Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

O Ministério das Comunicações vai negociar com as operadoras de telefonia para antecipar a instalação de tecnologias 3G e 4G, na telefonia móvel, e melhorar a velocidade do Wi-Fi na telefonia fixa, beneficiando cidades turísticas. 

A decisão foi anunciada pelo ministro Ricardo Berzoini, durante audiência nesta quarta-feira (27) com o senador Waldemir Moka (PMDB). O parlamentar foi ao ministério solicitar a melhoria da oferta de internet para a cidade de Bonito, em Mato Grosso do Sul. 

Bonito é um dos destinos mais prestigiados internacionalmente no segmento do ecoturismo, embora sofra com a oferta de acesso à grande rede. Na tecnologia móvel, Bonito ainda vive a era do 2G, o que termina prejudicando o melhor desenvolvimento do turismo local. 

Na audiência com Berzoíni, Moka, acompanhado do prefeito Leonel Brito (Leleco), de Bonito, entregou documento em que explica as necessidades daquele importante destino localizado próximo ao Parque Nacional da Serra da Bodoquena. O senador também pediu solução para outras cidades em Mato Grosso do Sul. 

Segundo o prefeito, apesar da importância que representa ao turismo brasileiro, Bonito sofre desgaste em função do atual serviço de internet. “Temos um dos destinos turísticos mais visitados do país, mas com serviços deficientes na área de telefonia. Mas a reunião solicitada pelo senador Moka encaminhou a solução”, afirmou. 

O ministro garantiu que irá resolver o problema rapidamente. “Vamos trabalhar firme, conversar com as operadoras, tanto da telefonia fixa, para fazer Wi-Fi, quanto da telefonia móvel, para fazer o 3G e o 4G e, quem sabe, levar o 4G mais rápido para Bonito”, declarou o ministro Berzoini. 

Para Moka, a audiência foi positiva porque o ministro sinalizou de forma positiva e objetiva para resolver a questão. “Resta-nos acompanhar o processo anunciado pelo ministro, algo que, uma vez efetivado – e o ministro nos garantiu isto – vai representar um acréscimo importante na qualidade do turismo praticado em Bonito”, destacou.

Comentário

Os juros do cheque especial e do cartão de crédito, duas das modalidades mais caras do mercado, voltaram a subir em abril deste ano, segundo informações divulgadas pelo Banco Central nesta quarta-feira (27).

De acordo com a autoridade monetária, os juros do cheque especial avançaram 5,6 pontos percentuais de março para abril, para 226% ao ano. Com isso, a taxa atingiu o maior patamar desde dezembro de 1995 – quando ficou em 242,2% ao ano – ou seja, em quase 20 anos.

Os juros cobrados pelos bancos nesta linha de crédito tiveram forte aumento nos últimos meses. No fim de 2013, estavam em 148,1% ao ano. O crescimento, portanto, foi de 77,9 pontos percentuais nos últimos 16 meses.

Cartão de crédito
Segundo o BC, os juros do cartão de crédito rotativo, que incidem quando os clientes não pagam a totalidade de sua fatura, atingiram expressivos 347,5% ao ano em abril – a mais alta de todas as modalidades de crédito. Em março, estavam em 345,8% ao ano. O patamar de abril é maior desde o início da série histórica, em março de 2011. O BC tem recomendado que os clientes bancários evitem essa linha de crédito.

'New York Times' e rentabilidade dos bancos brasileiros
Reportagem publicada recentemente pelo jornal norte-americano “The New York Times” diz que os juros praticados em algumas linhas de crédito no Brasil “fariam um agiota americano sentir vergonha”, citando os dos cartões de crédito em mais de 240% ao ano e de 100% cobrados pelos empréstimos bancários.

Economistas avaliam que o consumidor deve tentar evitar ao máximo o uso do cheque especial e do cartão de crédito rotativo por conta das altas taxas cobradas pelas instituições financeiras. Para eles, estas são linhas de crédito para momentos de extrema necessidade e devem ser utilizada por um período reduzido de tempo.

Segundo um levantamento feito pela consultoria Economatica para a BBC Brasil, apesar da desaceleração econômica, a rentabilidade sobre patrimônio dos grandes bancos de capital aberto no Brasil foi de 18,23% em 2014 – mais do que o dobro da rentabilidade dos bancos americanos (7,68%).

Consignado, crédito pessoal e veículos
No caso das operações de crédito pessoal para pessoas físicas (sem contar o consignado), de acordo com o Banco Central, a taxa média cobrada pelos bancos somou 113% ao ano em abril, contra 104,5% ao ano em março. Nesse caso, houve um aumento de 8,8 pontos percentuais. O nível de abril é o maior da série histórica, que começa em março de 2011.

Ainda segundo a autoridade monetária, a taxa média de juros cobrada pelas instituições financeiras nas operações do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) somou 26,9% ao ano em abril, contra 26,8% ao ano em março. É a taxa mais alta desde abril de 2012 (27,5% ao ano). Mesmo assim, essa permanece sendo uma das linhas de crédito com menor taxa de juros do mercado.

Segundo o BC, a taxa média de juros para aquisição de veículos por pessoas físicas, por sua vez, somou 24,6% ao ano em abril, contra 24,7% ao ano em março deste ano. Neste caso, é o menor patamar desde janeiro deste ano (23,9% ao ano).

Comentário

O Ministério da Saúde está preparado para receber e atender aos prefeitos e gestores municipais de todo o Brasil que participarão da “XVIII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios”. Entre as ações previstas, o ministério produz uma cartilha exclusiva para gestores municipais e está montando pontos de atendimento aos gestores sobre temas da gestão pública da Saúde. O ministro Arthur Chioro participa da marcha na quarta-feira, 27, às 17h, na sessão ‘Informes do Governo Federal’.

A ‘Cartilha Para Apresentação de Propostas ao Ministério da Saúde’ será distribuída aos gestores traz informações sobre como os gestores públicos de Saúde devem fazer para buscar recursos públicos do Sistema Único de Saúde (SUS). O documento apresenta os critérios adotados para a celebração de contratos entre os municípios e o Ministério da Saúde; as ações e os programas prioritários do Governo Federal em Saúde; os tipos de recursos, a execução dos repasses, a identificação das despesas; pareceres, análises e especificações técnicas; legislação aplicável; e mostra ainda como constituir processos, apresentar propostas e celebrar convênios. O documento estará disponível impresso no local do evento, no Ministério da Saúde e também no Portal da Saúde, para leitura e download.

Além da cartilha para prefeitos e gestores públicos de saúde, outros materiais bibliográficos de cunho técnico, produzidos pelo Ministério da Saúde, serão disponibilizados de acordo com a área de atendimento.

Ao longo dos quatro dias de evento, equipes técnicas do Ministério da Saúde estarão à disposição dos prefeitos e gestores de saúde pública, entre 9h e 18h, para tirar dúvidas e esclarecer questões sobre os temas mais importantes da pasta na relação interinstitucional. No auditório Emílio Ribas, na sede do Ministério da Saúde (Esplanada dos Ministérios, Bloco G) haverá atendimento sobre Programa Mais Médicos, Programa Nacional de Imunizações (PNI) e Dengue; sobre Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e Unidades Básicas de Saúde (UBS); sobre Assistência Farmacêutica (DAF), Atenção Especializada (DAE) e Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar (MAC); sobre o Fundo Nacional de Saúde (FNS) e sobre o Sistema de Informação sobre Orçamentos Públicos de Saúde (SIOPS).

Equipes técnicas do Ministério da Saúde também estarão em pontos de atendimento no local do evento (Centro Internacional de Convenções do Brasil, no Setor de Clubes Sul, em Brasília), para atender sobre emissão de Cartão SUS e Programa Mais Médicos.

Comentário

Através de uma articulação com o deputado Barbosinha (PSB), o vereador Madson Valente (DEM) anunciou, no final da semana, a implantação da linha de ônibus para atender aos moradores e à população da região da Sétima Linha, na área rural do Município.

“Embora em caráter experimental, essa linha já vem atender parte dos produtores e pessoal da região que tem negócios e compromissos para resolver na cidade”, comentou o vereador. Os ônibus da empresa Medianeira vão circular às segundas e quintas-feiras nesse itinerário.

O vereador democrata agradeceu a atenção do gerente da Medianeira, Marcelo Soccol, que o recebeu juntamente com o deputado Barbosinha para tratar do assunto e a sensibilidade do prefeito Murilo Zauith (PSB) e do diretor da Agetran (Agência de Trânsito), Mito Gebara, em contemplar essa reivindicação.

Comentário

As previsões do mercado financeiro para o comportamento da inflação e do nível de atividade da economia brasileira neste ano nova registraram piora na semana passada.

A estimativa de inflação dos analistas dos bancos para este ano, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, passou de 8,31% para 8,37%. Com isso, registrou a sexta semana consecutiva de aumento. Já a expectativa para o PIB passou de um recuo de 1,2% para uma queda de 1,24%.

Se confirmada, a inflação de 2015 atingirá o maior patamar desde 2003, quando ficou em 9,3%. Para 2016, a previsão dos economistas para o IPCA ficou estável em 5,50% na última semana. Os dados fazem parte do boletim Focus, uma pesquisa conduzida pelo Banco Central com mais de 100 instituições financeiras no período, e divulgada nesta segunda-feira (25).

A expectativa oficial do governo para a inflação deste ano, divulgada no decreto de programação financeira, está em 8,26%. A equipe econômica informou, na ocasião, que está utilizando as previsões do mercado financeiro em seus documentos.

Segundo economistas, a alta do dólar e dos preços administrados (como telefonia, água, energia, combustíveis e tarifas de ônibus, entre outros) pressiona os preços em 2015. Além disso, a inflação de serviços, impulsionada pelos ganhos reais de salários, segue elevada.

Pelo sistema que vigora no Brasil, a meta central para 2015 e 2016 é de 4,5%, mas, com o intervalo de tolerância existente, o IPCA pode oscilar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida. Com isso, a inflação deverá superar o teto do sistema de metas em 2015, algo que não acontece desde 2003.

Produto Interno Bruto
Para o comportamento do PIB neste ano, os economistas do mercado financeiro baixaram sua previsão, na semana passada, para uma retração de 1,24%.  Se confirmado, será o pior resultado em 25 anos, ou seja, desde 1990 – quando foi registrada uma queda de 4,35%. Até então, a estimativa era de um recuo de 1,2%.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz, e serve para medir o comportamento da economia brasileira. Para 2016, o mercado manteve sua previsão de alta do PIB em 1%.

No fim de março, o IBGE informou que a economia brasileira cresceu 0,1% em 2014. Em valores correntes (em reais), a soma das riquezas produzidas no ano passado chegou a R$ 5,52 trilhões, e o PIB per capita (por pessoa) caiu a R$ 27.229. Esse é o pior resultado desde 2009, ano da crise internacional, quando a economia recuou 0,2%.

Taxa de juros
Após o Banco Central ter subido os juros para 13,25% ao ano no fim de abril, o maior patamar em seis anos, o mercado elevou para 13,75% sua previsão para a taxa básica da economia no fim do ano – o que pressupõe alta maior da Selic em 2015. A previsão é de um novo aumento de 0,5 ponto percentual em junho, na próxima reunião do Copom.

A taxa básica de juros é o principal instrumento do BC para tentar conter pressões inflacionárias. Pelo sistema de metas de inflação brasileiro, o BC tem de calibrar os juros para atingir objetivos pré-determinados. As taxas mais altas tendem a reduzir o consumo e o crédito, o que pode contribuir para o controle dos preços.

Câmbio, balança e investimentos
Nesta edição do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2015 permaneceu em R$ 3,20 por dólar. Para o término de 2016, a previsão dos analistas para a taxa de câmbio ficou estável em R$ 3,30 por dólar.

A projeção para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2015 permaneceu inalterada em US$ 3 bilhões de resultado positivo. Para 2016, a previsão de superávit subiu de US$ 9,45 bilhões para US$ 10 bilhões.

Para este ano, a projeção de entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil subiu de US$ 61 bilhões para US$ 65,5 bilhões. Para 2016, a estimativa dos analistas para o aporte permaneceu avançou de US$ 64 bilhões para US$ 65 bilhões.

Comentário

Segunda, 25 Maio 2015 08:58

Site expõe 360 mil boletos de 5 bancos

Uma brecha de segurança em um site brasileiro de envio de cobranças de débitos em aberto expôs mais de 360 mil avisos a clientes de Itaú, HSBC, Cred-System, Banco Pan e LuizaCred. Após receber um desses boletos distribuídos pelo sistema, um desses devedores descobriu a vulnerabilidade.

Esses documentos mostravam o nome e CPF do cliente, CNPJ (no caso de empresas) e os endereços de alguns. Eram acompanhados de débitos com valores a serem pagos.

Por possuir dívida com o Itaú, o analista de sistemas Hélio Pimentel recebeu um e-mail da LocalCred, empresa terceirizada pelo banco para executar cobranças. A mensagem continha um link com o boleto para quitar o débito.

Como a identificação da cobrança de Pimentel estava na URL, bastou mudar a combinação final da sequência para descobrir avisos de outras pessoas.

Para agilizar o processo, o analista criou um programa que extraiu todos os boletos. Foram 361.479: 231.648 de clientes do Itaú, 77.029 dos da Cred-System, 42.648 dos do Banco Pan, 6.545 dos do HSBC e 3.609 dos da LuizaCred. A extração ocorreu em maio.

Terceirização
“Alguém mal intencionado poderia inventar um golpe entrando em contato com estes clientes e simulando acordos”, comentou Pimentel. Depois de identificar a falha, ele comunicou a vulnerabilidade à LocalCred.

A empresa presta serviços para o Itaú e os sistemas de envio são fornecidos a ela por outra companhia, a MCM Solutions. Pimentel localizou boletos de Cred-System, Banco Pan, HSBC e LuizaCred. Essas empresas não são clientes da LocalCred, mas de sua fornecedora.

Outro lado
A MCM diz ser responsável apenas pelo processamento e envio de material, de acordo com a demanda do solicitante. Quem determina os níveis de segurança, o que vai ser visto e como será visto, informa, é a empresa contratante.

Contatados pelo G1, Itaú e Luizacred informaram que o envio dos boletos por esse sistema era “um teste de funcionalidade em que não havia a exposição de dados sigilosos dos clientes”. “As transações realizadas pelos clientes nos diversos canais são monitoradas por equipes internas, com o objetivo de prevenir e identificar qualquer situação de possível fraude”, afirmou o Itaú. Segundo a LocalCred, esse canal de envio foi encerrado.

Já a Cred-System informou que “não autoriza a divulgação dos dados de seus clientes, sem a permissão destes”. Comunicou ainda que pode ainda adotar medidas legais, caso entenda que sejam pertinentes. O Banco Pan se limitou a informar que já não é cliente da LocalCred desde julho de 2014, e o HSBC não respondeu até a publicação deste texto.

Vulnerabilidade corriqueira
Segundo o colunista de segurança digital do G1, Altieres Rohr, a vulnerabilidade é corriqueira, mas não deixa de ser um problema.

Para elevar o nível de segurança, a empresa, diz Rohr, deveria fornecer, além do link da página, um código único para cada um dos clientes acessarem apenas o seu boleto.

Já Pimentel, o pivô da história, diz que chegou a desconfiar de que a LocalCred se tratava de um canal oficial do Itaú. “Cheguei a ficar em dúvida porque a mensagem é agressiva”, disse. Contribuiu para isso ter sido a primeira vez que a empresa entrava em contato. Em outras três vezes, Pimentel negociou com o banco uma fatura de cartão de crédito não paga. Depois do imbróglio, promete: “Pretendo pagar assim que for possível”.

Comentário

O Flamengo teve tarde sofrível do ponto de vista técnico na derrota por 2 a 1 para o Avaí, neste domingo, em Santa Catarina. Apesar de não ter jogado bem, foi prejudicado - no segundo gol do adversário, a bola saiu antes de encontrar o pé direito de Hugo. Imagens curiosas foram tão escassas quanto bom futebol, mas Alecsandro e Armero improvisaram para tentar o gol.

A bola saiu

No lance que definiu o jogo, Anderson Lopes alcançou a bola fora do campo e a colocou na medida para Hugo marcar. Muita reclamação do Fla - com razão -,e Paulo Victor levou amarelo.

Acrobacia I

Alecsandro, no fim do primeiro tempo, executou uma bicicleta bonita plasticamente, mas o caminho da bola acabou não sendo o desejado e não levou perigo para Vagner.

Acrobacia II

Armero estreou mal. Levou a pior no duelo com o rival Nino Paraíba e deu uma canelada na bola. No lance em que chegou mais perto do gol, dominou no peito e emendou voleio estranho.

Beijo sem efeito

Sempre muito pedido pela torcida rubro-negra, Paulinho era a esperança de um time melhor na etapa final. Ganhou até um beijo de Anderson Pico para ter sorte, mas nada fez de relevante.

Comentário

Na estreia do Brasileiro, o Santos já havia sofrido um gol de um ex-jogador, quando o meia Marquinhos anotou para o Avaí em cobrança de falta. Desta vez foi o lateral-direito Apodi, que passou pela Vila Belmiro em 2008, sem grande destaque. 

O jogador da Chapecoense não só fez o gol da vitória dos catarinenses por 1 a 0, como foi a maior preocupação santista durante o duelo do último domingo - um jogo em que os nervos alvinegros estiveram à flor da pele.

Marcelo Fernandes reclamou de falta de fair play e acabou expulso ainda no primeiro tempo. Na etapa final, Robinho não gostou de uma trombada de Vilson e bateu boca com o rival.

A Chapecoense quase abriu o placar ao bater rapidamente uma falta no meio de campo. Apodi saiu na cara de Vladimir e bateu forte, mas o goleiro salvou o Santos.

O lance anterior irritou o técnico Marcelo Fernandes, inconformado com a atitude do árbitro, que permitiu a cobrança rápida mesmo com um jogador do Santos, Valencia, no chão, machucado. A reclamação gerou a expulsão do treinador.

A tarde de herói de Apodi teve seu auge aos 20 minutos do primeiro tempo, quando o lateral, ex-jogador do Santos, fez linda jogada e bateu forte, de esquerda, para fazer o gol da Chape.

O Santos criou poucas chances de gol durante o jogo. Numa delas, Ricardo Oliveira, artilheiro da equipe, recebeu de Robinho em ótimas condições, mas bateu mal, por cima do gol de Danilo.

Robinho não gostou da trombada que tomou do zagueiro Vilson num momento em que o jogo estava paralisado. O atacante foi pra cima do rival e bateu boca. O árbitro não refrescou para ninguém e aplicou um cartão amarelo para cada um dos nervosinhos.

O Santos não fez uma boa partida, e quando teve chance, parou em Danilo. O goleiro do time da casa fez uma defesa espetacular e evitou gol de Robinho no segundo tempo.

Com a desvantagem, o Santos foi para cima da Chapecoense para tentar evitar a perda de sua invencibilidade no Brasileiro. Num lance no final do jogo, Ricardo Oliveira assustou os catarinenses: arriscou de fora da área, forte, mas a bola saiu à esquerda de Danilo.

Comentário

Representantes dos governos do Brasil e da China assinaram nesta terça-feira (19), durante cerimônia em Brasília, 35 acordos de cooperação em oito áreas que envolvem investimentos de US$ 53 bilhões. Só com a Petrobras, foram assinados três atos de cooperação de ao menos US$ 7 bilhões. A presidente Dilma Rousseff e o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, acompanharam o evento, depois de uma reunião entre os dois no Palácio do Planalto.

Li Keqiang chegou ao Brasil nesta segunda (18). Ainda nesta terça, ele se encontrará com os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na quarta (20) e na quinta (21), Keqiang terá compromissos no Rio de Janeiro.

Entre as áreas que serão beneficiadas com os acordos anunciados nesta terça, estão planejamento estratégico, infraestrutura, transporte, agricultura e energia.

Também haverá cooperação entre os países nas áreas de mineração, ciência e tecnologia e comércio.

Petrobras
Entre os acordos, há três com participação da Petrobras, que somam ao menos US$ 7 bilhões, segundo a Presidência da República. Um deles prevê cooperação para financiamento de projetos da estatal no valor de US$ 5 bilhões. O presidente da petroleira, Aldemir Bendine, assinou o acordo com o presidente do Conselho do Banco de Desenvolvimento da China, Hu Huaibang.

Outro acordo, no valor de US$ 2 bilhões, assinado por Bendine e pelo presidente da companhia chinesa Cexim, também prevê acordo de cooperação para financiamento de projetos da companhia brasileira.

O terceiro acordo não teve o valor divulgado. Assinado por Bendine e pelo presidente do Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), Yi Huiman, o ato prevê cooperação para o estabelecimento de “relacionamento a longo prazo” entre as instituições.

Dos 35 acordos entre os dois países, outro de destaque é o ato para cooperação na elaboração de estudos de viabilidade do projeto ferroviário transcontinental, que prevê uma ferrovia ligando o litoral do Brasil ao Peru.

Outros acordos preveem também instalação do complexo metalúrgico do Maranhão; financiamento para a compra de 40 aeronaves da Embraer pela China; cooperação na área de tecnologia nuclear; e criação do polo automotivo de Jacareí (SP).

Além desses, os atos bilaterais assinados entre Brasil e China preveem o treinamento em tecnologia da informação, na China, de bolsistas do programa Ciência Sem Fronteiras; e financiamento de 14 navios de minério de ferro com capacidade para 400 mil toneladas.

Além disso, um acordo prevê cooperação entre o governo do Mato Grosso do Sul, o Banco de Desenvolvimento da China e o Grupo China BBCA sobre o processamento de milho e soja. Outros acordos prevem cooperação científica e “relacionamento de longo prazo” entre a Petrobras e a chinesa ICBC.

Na cerimônia, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, e o ministro da Administração Geral e Supervisão de Qualidade da China, Zhi Shuping, assinaram também protocolo de requisito de saúde e quarentena sobre a exportação da carne bovina do Brasil ao país asiático.

Desta forma, explicou o Ministério da Agricultura, oito frigoríficos de carne bovina brasileiros passarão a exportar carne para o país asiático.

Encontro
Em pronunciamento à imprensa após se reunir com o premiê chinês, Dilma afirmou que os dois países devem “aperfeiçoar” as relações econômicas e buscar “maior harmonia, respeito e benefícios mútuos”. A chefe de Estado brasileira disse ter “certeza” de que Brasil e China “trilham este caminho”.

Em uma fala que durou pouco mais de 15 minutos, a presidente afirmou que, na reunião, ela e Li Keqiang falaram em propor na próxima reunião do G-20 a reforma de instituições financeiras internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial, “que não refletem ainda em sua governança o peso dos países emergentes.”

Dilma enalteceu alguns dos acordos assinados nesta terça e citou o que criará um fundo de US$ 50 bilhões para financiamento de projetos de infraestrutura no Brasil, assinado entre a Caixa Econômica Federal e o Bando Industrial e Comercial da China.

A presidente disse “celebrar” o acordo firmado entre os bancos de Desenvolvimetno e de Comércio da China com a Petrobras para garantir crédito de US$ 10 bilhões.

“E o plano de ação conjunta 2015-2021 que assinei com o primeiro-ministro inaugura uma etapa superior em nosso relacionamento, que está expresso nos acordos, nos múltiplos acordos governamentais e empresariais firmados hoje [terça], em especial nas áreas de investimentos e comércio”, declarou Dilma.

Encontro empresarial
Após as reuniões e cerimônias no Palácio do Planalto, Dilma e Li Keqiang seguiram para o Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores. No local, eles discursaram no evento de encerramento do Encontro Empresarial Brasil-China. Depois, a presidente ofereceu um almoço para a comitiva chinesa.

Dilma fez discurso semelhante ao que havia feito no Planalto, e voltou a defender as relações comerciais entre os dois países. Em sua fala, ela afirmou que os investimentos do país asiático significam  “melhoria” da situação econômica do Brasil.

“Principalmente neste momento de desaceleração da economia internacional, o comércio e os investimentos recíprocos entre Brasil e China podem e vão significar uma melhoria na nossa situação econômica”, afirmou.

Ao dizer que o Brasil quer “consolidar” as relações com a China, a presidente afirmou que é preciso “abrir novas áreas” para ampliar o fluxo comercial,  por meio de investimentos em infraestrutura e nas cadeias produtivas.

Em um discurso que durou cerca de 15 minutos, Dilma afirmou que a ampliação do comércio exigirá “empenho” dos dois países.

“O Brasil precisa dar um salto nos investimentos em infraestrutura e também deve continuar expandido toda a área de commodities. E quero destacar que a ampliação e a diversificação da nossa pauta de exportadora passa pela assinatura do protocolo sanitário que vai permitir a retomada das exportações de carne bovina para a China”, completou.

Comentário

 vereador Silas Zanata (PV) conseguiu viabilizar, na semana passada,  e a retirada de cascalho que vai beneficiar vários bairros de Dourados com o serviço de cascalhamento de ruas. O serviço vai começar pelo Jardim Carisma e se estender pelos bairros Porto Belo, Laranja Doce, Estrela Hori, Vila Nova Esperança, Jardim Pantanal e Caimã segundo Silas Zanata.

Na sexta-feira, Silas foi acompanhar a retirada da matéria-prima para o cascalhamento e comentou que “devido às más condições que se encontram esses bairros, é que o prefeito Murilo autorizou o cascalhamento enquanto aguarda o projeto para o asfaltamento”.

Silas Zanata fez questão de agradecer ao prefeito e sua equipe “por mais esses serviços que vão beneficiar a todos os moradores dessas regiões da cidade”.

Comentário

Página 1298 de 1309
  • unimed nova

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus