Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

Um confronto que vai muito além de Salah x Cristiano Ronaldo. 17 títulos estarão em campo, neste sábado (26), no estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia. O Real Madrid, maior campeão da Europa com 12 conquistas, encara o tradicional Liverpool, que volta a disputar uma final depois de 11 anos e tenta a sexta conquista de Liga dos Campeões.

A decisão deste sábado é a com maior tradição da história. Apenas um duelo entre Real e Milan teria mais taças – os italianos venceram sete vezes e estão em segundo entre os maiores campeões. Os Reds encontraram o time merengue em uma final anteriormente. Foi em 1981, e os ingleses levaram a melhor: vitória por 1 a 0, com gol de Alan Kennedy.

O Real Madrid tem, neste sábado, a sua 16ª presença, e o Liverpool faz a sua oitava final. Considerando o jogo de 37 anos atrás e a deste ano, ambos foram finalistas em 22 das 62 decisões. Isso corresponde a 35% de todas as finais. Ambos perderam apenas duas vezes: os espanhóis caíram para o Benfica, em 1962, e para o próprio Liverpool, em 1981. Os Reds sucumbiram diante da Juventus, em 1985, e do Milan, em 2007.

As atuais gerações das duas equipes jamais se enfrentaram. E Jurgen Klopp destacou que seu time, o Liverpool, precisa acreditar que tem condições de superar o gigante do continente. “Um segundo antes do jogo, o Real Madrid estará mais confiante que a gente. Isso é normal. Mas o jogo não termina nesse segundo, ele só começa”, disse.

Comentário

Os 50 postos de combustíveis sem gasolina e etanol, 15 revendedores autuados pelo Procon por praticar preços fora do combinado e alguns poucos locais ainda com óleo diesel, muito mais por conta da paralisação dos caminhoneiros do que pela procura. Essa é a realidade econômica de Dourados na manhã deste sábado (26), informam dirigentes de postos.

A manifestação dos caminhoneiros entra no sexto dia, e em algumas regiões do País ainda ganhou mais força depois do pronunciamento do presidente Michel Temer e a edição do decreto, no final da noite desta sexta (25), instituindo a garantia da lei e da ordem, como forma que permitirá, inclusive, a requisição dos caminhões parados nas rodovias com cargas imprescindíveis ao abastecimento nacional.

O presidente Temer está reunido, em regime de plantão, nesta manhã, com ministros e assessores, no Palácio do Planalto. O Governo divulgou que 32 dos 519 pontos de manifestação de caminhoneiros foram liberados com o uso das Forças Armadas. Segundo o portal G1, os principais aeroportos do país já estão sem combustível. Alguns caminhões que carregam óleo diesel estão sendo escoltados das refinarias, para evitar confrontos.

Reduzir ICMS

A solução, embora paliativa, mas que poderia contribuir no conjunto de medidas nacionais, seria se os governos estaduais concordassem com a redução dos indicadores do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do produto. Mato Grosso do Sul é um dos mais elevados: 17%, enquanto todos os estados limítrofes aplicam a taxa de 12%.

“Enquanto o Brasil não se conscientizar de que somos importadores, e enfrentar essa realidade, não vai haver solução. O dólar era R$ 3,10 no começo do ano, agora está em R$ 3,65, isso implica muito na hora de comprar o produto para abastecer”, opinou um revendedor de combustíveis.

Comentário

O Hospital Cassems de Campo Grande fará, na terça-feira, 29 de maio, às 9h30, no auditório, o lançamento do projeto Jovem Aprendiz. O projeto conta com a parceria do Tribunal de Justiça Mato Grosso do Sul, Tribunal de Contas do Estado, da Vara da Infância, Juventude e do Idoso de Campo Grande e Senac, e tem como objetivo oferecer uma perspectiva de futuro profissional para adolescentes e jovens entre 15 e 24 anos, que estão em processo de adoção ou que vivem em abrigos destinados a essa modalidade, na capital.

O projeto, de cunho social, contemplará 12 adolescentes, que farão um estágio de 15 meses no Hospital Cassems de Campo Grande, distribuídos nos setores administrativos da unidade hospital e receberão uma bolsa estágio no valor de R$ 500,00. Antes de iniciarem o período de estágio, os 12 adolescentes terão aulas, no Senac, sobre processos administrativos dentro de uma empresa.

Com a primeira fase do projeto em andamento, uma nova etapa para a inserção desses jovens no mercado de trabalho e na sociedade já está sendo discutida e viabilizada. “A nossa intenção é que esses jovens cursem uma faculdade e que, após ingressarem no curso superior que escolherem, eles iniciem uma nova fase dentro do projeto Jovem Aprendiz, passando a ser trainees aqui mesmo no nosso hospital”, ressalta a diretora técnica do Hospital Cassems de Campo Grande, a médica Priscilla Alexandrino.

Para o presidente da Cassems, Ricardo Ayache, essa é uma parceria de grande valor para a sociedade. “Estamos dando oportunidade para adolescentes e jovens que por algum tempo não tinham perspectiva sequer de ter uma família que os orientasse nos caminhos corretos para o crescimento pessoal e profissional. O Jovem Aprendiz é um projeto que certamente irá despertar novos talentos e contribuir para o desenvolvimento desses jovens”, comemora Ayache.

Comentário

Mesmo em meio à tristeza pela perda da mãe, Bruno César de Araújo Loureiro e os irmãos dele não pensaram duas vezes: ao saberem da notícia de que a matriarca da família não mais se restabeleceria decidiram fazer a doação dos órgãos. Muito tranquilo e com um olhar de saudades, o filho conta que a mãe nunca expressou abertamente a vontade de ser doadora, mas sempre foi favorável a essa questão.

“Ela não precisava dizer. Como professora e educadora, minha mãe sempre levantou a bandeira de ajuda ao próximo e estamos muito felizes e orgulhosos de poder ajudar outras pessoas”, afirmou Bruno César.

A equipe de captação e transplante renal da Santa Casa foi acionada e realizou a cirurgia na tarde desta sexta-feira (25): os dois rins serão encaminhados para receptores compatíveis no estado de São Paulo. Os médicos que conduziram a captação dos órgãos, Adriano Lyrio e Waldemar Abe, ressaltaram a importância de gestos como esse. “O que precisamos é que as pessoas tenham a noção de que podem ajudar o próximo. Muitas vidas podem ser salvas por esse gesto altruísta”, explicam.

Para a coordenadora da OPO (Organização de Procura de Órgãos), Ana Paula Silva das Neves, o ano de 2018 tem boas perspectivas de aumento no número de captações. “As pessoas cada vez mais estão se conscientizando da importância da doação de órgãos e é muito importante também que os hospitais tenham sempre a iniciativa de notificar a OPO caso surjam novas oportunidades como o Hospital da Cassems fez”, ressalta.

O Hospital Cassems de Campo Grande realizou a primeira captação de órgãos em novembro de 2017, quando foram encaminhados para transplante rins, córneas e fígado.

Comentário

Mais uma vez a atleta paralímpica Bethânia Ferreira Gomes é motivo de orgulho para o esporte douradense. Durante os Jogos Paralímpicos Universitários de 2018, a acadêmica de Serviço Social na Unigran na modalidade à distância garantiu o primeiro lugar em três modalidades do atletismo, dardo, arremesso de peso e de disco, repetindo assim o resultado de 2017. A competição ocorreu entre 9 e 12 de maio no CT Paralímpico, em São Paulo. O torneio é realizado pela CBDU (Confederação Brasileira do Desporto Universitário) e além do atletismo, os atletas competiram também na natação, bocha, judô, parabadminton, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas e basquete 3x3.

A atleta é um exemplo de superação, pois ingressou no esporte após perder mais de 90% da visão. Depois de meses de uma depressão profunda, começou a correr com a ajuda da treinadora Sandra Arosi, que a estimulou a buscar na prática esportiva um eficaz antídoto para os problemas que vinha enfrentando. O resultado logo de início foi tão positivo que ela em 2016 resolveu criar o Clube Monte Sião, que hoje atende cerca de 20 pessoas com diversos tipos de deficiências, que assim como Bethânia, encontram no esporte um novo sentido na vida.

Resiliência

O destino de alguma forma coloca o entusiasmo e a perseverança de Bethânia à prova de tempo em tempos. Após dois anos de treinos intensos ela havia de fato encontrado um novo caminho e o esporte se tornou a razão de viver, porém, problemas de saúde novamente foram um obstáculo, quando no final de 2017 e começo de 2018, complicações renais, acompanhadas de severa anemia, a fizeram parar de treinar e a ficar quase um mês internada. A paratleta imaginava que este ano não conseguiria competir em nenhum torneio, contudo, em abril, 20 dias antes do início dos Jogos Paralímpicos Universitários, retomou ao treinamento e contrariando até as próprias expectativas, repetiu o pódio conquistado na edição do ano passado.

Bethânia revela que neste momento o fator psicológico foi essencial para superar mais esse empecilho, pois afirma sem titubear que sem a ajuda da terapeuta Lilian Isidoro não teria alcançado este êxito inesperado. Agora que a poeira baixou já está de olho em outras competições, não só as regionais e nacionais, mas também as internacionais, pois há algum tempo, quando assumiu o esporte como nova profissão, passou a ver os Jogos Pan-Americanos e até as Olimpíadas como os olhos da possibilidade.

Conforme a paratleta, ela teria tudo para não progredir tecnicamente nessas modalidades, pois precisa fazer muitas adaptações nos locais de treinamento para desenvolver as habilidades no dardo, e nos arremessos de disco e de peso. “Meu treinador, o sargento Somer, sempre me motiva quando estou sofrendo e as vezes me queixando por treinar em condições não ideais, ele afirma que ‘treino difícil, combate fácil’, e eu tenho acreditado muito nesse ditado, que tem se mostrado real e verdadeiro a cada torneio que participo”, complementou.

Monte Sião

Com os primeiros passos dados em março de 2016 o clube conta com 20 atletas (todos eles portadores de algum tipo de deficiência), que treinam regularmente em diversas modalidades. Sem fins lucrativos, o Monte Sião realiza um trabalho voluntário e custeia suas despesas com doações. Bethânia conta que uma das grandes conquistas foi um automóvel Fiat Doblô, fruto de uma parceria com o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) no passado. O veículo é utilizado para o transporte dos atletas entre as áreas de treinamento.

Como não possui um centro de treinamento próprio, utilizam a infraestrutura esportiva da Unigran, instituição que sempre abriu suas portas para a causa. O Exército também desempenha papel fundamental nesta jornada, pois assim como a Unigran, cede espaço e profissionais para o aprimoramento técnico não só de Bethânia, como dos demais que compõem o grupo.

Como fundadora e presidente do clube, a paratleta conta que após superadas as dificuldades relacionadas ao transporte e também ao espaço para treinamento, agora o clube carece de recursos para bancar suplementos alimentares adequados aos atletas, pois a maior parte deles não tem condições de investir nestes produtos.

Interessados em conhecer mais sobre o trabalho do Monte Sião podem entrar em contato através dos telefones 67 99905-6994 e 67 3038-1447 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Comentário

As contas de luz em junho terão bandeira tarifária vermelha no patamar 2, o maior patamar entre as faixas tarifárias. Com isso, haverá cobrança extra nas contas de luz de R$ 5,00 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. A cobrança da nova bandeira foi anunciada nesta sexta (25) pela Aneel (a Agência Nacional de Energia Elétrica).

De acordo com a Aneel, a decisão foi tomada em razão do fim do período chuvoso e a redução no volume dos reservatórios das usinas hidrelétricas. Com isso, há a necessidade de usar energia produzida pelas usinas termelétricas, que têm maior custo de produção.

"Com o fim do período úmido, os reservatórios do Sul apresentaram redução de volume provocando o aumento do risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto prazo (PLD). Além disso, a previsão de chuvas é baixa quando comparada à média histórica. O GSF e o PLD são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada", disse a agência.

Em maio, vigorou a bandeira tarifária amarela, em que há adicional de R$ 1 na conta de energia do consumidor a cada 100 kWh consumidos. Nos quatro primeiros meses do ano, vigorou a bandeira verde, em que não há cobrança extra na conta de luz. Na terça-feira (22), o presidente da Aneel, Romeu Rufino chegou a afirmar que a tendência era de manutenção da bandeira amarela. Segundo Rufino não houve alterações relevantes nas condições que levaram a agência a adotar a bandeira amarela agora em maio.

Comentário

O presidente Michel Temer assinou decreto determinando o uso das forças federais para liberar as rodovias e reabastecer o país com os produtos retidos nas estradas. O decreto, publicado na noite desta sexta-feira (25), em edição extra do Diário Oficial da União, autoriza o emprego das Forças Armadas no contexto da GLO (a Garantia da Lei e da Ordem) até o dia 4 de junho.

Com isso, os militares darão apoio às forças policiais, como a PM (Polícia Militar), a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e a Força Nacional, na liberação das estradas. Além disso, as Forças Armadas poderão requisitar veículos e levá-los para distribuição dos produtos que carregam, mas isso só será feito se o dono do caminhão – seja a empresa ou o próprio motorista – se negar a seguir viagem.

“A requisição de bens é um item do menu de opções que o governo tem em qualquer circunstância. Na medida que as coisas não voltarem à normalidade, o governo vai usar o instrumento que tem. A requisição é um ato de posse. Requisita, utiliza e devolve. É uma hipótese. Poderá ser utilizada na medida que for necessária”, disse o ministro do GSI (o Gabinete de Segurança Institucional), e ex-comandante do Exército em Dourados, general Sergio Etchegoyen, em entrevista coletiva realizada no Palácio do Planalto, horas antes da edição do decreto.

Além de disponibilizar motoristas para o caso de requisição de veículos, as Forças Armadas também podem escoltar caminhões que transportam produtos essenciais, oferecer ao serviço policial caminhões-tanque e outros veículos necessários para o cumprimento da GLO. A paralisação dos caminhoneiros chegou ao quinto dia nesta sexta-feira. Mesmo após o acordo, várias estradas continuaram obstruídas, ainda que parcialmente, pelos grevistas. De acordo com o governo, no entanto, as interdições reduziram de 938 para cerca de 500, sendo que em nenhuma das restantes houve interrupção total do trânsito.

Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, as informações são passadas pelos postos da PRF espalhados pelo país, conforme divulga a Agência Brasil de notícias.

Comentário

O poeta Emmanuel Marinho lança terça-feira (29), às 19 horas, na livraria Canto das Letras (Av. Weimar Torres,2440 – Centro), o livro ‘Margem de Papel’, obra de autoria dele cuja primeira edição, de 1994, encontrava-se esgotada há muito tempo.

A partir de 2016, a UFGD vem colocando, na lista de leituras recomendadas para os vestibulares, as obras de Emmanuel. No vestibular de 2016 o livro indicado foi ‘Cantos da Terra’, em 2017 ‘Satilírico’ e agora, em 2018, ‘Margem de Papel’ será objeto de questões da prova de Literatura.

Para atender à grande demanda gerada entre essa geração de jovens vestibulandos, professores de cursos preparatórios e colégios de todo o país, o poeta, por meio de sua editora Bazar de Poesia, providenciou a segunda edição, cujas etapas acompanhou pessoalmente – outra marca original de suas obras, que são elaboradas quase artesanalmente e concebidas integralmente pelo autor. Da capa ao tipo de papel, das fontes das letras às disposições das páginas, tudo é trabalho do poeta.

A primorosa segunda edição estará nas livrarias do país, a partir do dia 29 deste mês, ao lado das obras também recomendadas para os vestibulares da UFGD: “A Retirada da Laguna”, de Visconde de Taunay, “ Livro sobre nada”, de Manoel de Barros, “A Volta ao dia em 80 Mundos”, de Júlio Cortázar, e “Vidas secas”, de Graciliano Ramos.

A inclusão da obra do poeta Emmanuel nessa lista de grandes nomes da literatura universal é altamente significativa para um artista do interior de Mato Grosso do Sul e vem coroar de êxito a trajetória de um dos poetas mais aplaudidos e admirados pelo público de inúmeros lugares onde se apresenta, no Brasil e no mundo.

margem de papel

Crítica

Segundo a semioticista e crítica de arte, Rita Pacheco Limberti, Margem de Papel é a obra-símbolo do poeta Emmanuel Marinho. “Autor de uma literatura extremamente engajada, sempre tratou das ironias conjunturais, das assimetrias sociais, das minorias marginais. Sobretudo neste livro, seus poemas são como aqueles escritos que se encontram em margens de papel: não tiveram lugar no corpo do texto, foram suprimidos, calados, mas não puderam deixar de ser ditos. Publicado uma única vez em 1994, seus emblemáticos poemas vararam os anos ecoando nas inúmeras performances e espetáculos do poeta, muitos deles tornados ícones da poesia emmanuelina, como ‘Genocíndio’ (tem pão velho?) e o célebre haikai ‘Poesia não compra sapato’. A primeira edição foi feita praticamente à mão: papel artesanal, páginas multicoloridas, aquela edição possui a marca do tempo do poeta. Esta segunda edição possui a marca do tempo da própria obra: destinada à leitura de milhares de vestibulandos e do grande público, ganha concepção gráfica do talentoso designer Lula Ricardi, que, com um traço bastante contemporâneo, mantém, nas cores, a linguagem artesanal do poeta, enquanto nas formas preserva o traço eloquente de um discurso que já não cabe só na margem do papel".

Veja o prefacio do livro da edição original

A LEITURA DA VOZ
“ escrevo as oralidades “
Manoel de Barros

Emmanuel Marinho é um poeta público. Explico-me: ele não se limita a escrever versos – atividade solitária -, mas, concluída a obra, mostra-a aos homens, recitando-a, representando-a (é excelente ator) nos teatros, nas universidades, nos bares e nos eventos da vida. Isso se reflete, naturalmente, no conteúdo e na forma dos seus versos.

A sua poesia não é uma poesia hermética, voltada para si mesma, porém encara o leitor e convida-o a acompanhar o poeta, compartilhando o seu sonho ou a sua ira:
“mijemos todos
pro lucro da cana
da grana
da gana e dos grãos“

A sua poesia instaura a cumplicidade que sempre existe entre dois interlocutores interessados que dialogam entre si, transformando o leitor em ouvinte. Mas ao afirmar que essa poesia é essencialmente fala, quero chamar atenção não só para a sua oralidade como, principalmente, para a sua atualidade. A sua conversa é sempre urgente, fala de coisas que estão acontecendo e que nós todos estamos vivenciando. É a fala de um poeta participante, que traz a última notícia, aquela que esperávamos e não esperávamos.

Seria errôneo, entretanto, imaginar que Emmanuel Marinho trabalha a palavra enquanto som, unicamente. Pelo contrário: a sua palavra é também pintura, forma desenhada na página. Ler Emmanuel Marinho é a oportunidade de descobrir uma outra dimensão da sua arte, a da palavra-coisa, que pode ser vista e admirada. Neste livro, o poema visual é a outra face do poema oral, assim como a língua guarani (língua sem escrita, apenas falada) é a outra face da elaboradíssima escrita oriental, ambas presentes no livro. O poeta tanto precisa da fala indígena quanto dos ideogramas japoneses para expressar a riqueza e a ebulição do seu mundo poético, que mantém um pé neste lado do mundo e o outro do lado de lá.

Por isso, quem ouviu Emmanuel Marinho agora precisa também lê-lo – só assim terá a dimensão exata do seu talento e da sua mestria como poeta.Emmanuel em pe

O poeta

Emmanuel Marinho nasceu em Dourados-MS. Possui formação acadêmica em Psicologia pela UNIP-SP e pós-graduação em Artes Cênicas pela UFRJ. Compõe poemas, edita-os em livros e os interpreta no teatro e na música. Publicou os livros: "Ópera 3", 1980; "Cantos de Terra", 1982; "Jardim das Violetras", 1983; "Margem de Papel", 1994; "Satilírico", 1995; "Caixa de Poemas", 1997 e "Caixa das Delícias", 2003. Na música, produziu o CD "Teré", 2004 e o CD “Encantares”, 2015. Com seus espetáculos-solo, inspirados em seus poemas, o multiartista excursiona, desde 1994, pelo Brasil, América Latina e Europa, sempre com sucesso de público e da crítica. Suas obras são leitura obrigatória nos vestibulares da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). O poeta Emmanuel é membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras e recebeu vários prêmios pelos trabalhos artísticos realizados.

Comentário

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta sexta-feira (25) que os subsídios concedidos pelo governo à Petrobras para controle dos preços do combustível não serão custeados por aumento de impostos. “Não vai ser por [aumento de] impostos”, garantiu. Segundo ele, R$ 5 bilhões do Orçamento da União serão destinados para este fim.

Para entrar em acordo com os caminhoneiros e encerrar a greve, o governo comprometeu-se a fixar os preços do diesel a cada 30 dias, levando em conta a redução imediata de 10% que também faz parte do acerto. A Petrobras seguirá com a política de reajuste de preços atual e o governo vai pagar à companhia a diferença.

Mesmo em uma situação de ajuste fiscal, Marun defendeu a medida, em entrevista à Globo News. “A Petrobras é um patrimônio do Brasil”, afirmou.

Apesar do acordo firmado quinta (24) à noite, o protesto dos caminhoneiros prosseguiu nesta sexta. Diante da situação, o presidente Michel Temer autorizou o uso das forças federais para retirar os caminhões das estradas.

Perguntado se o governo errou a não prever o início do movimento ou não diagnosticar sua força durante as negociações, Marun diz: “Não admito que governo Temer errou”, e acrescentou: “Agimos em conformidade com a lei e com o Estado de Direito”, conforme reproduziu a Agência Brasil de notícias.

Comentário

Um homem foi preso no começo da tarde desta sexta-feira, com diferentes tipos de vasilhames contendo gasolina, depois de anunciar, em grupos de WhatsApp e nos canais de anúncios no Facebook, que dispunha de 100 litros de gasolina disponível, e estava vendendo a R$ 6,50 o litro, apenas no dinheiro.

Fontes da PM (Polícia Militar) informaram que o homem havia comprado o produto, pelo preço da bomba, nos postos revendedores de combustíveis, no início da manifestação dos caminhoneiros, pelo preço médio de R$ 4,70 o litro, e agora estava revendendo.

O líquido e o atravessador da mercadorias foram apreendidos e encaminhados para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), após trabalho das equipes do SIG (Serviço de Investigações Gerais) da Polícia Civil, em Dourados.

Comentário

Página 1 de 932
  • Unimed 38
  • kikao

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus