,64 bilhões; em 2018 R$500 milhões e em 2019 R$128,3 milhões. Compare: em 2017 a CUT (Central Única dos Trabalhadores) levou R$62,2 milhões; em 2019 só R$442 mil. A Força Sindical caiu de R$51,3 milhões para R$948 mil; a UGT (União Geral dos Trabalhadores) caiu de R$46 milhões para R$1 milhão apenas. A economia do país agradece!

MAIÚSCULOS os números da Santa Casa de Campo Grande. São 651 leitos (SUS e convênios, 99 da unidade terapia intensiva), 3.500 funcionários (CLT, PJ e autônomos). São servidas 4.000 refeições aos pacientes, acompanhantes e funcionários. Gasta-se R$500 mil de energia elétrica (mais R$ 260 mil de débitos atrasados) e R$ 120 mil de água. Em 2019 o pronto socorro atendeu nada menos que 39.836 pacientes na urgência e emergência; destes 6.828 do interior, de outros Estados e de países vizinhos através de registro diferenciado. Como seria sem ela?

APROVA? O Congresso Nacional continua jogando contra o Governo. Onde pode joga terra. Foi assim em 2019. Agora Bolsonaro quer acabar com essa pratica indecorosa onde o álcool sai das usinas para ser batizado nas distribuidoras distantes (antes de chegar às bombas), o que acaba encarecendo o produto. O presidente quer acabar com a viagem e diminuir em 20 centavos o preço do álcool e da gasolina nos postos. Num vídeo o presidente denuncia o parlamento que articula a cobrança de uma taxa a favor das distribuidoras. É de lascar mesmo!

TERCEIRA VIA? Na última pesquisa 29,1% votariam em Bolsonaro e 17% optariam por Lula e 3,5% em Ciro Gomes. A polarização interessa ao presidente, sem esquecer que temos 12 milhões de desempregados – contingente volumoso e sem rumo. Mas o discurso para 2022 já foi antecipado pelo general Augusto Heleno que tuitou: “Ou vocês confiam no Capitão Bolsonaro, que teve visão e coragem para, sem recursos, enfrentar o Sistema e nos dar esperança de mudar, ou continuarão atacando-o e devolverão o Brasil à esquerda, em 2023. A Argentina está aí para provar que estou certo.”

POLIVALENTE Com suas ações voltadas aos problemas mais recentes como meio ambiente, mobilidade urbana e proteção ao reino animal, o deputado Lucas de Lima ganha seu espaço. Neste sábado (31) estará presente a manifestação na entrada do Parque dos Poderes contra desmate da sua vegetação original; no dia 10 reúne-se com motoristas de aplicativos na capital para debater assuntos da classe – entre eles a redução em 50% do IPVA – em 70% da vistoria do Detran e outros incentivos oficiais para uso do Kit-gás em seus carros. Quanto a política de doação (em parceria com o vereador Francisco Veterinário-PSB) de animais abandonados vai de vento em popa.

MULHER PELADA José Sarney era presidente do país e João Dória Jr chefiava a Embratur que enviou ao exterior na década de 80 as imagens das brasileiras sensuais nas praias (lembra?) para atrair ‘gringos’. Agora circula nas redes sociais matéria crítica a Embratur da época por incentivar o turismo sexual hoje tão combatido. É a operação para depredar a imagem do governador paulista já com futuro político incerto. É, aliás, o que acontece em ano eleitoral quando alguém lembra aos adversários: “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado”. Cruel – mas verdadeiro! Sem retoques.

VITÓRIO MEDDIOLLI: “...A popularidade de Romeu Zema deve-se especialmente à sintonia gerada pelo seu jeito despojado, que agradou bastante à população do interior, à classe média, profissionais liberais e àqueles que não vivem de Estado, mas contribuem com sua sustentação produzindo e recolhendo impostos. Não ganhou adeptos sectários, apenas simpatias e respeito. Se não ajudou, ao menos não atrapalhou, não burocratizou, não explorou o poder...Não há reparo de arrogância, deslumbre, distanciamento do “normal”. Os mineiros são comedidos e preferem pessoas que mostram humildade – uma virtude que não tem faltado a Zema...”

ALIENAÇÃO GLOBAL Para 7% (23 milhões de pessoas) dos americanos o achocolatado vem de vaca marrom; parte dos vestibulandos acha que Beethoven é um cachorro: 20% das crianças inglesas não sabem que o ovo vem da galinha e 30% não sabem diferenciar manga da maçã e 40% dos adultos não localizaram Londres no mapa. Na Alemanha 13% dos adultos não sabem utilizar um “mouse” do computador e 17% deles não sabem ler corretamente. Já na Bulgaria a empresa Gallup constatou que 8% dos habitantes acreditam que a Terra seja plana. Na Suiça um em cada seis adultos não sabe ler corretamente. No Japão 63,1% dos estudantes tem problemas de leitura – acham muito cansativo. Portanto na ‘Era da Informação’ ainda temos essas preciosidades espalhadas pelo mundo.

Políticos que se queixam da imprensa são como comandantes de navios que se queixam do mar (Mark Twain)

Comentário

‘LAÇOS DE FAMÍLIA’ Reatá-los é difícil! As eleições municipais em Aquidauana devem pegar fogo. A candidatura da médica Viviane Orro (PSD) contra seu primo – o prefeito Odilon Ribeiro (PSDB) lembra os relatos dos folhetins do interior brasileiro - onde a política não respeita nem os limites da consanguinidade. Sem entrar no mérito dos postulantes, aproveito para questionar: como ficarão os laços familiares após as eleições? Afinal, frases de palanque são ‘inesquecíveis’, imperdoáveis. As mágoas eternas!

CRÍTICAS Intelectuais sempre criticaram os governantes mesmo driblando a censura. Pela visibilidade das obras é desnecessário citá-las bem como seus autores. Quanto aos artistas sertanejos essas manifestações são tímidas. Mas em 1989 o cantor Gaucho da Fronteira lançou ‘Eramos Felizes e não Sabíamos’ ironizando Fernando C. de Mello: “Essa vidinha tão boa/Agora vai terminar/Porque está chegando o homem/ Caçador de Marajás”. Num comício pró Collor, o candidato ao senado José E. Vieira (PTB) tentou, sem êxito, impedir que o ‘Gaucho’ cantasse a música.

‘MEU PAÍS’ Pelo momento político do país, letra e fama de seus criadores (Zezé Di Camargo e Luciano) a divulgação na campanha de Lula (PT), a música fez sucesso e foi indicada ao Gramy Latino em 2002. A canção aproximou a dupla do ex-presidente petista, cantando nos comícios. Mas veio a decepção de Zezé com os escândalos e em rede social em 2019, ele desabafou ao ser criticado por tirar foto com o ministro Sérgio Moro, da Justiça: “O Lula não é um preso político. É um preso por corrupção. Fiz campanha pra ele. Doei minha música sem nada em troca, pra campanha dele. Votei duas vezes nele, e vi que estava errado... Hoje defendo meu país. Cai na real”.

SEM ILUSÕES Também o meio artístico é um ninho de cascáveis com ou sem guizo. Indicada para ocupar a Secretaria da Cultura a artista Regina Duarte já começa a sofrer críticas de colegas por não concordar pelo fato dela não ser militante da esquerda. Aliás, é notório neste país; artistas e intelectuais que se prezem não devam ser contra os governos de ideologia esquerdista. Lembra do apresentador Jô Soares? Atenção especial só aos entrevistados da esquerda. E duas mágoas afloram, a eleição de Donald Trump e de Jair Bolsonaro. Sem dúvida, o patrulhamento ideológico da esquerda é visível.

TARDE DEMAIS! Só agora o ex-presidente Lula percebeu que o PT ficou muito distante dos evangélicos – hoje apoiando o atual Governo. E isso não se deve apenas as denuncias de corrupção por lideranças do partido. A bancada evangélica, com defeitos ou sem defeitos, não engoliu os avanços patrocinados pelo PT em áreas envolvendo valores tradicionais da família. Tudo isso vem sendo aproveitado nas manifestações do presidente Bolsonaro e propagado intensamente nas redes sociais. Correr atrás do prejuízo será uma tarefa difícil. Mas o PT é capaz de tudo para voltar ao poder. Afinal lideranças suas até foram à missa na última campanha eleitoral. Lembra?

‘COÇANDO’ Os números de recente pesquisa mostram a insatisfação do brasileiro com a qualidade dos serviços prestados pelos funcionários públicos. Para 88% dos consultados é ruim e eles deveriam inclusive ser demitidos. A estabilidade acaba também influenciando esse comportamento. Mas o nojento é aquela advertência de que o servidor deva ser tratado com educação sob as penas da lei. A placa-aviso nas repartições funciona como instrumento intimidatório. O cidadão não é bem atendido e fica com medo de insistir ou reclamar para não ser processado. Só aqui mesmo!

O CAMPEÃO Repercute o levantamento do jornal ‘Estadão’ entre os 26 ex-governadores do rol pecaminoso da corrupção onde o ex-governador Sergio Cabral (MDB) do Rio de Janeiro – condenado a 122 anos de prisão – deve aos cofres de seu Estado a R$ 529,7 milhões que surrupiou na corrupção. E o Brasil tinha ele como o ‘campeão’ imbatível nesta classificação vergonhosa. Mas não é bem assim: o total cobrado do ex-governador Puccinelli (MDB) em ações judiciais chega a espantosa quantia de R$ 534 milhões. E lembro: o PIB do Estado do ‘Rio’ em 2018 foi R$ 671.360,00 bilhões enquanto o PIB de MS foi de apenas R$ 96 bilhões, portanto7 vezes maior. Conclusão: o rombo aqui foi muito maior que no Estado do Rio.

‘ESTRANHO’ Sobre os escândalos que o colocam no posto de líder do ranking dos 26 ex-governadores envolvidos em corrupção, a defesa de Puccinelli se manifesta ironicamente, mas sem entrar no mérito. Já o ex-governador, nas entrevistas, não toca no assunto e nem fala da prisão do ex-secretário Edson Giroto, focando nas eleições de 2020. Aqui uma observação: é incrível a pouca vontade dos seus entrevistadores em questionar esse assunto. O compromisso deles não deveria ser com os ouvintes ou com a opinião pública? Entendo o ‘espírito compadrio’ deste jornalismo.

NA VEIA! O prefeito ACM Neto (DEM) de Salvador analisou a situação do ex-presidente Lula (PT): “Acabou o mito. E acabou o discurso. O PT primeira tinha o discurso do golpe. Depois, o discurso do Lula Livre. Agora eles estão sem discurso. Lula saiu e não mudou nada. E o presidente Lula já não é mais a liderança que foi no passado: se esperava uma comoção, uma mobilização nacional sem precedentes e nada disso aconteceu, nem mesmo no Nordeste. Não estou querendo desprezar a força que ele ainda tem no Nordeste, mas se você for ver a passagem dele, pós-prisão, foi muito menor em mobilização do que se esperava”.

DINOSSAUROS Embora esteja há 35anos na legalidade o Partido Comunista do Brasil (PC do B) segue sem futuro. Em 2018 elegeu só 9 deputados federais e não superou a clausula de barreira. Em 2022 – sem coligações proporcionais – repetirá o desastre. Na verdade o povo brasileiro rejeita o termo comunista e associa a imagem da foice à morte. Na Europa e em outros países os comunistas deram o golpe embarcando em outras siglas. Recordo; aqui no Estado todas as tentativas de inclusão do PC do B no processo eleitoral fracassaram. O partido não conseguiu eleger um só vereador. Qual seria o argumento para convencer um cidadão esclarecido a se filiar no PC do B?

ESTÍLOS Cada prefeito, governador e presidente tem seu estilo de administrar. Há quem compare o tosco presidente Bolsonaro (PSL) ao presidente Afonso Pena que tinha postura questionada na época pela classe política. Afonso Pena deixou claro: “Na distribuição das pastas não me preocupei com a política; os ministros executarão meu pensamento. Quem faz a política – sou eu”. Embora sua relação com o Congresso seja conturbada, Bolsonaro mantém sua base de forma efetiva. Faz política diferente do estereótipo tradicional, sem distribuir ministérios e empresas estatais aos partidos.

IMPRESSIONANTE É tal a degradação dos políticos ‘viciados’ no poder perante a opinião pública, que apesar dos escorregões em algumas situações, o atual presidente da república consegue se manter num bom patamar de credibilidade. Nem seus atritos com ministros do STF e presidentes da Câmara e Senado levaram-no ao descrédito. Ele, tem gente de peso ao seu redor. Passado um ano, não há caso significativo de corrupção, ao contrário do que ocorrera no Governo Dilma Rousseff (PT). Os números da Bolsa de Valores mostram um novo Brasil com credibilidade. Só não vê quem não quer!

SEM ILUSÕES O recesso legislativo permite-nos alongar sobre assuntos já do conhecimento público. É o caso da desmama de jornalistas e da própria Rede Globo que vem demonstrando a pior vontade possível com o Palácio do Planalto. Desbancada da condição de destino da maioria das verbas publicitárias e influenciadora das eleições, a Globo – criticada pelo ex-presidente Lula - omite ou minimiza os pontos positivos do Governo e tenta achar um novo caminho para se contrapor. A queda de audiência e de faturamento são indiscutíveis. Lá atrás, o lendário Assis Chateaubriand (TV Tupi) mandou na república, mas um dia o império ruiu. Tudo na vida tem início, meio e fim.

VERDADE O país ficou destroçado em todas as áreas após a orgia petista de tantos anos. É como qualquer cidadão que avança o sinal e irresponsavelmente gasta muito mais do que ganha ou reforma as casas dos vizinhos (obras no exterior-via BNDES) enquanto a sua casa não está em bom estado. O dinheiro público saiu pelos ralos sem o menor pudor. Os casos de corrupção assustam! Esse Ministério da Cultura deu dinheiro para artistas e projetos inconcebíveis num país sério. A missa é longa; uma procissão!

FIRME & FORTE Impressiona a campanha para desgastar a imagem do ministro Sergio Moro – da Justiça e para criar arestas nas relações do ex-juiz federal com o Presidente Bolsonaro. Mas tudo em vão segundo os números das pesquisas sérias, onde a confiabilidade do brasileiro nele cresceu. Tanto a classe política como os membros do STF não digeriram a ascensão de Moro e fazem críticas e insinuações maldosas à Operação Lava Jato. No último programa ‘Roda Viva’ da TV Cultura só havia jornalistas críticos ao Governo para perguntar ao ministro Moro. Ele saiu fortalecido! Sugestão: pergunte ao seu vizinho o que ele acha da postura de Moro. Faça isso!

NO FACEBOOK: “Senhor candidato. Se você não visitou essa casa nos últimos 4 anos, agora não é hora” (frase numa placa em frente a uma casa)

Comentário

Página 1 de 25

O Tempo Agora

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus