Timber by EMSIEN-3 LTD
  • Refis novo
Sábado, 11 Novembro 2017 07:25

Nova lei vai exigir mais de advogados, juízes, sindicatos e do MPT, diz desembargador Destaque

Escrito por
Desembargador Francisco das Chagas Lima Filho, do TRT, fala ao Douranews sobre reforma trabalhista Desembargador Francisco das Chagas Lima Filho, do TRT, fala ao Douranews sobre reforma trabalhista Douranews/Arquivo

O Brasil inicia neste sábado (11), com a entrada em vigor da reforma trabalhista, o período em que o desembargador Francisco das Chagas Lima Filho, do TRT24 (Tribunal Regional do Trabalho da 24ª. Região) define como de instalação de ‘Um Novo Direito do Trabalho’. Nessa fase, segundo ele, “prestigia-se a autonomia da vontade das partes e a negociação coletiva”.

“Assim, a meu juízo, haverão muitos questionamentos, mas que o trabalho hermenêutico terminará resolvendo num processo de interpretação à luz dos princípios e valores constitucional. A contribuição dos advogado, juízes, sindicatos e do MPT (Ministério Público do Trabalho) será especial na interpretação e aplicação da nova lei”, raciocina o desembargador.

Francisco Lima Filho disse ao Douranews que, entre as mudanças que considera polêmicas, está o fato de que a Justiça do Trabalho passa a ter competência para homologar acordos feitos diretamente entre empregado e empregador, “o que certamente aumentará o número de processos inclusive porque ainda existem muitas dúvidas se a lei nova aplica-se apenas aos novos contratos ou também com relação aos contratos em curso”.

Por isso mesmo, ele diz que a reforma trouxe ganhos e perdas para o trabalhador. “Não se cria emprego com alteração de lei, mas, com investimentos, mas não se pode negar que a lei cria condições para investimentos ao flexibilizar, de certa forma, especialmente criando estímulo para negociação coletiva e direta entre empregado e empregador, o que é um ponto positivo”.

“Vislumbro – observou o desembargador na entrevista - alguns novos conflitos que a Justiça do Trabalho terá que resolver especialmente quanto a aplicação ou não da nova lei aos contratos em curso”. Finalmente a lei tem um ponto “que reputo muito importante: a instituição da representação do trabalhador na empresa para facilitar o diálogo direto entre empregado e trabalhador mantendo, todavia, o sindicato como representante da categoria que continua com legitimado para a negociação coletiva”.

Ao argumento de determinados setores dos movimentos sociais de que a lei fere direitos, o desembargador do TRT entende que “no geral”, a lei é constitucional, “embora tenha alguns dispositivos que podem ser questionados”. Sobre isso, opina que a tarifação da indenização do dano moral tomando por base o salário do trabalhador soa ‘inconstitucional', uma vez que “mede a dignidade humana do trabalhador com base no salário ou no contracheque. Isso não pode ser realmente legitimado”, reforça.

Última modificação em Sexta, 10 Novembro 2017 16:45

Entre em Contato

Editor de conteúdo
Clóvis de Oliveira
Email: clovis@douranews.com.br

Rua Floriano Peixoto, 343
Jardim América – Dourados/MS
CEP 79803-050
Tel.: 67 3422-3014
E-mail: douranews@douranews.com.br

Telefones Úteis

Horários de Vôos | Horários de Ônibus