Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.188 da Mega-Sena, realizado na noite deste sábado (14) em São Paulo. O prêmio acumulou pelo 12º sorteio seguido e deve pagar R$ 120 milhões na quarta (18), segundo a Caixa Econômica.

Veja as dezenas sorteadas: 02 - 17 - 21 - 28 - 51 - 60.

A quina teve 154 apostas ganhadoras; cada uma receberá R$ 47.474,72. Já a quadra teve 13.387 apostas ganhadoras; cada uma levará R$ 780,19.

Comentário

Aconteceu na tarde deste sábado (14), na UCP (Universidad Central Del Paraguay), a primeira fase do Circuito de Aprendizagem da Universidad, realizado em parceria com as Ligas Acadêmicas e Universitárias, com palestras que oferecem certificação extracurricular de forma gratuita para os estudantes. São temas variados e que ajudam na melhoria do nível de conhecimento dos acadêmicos.

A iniciativa foi desenvolvida pela Diretora de Desenvolvimento e Iniciação Científica da UCP, juntamente com a Coordenadora Acadêmica Elizabeth Vargas e Renato Michel, Gestor de Marketing da instituição. Entre os temos apresentados no Circuito estão debates sobre o crescimento e desenvolvimento pré-escolar, Avaliação Neurológica (Escala de coma Glashow e das Marchas Patológicas) e o papel de um médico cirurgião durante procedimentos relacionados com a apendicectomia e colecistectomia.

De acordo com as professoras doutoras Juliane de Oliveira e Adriely Pagnoncelli, da Extensão Universitária da UCP, a grande presença dos universitários mostra o comprometimento deles com a formação e que isso demonstra que todos estão focados no processo de formação que não depende só da instituição, mas também de todo o meio acadêmico e as Ligas têm papel fundamental nisso. A próxima etapa do Circuito será realizada no dia 28.

Comentário

Em assembleia realizada na sexta-feira (13), os trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul aceitaram a proposta do ministro Mauricio Godinho Delgado, do TST (Tribunal Superior do Trabalho) que propôs a suspensão da greve na audiência de conciliação entre as partes realizada quinta-feira (12), em Brasília e, como contrapartida, aprovaram o retorno ao trabalho a partir desta segunda (16) em todo o País. Godinho propôs a manutenção dos termos do último Acordo Coletivo de Trabalho e do plano de saúde para os pais dos empregados até dia 2 de outubro, quando o TST deverá julgar o dissídio.

Para Elaine Regina Oliveira, presidente do Sindicato da categoria no Estado, a aceitação passiva dos planos do governo leva apenas a mais perda de direitos e é preciso mostrar para a direção da empresa que isso não vai se dar sem resistência e que a categoria espera que o TST tenha uma postura justa. O processo estará na pauta de julgamento da Seção Especializada em Dissídios Coletivos do TST às 14h30 do dia 2.

No julgamento, o TST definirá as relações coletivas de trabalho até a data-base de 2020 e resolverá eventuais questões sobre a greve. O ministro destacou que a sessão foi marcada para o início de outubro a fim de que sejam cumpridos os prazos previstos em lei para a realização de atos processuais necessários.

Comentário

O presidente da Câmara de Dourados, vereador Alan Guedes (DEM), recebeu na semana que passou os servidores Fabiano Iorio, coordenador de área do Censo Demográfico do Ibge (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) e Leandro Cabral dos Santos, chefe do escritório em Dourados, para apresentação da proposta do planejamento para o Censo 2020.

O Censo é a principal fonte de dados sobre a situação de vida da população nos municípios e localidades. O levantamento demográfico acontecerá simultaneamente em todo o país, entre os meses de agosto e novembro do próximo ano. Em Dourados, as atividades envolverão mais de 200 pessoas, cerca de 210 recenseadores e 28 supervisores, conforme Fabiano Iorio. “O Ibge vai divulgará processos seletivos para os trabalhos no Censo. Serão vagas para agentes censitários, supervisor e outras com salários que chegam a R$ 3 mil”, mencionou o coordenador de área.

Segundo a mais recente atualização publicada pelo Ibge, Dourados tem uma população estimada em 221 mil habitantes e, de acordo com os funcionários do Instituto, toda a extensão do município deverá ser avaliada no Censo, com o intuito de levantar novas informações sobre população, número de residências, características sobre educação, trabalho, habitação, saneamento básico, transporte, energia, programas de assistência à infância e à velhice, entre outras.

“Conhecer a nossa sociedade, quantos somos e como vivemos, é muito importante para qualquer planejamento público e privado. A fim de garantirmos uma operação censitária de qualidade e transparente, é imprescindível a cooperação entre o Ibge e os poderes públicos locais, que possuem amplo conhecimento e atuação na realidade local”, ressaltou o coordenador de área do Censo.

Através da parceria, Iorio destacou que é possível, por exemplo, melhorar a eficiência dos gastos públicos na operação, através da cessão de espaços e equipamentos/serviços para funcionamento dos postos de coleta, ajuda na divulgação dos processos seletivos para contratação da equipe temporária e na divulgação da operação censitária em si, de modo que a população esteja informada sobre a realização dessa pesquisa e assim receba bem o recenseador, respondendo de maneira fidedigna às perguntas do questionário.

“Dourados, como o segundo município mais populoso de Mato Grosso do Sul, nos colocamos à disposição para estabelecer parcerias no sentido de contribuir com o Censo 2020. Só em Dourados serão dois postos de coleta onde vão centralizar as ações. O Censo é fundamental para conhecermos os detalhes da população do nosso país, além da definição de políticas públicas em nível nacional, estadual e municipal”, enfatizou Alan Guedes durante o encontro.

Comentário

O orçamento do Ministério da Educação para 2020 prevê uma queda de 54% nos recursos destinados ao apoio à infraestrutura para a educação básica, se comparada à proposta apresentada em 2018 para o orçamento deste ano. Serão R$ 230,1 milhões ante R$ 500 milhões autorizados anteriormente, destaca reportagem do portal G1. Já a dotação prevista para a concessão de bolsas de apoio à educação básica em 2020 é de R$ 451,7 milhões, um recuo de 43% na comparação dos R$ 793,5 milhões previstos na PLOA (a Proposta de Lei Orçamentária Anual) enviada pelo Executivo ao Congresso Nacional para ser executada este ano.

 

O Brasil tem 1.085 obras de creches e pré-escolas paradas e o menor repasse de verbas desde 2009

As estimativas de receita para essas duas áreas são as mais baixas das quatro últimas propostas orçamentárias do MEC. É o que aponta análise dos projetos de Lei de Orçamentária realizada pelo movimento Todos Pela Educação, e obtida com exclusividade pela GloboNews. Os cortes fragilizam o discurso do atual governo de priorizar a educação básica, avalia o diretor de políticas educacionais da Todos Pela Educação, Olavo Nogueira Filho.

Ao todo, o orçamento do MEC para 2020 terá um corte de 17%. Serão R$ 101,2 bilhões contra os R$ 121,9 bilhões previstos na proposta para este ano, segundo a análise da Todos Pela Educação. "O cenário econômico do país é, de fato, gravíssimo e os cortes atingem praticamente todas as áreas. Tendo um dos maiores orçamentos da Esplanada, seria difícil deixar a [verba da] Educação intacta. Porém, não está claro que houve uma priorização da educação básica", diz Olavo Nogueira Filho, diretor de políticas educacionais da Todos pela Educação.

Em nota, o MEC informou que "o orçamento possui mecanismos de retificação que permitem ao gestor alterar os valores destinados às programações de acordo com a avaliação e efetividade dos seus resultados”. O ministério também diz que "a destinação de um valor maior para determinada programação não significa, necessariamente, que o recurso foi utilizado com eficiência. A atual gestão, em compromisso com a sociedade, buscará atuar na utilização eficiente dos recursos disponíveis".

Cortes atingem creches

A verba destinada para obras compõe a maior parte dos recursos destinados ao apoio à infraestrutura para a educação básica, segundo a análise feita pelo Todos Pela Educação. No orçamento para 2020, há a previsão de R$ 194,2 milhões para essa área, 30% a menos do que os R$ 277,5 milhões contabilizados na proposta anterior.

Faz parte dessa verba, por exemplo, os projetos do Proinfância, programa que prevê repasses para municípios construírem ou ampliarem creches e pré-escolas em todo o país. Um dos objetivos da Meta 1 do PNE (Plano Nacional de Educação) é, até 2024, que 50% das crianças de até de 3 anos e 11 meses estejam matriculadas na creche. Segundo o Movimento Todos Pela Educação, em 2018, 35,6% das crianças brasileiras dessa faixa etária frequentavam a creche.

A proposta de Orçamento do MEC para 2020 prevê também uma queda de 30% na receita destinada à implantação e adequação de estruturas esportivas escolares. Nesse caso, serão R$ 8,4 milhões ante R$ 12 milhões previstos para este ano. Já as bolsas de apoio à educação básica abrangem uma série de programas de apoio do MEC junto a estados e municípios, como, por exemplo, o Programa de Apoio à Implementação da BNCC (Base Nacional Comum Curricular).

Segundo Olavo Nogueira Filho, as bolsas do ProBNCC são "fundamentais para garantir que diferentes redes de ensino, ou seja, escolas de diferentes Estados, tenham uma boa estrutura para implementação da Base Nacional Comum Curricular". A BNCC define o conteúdo mínimo que os estudantes de todo o Brasil deverão aprender em sala de aula em cada etapa da educação básica.

Comentário

Após ouvir, durante encontro que manteve na manhã desta sexta-feira (13), com o diretor de Relações Institucionais Claudeir Alves Mata, e o engenheiro Marcelo Ernesto Tezani, da CCR MSVia, afirmarem que não existe um prazo definido para a solução do impasse criado com a concessão da BR-163, e os perigos causados pelo trecho que corta o perímetro urbano do Município, com dezenas de mortes já ocorridas, o deputado Barbosinha (DEM) anunciou que vai mobilizar demais colegas da Assembleia Legislativa e pressionar a bancada federal para que uma solução seja encontrada junto aos organismos de Brasília.

“O que não dá é pra ficar do jeito que está, a CCR alegando que já investiu mais do que arrecada, o contribuinte se obrigando a pagar para cruzar em uma das praças de pedágios e o Governo na posição confortável da permanente omissão”, disse o deputado, depois de mostrar aos representantes da concessionária as cópias de indicações e requerimentos com pedidos de providências já aprovados na Assembleia, especialmente cobrando solução para reduzir os transtornos nas áreas dos trevos da Bandeira e do DOF, que cortam a cidade com a rodovia federal.

De acordo com o diretor de Relações Institucionais da CCR MSVia, o projeto original, anexado ao processo que resultou na exploração pela concessionária Camargo Correa do trecho de cerca de 800 quilômetros da BR-163, já previa a implantação de viadutos sobre o cruzamento dos dois trevos no trajeto de Dourados, “mas até agora não conseguimos liberar as licenças ambientais”, justificou Claudeir. “Outro problema é a frustração do tráfego, depois que o Governo resolveu investir em programas de ferrovias, que também levou ao fracionamento das obras de duplicação da rodovia”, acrescentou.

O deputado Barbosinha prometeu interceder, nesta semana, com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Corrêa, para mobilizar prefeitos de todas as cidades que abrangem o percurso da concessão e a bancada de Mato Grosso do Sul em Brasília, “para fazer com que a direção nacional da Antt (Agência de Transportes Terrestres), o Dnit (Departamento de Infraestrutura de Trânsito) e o comando nacional da CCR se atentem para o que significa tantas mortes em tão curto período de tempo, apenas nesses dois trevos, sem contar os demais problemas ao longo do trecho”.

Apenas no primeiro semestre deste ano, Barbosinha já apresentou, pelo menos, quatro indicações, fora os discursos e cobranças junto às autoridades do setor, apontando alternativas de solução para o problema. “Moradores dos bairros do outro lado da BR, no sentido Sul, sabem o que significa viver nesse clima de tensão. São mais de 40 mil famílias, número muito maior do que a população da maioria das cidades do Estado, que esperam, ao menos, poder contar com um semáforo para controlar os limites de velocidade nos pontos mais críticos da rodovia e assim poder se deslocar para o trabalho ou com os filhos para a escola”, ilustrou o deputado douradense.

Comentário

Após ouvir, durante encontro que manteve na manhã desta sexta-feira (13), com o diretor de Relações Institucionais Claudeir Alves Mata, e o engenheiro Marcelo Ernesto Tezani, da CCR MSVia, afirmarem que não existe um prazo definido para a solução do impasse criado com a concessão da BR-163, e os perigos causados pelo trecho que corta o perímetro urbano do Município, com dezenas de mortes já ocorridas, o deputado Barbosinha (DEM) anunciou que vai mobilizar demais colegas da Assembleia Legislativa e pressionar a bancada federal para que uma solução seja encontrada junto aos organismos de Brasília.

“O que não dá é pra ficar do jeito que está, a CCR alegando que já investiu mais do que arrecada, o contribuinte se obrigando a pagar para cruzar em uma das praças de pedágios e o Governo na posição confortável da permanente omissão”, disse o deputado, depois de mostrar aos representantes da concessionária as cópias de indicações e requerimentos com pedidos de providências já aprovados na Assembleia, especialmente cobrando solução para reduzir os transtornos nas áreas dos trevos da Bandeira e do DOF, que cortam a cidade com a rodovia federal.

De acordo com o diretor de Relações Institucionais da CCR MSVia, o projeto original, anexado ao processo que resultou na exploração pela concessionária Camargo Correa do trecho de cerca de 800 quilômetros da BR-163, já previa a implantação de viadutos sobre o cruzamento dos dois trevos no trajeto de Dourados, “mas até agora não conseguimos liberar as licenças ambientais”, justificou Claudeir. “Outro problema é a frustração do tráfego, depois que o Governo resolveu investir em programas de ferrovias, que também levou ao fracionamento das obras de duplicação da rodovia”, acrescentou.

O deputado Barbosinha prometeu interceder, nesta semana, com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Corrêa, para mobilizar prefeitos de todas as cidades que abrangem o percurso da concessão e a bancada de Mato Grosso do Sul em Brasília, “para fazer com que a direção nacional da Antt (Agência de Transportes Terrestres), o Dnit (Departamento de Infraestrutura de Trânsito) e o comando nacional da CCR se atentem para o que significa tantas mortes em tão curto período de tempo, apenas nesses dois trevos, sem contar os demais problemas ao longo do trecho”.

Apenas no primeiro semestre deste ano, Barbosinha já apresentou, pelo menos, quatro indicações, fora os discursos e cobranças junto às autoridades do setor, apontando alternativas de solução para o problema. “Moradores dos bairros do outro lado da BR, no sentido Sul, sabem o que significa viver nesse clima de tensão. São mais de 40 mil famílias, número muito maior do que a população da maioria das cidades do Estado, que esperam, ao menos, poder contar com um semáforo para controlar os limites de velocidade nos pontos mais críticos da rodovia e assim poder se deslocar para o trabalho ou com os filhos para a escola”, ilustrou o deputado douradense.

Comentário

Após a certificação da ISO 9001:2015, em julho deste ano, a Unimed Dourados acabou de conquistar outra importante certificação, a RN 277. Esta Resolução Normativa, de 4 de novembro de 2011, é uma norma que institui o Programa de Acreditação de Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde.

A RN 277 tem como objetivo incentivar a melhoria continuada na qualidade assistencial da saúde suplementar. É um processo voluntário de avaliação da adequação e eficiência dos serviços disponibilizados pelas OPS (Operadoras de Planos de Saúde), realizado por entidades acreditadoras certificadas pelo Inmetro e homologadas pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

O Programa de Acreditação de OPS consiste em uma série de itens, distribuídos em sete dimensões, cujo objetivo é avaliar o grau de conformidade de cada um quando confrontado com as práticas adotadas pela operadora.

“Trata-se de uma conquista de extrema relevância para nossa cooperativa, esta acreditação representa uma busca constante por melhoria e aperfeiçoamento. Sem dúvidas, fruto de um sério trabalho de nossos colaboradores, diretores e em especial do setor de qualidade da Unimed Dourados. Vamos em frente!”, declarou o médico Jamal Haddad, presidente da Unimed Dourados.

As certidões de acreditação são emitidas em três níveis, de acordo com a pontuação final obtida pela OPS:

I - Certidão Nível I (Ouro): para as OPS que obtiverem NF entre 90 e 100 pontos;

II - Certidão Nível II (Prata): para as OPS que obtiverem NF entre 80 e 89 pontos;

III - Certidão Nível III (Bronze): para as OPS que obtiverem NF entre 70 e 79 pontos.

As certidões nível II e nível III tem prazo de validade de no mínimo 2 e no máximo 3 anos e a certidão nível I será válida por no mínimo 3 e no máximo 4 anos. A Unimed Dourados conseguiu a Certidão Nível II com o prazo de validade de 3 anos.

Atualmente, estão acreditadas pela RN 277 apenas 58 operadoras de planos de saúde no País. Veja aqui. Em todo o Brasil, existem 918 operadoras de plano de saúde em atividade, segundo a última informação, do mês de junho.

Comentário

Médicos, enfermeiros, bombeiros, paramédicos, socorristas, técnicos de emergência, do Samu, entre outros profissionais, familiares e demais pessoas presentes que assistirão, em Dourados, ao Concerto da Orquestra Filarmônica Musicandhope, da Primeira Igreja Batista em Dourados, intitulado Concerto para a Vida, terão oportunidade de colaborar com esse trabalho 100% dedicado aos profissionais que se dedicam em valorizar e salvar vidas.

Em seus acordes, a Orquestra apresentará excelentes músicas de repertório variado, para todos os gostos e idades, com arranjos, adaptações e composições originais, sob a batuta do consagrado maestro André Rosa. O Concerto vai ser realizado às 19h30 do dia 28 deste mês.

“Nós ofereceremos um Concerto de nossa Orquestra especialmente para corações como um bálsamo, um refrigério e um momento de paz para os senhores e as senhoras que dedicam suas vidas em valorizar e salvar vidas”, concluiu o maestro.

O ingresso para o Concerto será 1 Kg de alimento não perecível, sendo que o total arrecadado será destinado ao setor de ação social da Primeira Igreja Batista de Dourados que sediará o evento.

Maestro, arranjador, compositor e pastor, André Rosa é trombonista, pianista, violinista, e toca diversos outros instrumentos, possui mestrado em psicologia da música, residiu por algum tempo nos Estados Unidos onde aperfeiçoou ainda mais seu conhecimento musical, desempenha com muita maestria aprendizado musical com ênfase em violino para crianças, adolescentes, jovens e adultos, em um trabalho que desenvolve quase todos os dias da semana em Dourados e uma vez por semana em Campo Grande.

Em Campo Grande, antes de fixar residência em Dourados, o maestro André Rosa frequentava às segundas-feiras a AACC (Associação dos Amigos das Crianças com Câncer) com violinos para oferecer essa modalidade de tratamento terapêutico aos menores em tratamento contra o câncer.

Comentário

Os vereadores que compõem a Mesa Diretora da Câmara de Dourados e também a Comissão Permanente de Saúde acompanharam na tarde de quarta-feira (11) a primeira prestação de contas parcial da intervenção da Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados). O presidente Alan Guedes (DEM), o vice Elias Ishy (PT), o primeiro secretário Sergio Nogueira (PSDB) e a segunda secretária Daniela Hall (PSD), juntamente com o vereador Braz Melo (PSC), participaram do diálogo na tentativa de encontrar alternativas para o setor no Município.

Segundo Ishy, que é presidente da Comissão, esse é um momento importante para acompanhar sistematicamente os problemas do setor e verificar quais as medidas serão tomadas a partir de então. “Estamos cientes da gravidade relacionada à saúde pública, por isso participando de diálogos diários. A situação continua preocupante, quanto à gestão e ao financiamento, e como vereador estou aqui para fiscalizar, prezando sempre pela transparência”, afirmou.

Essa apresentação é parte do acordo realizado em agosto, durante uma reunião na OAB/MS - 4ª Subseção Dourados, quando foi dada a recomendação do Ministério Público para a exposição do balanço financeiro a cada período. Além dos vereadores, participaram do ato representantes do MP, da Defensoria Pública, Secretaria municipal de Saúde, Comissão de Saúde da OAB, funcionários da Fundação e médicos.

Ishy lembrou que há necessidade de um acordo com os médicos, com pagamento de salários em dia, mas também defendeu os demais funcionários da Funsaud, pedindo melhores condições de trabalho para todos. De acordo com ele, para as ações saírem do papel não basta ter vontade, precisa de continuidade. Ele resgatou os detalhes do encontro de agosto e entendeu que a troca de coordenadores da intervenção acabou prejudicando a prestação de contas.

Além da credibilidade no pagamento de salários, foi cobrado o organograma do quadro de funcionários, quais licitações já estão em andamento, o encaminhamento de extratos de antes e depois da intervenção, relatório contábil e notas fiscais, o funcionamento do Portal Transparência. No HV (Hospital da Vida), ainda, o aumento do número de salas de cirurgias, a necessidade de sala de recuperação, prazo para reformas, entre outros assuntos, preocupam os vereadores.

O Município demonstrou a necessidade de repactuação dos serviços. A secretária municipal, Berenice Machado, informou também que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, virá a Dourados neste sábado (14) para encaminhar projetos na tentativa de resolver algumas dificuldades, como no Hospital da Vida. A próxima prestação de contas ficou para o dia 17 de outubro.

Para o presidente da Câmara, vereador Alan Guedes, esta foi uma agenda muito importante. “Nós estamos acompanhando de perto a prestação de contas e o trabalho desta Comissão, que é uma parceria muito salutar entre Defensoria Pública e o Ministério Público Estadual. O trabalho da Câmara também deve abranger essas parcerias institucionais. Na sessão ordinária da próxima segunda-feira (16) nós devemos receber na Casa de Leis a Dra. Marisa Fátima Calixto, defensora pública e a Dra. Helena Izidoro, presidente da Comissão de Saúde da OAB de Dourados, para que elas possam externar sobre a intervenção na Funsaud”, afirmou.

Comentário

Página 3 de 1431
  • unimed nova

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014

WhatsApp 9 9913 8196

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus