Timber by EMSIEN-3 LTD
Redação Douranews

Redação Douranews

O cuidado com o corpo, pele e cabelos tem chamado cada vez mais atenção para um nicho de mercado até então pouco procurado nos últimos anos. A preocupação com a estética é uma situação que não atinge apenas mulheres, mas também grande número de homens tem procurado clínicas para soluções que visam melhorar a aparência e o condicionamento do corpo.

Para formar estes profissionais, a Unigran oferece aos futuros acadêmicos do curso um grupo de professores gabaritados ambientados com a realidade profissional, além do contato direto com o desenvolvimento das habilidades necessárias, sempre por dentro das novidades da indústria cosmética e de equipamentos.

“Nós temos à disposição dos acadêmicos uma clínica-escola de estética, com estágio supervisionado, contribuindo para que o aluno tenha conhecimento do exercício real da profissão”, afirma a professora Cláudia Beloni, coordenadora do curso de Estética e Cosmética na Unigran.

Ainda de acordo com Beloni, os atendimentos prestados são acompanhados por professores supervisores, garantindo qualidade no serviço prestado. “Nossos alunos ainda participam de atividades extracurriculares como ações sociais, em eventos voltados para a estética e bem-estar, salões de pesquisas, congressos e jornadas acadêmicas, sempre visando melhor compreensão dos assuntos relacionados a estética”, finaliza.

Processo Seletivo 2019

Com duração de seis semestres, o curso de Tecnologia em Estética e Cosmética da Unigran é oferecido nos períodos matutino e noturno. Para ingresso em 2019, a Unigran oferece vagas por meio do Vestibular que pode ser agendando no site www.vestibularunigran.com.br, ou ainda com nota do Enem ou como portador de diploma. Contatos pelo telefone (67) 3411-4313 ou (67) 99222-5948 (WhatsApp).

Comentário

O Vaticano se reúne, a partir de quinta-feira (21) até domingo (24), com os representantes das conferências episcopais, da Igreja Católica Romana, de 130 países, para discutir as denúncias de abusos sexuais cometidos por religiosos contra crianças e adolescentes. No encontro, estarão presentes integrantes de grupos de vítimas de abusos.

Durante a celebração pública deste domingo (17), o papa Francisco pediu orações a todos. Segundo ele, todos devem assumir suas responsabilidades diante de “um desafio urgente do nosso tempo”.
De acordo com o Vaticano, o encontro pretende adotar ações concretas e decisões em nome da justiça e verdade. Em recente discurso ao Corpo Diplomático na Santa Sé, o papa ressaltou que "abusos contra menores" constituem um dos piores e mais vis crimes possíveis.

O presidente da Pontifícia Comissão para a Proteção de Menores, cardeal Seán O'Malley, disse que a reunião marcará o momento de desenvolvimento de um caminho claro para a Igreja, baseado em verdade, justiça e maior transparência.

Segundo O’Malley, a conferência "é dirigida principalmente aos bispos", que "têm grande responsabilidade" sobre a questão, mas, ao mesmo tempo, leigos e mulheres "especialistas no campo do abuso darão sua contribuição e ajudarão a entender o que precisa ser feito para garantir transparência e responsabilidade".

Os quatro dias de reuniões serão marcados por temas específicos: deveres e atitudes pessoais dos bispos; a comunidade dos bispos e da sua solidariedade; na terceira etapa, o papa Francisco participa e ao final, uma espécie de balanço do encontro.

Expulsão

No sábado (16), o Vaticano anunciou que a Congregação para a Doutrina da Fé expulsou do sacerdócio o ex-cardeal e arcebispo emérito de Washington (EUA) Theodore McCarrick, de 88 anos.
O religioso foi acusado de abusos sexuais a menores e seminaristas, informou a assessoria de imprensa da Santa Sé, em comunicado.

Comentário

O vereador Juarez de Oliveira (MDB) requereu que a Prefeitura de Dourados realize as benfeitorias necessárias para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Dourados. A solicitação foi encaminhada à prefeita Délia Razuk (PR), ao secretário de Saúde, Wagner Costa, e ao secretário de Governo, Celso Schutz.

De acordo com o vereador, em recente visita a unidade, ele constatou a necessidade da aquisição de materiais, como ventiladores, monitores e aspirador, já que os equipamentos encontrados na UPA são antigos e não recebem manutenção adequada.

“Também é necessária a aquisição de equipamentos essenciais para o atendimento dos pacientes, como bomba de infusão e desfibrilador, que não estão funcionando, com a finalidade de oferecer um atendimento de qualidade e proporcionar o mínimo de conforto e comodidade à comunidade”, ressaltou Juarez.

Diante disso, o vereador solicita empenho das autoridades competentes para que realizem as devidas solicitações, pretendendo melhores condições de atendimento e trabalho dos profissionais de saúde que atuam na unidade. (Da assessoria)

Comentário

O corregedor do Senado Federal, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), vai pedir apoio da Polícia Federal na investigação de eventual fraude na eleição da Mesa Diretora, realizada no início do mês. A medida foi definida durante café da manhã com o presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Sobre o trabalho da corregedoria, na investigação da fraude do dia da eleição, atualizamos as informações e decidimos pedir a Polícia Federal que apoiasse a Polícia Federal Legislativa na perícia das imagens de todos os 81 senadores”, informou o corregedor.

“Falamos com o ministro Sérgio Moro para acompanhar esse trabalho e não permitir exploração política. Não queremos espetacularização do caso”, concluiu Rocha, conforme repercutiu a Agência Brasil de notícias.

O caso

Durante a apuração de votos na eleição do Senado, realizada no dia 2, foi constatado que havia 82 votos na urna – um a mais que o número total de senadores. Além do voto a mais, duas cédulas estavam fora dos envelopes. A votação foi anulada e Alcolumbre foi eleito em um segundo pleito.

Poucos dias depois, o próprio presidente do Senado pediu que o corregedor da Casa apurasse possível fraude na eleição da Mesa Diretora, acrescenta a publicação.

Comentário

Após três anos de lançamento e de receber o Prêmio ABEU (Associação Brasileira das Editoras Universitárias) na categoria Ciências Humanas em 2016, o Dicionário Crítico de Gênero, organizado pelos professores Ana Maria Colling e Losandro Antônio Tedeshi, acaba de ser publicado pela Editora da UFGD em uma nova edição, revista e ampliada.

O dicionário é uma iniciativa apoiada pela UFGD, pelo Laboratório de Estudos de Gênero, História e Interculturalidade (LEGHI), e pela Cátedra/Unesco e agrupa escritores de vários países, comprometidos com a visibilidade e a consolidação dos estudos de gênero e sexualidades. Reúne 162 verbetes em ordem alfabética, conceituando temas como feminicídio e homofobia. Entre pesquisa, análise e formatação, foram gastos quatro anos para a conclusão da primeira versão do trabalho.

Confira aqui a versão online

De acordo com o parecer de Michelle Perrot no início do livro, ele é a expressão da vitalidade e desenvolvimento das pesquisas sobre mulheres e gênero no mundo ibero e latino americano em perspectiva multidisciplinar.

Além de apresentar intelectuais importantes nos estudos que envolvem temas que perpassam os estudos de gênero, a publicação também analisa os conceitos destes intelectuais de maneira crítica, fornecendo análises aprofundadas sob o prisma de gênero.

Sobre os organizadores

Ana Maria Colling é doutora em História e especialista nos estudos de gênero. Atualmente, é professora visitante sênior pela Capes na Universidade Federal da Grande Dourados.

Losandro Antônio Tedeschi é doutor em História e professor da Faculdade de Ciências Humanas e do Programa de Pós-Graduação em História na UFGD. Coordena a Cátedra Unesco “Diversidade Cultural, Gênero e Fronteiras” e o Laboratório de Estudos de Gênero, História e Interculturalidade (Leghi).

Comentário

O vereador Elias Ishy (PT) encaminhou solicitação ao secretário estadual de Infraestrutura, Murilo Zauith, e junto ao Governo Federal, para que sejam realizados estudos de viabilidade para a construção de um túnel ou viaduto na BR 463 ligando a avenida Coronel Ponciano aos residenciais Guaicurus, Dioclécio Artuzi I, II e III, Harrison de Figueiredo I e II, Vival dos Ipês, Esplanada e demais na região.

Os moradores reivindicam há anos essa construção e, devido à implantação e ampliação dos conjuntos habitacionais, o fluxo de pessoas no local vem aumentando consideravelmente. “Por se tratar de uma importante rodovia, principal via de ligação à região sul do país, à fronteira com o Paraguai, à perimetral norte e ao município de Laguna Carapã e, dos riscos iminentes que o cidadão enfrenta naquele trecho, pedimos atenção especial a este pedido”, cita o vereador no documento.

Nos dois anos de mandato (2017 e 2018), Ishy tem reiterado o pedido às administrações públicas (Prefeitura e Estado). Ele lembra, no entanto, que o pedido realizado na atividade parlamentar é bem mais antigo e que vários protestos já foram realizados devido ao perigo de acidentes nesses trechos, inclusive fechando a rodovia.

Mais indicações

Outra solicitação do parlamentar foi o cascalhamento, compactação e recuperação da estrada vicinal que liga a rodovia Guaicurus à antiga Pedreira. Ela tem aproximadamente cinco quilômetros de extensão e é uma rota importante de acesso à reserva indígena de Dourados e as propriedades rurais, inclusive agroecológicas, localizadas no seu entorno.

Além disso, pediu serviços de escoamento e de contenção de erosão no final da rua Mato Grosso, no Jardim Água Boa. Tal solicitação deve-se às diversas reclamações dos moradores quanto ao ambiente insalubre que está se formando no local dado a quantidade de água e lixo orgânico (frutas) que as enxurradas levam e acumulam, tornando-se o ambiente propício para a proliferação de mosquitos da dengue e animais peçonhentos. (Com assessoria)

Comentário

Mais de 23 mil alunos voltam às aulas nesta segunda-feira (18) nas escolas da Reme (Rede Municipal de Ensino) de Dourados, além de 5.507 nos Ceims (Centros de Educação Infantil municipal), conforme levantamento da Secretaria de Educação.

Já as unidades conveniadas, num total de oito, disponibilizaram 1.500 vagas para Educação Infantil, entre rematriculados e novas vagas. Nessas unidades as aulas também reiniciam nesta segunda, informa a Secretaria.

A Central de Matrículas atuou com prazos para o direcionamento dos alunos às unidades de ensino, com base em critérios de designação previamente estabelecidos. Os pais ou responsáveis que por algum motivo não inscreveram os menores para as vagas e ainda querem encaminhá-los para unidades de ensino deverão procurar a Central de Matrículas para verificação dos procedimentos.

Para este ano, a administração municipal ampliou o número de vagas na Educação Infantil, com a operacionalização de novas unidades de Ceims, no Jardim Colibri e no Idelfonso Pedroso, investindo também nas conveniadas. Esse trabalho foi possível por meio de gestão e investimento, ponto priorizado pela prefeita Délia Razuk diante da preocupação em atender essa demanda, tendo em vista, principalmente, as mães que trabalham fora e precisam contar com os locais para deixar os filhos.

O secretário de Educação, Upiran Gonçalves, informou que a Prefeitura já encaminhou a compra de uniformes e kits escolares, cuja previsão de entrega é para o mês de março. Dourados conta com 45 escolas municipais, 38 Centros de Educação Infantil, além do convênio com oito instituições para o Ensino Infantil.

Comentário

O atentado a tiros sofrido pelo empresário José Barreto Pereira, de 38 anos, o ‘Zezinho da Eurotur’, como era conhecido o empresário do ramo de turismo em Dourados, no final da tarde de quarta-feira (13), agora rende disputa pelas redes sociais, de um lado apontando outras possíveis causas para o crime e, de outro, novos registros policiais de quem se sente atingido pelas postagens.

O perfil na rede social de Elaine S. Mascarenhas registrou, no começo da madrugada deste domingo (17), pelo Facebook, a indignação da mulher contra o que postou, no final da noite de sábado (16), outra mulher, que se identificou como Maria Barreto, para quem Elaine – citada na postagem como caixa do posto localizado ao lado da garagem da empresa Eurotur – teria um caso com a vítima há dois anos.

defesa

Elaine procurou a Depac (Delagacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Rua Cuiabá, conforme o boletim 691/2019, registrado às 23h44 deste sábado, para comunicar que é vítima de injúria, calúnia e difamação através da internet. No perfil social, ela confirmou a ocorrência: “Fui citada em um desabafo por uma pessoa, a qual nem conheço”, “agora peço que prove o que está falando”, reagiu.

boletim barreto

Na mensagem da mulher que se apresenta como Maria Barreto, consta que “o Zé Barreto tem caso faz dois anos com essa (...) aí”. De acordo com a postagem, “é por causa dela (Elaine) que a mulher dele apanhava”, referindo-se à esposa do empresário, Valdirene Fiorentino da Silva, de 35 anos – apontada como mentora do crime encomendado ao suposto amante, Pedro Câncio Júnior, de 29, com quem foi presa junto com outras cinco pessoas que teriam sido contratadas para o crime. “Ele mobiliou a casa dela, no Roma I”, bairro da periferia da cidade, aponta Maria Barreto.

ataque

“Eu trabalho e sustento minha vida, sem ajuda de homem nenhum”, defendeu-se Elaine, no perfil do Facebook. “Da minha vida cuido eu, e Deus”, concluiu, dizendo ainda que “a Polícia vai atrás de você agora, querida”.

O caso

Zé Barreto, como é citado na postagem de Maria, sofreu atentado a tiros no final da tarde de quarta-feira quando trafegava pelo Jardim Santo André e foi abordado por dois homens a bordo de uma moto que dispararam vários tiros contra ele. Ele foi atingido no peito e perdeu o controle da caminhonete S10 de cor prata que bateu contra um poste e quase invadiu um estabelecimento comercial no bairro.

De acordo com o delegado regional de Polícia, Lupersio Degerone, contradições apontadas pela mulher de Barreto e a reação dela diante do crime “não era normal”. O delegado disse que Valdirene acabou admitindo o crime dentro da delegacia e apontou com precisão os demais nomes, “executores e intermediários”, descreveu o delegado. Ele citou inclusive que a mulher indicou Pedro Jorge Braga Câncio Junior, de 29 anos [ele mantinha a foto da vítima toda ensanguentada na tela inicial do celular quando foi preso] como mandante do crime. Ele era funcionário de Barreto e amante da mulher dele, segundo as investigações.

Além de Valdirene e Câncio, foram presos, ainda na madrugada de quinta-feira (14), dia seguinte ao crime, David Jhonatan dos Santos, de 29 anos, Paulo Vitor dos Santos, de 32 anos, e Leandro Alves Gonçalves, de 24 anos, que foram responsáveis pela contratação dos executores do atentado, e Charles Barros de Lima Ribeiro, de 21 anos, e João Paulo Alves Cardoso, de 26 anos, os autores dos tiros. Todos os envolvidos tiveram prisão preventiva decretada pela 3ª Vara Criminal de Dourados.

Dinheirama

As autoridades ainda querem saber a origem de meio milhão de reais encontrado na casa do empresário, após buscas realizadas depois que a mulher dele revelou a trama. “O dinheiro com ele – cerca de 63 mil reais, e na casa dele, foi apreendido. Em um primeiro momento a polícia procurou coletar os elementos para esclarecer a tentativa de homicídio”, disse o delegado regional.

“Agora, num segundo momento, faremos o trabalho de identificar a origem desse dinheiro”, informou Degerone na Coletiva de Imprensa da tarde de quinta-feira. Duas armas (uma pistola calibre 9mm e outra 380) foram apreendidas com Barreto, que deverá ser questionado também sobre esses fatos assim que deixar o hospital.

Comentário

Depois de uma semana de articulações dos líderes dos partidos políticos com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foram eleitos por aclamação, em chapas únicas e sem disputas entre as bancadas, os comandos das comissões permanentes. A partir desta semana começam as atividades legislativas.

No Senado, há 15 comissões permanentes. As consideradas mais importantes são a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e a de Relações Exteriores de Defesa Nacional. Pela primeira vez na história do Senado, uma mulher, a senadora Simone Tebet (MDB-MS), vai comandar a CCJ, uma das mais cobiçadas da Casa.

Ao ser eleita, a senadora garantiu que não vai impedir a tramitação de projetos, mesmo os polêmicos. No entanto, de acordo com ela, a palavra final sobre a pauta será do colegiado. A senadora diz que dará prioridade a propostas apresentadas nesta legislatura.

Simonte Tebet disse que matérias que estavam sob a relatoria de senadores que não se reelegeram serão redistribuídas para novos relatores, de acordo com os perfis de cada integrante. Para ela, a CCJ vai ser requisitada para discutir e votar propostas relacionadas às medidas de combate à violência: “Isso está muito claro nos projetos que já chegaram”.

De acordo com a senadora, a CCJ deverá se dedicar às matérias que propõem o endurecimento de penas e tipificação de crimes.

Eficiência

Simone Tebet disse que outro tema relevante que estará na pauta são as propostas oriundas do governo federal e de parlamentares sobre eficiência da máquina pública, como a diminuição do tamanho do Estado, desburocratização de procedimentos e otimização de gastos públicos.

A senadora lembrou que a CCJ terá papel de destaque na análise de propostas como a reforma da Previdência e da Lei Anticrime, ambas encaminhadas pelo governo. Inicialmente, as propostas serão discutidas e votadas pela Câmara e depois pelo Senado.

Para Simone Tebet, a sociedade deve ser ouvida tanto nas questões relacionadas à Previdência, como também nos temas referentes ao combate à criminalidade.

No que depender de Simone Tebet, ela diz que a CCJ terá como meta a imparcialidade e o respeito aos princípios democráticos sem distinção entre parlamentares e partidos políticos. “Oposição e situação vão ter os seus espaços de forma equilibrada”, ressaltou.

A senadora destacou ainda que o regimento interno do Senado será cumprido, inclusive com o rigor para o tempo para cada parlamentar se manifestar e o direito às intervenções. Na quarta-feira (20), às 10 horas, está marcada a próxima reunião da comissão e será apresentado um balanço, englobando cerca de 950 propostas que estão na fila para apreciação.

Polêmicas

Temas polêmicos são frequentes na CCJ. O senador Márcio Bittar (MDB-AC), por exemplo, apresentou uma proposta de emenda à Constituição para reduzir a maioridade penal para os 16 anos, sem exceção. “Eu proponho isso para todos os que têm 16 anos de idade porque não há como diferenciar só os crimes hediondos”, defendeu Bittar.

O senador se refere à PEC 33/2012, do ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que criava o chamado “incidente de desconsideração da inimputabilidade penal” para flexibilizar a lei nos casos em que menores cometem crimes considerados graves. Isso abria a possibilidade para que esses jovens de 16 anos fossem processados e julgados como adultos.

Apesar de ter sido muito debatida na CCJ, com a realização de duas audiências públicas, a apresentação de relatório do ex-senador Ricardo Ferraço (MDB-ES) e de voto contrário do ex-senador Lindbergh Farias (PT-RJ), a proposta não chegou a ser votada na comissão e foi arquivada no final do ano passado.

Simone Tebet disse à Agência Brasil que vai designar o senador Marcelo Castro (MDB-PI) como relator para iniciar o debate. Segundo ela, o esforço será para que a tramitação de propostas na CCJ não “atrapalhe” a discussão em torno do pacote de Moro.

Márcio Bittar [ele começou a carreira como líder estudantil em Mato Grosso do Sul] apresentou também uma outra proposta que divide opiniões, sugerindo o fim do pagamento do auxílio-reclusão para as famílias de segurados pela Previdência Social. O benefício é destinado às famílias de presos de baixa renda.

A PEC 3/2019 foi apresentada por Bittar em um pacote de medidas relacionadas à segurança pública. Segundo ele, a medida em vigor traz gastos excessivos à Previdência, o equivalente a R$ 840 milhões ao ano, conforme dados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Para o senador, é uma injustiça “sustentar pessoas que cometeram delitos, que tiraram vidas” e, por outro lado, não dar assistência aos que perdem o integrante da família, conforme repercute a Agência Brasil.

Comentário

Ninguém acertou as seis dezenas da Mega-Sena, no concurso 2125, sorteado neste sábado (17) e o prêmio acumulou para R$ 32 milhões. Os números sorteados foram: 01, 31, 44, 46, 53 e 58.

Os sorteios da Mega-Sena são realizados duas vezes por semana, às quartas e aos sábados. A aposta mínima na Mega-Sena custa R$ 3,50 e pode ser feita até as 19 horas (de Brasília) do dia do sorteio, em uma das mais 13 mil casas lotéricas do país. Também é possível jogar pela internet, mas para isso é preciso ter mais de 18 anos. Pelo site, a compra mínima de apostas é de R$ 30.

Com uma aposta simples de seis números, a chance de ganhar é de uma em 50.063.860. Quantos mais números apostados, aumentam as chances de ganhar. Entretanto, a aposta com a maior quantidade de números – 15 – custa R$ 17.517,50. Nesse caso, a chance de ganhar é uma em 10.003.

Comentário

Página 1 de 1217
  • mistura
  • unimed

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus